Chegaram os Russos - Tu-160M2: Mais avançado que qualquer outro que o Pentágono tenha em seu arsenal

A Rússia intensifica sua defesa do Ártico construindo uma serie de veículos militares todo-o-terreno. O analista militar Igor Korotchenko disse em entrevista que isso pode ser classificado como uma resposta às atividades da OTAN na região.

Nos últimos anos, a Rússia está desbravando ativamente seus territórios do Norte. Os projetos mais importantes são a extração de recursos minerais e o desenvolvimento da Passagem do Nordeste (rota marítima da região) que se tornará em uma alternativa às rotas tradicionais da Europa para a Ásia. Abaixo  TM-140 TM-140A

Tendo em conta o interesse crescente da OTAN pela região, a Rússia decidiu reforçar suas posições no Ártico, incluindo sua presença militar.  Desde o ano de 2014, o Estado-Maior General da Rússia está formando um agrupamento militar e desenvolvendo a infraestrutura na região.

Tudo isso pode ser considerado como uma resposta às atividades da OTAN na região do Ártico, acredita o redator chefe do jornal Defesa Nacional e analista militar Igor Korotchenko. Abaixo DT-30 Vityaz Articulated Tracked Vehicle

“Considerando que nos últimos anos a OTAN tem entrado na região do Ártico, criando lá uma infraestrutura militar, a Rússia tem que reagir.  Nossas medidas têm caráter defensivo, elas são assimétricas, não exigem grandes despesas, quando comparadas com as da OTAN. O Ártico é a fonte mais importante de recursos de gás e petróleo, é por isso seu apetite pelo setor do Ártico russo está crescendo.

A infraestrutura necessária e o equipamento militar são criados para sua defesa. Considerando as particularidades da região, nomeadamente as temperaturas extremamente baixas, foi criado um novo tipo de veículos militares com base nos quais podem ser instalados sistemas de armamentos para as brigadas e guarnições militares árticas que agora estão sendo formadas pela Rússia nas áreas dos arquipélagos principais do Oceano Ártico”, disse Korotchenko à radio Sputnik.

Segundo o mesmo, a prática das últimas décadas mostra que a fraqueza provoca agressão por parte dos EUA e de outros países da OTAN. Abaixo o TTM-4902PS-10, Russian Burlak ATV 00  e outros.

A Rússia está construindo ou reconstruindo 10 campos de aviação no Ártico, informou o Ministério da Defesa russo.

O país visa desta forma assegurar a segurança militar na região. A Agência Federal de Construção Especial (Spetsstroi) está atualmente desenvolvendo a infraestrutura, que inclui bases militares, guarnições e instalações no Extremo Norte, Extremo Oriente e Sibéria para 20 mil militares, suas famílias e civis que trabalham para o Ministério da Defesa russo

Soldado russo na ilha de Kotelny, no Ártico
 
Um representante do ministério declarou a jornalistas que, em 2016, mais de 100 mil toneladas métricas de recursos materiais serão transportadas para instalações militares localizadas em locais remotos. Estes recursos serão usados por mais de 150 unidades, inclusive ilhas e bases militares.
 

Além disso, as reservas militares no nordeste receberão mais de 190 mil toneladas métricas de materiais inertes e de construção, tais como lajes para aeródromos, cimento, metal, tubos e componentes elétricos.

O mesmo representante informou que os meses de verão são os mais convenientes para tais trabalhos e que a Rússia está aproveitando as condições de tempo favoráveis. Abaixo Bases Aéreas Russas no Ártico

 
 
Em particular, o país está construindo ou reconstruindo ou seguintes campos: Severomorsk-1, na Terra de Alexandra, Rogachevo na região de Arkhangelsk, Tiksi, na região de Yakútia, e as bases Temp, na ilha Kotelny. Abaixo, porto de Severomorsk.
 

Os trabalhos, inclusive de reconstrução, também estão sendo realizados nos campos de aviação Severomorsk-3 na região de Murmansk, Naryan-Mar no distrito autônomo de Nenets, Vorkuta na República Komi, Alykel na região de Krasnoyarsk e Anadyr na Chukotka. Abaixo campo de aviação Severomorsk-3

Como o país que possui o maior território no Ártico, a Rússia está interessada na sua presença militar na região: o seu comando estratégico na zona do Ártico foi criado em 2014 com o objetivo de coordenar as ações do Ministério da Defesa nestes territórios. 

Soldados russos no Ártico
 
Quatro campos de aviação no Ártico atualmente já estão operacionais. Além de construir aeródromos novos, o país também acaba de reconstruir uma série de estruturas portuárias que haviam sido abandonadas nos anos 1990, após a dissolução da União Soviética.

Cabe notar que o programa de renovação da rede de defesa militar russa no Ártico continuará em vigor até 2020.

Um dos aviões designados para transporte de tropas e equipamentos é o An-74 foi inicialmente um upgrade da aeronave de teste An-72, destinada a ser utilizada no Ártico e Antártica ; e tinha a designação An-72A "Arctic"

O principal objetivo da aeronave é entregar a carga, o equipamento e pessoal em rotas de curto e médio alcance em quaisquer condições climáticas que variam de -60 ° C a +45 ° C e em qualquer latitude, incluindo o Pólo Norte , e altitudes elevadas. Ele pode operar de e para pistas de baixo grau, tais como concreto, seixo, gelo e neve aeródromos.

Severomorsk,  Base da Aviação Naval da Frota do Norte da Marinha Russa. A Porta de entrada para o Ártico.

O processo de construção

O aeroporto militar na região de Murmansk, localizado a 4 km ao sul de Severomorsk. O principal aeroporto de bases da aviação naval da Frota do Norte da Marinha russa (coordenadas 69°04′N 33°25′E, possui Pista com o comprimento de 3,5 km e uma largura de 60 m, que está em reformas para aumentar sua capacidade

Até 1951, o nome era Vaenga-1. O aeródromo foi construído antes da Segunda Guerra Mundial. Mais de aeródromo em tempo de guerra era conhecido entre pessoal de voo técnico como o grande aeroporto.

Quando concluído, será capaz de tomar aeronaves da aviação estratégica. Assim, Severomorsk-1 será o aeródromo mas setentrional para a aviação estratégica russa.

O projeto prevê a reconstrução da pista existente para aumentar o seu comprimento até 3,5 mil metros, o que irá aceitar todos os tipos de aeronaves, incluindo aviões de longo curso IL-96 portadores de mísseis estratégicos Tu-160 e Tu-22M3 aeronaves de longo alcance anti-submarina Tu zona marítima -142. Abaixo Tu-142MK de Severomorsk-1

Tu-142MK de Severomorsk-1

No primeiro complexo start-up inclui: a pista (3.500 × 60 m), taxiways, aviões espaço de estacionamento, sistema de águas pluviais-drenagem e estações de tratamento de águas residuais.

No entanto, a reconstrução da pista Severomorsk-1 continua, a empresa Spetsstroevtsam irá executar a construção do segundo e terceiros complexos de partida.

Em continuação dos trabalhos da nova infra-estrutura será construída Centro de Controle da Missão - novos edifícios e instalações, proporcionando controle operacional, equipado com linhas modernas de comunicação e poder. aeroporto reconstruído será equipado com meios de marcação de luz e rádio-técnico moderno. Abaixo aeródromo antes da reconstrução Severomorsk-1

O aeródromo antes da reconstrução Severomorsk-1

Em 2014, bem antes do início previsto para a instalação de iluminação (SSO) no aeródromo Severomorsk-1 na região de Murmansk.

Na aviação naval da Frota do Norte, o sistema da mais alta terceira classe (JVI-3) aeroporto "Severomorsk-1" montado principalmente. Isto é devido ao fato de que o aeroporto está localizado em uma zona de tempo e do clima complexo - do Círculo Ártico na costa do Mar de Barents. Na pista deve ser instalado e configurado cerca de mil luzes diferentes. De alta intensidade, o sistema de sinal de luz melhora a segurança, reduz a dependência de condições climáticas adversas e geralmente aumenta a classe aeródromo.

Desde pouso ocorreu em condições climáticas difíceis no Severomorsk-1

Para além da MTR no aeroporto será instalado engenharia de rádio e equipamento meteorológico. Além disso, a força da empresa é construído uma estrada e vedação em torno do perímetro.

Diretor russo Alexander Spetsstroy - "Agora, este aeroporto está quase pronto, resta estabelecer equipamento de rádio." O projeto inclui a reconstrução de seis taxiways, construção e reconstrução de espaços de grupo e estacionamento individual para aviões IL-38 e AN-24 e MI-helicóptero 8 e Ka-27.  Abaixo antes de reconstrução

O processo de construção

O período mais ativo de construção no local envolveu cerca de 230 pessoas e 60 unidades de equipamentos especiais. O processo de construção

O processo de construção

Como o chefe da Aviação Naval e herói da Marinha russa Major-General Igor Kozhin, "o fortalecimento e desenvolvimento da aviação naval da Marinha será pela modernização e renovação da frota." "Este ano pretendemos treinar homens para aeronaves naval MiG-29K. Como resultado, temos mais de 20 aviões MiG-29K. que será a base para a formação de uma nova unidade de aviação militar na Frota do Norte ", - disse o major-general Igor Kozhin.

MiG-29K

MiG-29K

MiG-29KUB

MiG-29KUB

MiG-29K

MiG-29K

MiG-29K

MiG-29K

MiG-29K

MiG-29K

Além disso, a Base continuará a receber uma parte das aeronaves baseadas no IL-38 com um novo conjunto anti-submarino a bordo.

IL-38 Severomorsk-3

IL-38 Severomorsk-3

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

Ele também irá levar uma modernização ativa dos helicópteros anti-submarinos existentes e bem comprovadas Ka-27PL. Máquinas receberá um novo conjunto de anti-submarino e aviônicos.

"É necessário enfatizar o seguinte fato - nós começamos a receber os hidroaviões de resgate da aviação naval Be-200", - disse o major-general Igor Kozhin.

Falando sobre o desenvolvimento da aviação naval à base de infra-estrutura, disse ele, que será colocado em operação aeródromos Severomorsk-1 (Northern Fleet) e o aeroporto "Chkalov" em Kaliningrado. Abaixo pista de treinamento para decolagens em porta aviões sem catapulta.

Major-General Igor Kozhin também disse que a placa total na Marinha Aviação Naval no ano passado ascendeu a mais de 25.000 horas. Como resultado, a organização proposital ativa de treinamento de combate foi alcançado um aumento considerável em horas de voo no tripulação. Este valor é mais do que 80 horas. Em 2014 ele conseguiu produzir cerca de 300 equipes de combate prontas. Destes, mais de 250 - para executar tarefas à noite. Atualmente 859 tripulantes treinam no Centro de implantação e reciclagem de pessoal em Yeisk, onde foram treinados novamente para outros tipos de aeronaves mais de 30 pilotos da aviação naval.

Il-20RT Yeisk

Il-20RT na Base aerea de Yeisk

IL-38 Yeisk

IL-38 na Base aerea de Yeisk

IL-38 Yeisk

IL-38 na Base aerea de Yeisk

Su-33 Yeisk

Su-33 na Base aerea de Yeisk

MiG-29K Yeisk

MiG-29K  na Base aerea de Yeisk

MiG-29K Yeisk

MiG-29K na Base aerea de Yeisk

Aviação da Frota do Norte, que é baseado no aeroporto Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

Um pouco de história - Il-38 e Be-12 Severomorsk-1

Um pouco de história - Il-38 e Be-12 Severomorsk-1 (fotos)

An-12PS Severomorsk-1

An-12PS Severomorsk-1

An-26, 1-Severomorsk

An-26, 1-Severomorsk

An-12PS Severomorsk-1

An-12PS Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-38 Severomorsk-1

IL-22, 1-Severomorsk

IL-22, 1-Severomorsk

An-26, 1-Severomorsk

An-26, Severomorsk-1

Il-20RT Severomorsk-1

Il-20RT Severomorsk-1

Il-20RT Severomorsk-3

Il-20RT Severomorsk-1

Il-20RT renovado

Il-20RT renovado

Il-20RT renovado

Il-20RT renovado

Il-20RT / 22 depois de reparação

Il-20RT / 22 depois de reparação

Seja-12 Severomorsk-1

Be-12 Severomorsk-1

Seja-12 Severomorsk-3

Be-12 Severomorsk-1

No momento da construção do aeroporto, aviação da Frota do Norte foi transferido para a vizinha Severomorsk-3 (maio de 2013) Coordenadas 68°52′0″N 033°43′0″E .

 

Severomorsk-3 também referida como Malyavr ou Murmansk Nordeste é uma base aérea naval em Murmansk Oblast , Rússia localizado 28 km a leste de Murmansk

Severomorsk-3, na véspera do Dia da Frota Aérea de 18 de agosto

O comandante da aviação naval da Frota do Norte após o voo

Acima, comandante da aviação naval da Frota do Norte após o voo

Su-33

Su-33

SU-25 UTG [ataque de treinamento)

SU-25 UTG (ataque de treinamento)

Seja-12

Be-12 "Chaika" (acima)

Abaixo Su-33

O Beriev Be-12 Chayka ( "Gaivota") avião anfíbio projetado para anti- submarino e marítimas patrulha funções.

O Ministério da Defesa da Rússia publicou em sua página na Internet um relatório sobre o equipamento militar que recentemente entrou serviço nas Forças Armadas russas. Em 2015, o Exército do país passou por uma modernização nunca vista antes em sua história moderna.

 

Bombardeiro estratégico Tu-160
 
O Exército russo recebeu 1.172 novos tanques, incluindo o de ponta T-14 Armata, 250 aeronaves, incluindo dois porta-mísseis estratégicos Tu-95MS e três bombardeiros estratégicos Tu-160. Bombardeiro russo Tu-160 receberá novo sistema de controle de armas.

 

Seis regimentos de mísseis equipados com o sistema Yars foram colocados em serviço com as Forças de Mísseis Estratégicos da Rússia. 95% dos sistemas de mísseis russos estão em estado operacional.

As forças estratégicas navais também tiveram as suas capacidades militares reforçadas ao receberem os submarinos de propulsão nuclear Alexander Nevsky e Vladimir Monomakh.

 

As Forças Aeroespaciais da Rússia utilizaram na Síria, pela primeira desde o anúncio da retirada de parte do contingente, seis bombardeiros estratégicos Tu-22M3 para enfrentar as guerrilhas do Estado islâmico (EI).

“Em 12 de julho, seis bombardeiros de longo alcance Tu-22M3, que decolaram de um aeroporto no território russo, realizaram um ataque concentrado com munição de alto poder explosivo contra as posições do grupo terrorista Estado Islâmico em uma área ao leste de Palmira, as-Suhnah e Arak”, divulgou, em nota, o Ministério da Defesa russo.

Em virtude do ataque, foram destruídos um dos principais campos dos extremistas e três armazéns com armas e munições. Ainda segundo a pasta da Defesa, a operação teria atingido também 3 tanques, 4 veículos de combate de infantaria e 8 blindados.

Fonte: YouTube/Ministério da Defesa da Rússia

Operação retomada

De acordo com o observador militar do “Izvéstia”, Dmítri Safonov, a situação na área de Palmira havia saído do controle do Exército sírio. “As tropas sofreram uma série de derrotas, e os guerrilheiros do EI haviam passado a um ataque em grande escala. Por isso era necessária uma maior participação das Forças Armadas russas”, afirma.

Além de estabilizar a situação, os ataques russos permitiram ao Exército local iniciar uma ofensiva. “Havíamos destruído a infraestrutura principal do Estado Islâmico e privado os guerrilheiros de realizar manobras. Porém, mais tarde, a Rússia retirou parte de sua aviação e reduziu a intensidade dos ataques contra os terroristas. Isso permitiu que eles se reagrupassem e retomassem a iniciativa”, explica Safonov.

Após os últimos fracassos de tropas do governo sírio, as Forças Aeroespaciais russas deverão aumentar o número de ataques aéreos, prevê o especialista. “Sobretudo, continuarão conduzindo ataques da aviação estratégica a partir do território russo.  Mas Moscou não vai ordenar o regresso do agrupamento principal à Síria.” Abaixo aeródromo da cidade de Mozdok.

Segundo uma fonte da Gazeta Russa no Ministério da Defesa, durante a recente operação, cada um dos Tu-22M3 transportava oito toneladas de ogivas. O ataque foi realizado a partir do aeródromo da cidade de Mozdok, a 1.725 quilômetros ao sul de Moscou, e a rota das aeronaves atravessou o mar Cáspio, o Irã e o Iraque.

 

A primeira vez que foram utilizadas tropas da aviação de longo alcance da Rússia foi em meados de novembro passado, quando os órgãos de aplicação da lei divulgaram a informação de que militantes do EI estariam envolvidos no abate do Airbus A321.

Vingança ou missão

Mais cedo, alguns meios de comunicação haviam relatado que os ataques da aviação de longo alcance seriam uma vingança pela morte de pilotos russos perto de Palmira.

No último dia 8 de julho, durante uma operação militar nesta região, alguns militantes do Estado Islâmico conseguiram romper a defesa do Exército sírio e começaram a avançar rumo à parte histórica da cidade.

Após serem informados do ataque, helicópteros russos que sobrevoavam a província de Homs seguiram para o local e conseguiram brecar o avanço dos extremistas. No entanto, durante o combate, soldados Estado islâmico derrubaram um helicóptero Mi-35 (a versão de exportação do Mi-24), causando a morte dos dois tripulantes.

O porta-voz do Kremlin, Dmítri Peskov, garantiu, por outro lado, que o ataque da aviação de longo alcance já estava previsto pelo Ministério da Defesa. “Todos esses ataques [com Tu-22M3] estão sendo realizados no âmbito da operação em curso das tropas aeroespaciais da Rússia”, disse Peskov, em entrevista à agência Interfax.

Segundo Safonov, que não confirmou a versão, os militares não tinham a intenção de se vigar, mas sim resolver missões globais. “A missão de hoje era permitir que o Exército sírio continuasse sua operação militar na sequência dos prejuízos sofridos”, arremata.

Os exercícios militares Sea Breeze 2016, que envolvem navios de guerra norte-americanos e de outros países, têm início hoje na região noroeste do mar Negro.

Segundo o comando da Marinha da Ucrânia, os exercícios do ano corrente “expandem significativamente a geografia dos locais e áreas de realização” dos exercícios.

No mar operam mais de 25 navios, lanchas e embarcações de apoio da Ucrânia, EUA, Turquia e Romênia. Além da componente de aviação, a componente terrestre da força-tarefa multinacional será mais extensa do que em anos anteriores”, declarou o primeiro vice-comandante da Marinha ucraniana Roman Gladki.

Exercícios da OTAN no Mar Negro

Fuzileiros navais e forças especiais da Ucrânia, EUA, Moldávia e Geórgia vão participar em “operações de estabilização em zona de crise regional se baseando em padrões da OTAN”.
 
Durante os exercícios, que vão durar até 30 de Julho, estão agendadas tarefas navais de combate e desembarque aéreo, ultrapassagem de cursos de água com a ajuda de unidades de engenheiros, ações específicas para garantir a segurança no setor marítimo e cobertura aérea de áreas de pouso. Da parte da Ucrânia nas manobras participa a fragata "Hetman Sahaidachny" (abaixo) e o rebocador "Koretz".

 

Nos exercícios Sea Breeze do ano passado participaram 2.500 militares: cerca de mil eram da Ucrânia (nove navios, oito aviões e helicópteros, 50 veículos com rodas). As forças norte-americanas foram representados por cinco navios, dois submarinos, oito aviões e helicópteros e 40 veículos com rodas). Abaixo  Sh-60j Seahawk Flys By Uss Vicksburg.

Na reunião do Conselho OTAN-Rússia a Rússia advertiu que as ações militares da aliança na região do mar Negro podem ter consequências negativas, informou o representante permanente da Rússia junto à OTAN, Aleksandr Grushko.

"Discutíamos essa questão, falávamos sobre o mar Negro. Dissemos que, na nossa opinião, qualquer reforço das ações militares dos países-membros da OTAN na região do mar Negro desestabiliza a situação e não contribui para a segurança na região", comunicou Grusko aos jornalistas.

Antes, a OTAN e a Ucrânia, numa declaração conjunta após a cúpula da aliança em Varsóvia, expressaram sua preocupação com os planos da Rússia de aumentar a presença militar na região do mar Negro.

As autoridades turcas prenderam dois pilotos acusados de derrubar um avião Su-24 russo no final do ano passado, segundo informou uma fonte anônima à Bloomberg.

 

Um dos pilotos teria participado da tentativa frustrada de golpe militar no último final de semana, conforme já havia sido confirmado pelo prefeito de Ancara, Ibrahim Melih Gorcek. Não há informação sobre o possível envolvimento do outro suspeito no golpe.

 

Em 24 de novembro, um jato das Forças Aeroespaciais da Rússia foi derrubado por um caça turco, em espaço aéreo sírio, quando participava de uma operação contra terroristas na Síria. O incidente provocou forte tensão entre os dois países, com trocas de acusações e rompimento de parcerias. Só no mês passado o presidente turco, Erdogan, se desculpou pela tragédia, que teve como consequência a morte de um dos militares russos a bordo.

Em carta endereçada ao líder russo, Vladimir Putin, na ocasião, Erdogan confirmou a abertura de um processo contra um suspeito de envolvimento na derrubada do Su-24.

Por falar em Turquia, pelo menos 42 helicópteros desapareceram do inventário militar da Turquia após a tentativa de golpe militar da última sexta-feira.

Como se some com tantos aparelhos assim

Pelo menos 14 navios da Marinha turca não voltaram para suas bases navais depois do golpe fracassado, relata o The Times.

Segundo o jornal, na sexta-feira os navios estavam de plantão nos mares Negro e Egeu. Supõe-se que possam ter sido desviados para portos gregos por forças afetas ao golpe.

Como? Onde estão?

As empresas de defesa russas estão desenvolvendo, para a proteção das águas territoriais da Rússia no Ártico, um sistema de sonar que será capaz de detectar navios e submarinos a uma distância de centenas de quilômetros, cita o jornal Izvestia um representante do Ministério da Defesa.

 

“O sistema deve estar pronto no ano que vem e, após de ser aprovado pelo Ministério da Defesa, será implementado”, cita a edição as palavras de seu interlocutor. Segundo ele, um sistema completo será capaz de cobrir uma área de centenas de quilômetros. 

Segundo o jornal, o sistema da defesa marítima é desenvolvido pelo consórcio de defesa aeroespacial Almaz-Antey junto com dezenas de outras empresas do setor militar russo.

 

“A tarefa é bastante complicada. É necessário criar três circuitos: marítimo, espacial e terrestre. [O circuito] marítimo – boias de sonar e sensores submarinos, que transmitem a informação a satélites do circuito espacial. O circuito terrestre é de gestão e analisará a informação recebida e mostrada a usuários”, explica o representante do Ministério da Defesa.

Abaixo o submarino nuclear K-186 "Omsk"

Designado como Oscar II pela NATO, a K-266 é um dos dez submarinos desta classe, feitos expecificamente para trabalharem nas condições do artico.

  • K-148 - Krasnodar
  • K-119 - Voronezh
  • K-410 - Smolensk
  • K-266 - Oryol
  • K-186 - Omsk
  • K-132 - Belgorod
  • K-172 - Chelyabinsk
  • K-442 - Tomsk
  • K-456 - Kasatka

e claro:

  • K-141 - Kursk

Seis bombardeiros estratégicos russos Tu-22M3 atacaram alvos do Daesh (organização proibida na Rússia) na Síria, verificados pela inteligência síria, informou nesta quinta-feira (21) o Ministério da Defesa russo.

 

Um bombardeiro estratégico Tu-22, da Força Aeroespacial da Rússia, durante a operação na Síria
 
“Em 21 de julho às 05h00 [de Moscou, 23h00 em Brasília do dia 20 de julho] seis bombardeiros de longo alcance Tu-22M3 realizaram mais um ataque regular preciso contra novos alvos do Daesh, detectados pela inteligência ao leste de Palmira, assim como na área das cidades de Suhnah, Arak, At Tawbah na província de Homs. Os alvos incluíram postos de comando, concentrações de tropas e material bélico dos militantes”, diz-se no comunicado. Abaixo vídeo do ataque aéreo realizado

 

Sublinha-se que, de acordo com os dados do controle objetivo, na sequência do ataque foram destruídos dois postos de comando dos terroristas, tropas e material bélico escondido do Daesh.

“O apoio de caças dos bombardeiros estratégicos foi efetuado por caças Su-35 da base aérea de Hmeymim”, sublinha-se no comunicado.  Após a operação, os aviões regressaram aos seus aeródromos com sucesso.

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, declarou que a Aliança vai instalar batalhões nos Estados Bálticos e na Polônia em 2017.

 

O secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg com oficiais e funcionários militares em frente de um drone da OTAN sem nome, perto do Estádio Nacional PGE, o lugar da realização da cimeira da Aliança Atlântica na Varsóvia [Polônia). 8 de julho, 2016
 
"A nossa presença vai começar no próximo ano", disse ele a repórteres, ao participar da reunião de cúpula da Aliança do Norte, em Varsóvia.

"Decidimos expandir a nossa presença militar na parte oriental da OTAN, implantando quatro batalhões na região", acrescentou Stoltenberg.

Ele enfatizou que as tropas serão implantados numa base rotativa. O secretário-geral também disse que os soldados na Letônia serão enviados pelo Canadá, da Lituânia pela Alemanha, da Estônia pela Grã-Bretanha, e os Estados Unidos enviarão militares para a Polônia.

O líder da organização afirmou também que o sistema de defesa antimísseis a ser instalado na Europa está em fase inicial de ativação. 

Desarmamento pós-Guerra Fria levou ao abandono de inúmeras instalações nucleares. As fotografias a seguir mostram ruínas de lugares que, até três décadas atrás, ostentavam a mais avançada tecnologia militar.

 

 
Base de reparação de equipamento militar abandonada em Ussuriisk, no Extremo Oriente russo, a mais de 7.000 km de Moscou. Foi uma das três bases que, durante a União Soviética, se ocupava de consertar e modernizar tanques.

 

Durante a URSS, esta base recebeu vários prêmios do governo. Em 2009, o Estado decidiu transformá-la em uma sociedade anônima e, poucos meses depois, a empresa decretou falência.

 

Na região existem tanques antigos dos anos 1970, bem como veículos de combate relativamente novos trazidos das ilhas Curilas.

 

Veículos blindados definham ali há anos e seu destino é incerto. É apenas uma questão de tempo que sejam desmontados, e o metal, levada para algum ferro velho.

 

O processo de desarmamento não só envolve a destruição de armamento, mas também das instalações levantadas caso houvesse um ataque nuclear. As placas que dizem “Será disparado contra os que atravessarem” não são mais relevantes.

 

No caso um ataque nuclear, submarinos soviéticos deveriam se aproximar destas portas. Esse abrigo antibomba foi construído para resistir a um ataque direto com bomba nuclear. Hoje, a maior ameaça para esta instalação vem dos ladrões de metal.

 

A base, antes chamada “Instalação secreta nº6”, foi inundada como parte do Tratado de Redução de Armas Estratégicas, assinado com os Estados Unidos. O processo ocorreu imediatamente após a queda da URSS, em 1991.

 

Como grande parte do abrigo está inundado, é impossível saber quais as dimensões reais dessa instalação secretas. Mas fato é que pode acomodar vários submarinos ao mesmo tempo.

 

O desarmamento também afetou a área mais fortificada da União Soviética, isto é, a região de Moscou. A pilha de metais nesta foto foi extraída do teto e do piso de um bunker de comunicação militar, subterrâneo e longe de satélites de reconhecimento.

 

Não foi necessário, porém, destruir esta instalação na região de Moscou. O Exército soviético foi incapaz de concluí-la antes de 1991. Hoje em dia, serve de abrigo para trabalhadores em situação ilegal provenientes da Ásia Central.

 

Estas bolas enormes continham radares para proteger Moscou dos mísseis inimigos. Alguns desses locais estão abandonados; outros, tornaram-se espaços para construção de pequenas máquinas ou locais de fabricação de tecidos.

 

Assim é o interior da estação de radar Danúbio-3. Essa tecnologia servia para controlar o céu nos entornos de Moscou e alertar no caso de haver um ataque de mísseis. Depois de desarmar a estação, foi abandonada. Não se destruiu nada; muitos dos equipamentos foram simplesmente largados ali.

 

Mapas dos Estados Unidos com indicações de instalações militares eram desenhados tanto pelos militares como pelos ladrões de metal, que saquearam o lugar logo após os soldados partirem.

 

Ninguém quer viver na pequena cidade de Pavlovsk, na região de Moscou. Quando a instalação militar foi fechada, o trabalho desapareceu.
Anteriormente publiquei fotos do  Cemitério de tanques da era soviética na Ucrânia (link).
 

Apesar das declarações do Pentágono que o sistema de defesa antimísseis dos EUA implantado na Europa é projetado contra ameaças do Irã mas não contra a Rússia, diferentes especialistas partilham da opinião contrária.

 

Interceptor de mísseis norte-americano

O último componente da iniciativa de Barack Obama, nomeada a Fase da Abordagem Adaptativa da Europa (EPPA, na sigla em inglês) foi implantado na România. A construção também será iniciada na Polônia. Logo depois da terminação de todas as preparações, a EPPA será plenamente eficaz e operacional. Abaixo estação anti-mísseis EUA na Romênia.

Altos representantes da OTAN declararam repetidamente que a EPPA não ameaça Moscou, mas os políticos e especialistas da Rússia e de alguns outros países permanecem pouco convencidos. Pentágono: escudo antimísseis dos EUA na Europa é incapaz de deter a Rússia.

“Claro que eles vão dizer que todos os tanques na Estônia e Lituânia, bem como os exercícios, não são dirigidos a combater-nos, mas para proteger [a aliança] contra o Daesh ou algum outro grupo terrorista”, disse um analist a russo Georgy Fyodorov à emissora Sputnik. “Mas não podemos ter ilusões. Todas as ações militares perto da nossa fronteira são dirigidas primeiramente contra os Russos”. Abaixo AN/TPY-2 THAAD Radar

Sergei Ermakov, do Instituto de Pesquisas Estratégicas da Rússia, partilha desta preocupação. O sistema de defesa antimísseis, as armas nucleares e as forças convencionais da OTAN são todos “dirigidos contra o nosso país”, disse ele. “Isto é evidente”, ressaltou.

Ele adicionou que os EUA desenvolveram o sistema de defesa antimísseis da Europa como a parte integra da sua estratégia da dominância global.
Os componentes deste sistema na România e Polônia “são um sinal de alerta”, disse Ermakov. “Representam uma ameaça para a nossa segurança”. Outro analista russo, Igor Korotchenko, pensa da mesma maneira. Abaixo Sistema EUA Patriot.

“O sistema de defesa antimísseis de Washington é dirigida contra a Rússia. O seu objetivo global é neutralizar nossas capacidades nucleares”, disse ele ao jornal Vzglyad.

“Os EUA investirão para os sistemas de defesa antimísseis navais no mar Báltico e mar Negro. Depois Washington será capaz de chantagear Moscou”.

Dez fatos sobre o Cruzador de Mísseis Moskva

 

O Navio foi posicionado no litoral da SÍria, desde derrubada do caça Su-24, para defender a Forca Aérea Russa de novas ameaças. Veja como isso será possível.

1. É o principal navio do Projeto 1164 de cruzadores de mísseis guiados, da Marinha Russa. Concebido em 1976 em um estaleiro de NikolÁiev, foi batizado de Slava

2. Trata-se basicamente de uma versão naval do Sistema de Defesa Antiaérea S-300.  Além de mísseis, o navio está equipado com morteiros antissubmarino e torpedos.

3. O Moskva É conhecido em diversos países como o “destruidor de porta-aviões”. O apelido É inspirado nos dezesseis mísseis antinavio SS-N-12 Sandbox montados na superestrutura.

4. Foi utilizado pela delegação soviética durante a Conferência de Malta (2 e 3 de dezembro de 1989), que reuniu Mikhail Gorbachev e George H. W. Bush. As más condições do tempo e o mar agitado resultaram no cancelamento ou adiamento de algumas reuniões. O encontro ficou conhecido na mídia internacional como a “Conferência da Náusea”.

5. Slava voltou à ativa como Moskva em abril de 2000, substituindo o Navio Almirante Golovko como navio-almirante da Frota Russa no Mar Negro.

6. A tripulação do Moskva dispõe de todas as facilidades para o dia a dia, inclusive para os momentos de descansado nos longos períodos no mar: TV, rádio, meios de comunicação, posto médico, biblioteca, sala de cinema, lavanderia, padaria, cabeleireiro, academia e até sauna.

The Russian guided missile cruiser Moskva arrives to the coast of Latakia to provide air defense. Video screen grab. Foto: TASS
Cruzador de mísseis Moskva na chegada à costa de Latakia, no noroeste da Síria Foto: TASS

7. A elevada ponte de voo na popa permite a operação de helicópteros Ka-25 ou Ka-27, ambos desenvolvidos para transbordo e guerra antissubmarina.

8. O Moskva atuou em uma batalha na costa da Abecásia, durante a Guerra Russo-Georgiana, em 2008. Na ocasião, quatro navios lança-mísseis georgianos violaram a zona de segurança declarada ao redor dos navios da Marinha Russa na Abecásia. As unidades russas abriram fogo de artilharia, afundando um dos navios e forçando as três embarcações georgianas remanescentes a recuar. Essa foi a primeira batalha naval da Marinha Russa desde 1945.

9. O cruzador passou a reforçar o combate ao Estado Islâmico (EI). O Moskva foi enviado para o litoral da fronteira entre a Síria e a Turquia em resposta à derrubada do bombardeiro russo Sukhoi Su-24 pela aviação turca.

10. O cruzador Moskva oferece cobertura do sul da Turquia até Latakia, no noroeste da Síria, e garante a segurança dos aviões russos. A defesa se deve também ao armamento do cruzador:
- 16 mísseis P-500 Bazalt ou mísseis antinavio P-1000 Vulkan;
- 8 × 8 (64) mísseis terra-ar de longo alcance S-300PMU Favorit (SA-N-6 Grumble);
- 2 × 20 (40) do 9K33M “Osa-M” (conhecido como SA-N-4 “Gecko” pela Otan), a versão naval do sistema de mísseis terra-ar;
- 1 canhão duplo AK-130 130mm/L70;
- 6 sistemas de armas de defesa próxima AK-630;
- 2 morteiros antissubmarino RBU-6000;
- 10 tubos de torpedo (2 quin) 533mm.

Mais de 100 navios de guerra, submarinos nucleares e a diesel, bem como navios de apoio, saíram para o mar de Barents e mar Branco no âmbito de manobras de Comando e Estado-Maior da Frota do Norte, informou o serviço de imprensa da Frota do Norte.

"As unidades de forças terrestres e costeiras foram colocadas em estado de alerta. Uma brigada de infantaria de marinha e uma brigada de infantaria mecanizada independente realizaram a marcha para a área de concentração. Abaixo Hovercraft Russo da classe Bora com misseis Kalibr e o Zubr para desembarque de tropas.

A inspeção envolveu mais de 1.000 unidades de equipamentos militares", disse o porta-voz da Frota do Norte Andrey Luzik.

 

 
Ele acrescentou que mais de trinta aeronaves de diferentes tipos realizaram missões aéreas, além de vários batalhões de defesa antiaérea terem sido recolocados em áreas especificadas para proteger as forças navais de ataques aéreos do inimigo convencional.

De acordo com Luzik, os exercícios foram realizados ao longo de vinte e quatro horas e ao fim do dia a maioria dos navios, submarinos e navios de apoio, bem como as unidades das forças terrestres e costeiras e as divisões de defesa antiaérea, voltaram aos seus locais de estacionamento permanente.

Rufus Sifred posted:

Esta havendo uma escalada nas tensões de ambos os lados ou estou enganado

O Tio Sam é mais esperto do que se imagina. A corrida armamentista iniciada por Reagan nos anos 1980, seguida pela Rússia (que mordeu a isca), foi um dos motivos que levaram a URSS à bancarrota. 

O PIB do USA ano passado foi 13 vezes maior do que o russo, segundo dados do FMI. Sabem o que isso significa? Que para a Rússia pensar em se equiparar militarmente aos States eles terão que comprometer, proporcionalmente, 13 vezes mais do seu orçamento. 

O Putin é extremamente vaidoso, mas não é burro. Felizmente. 

Zaitzev posted:
Rufus Sifred posted:

Esta havendo uma escalada nas tensões de ambos os lados ou estou enganado

O Tio Sam é mais esperto do que se imagina. A corrida armamentista iniciada por Reagan nos anos 1980, seguida pela Rússia (que mordeu a isca), foi um dos motivos que levaram a URSS à bancarrota. 

O PIB do USA ano passado foi 13 vezes maior do que o russo, segundo dados do FMI. Sabem o que isso significa? Que para a Rússia pensar em se equiparar militarmente aos States eles terão que comprometer, proporcionalmente, 13 vezes mais do seu orçamento. 

O Putin é extremamente vaidoso, mas não é burro. Felizmente. 

Concordo quase plenamente.  

Se o Putin fosse vaidoso teria feito a grande merda de retaliar a Turquia no episódio da derrubada do SU-24.

Acho que ele não é vaidoso, mas sim um pacifista patriota anti-corrida armamentista. Se ele relaxar com a OTAN vai dar margem para algum louco crescer nos países que ainda guardam rancor do Pacto de Varsóvia.

Por quê só os EUA e Inglaterra tem direito a ter seus parceiros no Oriente Médio?

Se Putin sair da Síria agora, Al-Assad cai e na sequência só Deus pra saber até onde irá a arrogância anglo-americana na região. Lembrando que quando franceses e ingleses fizeram a merda toda no Oriente Médio a URSS ainda não existia. Agora os EUA pegaram o lugar da França no processo de submissão através de fomento de tiranos.

Sozinhos, sem o ouro negro o Oriente Médio era bem mais interessante.

A fase naval dos exercícios norte-americanos multinacionais Sea Breeze 2016 começou hoje(24), na cidade ucraniana de Odessa, informa a mídia local.

As manobras foram precedidas da parte cerimonial, na qual participaram o ministro da Defesa ucraniano Stepan Poltorak, o embaixador dos EUA na Ucrânia, e outros altos funcionários, informou o canal 112 Ucraina. 

"Estamos vendo um crescimento sem precedentes das ameaças para a segurança na região europeia e, por isso, os Sea Breeze-2016 são a nossa contribuição comum para a estabilidade e a segurança na região do mar Negro", disse o ministro, citado pelo serviço de imprensa do Ministério da Defesa ucraniano. 

USS Ross
 
Os exercícios militares internacionais da OTAN Sea Breeze 2016 começaramem 18 de julho, envolvendo cerca de 3.000 militares e 25 navios de 13 países.

 

Os Sea Breeze são exercícios anuais destinados a melhorar a segurança marítima, a segurança e a estabilidade no mar Negro, segundo a Marinha dos EUA. A Rússia protestou contra a presença de navios de guerra dos EUA e da OTAN no mar Negro, citando a Convenção de 1936 (Convenção de Montreux sobre o Regime dos Estreitos) que regula a atividade militar na região. O tratado permite a passagem livre de navios civis em tempos de paz, mas restringe a passagem de navios militares não-turcos.

O porto da cidade ucraniana de Odessa fica muito perto da principal base da Frota Russa do Mar Negro, a cidade de Sebastopol na Crimeia, que recentemente se separou da Ucrânia e se anexou a Rússia, gerando grande descontentamento da Ucrânia. Para os EUA e membros da OTAN é uma grande oportunidade de treinar com equipamentos iguais aos usados pelas Forças Armadas da Rússia, já que a Ucrânia os fabricava ou os possuía, quando parte da União soviética.

Abaixo o Navio de Desembarque Anfíbio Classe Ropucha da Ucrânia (o mesmo ainda utilizado na Rússia), desembarcando o BTR-80 também de fabricação russa.

Valeu Carnavalli, mas não esqueça de postar suas fotos. Sempre que possível busco postar fotos de kits montados por colegas daqui, mas nenhum ainda se aventurou a montar e postar fotos este grande "urso" russo.

Fica aqui então o pedido a todos, por favor postem fotos de kits Russos..

abs

Castro

Os Estados Unidos não conseguiram criar um navio de guerra que possa competir com os cruzadores nucleares do projeto Kirov, que têm capacidade de cumprir várias missões ao mesmo tempo e que estarão ao da Marinha russa ainda daqui a mais de uma década, escreve o The National Interest.

 

Os navios do projeto 1144 (Classe Kirov) são comparáveis em termos de seus gabaritos com os vasos dos tempos das Primeira e Segunda Guerras Mundiais. Os EUA e outros países se recusaram a produzir este tipo de navios devido ao seu algo custo e vulnerabilidade. No entanto, a União Soviética tomou a decisão de construir um cruzador pesado que combinasse as funções de vários navios simultaneamente, informa o The National Interest.

O resultado foi um navio que pode combater tanto navios de superfície como semi-submersíveis e submarinos. Ele pode ainda entrar em combate com porta-aviões e grupos de submarinos. Abaixo o Cruzador nuclear pesado russo Pyotr Veliky

Cruzador nuclear pesado russo Pyotr Veliky
 

Os EUA, por seu lado, não possuem navios com estas capacidades, apenas os porta-aviões superam o tamanho dos Kirov. O surgimento dos cruzadores levaram os EUA a lançarem os navios de Classe Iowa. Mas as alterações destes navios foram bastante moderadas.

Depois da Guerra Fria e do colapso da URSS, um dos cruzadores da Classe 1144, Pyotr Veliky, continua ao serviço da Frota russa. O navio até participou de uma operação especial contra os piratas da Somália. Abaixo o Cruzador nuclear pesado russo Admiral Nakhimov

Cruzador nuclear pesado russo Admiral Nakhimov
 
Em 2019, o Pyotr Veliky será reparado e modernizado e, em 2021, voltará a integrar a Marinha russa, que assim contará com dois cruzadores da Classe 1144. Atualmente estão sendo realizados trabalhos de modernização no navioAdmiral Nakhimov, que terminarão em 2018. Os cruzadores modernizados receberão radares novos, equipamentos eletrônicos, bem como lançadores verticais de mísseis.
 

Os navios do projeto Kirov são plataformas impressionantes da frota russa. É muito provável que estes cruzadores sirvam a Rússia ainda mais de uma década, resume o autor.

A Rússia empregou grandes esforços para reforçar as suas posições no mar Negro e tem feito progressos significativos, perturbando assim os planos da OTAN para esta região, escreve a Forbes.

Nos últimos anos, os Estados Unidos passaram a cooperar cada vez mais com os países da costa do mar Negro, propondo-lhes a realização de manobras navais, discutindo ao mesmo tempo a perspectiva da produção conjunta de armamentos. Washington explica tais ações da seguinte forma: os países situados perto da Rússia devem ser protegidas das "ameaças" por parte de Moscou, observa a edição Forbes.  Abaixo, inicio da fase naval de exercícios da OTAN em Odessa. 

Os exercícios militares Sea Breeze, foto de arquivo
 
 
Com tudo isso, os países ocidentais sabem muito bem que, ao longo de centenas de anos, a Rússia sempre considerou a região do mar Negro como um dos mais importantes garantes de sua segurança, tendo para isso motivos históricos e estratégicos, diz o artigo. Neste contexto, não é de admirar que ultimamente Moscou esteja trabalhando para fazer voltar antiga glória à sua Frota, enfatiza o autor da matéria.

Desde o momento da reintegração da Crimeia na Rússia, Moscou barrou o mar Negro com uma combinação de mísseis supersônicos antinavio, com alcance de 600 quilômetros, e aviões de guerra avançados, bem como navios e submarinos, escreve a publicação.

 USS Ross

'Navios dos EUA no Mar Negro demonstram política agressiva', diz comitê de Defesa da Duma.  Abaixo ótimo vídeo de Kalibr em ataque a Terroristas na Síria.
 
 
A capacidade da frota russa permite limitar seriamente a liberdade de ação dos EUA e da OTAN no mar Negro. Isso pode levar ainda a indústria militar americana a aumentar de modo impressionante as suas despesas.

Até os pequenos navios de patrulha podem representar perigo para os navios de outras forças navais, graças à utilização de novos mísseis de cruzeiro Kalibr e munições de precisão, conclui o autor do artigo.

Submarinos nucleares estratégicos da Frota do Norte da Rússia patrulham regularmente não apenas o Ártico, mas também outras regiões do Oceano Global, informou à imprensa o comandando desta frota, vice-almirante Nikolai Evmenov.

Ele destacou que não se deve esquecer que o maior potencial da Frota do Norte é justamente o das suas forças nucleares estratégicas.

“Devido a algumas razões, nós falamos pouco sobre a nossa atividade nessa área, mas posso garantir que a Frota do Norte é capaz de solucionar quaisquer objetivos a ela impostos” – disse o comandante. 

Submarinos nucleares ancorados.
 
“Nossos submarinos patrulham regularmente e executam tarefas de patrulha não somente no Ártico, mas também em outras regiões do Oceano Global” – acrescentou Evmenov.

Suas declarações aconteceram na véspera das comemorações do aniversário de 283 anos da fundação da Frota do Norte. Considera-se que esta frota foi criada na Rússia em 1733, ano em que foi fundado o porto militar da cidade russa de Arkhangelsk.

O Izestia.ru informa, que duas novas unidades especiais estão sendo criadas como parte da Marinha russa. que são projetados para detectar os sabotadores inimigas em águas costeiras e litorais da Rússia, bem como realizar o reconhecimento em um território controlado pelo inimigo.

 

As unidades militares recém-criados serão equipadas com lanchas patrulheiras Raptor que podem ser utilizados durante tempestades e desenvolver velocidades até 80 km/h. Os militares também usarão drones Tachyon que podem detectar o inimigo a profundidades de vários metros.

Abaixo o  drone Tachyon

"Neste momento estão sendo criadas duas novas unidades. Uma no Pacífico e a segunda na Crimeia", disse ao jornal um representante do Ministério da Defesa russo. 

De acordo com o porta-voz, ambas as equipes são experimentais, sendo suas missões principais proteger a costa contra atos de sabotagem do inimigo e implantar grupos de reconhecimento em um território controlado pelo inimigo. 
 
Segundo disse o diretor do Centro de Estudos Estratégicos Ivan Konovalov, as águas costeiras e litorais têm sido utilizadas ativamente pelas forças especiais em todo o mundo.

"É muito difícil proteger toda a costa, por isso é bastante conveniente implantar grupos despercebidos de reconhecimento e sabotagem em território controlado pelo inimigo e atacar suas instalações costeiras", explicou Konovalov.

De acordo com o especialista, existem três grupos semelhantes na Marinha dos Estados Unidos equipados com navios especiais para operações em zonas costeiras e litorais. As forças armadas do Reino Unido também têm os assim chamados grupos SBS (Special Boat Service) que operam na costa e realizam reconhecimento secreto, coleta de inteligência e outras atividades.

O bombardeiro estratégico Tupolev Tu-160, em sua versão M2, terá um novo sistema de controle de armas, informou nesta segunda-feira o consórcio KRET, fabricante dos sistemas.

 

 
Anteriormente, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, anunciou planos para renovar a fabricação do Tupolev Tu-160, que receberia o nome de Tu-160M2. Bombardeiros Tu-160 usam novos mísseis de cruzeiro kalibr e X55m para combater Estado Islâmico.
Tu-160

Seria um avião com equipamentos de boro novos, mas com o mesmo aspecto visual: sua eficácia se duplicaria em comparação com o antecessor.


"O Tu-160M2 terá elementos de aviônica modular integrada, novos equipamentos para guerra eletrônica, um avançado sistema de navegação inercial e um novo sistema de controle de armas", diz o comunicado.

O desenvolvimento dos novos sistemas e equipamentos terminará no ano 2020, diz a nota do consórcio KRET.


O Tupolev Tu-160, desenvolvido nas décadas de 1970 e 1980, é um bombardeiro estratégico supersônico com asa de incidência variável, que permite a escolha de um regime ideal de voo e, com isso, economizar combustível.

O avião pesa 110 toneladas e pode carregar até 40 toneladas.
 

 

Criado na URSS, o bombardeiro voltou a ser manchete após participar de operação militar na Síria.

1. O Túpolev Tu-22M (código OTAN Backfire) é um avião de longo alcance que pode realizar ataques nucleares e convencionais, destruir navios e cumprir missões de reconhecimento. É um avião de ataque versátil, originalmente desenhado para operações na Europa e na Ásia, mas também capaz de realizar missões intercontinentais.

Tupolev Tu-22 interceptado por un F-16 noruego en 1986. Fuente: Wikipedia.

2. Ele foi projetado na década de 1960 para substituir o Tu-22 (código OTAN Blinder). A principal diferença do Tu-22M são novos motores e asas de geometria variável. Embora seu primeiro voo tenha ocorrido em 1972, ele foi oficialmente apresentado durante exercícios do Pacto de Varsóvia, em 1980.


3. Sua fabricação começou em 1969 na cidade de Kazan, 800 km a leste de Moscou, e terminou em 1993, com um total de 497 aviões. Em 1991, a CEI (Comunidade dos Estados Independentes) teve 370 aviões Tu-22M.

4. As tripulações russas chamaram o Tu-22 (Blinder) de Chilo (sovela), o Tu-22M2 de Dvoika (dupla) e o Tu-22M3 de troika (trio), já que o último comporta uma tripulação de três pessoas.

Un F-4N norteamericano intercepta un Tu-22 Blinder libio en 1977. Fuente: WikipediaF-4N norte-americano intercepta Tu-22 Blinder líbio em 1977. Fonte: Wikipedia

5. Os Tu-22 Blinder foram utilizados em 1979 pelo Iraque na guerra contra Irã. Os Tu-22M3 participaram da guerra no Afeganistão entre 1987 e 1989, onde realizaram diversas missões de bombardeio contra mujahidines e de apoio às tropas terrestres durante a retirada do Exército Soviético, em 1989. Em 1995, os Tu-22M3 participaram da Primeira Guerra da Tchetchênia.

KH-15 Kickback. Fuente: WikipediaKH-15 Kickback. Fonte: Wikipedia

6. Em 9 de agosto de 2008, durante o conflito russo-georgiano, um avião Tu-22 foi abatido por um míssil de sistema de defesa antiaérea Buk, adquirido na Ucrânia.

Raduga Kh-22. Fonte: Wikipedia.

7. O Tu-22 também é conhecido como “assassino de porta-aviões”, já que pode levar mísseis KH-15 (código OTAN Kickback), que podem atingir grandes alturas e destruir alvos navais e terrestres a uma velocidade de Mach 5. Esses mísseis estão entre os mais rápidos armamentos anti-navais do mundo. Assim, um ataque de seis Tu-22 permite lançar 24 mísseis KH-15, que podem ultrapassar os sistemas de defesa antiaérea dos porta-aviões.


8. Os Tu-22 aparecem no filme Pânico Nuclear / A Soma de Todos os Medos (The Sum of all Fears, Phil Alden Robinson, 2002). Em uma cena do filme, os pilotos russos realizam um ataque coordenado contra um grupo de batalha da Otan composto por dois porta-aviões norte-americanos (USS Saratoga e USS Nimitz) e o francês Foch. Os Tu-22 conseguem penetrar a defesa e destroem os três porta-aviões.

Túpolev Tu-22. Fuente: Wikipedia

9. Em julho de 2015, o Ministério da Defesa russo anunciou a criação de um esquadrão de bombardeiros Tu-22M3 na Crimeia como "uma das medidas de resposta à construção de uma base de defesa antiaérea na Romênia". A medida reduz significativamente a capacidade do escudo de mísseis no sul da Europa.


10. As Forças Aeroespaciais da Rússia utilizaram os Tu-22M3 diversas vezes durante a operação militar na Síria. Em 12 de julho de 2016, seis bombardeiros Tu-22M3 atacaram posições Estado Islâmico em uma zona a leste de Palmira e destruíram três armazéns com armamentos e munições, 15 veículos blindados e um dos principais campos de treinamento dos terroristas.

Fonte: YouTube/Ministério da Defesa da Rússia

Especialista fala em entrevista exclusiva sobre a participação da OTAN na derrubada do avião russo.

Willy Wimmer, ex-vice-presidente da Assembleia Parlamentar da OSCE, ex-secretário de Estado para os assuntos da Defesa da Alemanha e ex-deputado do Parlamento alemão da coalizão CDU/CSU, avançou, em uma entrevista para a Sputnik, a suspeita de que o avião russo Su-24 poderia ter sido abatido por um avião de combate turco com a ajuda da OTAN. Abaixo, ex-premiê confessa ter ordenado abater Su-24 russo.

O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu 

Respondendo à questão sobre tal suspeita, Willy Wimmer disse que, segundo as informações que possui, a derrubada foi levada a cabo com a ajuda de dois aviões AWACS (Sistema Aéreo de Alerta e Controle — inglês: Airborne Warning and Control System), um dos EUA e outro da Arábia Saudita.

Uma aeronave como o bombardeiro russo não pode ser simplesmente derrubada: é necessária a determinação exata do alvo. Ora isso só pode ser feito por aviões AWACS.

De acordo com Wimmer, o avião americano partiu de Chipre. O outro decolou de uma base na Arábia Saudita. Em caso de interceptação, a OTAN tem as suas próprias regras. Normalmente, os órgãos da aviação civil estabelecem contato com o avião intruso. Eles chamam a atenção do piloto para a infração ou exigem que faça pousar o avião. Se isso não for suficiente, as estruturas militares intervêm. Em tempo de paz, o máximo que elas podem fazer é forçar o piloto a pousar. Ora, o que aconteceu neste incidente não corresponde às regras internacionais. Eles abateram o avião russo porque queriam derrubá-lo.

Wimmer pressupõe que, por trás desta derrubada, poderá estar alguém que quisesse destruir as relações entre a Rússia e a Turquia. 

Su-24
 
 
Ao comentar o fato de que, na verdade, foi um piloto turco que derrubou o Su-24 russo, o político diz:"Agora a Turquia destaca que, entre os pilotos que tomaram a decisão de derrubar o avião e o governo turco há uma enorme distância. Dizendo que a decisão de atacar o avião foi da responsabilidade do piloto, o governo se demarca ao máximo das próprias Forças Armadas. Apenas resta supor que os pilotos saíram da base de Incirlik por sua própria vontade".
 

O jornalista da Sputnik lembrou que, inicialmente, o governo turco apoiou os pilotos, mas Wimmer sublinha que, politicamente, seria difícil dizer que tudo foi feito a pedido das autoridades turcas. Depois de tudo o que aconteceu até hoje, é mais fácil compreender algumas declarações de Erdogan.

Quanto à tentativa do golpe militar recentemente ocorrida na Turquia, Willy Wimmer também vê a mão dos EUA. "Na minha opinião, é perfeitamente compreensível que os Estados Unidos estejam colaborando com o exército turco. Portanto, é lógico que na Turquia tenha havido um golpe para não colocar em risco a política de Washington relativamente à Rússia. Abaixo Caças F-16 turcos

 

Surge a questão sobre os motivos de Erdogan ao planejar visitar a Rússia logo depois do golpe. O especialista acredita que esta decisão foi tomada devido aos rumores de que Erdogan deve a sua vida às informações fornecidas pela Rússia. Obviamente, Erdogan quer primeiro visitar aqueles com quem pode colaborar e quem lhe salvou a vida, se isso for verdade. 

O Presidente russo Vladimir Putin e seu homólogo turco Recep Tayyip Erdogan
 
 
Willy Wimmer considera que as relações entre a Turquia e os EUA estão tão tensas que não se sabe se se romperão ou não. "Estamos na Turquia e não é porque a Síria tenha atacado a Turquia. É porque a Turquia tem posto abertamente óleo no fogo da guerra civil síria. Erdogan está implicado no caos que reina na Síria e nós temos que lidar com centenas de milhares de vítimas. Isso significa que a Bundeswehr não protege um aliado e que a sua presença incentiva-o a continuar as suas ações agressivas contra o vizinho. Esta esquizofrenia é já parte integrante da OTAN.
 
 

O ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, inaugurou hoje os Jogos Militares Internacionais, que se realizam na região de Moscou.

Vehículo de combate participa em segundos Jogos Militares Army-2016
 
 
121 equipes de 19 países com mais de três mil militares chegaram à Rússia para participar nas competições em 23 disciplinas. Pela primeira vez, duas competições vão realizar-se no Cazaquistão. As provas navais vão ter lugar do mar Báltico, mar Negro e mar Cáspio.

As competições incluem biatlo de tanques, manobras de jatos de combate, bem como concursos para oficiais da marinha e mergulhadores, equipes sinólogas e médicos militares. Os jogos irão durar até 13 de agosto.

Acompanhe a transmissão ao vivo do biatlo de tanques.

Todos os países vão participar com a versão modernizada do tanque T-72, fornecido pela Rússia, exceto a equipe chinesa que vai concorrer com um tanque de sua produção e a equipe da Bielorrússia, quer compete com o tanque T-72 modernizado no seu país.

Os segundos Jogos Militares prometem ser ainda mais espetaculares do que os primeiros, realizados na Rússia no ano passado. Videos dos preparativos.

 

 

Moscou sediou exposição militar internacional 'Motores da Guerra', exibindo mais de 120 veículos dos países que participaram da II Guerra Mundial: tanques de guerra, motocicletas, etc. Cada veículo passou por uma restauração sofisticada, mantendo todos os detalhes autênticos.

Moscou sediou exposição militar internacional 'Motores da Guerra', exibindo mais de 120 veículos dos países que participaram da II Guerra Mundial: tanques de guerra, motocicletas, etc. Cada veículo passou por uma restauração sofisticada, mantendo todos os detalhes autênticos.  

Tanque Soviet T-70 da II Guerra Mundial,

Carro German Horch 853

O tanque alemão FAMO

Bom dia, Castro!

Acompanho a já um bom tempo as tuas postagens e te parabenizo por elas. São muito adequadas já que, de modo geral, só aparecem abordagens com o ponto de vista "ocidental". Ótimas!

Como gosto de assuntos da IIGM esta última da exposição de equipamento militar me interessou mais do que o normal.

Tu terias mais fotos ou um link para disponibilizar?

Abraços e muito obrigado,

Gelson 

gemerim posted:

Bom dia, Castro!

Acompanho a já um bom tempo as tuas postagens e te parabenizo por elas. São muito adequadas já que, de modo geral, só aparecem abordagens com o ponto de vista "ocidental". Ótimas!

Como gosto de assuntos da IIGM esta última da exposição de equipamento militar me interessou mais do que o normal.

Tu terias mais fotos ou um link para disponibilizar?

Abraços e muito obrigado,

Gelson 

Olá Gelson

Grato por suas palavras, recentemente chegamos a 16 mil visitas a este tópico.

Quanto a matéria publicada acima, foi uma exposição pontual que reuniu equipamentos de vários colecionadores particulares e de museus, se encontrar mais alguma coisa te comunico.

Outro dia me deparei com um material em Russo que ainda estou traduzindo, mas vou começar a postar em partes pois é muito grande, e fala exatamente sobre isto, equipamentos Russos usados em diversas épocas deste a 1ª guerra.

Abs

Castro

Todo o material inclui mais de 600 fotos e é composto por 9 partes,  que irei postar em sequencia, com fotos de veículos de quase todos os ramos de das Forças Armadas russas.
O parque Patriota está localizado entre Alabino e Kubinka na região de Moscou e tem como temática o militar em torno de diferentes eventos patrióticos.

Do Parque, em seguida o Museu do tanque irá incorporar o "Kubinka Aviation Museum" que está previsto para ser construído na Base aérea de Kubinka.
Há, atualmente duas exposições, a principal ao ar livre que inclui todos os ramos das Forças armadas e o segundo é o "Tank Museum" exposição

A exposição é com taxa de entrada e sem restrições aos estrangeiros, mas é altamente recomendável ter uma cópia de seu passaporte, são permitidas máquinas fotográficas.
 

2250x1500 

T 34-85

T-34-85

2250x1500 

Tanque pesado IS-3M 

IS-3M [tanque IS-3M)

2250x1500 

IS-3M [tanque IS-3M)

2250x1500 

T 44

T-44

2250x1500 

T-54A

54A-T T-54A

2250x1500 

54A-T T-54A

2250x1500 

54A-T T-54A

2250x1500 

54A-T T-54A

2250x1500 

T-55A

54A-T T-54A

2250x1500 

54A-T T-54A

2250x1500 

54A-T T-54A

2250x1500 

54A-T T-54A

2250x1500 

T-55A com o localizador de faixa estabelecida (T-55A com telêmetro)

T-55A com o localizador de faixa estabelecida [T-55A com telêmetro)

2250x1500 

T-55A com o localizador de faixa estabelecida [T-55A com telêmetro)

2250x1500 

T-55A com o localizador de faixa estabelecida [T-55A com telêmetro)

2250x1500 

T-55AM versão inicial

T-55AM versão anterior [T-55AM versão inicial)

2250x1500 

T-55AM versão anterior [T-55AM versão inicial)

2250x1500 

T-55AD

T-55AD [T-55AD)

2250x1500

T-55AD [T-55AD)

2250x1500 

T-55AD [T-55AD)

2250x1500 

T-55AD [T-55AD)

2250x1500 

T-55AD [T-55AD)

2250x1500 

55AMV T

55AMV T [T-55AMV)

2250x1500 

55AMV T [T-55AMV)

2250x1500 

55AMV T [T-55AMV)

2250x1500 

55AMV T [T-55AMV)

2250x1500 

Outra versão do T-55AMV 

55AMV T [T-55AMV)

2250x1500 

55AMV T [T-55AMV)

2250x1500 

55AMV T [T-55AMV)

2250x1500 

55AMV T [T-55AMV)

2250x1500 

T-55AM

55AM T [T-55AM)

2250x1500 

55AM T [T-55AM)

2250x1500 

55AM T [T-55AM)

2250x1500 

Outro T-55AM 

55AM T [T-55AM)

2250x1500 

55AM T [T-55AM)

2250x1500 

55AM T [T-55AM)

2250x1500 

430 Object

430 Object [Objeto 430)

2250x1500 

430 Object [Objeto 430)

2250x1500 

430 Object [Objeto 430)

2250x1500 

430 Object [Objeto 430)

2250x1500 

430 Object [Objeto 430)

2250x1500 

Mod T-62. 1972

mod T-62. 1972. [Mod T-62. 1972)

2250x1500 

mod T-62. 1972. [Mod T-62. 1972)

2250x1500 

mod T-62. 1972. [Mod T-62. 1972)

2250x1500  

mod T-62. 1972. [Mod T-62. 1972)

2250x1500 

mod T-62. 1972. [Mod T-62. 1972)

2250x1500 

T-62M

T-62M T-62M

2250x1500 

T-62M T-62M

2250x1500  

T-62M T-62M

2250x1500 

T-62M T-62M

2250x1500 

Outro T-62M

T-62M T-62M

2250x1500 

T-62M T-62M

2250x1500 

T-62M T-62M

2250x1500

T-62M T-62M

2250x1500 

O terceiro T-62M na exposição T-62M T-62M

2250x1500 

T-62M T-62M

2250x1500 

T-62M T-62M

2250x1500 

T-62M T-62M

2250x1500 

T-62M

T-62M T-62M

2250x1500 

T-62M T-62M

2250x1500 

62MV T 

62MV T [T-62MV)

2250x1500 

62MV T [T-62MV)

2250x1500 

Tanque de mísseis IT-1

Missile Tank IT-1 [tanque de mísseis IT-1)

2250x1500 

Missile Tank IT-1 [tanque de mísseis IT-1)

2250x1500 

Missile Tank IT-1 [tanque de mísseis IT-1)

2250x1500 

Missile Tank IT-1 [tanque de mísseis IT-1)

2250x1500 

Missile Tank IT-1 [tanque de mísseis IT-1)

2250x1500

 

Castro,

muito obrigado pela resposta. Vamos acompanhar a seqüência das novas fotos. Estes são museus e coleções que valeria muito a pena conhecer. Eles tem muito material e boas estórias por trás também.

Novamente parabéns pelas postagens!

Abraços,

Gelson

Incluir Resposta

×
×
×
×