Carretel do 88mm

Achei esse texto em inglês mas não entendi:

 "Cable reels (those carried on the undercarriage bogies, I guess?) were 'officially' not omited, as they were necessary for AA role of the gun - brackets for the reels were integral parts of the undercarriage. But it was not uncommon to see a gun with some of the reels lacking.
But there were some guns in the closing stage of the war used with the non-standard four wheeled SdAh 204 undercarriage, which had no reel brackets at all - but it was a completely different u/c than the usual SdAh 202."

O Flak 18 8.8cm que está no Conde Linhares é mais simples e talvez não fosse equipado para o tiro em bateria. Pelo menos como aparece na gravura esquemática postada acima. Falta nele, além dos elementares carretéis para os cabos, a caixa de junção da transmissão de dados, situada na extremidade da haste traseira. Alguns modelos do Flak 18 usados pela Wehrmacht também não tinham isso. E o mais curioso é que nem eram usados ainda no papel de arma antitanque. Não cheguei a pesquisar o suficiente para saber o motivo desta diferença.

Abaixo, a diferença entre os dois. Ambos são Flak 18. O bom kit da AFV Club é do tipo que está na primeira foto. Para fazer o 88 brasileiro, tem que modificar essa área, eliminar os carretéis e modificar outras peças.

Página do manual do Flak 18:

O Flak 18 do Conde de Linhares:

O que está no Conde de Linhares (foto) é um AA e tem ops suportes para os carretéis. (na carreta traseira)

Resultado de imagem para acervo Museu Conde de Linhares

Os que estão no Museu dos Pracinhas no Aterro do Flamengo também são AA. 

As carretas estão (ou estavam) guardadas debaixo da escadaria e têm também o suporte dos carretéis. Naturalmente os dois canhões que estão expostos há muito tempo no Monumento devem ter sido "aliviados" de muitos acessórios.

Resultado de imagem para canhões Krupp 88 recebidos pelo Brasil

Uma das diferenças dos Flak 18 e 36 é o tubo. No primeiro é inteiriço, já no segundo é composto de duas seções. E também as carretas de transporte, no primeiro a dianteira é de rodagem simples e no segundo ambas têm rodagem dupla.

Imagem relacionada

Resultado de imagem para canhões Krupp 88 do Brasil

Resultado de imagem para canhões Krupp 88 do Brasil

Lá eles têm também o telêmetro e a diretora de tiro do conjunto.

http://www.1gaaae.eb.mil.br/2016-02-10-19-06-22

do link: "  ... Já nos anos de 1937 e 1938, o Brasil fez uma significativa compra de material para artilharia de campanha e para a artilharia antiaérea na Europa. Junto à Fábrica Fried Krupp de Essen - Alemanha, foram adquiridos 60 canhões antiaéreos calibre 88 mm. Desta cifra, porém, somente 28 foram recebidos, pois os demais foram requisitados pelo governo alemão, em face da proximidade da guerra. Esta compra, também, incluía equipamentos de direção e controle de tiro."

Valls

Já a flak 36 tem diferenças.

Resultado de imagem para flak 36

Resultado de imagem para flak 36

Mas como tudo na vida, as rodas eram intercambiáveis com a flak 18. (notar a diferença no tubo)

Imagem relacionada

Consta que o inicio do uso efetivo antitanque ocorreu durante a invasão da França, quando os Pak 36 se mostraram inúteis contra os blindado franceses e ingleses. Daí montarem eles em Sd.Kfz 8 na função antitanque e antibunkers.

sdkfz 8 flak

Posteriormente, na guerra do deserto foram o terror dos Matildas.

Imagem relacionada

Valls

Como eu disse, não sei o motivo da diferença entre os modelos com e sem as peças extras, mas que a diferença existiu, existiu. Alguns canhões aparentemente foram usados sem a caixa de transmissão de dados. A explicação para isso certamente é simples, mas "devem ter sido "aliviados" de muitos acessórios" é simples demais.

Acho que agora dá para ver bem a diferença.

Com:

Sem:

Usando a terminologia correta, "A flak" refere-se ao fogo antiaéreo, com múltiplos canhões atirando ao mesmo tempo.

"O" Flak 18 é o canhão individual. No masculino.

 

 

O interessante nesses assuntos é utilizar fontes primárias, como ouvi uma vez.

A primeira foto é de uma peça alemã, que não ilustra o assunto em tela. Já a segunda é da peça do Museu Matarazzo, em SP, que tem os ditos acessórios incompletos.

Neste caso, trata-se de canhões antiaéreos utilizados pelo Exército Brasileiro. Conforme o enlace: http://www.1gaaae.eb.mil.br/2016-02-10-19-06-22

Todos os canhões antiaéreos adquiridos pelo Brasil foram do modelo 18 para uso antiaéreo, e vieram completos (os poucos que foram recebidos).

A foto do CPDOC da FGV mostra uma bateria em Natal, cujo canhão tem os carretéis. Uma flak 88 do 1/3° RAAAe ,  estacionada provisóriamente nas dependências do antigo 16° Regimento de Infantaria, atual 16° Batalhão de Infantaria Motorizada, no bairro do Tirol, Natal.

Resultado de imagem para canhões antiaereos do exercito brasileiro

Valls

PS: Interessante a observação gramatical. Até onde sabia, o termo "flak" era a abreviatura de Flugabwherkanone, designando todo tipo de canhão antiaéreo.

Imagine os pilotos dos B-17, bombardeando o Ruhr e virando alvo dos tiros da artilharia antiaérea alemã. Ele diriam "Ei, os Flugabwherkanone hoje estão violentos!" ou "Ei, a flak hoje está violenta!" ?

"O" canhão Flak 18. (Ou "O" Pak 43) Específico, individual, masculino. Não se diz "A canhão".

"A" flak. Genérica, coletivo, feminino.

Os desenhos de perfil (também os tenho de frente, de cima, etc.) mostram uma variante sem as peças que citei. Não é tão difícil assim reparar nisso, mas posso desenhar setas maiores, caso necessário.

Incluir Resposta

Curtidas (0)
×
×
×
×