Chegaram os Russos - Caça Su-35 afugenta novamente F-22 na Síria

REZENDE posted:
CASTR0 posted:
REZENDE posted:

Eh duro ver isso, a Síria virou um banco de provas para a Rússia poder testar seus armamentos e estratégias, isso lembra muito os nazistas apoiando o general franco na Espanha; o tempo passa e a história se repete, só mudam os personagens, será que vem ai uma terceira guerra mundial ?

Concordo com você Rezende, virou um campo de provas, teste, aprimoramento e de divulgação de armamento. Mas isto vem sendo feito a muito tempo quer na Síria, Egito, Afeganistão, Iraque, irã e outros locais, seja pela Russia, Israel, China e principalmente pelo EUA. Imagino que isto não vá ter fim, afinal, sem entrar na discussão humanitária, a comercialização de armamento gera muito, muito dinheiro.

Mas não imagino uma terceira guerra mundial generalizada (rezo para que não ocorra), mas é muito aprovável uma guerra (ou invasão) localizada e rápida, principalmente na região do oriente médio (ou muçulmana), tomara que eu esteja muito errado.

É complicado são vários cenários de guerra porém a Rússia discaradamente entrou no conflito da Síria apoiando um ditador e pior ajudando a bombardear áreas civis sobre pretexto de atacar o ISIS, onde que USA ou Israel atacam civis diretamente ? 

 

 

É verdade, são vários os cenários, mas um detalhe sempre me chamou atenção na mídia interna da Rússia, em muitos artigos e programas por lá eles comentam da guerra contra o ISIS como sendo a 3ª guerra.

Submarinos do 'juízo final': Conheça os 5 melhores submergíveis do mundo 

Estados Unidos, Rússia, Reino Unido e França possuem hoje os chamados submarinos “do juízo final”. A razão de serem chamados assim não é injustificada: são armas militares que podem ficar submersas por meses e são difíceis de detectar, já que são altamente silenciosas.

Outra similaridade entre todos eles é o fato de serem equipados com uma planta de propulsão nuclear e portam mísseis balísticos de alcance intercontinental, os quais podendo ser equipados com ogivas nucleares se necessário.

A revista norte-americana Forbes fez uma relação classificatória com os melhores submarinos do gênero, que também representam um elemento da tríade de dissuasão nuclear.

1.º: Classe Ohio (Estados Unidos)


O primeiro USS Ohio entrou em serviço em 1981 e, depois de mais de 35 anos de serviço e 157 lançamentos bem sucedidos, sua trajetória certifica que são sinônimo de poder, excelência técnica e confiabilidade.


A série inclui 14 submarinos com 24 bases para mísseis balísticos Trident II, capazes de transportar 2.800 quilos de carga útil – 14 ogivas W-76, 100 quilotons de TNT por míssil – a 7.800 quilômetros de distância com plena carga, e até 12.000 quilômetros se a carga for reduzida.


Sua precisão é melhor do que qualquer um dos concorrentes porque a sua categoria interquatil – margem de erro – varia entre 90 e 120 metros. Além disso, a fiabilidade desses submarinos é notável: cada um cumpre missões em alto mar por 60% da sua vida.

 

2.º: Classe Borei-Projeto 955 (Rússia)


Na atualidade, apenas a Rússia dispõe de submarinos estratégicos de quarta geração, já que os equipamentos similares norte-americanos e do Reino Unido não entrarão em serviço antes de 2030.


Assim, a Marinha russa já recebeu três Borei e espera mais cinco. São submergíveis mais baratos, que emitem consideravelmente menos ruído e trabalham mais facilmente automatizados.


Apesar destas caraterísticas, a publicação o coloca em segundo lugar pela confiabilidade dos mísseis que leva – 16 em cada um. Estes projéteis R-30 Bulava acabam de incrementar o arsenal nuclear da Rússia, tem uma carga duas vezes menor e, de seus 26 lançamentos, falharam oito vezes, a maioria na primeira fase de teste.

 

3.º: Classe Vanguard (Reino Unido)


Os submarinos estratégicos da classe Vanguard começaram a operar no serviço da Marinha do Reino Unido em 1993, e a produção continuou até 1999, quando eles receberam a quarta unidade.


Também carregam mísseis Trident II, embora apenas 16, em vez de 24 dos Ohio norte-americanos. No entanto, eles registraram a única falha deste armamento, em junho 2016.


Sua tecnologia de produção difere muito pouco porque foi desenvolvida com a ajuda de empresas norte-americanas e, embora a versão britânica seja um pouco simplificada e reduzida, também oferecem um alto desempenho... embora eles sejam os mais caros do mundo: seu custo é de cerca de 1.500 milhões libras (mais de US$ 1.950 bilhão).

 

4.º: Projeto 667BDRM Dolphin (Rússia)


Estes submersíveis, codificados como Delta-IV pela OTAN, são os principais componentes navais de dissuasão nuclear da Rússia. Das sete unidades construídas, seis ainda estão ativas.


Quanto ao nível de ruído e outras características, os Dolphin são semelhantes às do USS Ohio, embora tendo 16 mísseis – tal como os Vanguard – R-29RМU2 Sineva y R-29RMU2.1 Lainer, cujas últimas versões excedam o peso útil do Trident II. No entanto, estes mísseis russos usam combustível líquido e a 'Forbes' estima que isso complica “significativamente” a operação submarina e reduz a segurança.


Contudo, em 1991 o submarino K-407 Novomoskovsk desta classe estabeleceu um recorde ainda imbatível quando, durante a Operação Beguemot-2, disparou ininterruptamente todos os seus mísseis com um intervalo mínimo entre cada disparo: um total de 16 mísseis de 40 toneladas.

 

5.º: Classe Triomphant (França)


A França colocou em serviço os submarinos Triomphant em 1997 e agora tem quatro submarinos dessa classe, mas apesar de aparecer atrás de seus concorrentes, não os supera em nada.


Além disso, os três primeiros exemplares possuíam um bastante fraco míssil de múltipla reentrada M-45, capaz de transportar apenas seis ogivas nucleares, e tem alcance de 6.000 quilômetros – apenas a quarta unidade Triomphant pode transportar mísseis com um alcance máximo de 9.000 quilômetros – enquanto projéteis rivais podem viajar cerca de 10.000 quilometros e transportar até 10 ogivas.


Quanto ao custo, a situação é ainda pior: o último desta série submersível custou US$ 3,1 bilhões, um valor sem precedentes para submarinos estratégicos de terceira geração, considerando que as suas características deixam muito a desejar.

Mad Max: confira os jihad-mobiles que restam em Mossul

Veículos feitos por militantes do grupo terrorista Daesh, que foram confiscados pela Polícia do Iraque em Mossul

A polícia do Iraque realizou na cidade de Mossul uma exposição de veículos que pertenciam ao grupo terrorista Daesh antes da libertação da cidade. Vários deles são parecidos com os carros do filme australiano Mad Max.

Veículos feitos por militantes do grupo terrorista Daesh, que foram confiscados pela Polícia do Iraque em MossulA polícia e os grupos de reação rápida apreenderam esses carros durante raides noturnos, comunicou um capitão da polícia.  As fotos foram publicadas pela agência Reuters. 

Veículos feitos por militantes do grupo terrorista Daesh, que foram confiscados pela Polícia do Iraque em MossulVeículos feitos por militantes do grupo terrorista Daesh, que foram confiscados pela Polícia do Iraque em Mossul

 

Veículos feitos por militantes do grupo terrorista Daesh, que foram confiscados pela Polícia do Iraque em Mossul

Veículos feitos por militantes do grupo terrorista Daesh, que foram confiscados pela Polícia do Iraque em Mossul

Ao todo foram mostrados 23 carros. A maioria deles são carros civis que foram transformados em blindados de forma artesanal. Vários carros são pintados de azul – a cor dos veículos da polícia do Iraque. Isto foi feito para iludir os drones de reconhecimento.

 Veículos feitos por militantes do grupo terrorista Daesh, que foram confiscados pela Polícia do Iraque em Mossul

Além disso, na coleção há uma torre com um canhão de tanque, ocultada em um grande caminhão. Segundo a polícia, este canhão foi usado para atacar os militares inimigos à distância.

Veículos feitos por militantes do grupo terrorista Daesh, que foram confiscados pela Polícia do Iraque em Mossul
Veículos feitos por militantes do grupo terrorista Daesh, que foram confiscados pela Polícia do Iraque em Mossul.

As forças de segurança comunicam que o equipamento apreendido ao Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e muitos outros países) em breve será eliminado.

A Frota do Mar Negro desdobrou seus navios militares e complexos de mísseis. Por que motivo a Rússia está mobilizando suas tropas perto da península da Crimeia?

Esta atividade da Frota do Mar Negro é uma resposta às manobras navais Sea Breeze que os EUA e a Ucrânia iniciaram no dia 10 de julho no mar Negro, escreve o colunista da Sputnik, Aleksandr Khrolenko.

Estes exercícios envolvem 30 navios, 25 aviões e helicópteros da OTAN e mais de 3.000 militares de 17 países.

"É evidente que a demonstração de força dos EUA e seus aliados é dirigida contra a Rússia, particularmente contra a Crimeia. Para se perceber o atrevimento desta ação, é como se se tratasse de manobras russo-mexicanas no golfo da Califórnia, e em que também participassem as Marinhas de Cuba, Venezuela e Argentina", escreve o colunista.

A inspeção à prontidão de combate da Frota do Mar Negro vai durar vários dias e terá lugar tanto no mar como em terra. Abaixo veiculo de desembarque Ucraniano.

REZENDE posted:
CASTR0 posted:
REZENDE posted:

Eh duro ver isso, a Síria virou um banco de provas para a Rússia poder testar seus armamentos e estratégias, isso lembra muito os nazistas apoiando o general franco na Espanha; o tempo passa e a história se repete, só mudam os personagens, será que vem ai uma terceira guerra mundial ?

Concordo com você Rezende, virou um campo de provas, teste, aprimoramento e de divulgação de armamento. Mas isto vem sendo feito a muito tempo quer na Síria, Egito, Afeganistão, Iraque, irã e outros locais, seja pela Russia, Israel, China e principalmente pelo EUA. Imagino que isto não vá ter fim, afinal, sem entrar na discussão humanitária, a comercialização de armamento gera muito, muito dinheiro.

Mas não imagino uma terceira guerra mundial generalizada (rezo para que não ocorra), mas é muito aprovável uma guerra (ou invasão) localizada e rápida, principalmente na região do oriente médio (ou muçulmana), tomara que eu esteja muito errado.

É complicado são vários cenários de guerra porém a Rússia discaradamente entrou no conflito da Síria apoiando um ditador e pior ajudando a bombardear áreas civis sobre pretexto de atacar o ISIS, onde que USA ou Israel atacam civis diretamente ? 

 

 

Na guerra civil espanhola os nazistas cederam armas as nacionalistas de franco e os russos cederam armas para os republicanos! A guerra foi laboratório para as duas potências (alemanha e urss) !

E volta e meia EUA e Israel bombardeiam civis alegando atacar terroristas e depois justificam que se tratou de "acidente" ! Assim como  a Rússia e o governo sírio fazem... Infelizmente sempre são os civis que levam o pior!

Bombardeio no Afeganistão matou 30 civis, admite comando militar dos EUA

Ataque israelense deixa 28 civis mortos em Qaa

 

17 de julho: Dia da aviação Naval da Marinha russa

Em 17 de julho de 1916 quatro hidroaviões  M-9 do porta aviões "Eagle" da Frota russa do Báltico tiveram um duelo com aviões alemães sobre o mar para proteger a base naval russa na ilha de Saaremaa. Durante a luta dois aviões alemães foram derrubados e os outros dois fugiram, os pilotos russos retornaram ilesos. Este dia é considerado o dia do nascimento da aviação naval da Marinha russa.

Um país se esconde debaixo da terra por causa da 'ameaça russa'

Ontem, o The Wall Street Journal contou detalhes impressionantes sobre o que a Finlândia está desenvolvendo para se proteger da suposta agressão russa.

Trata-se de todo um sistema de bunkers e túneis de 200 quilômetros debaixo de Helsinque.

No entanto, a maior parte dos sistemas militares finlandeses está cumprindo tarefas de natureza civil.

Em uma entrevista, o especialista em matérias militares Viktor Baranets comentou a postura das autoridades militares e políticas da Finlândia, que querem "estar embaixo das asas da OTAN", protegendo o país contra a mística "ameaça russa".

Mas talvez não embaixo da terra, certo? Resta aguardar que a Finlândia construa cidades subterrâneas?

 

O Ministério da Defesa da Rússia comunicou que os caças russos interceptaram seis aviões de reconhecimento em uma semana. O especialista militar, Boris Rozhin, revelou, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o possível porquê das crescentes atividades de reconhecimento técnico militar da OTAN perto das fronteiras russas.

 

Na semana passada, caças russos levantaram voo seis vezes para interceptar aviação de reconhecimento estrangeira perto das fronteiras do país, de acordo com o Ministério da Defesa russo.

Segundo o especialista do Centro de jornalismo político-militar, Boris Rozhin, ultimamente, a aviação estrangeira tem intensificado suas atividades junto às fronteiras russas, o que se deve aos exercícios militares da OTAN, realizados atualmente nos países do mar Báltico.

"Ao mesmo tempo, é preciso entender que, além de exercícios comuns, o Ocidente está tentando encontrar pontos fracos no sistema de defesa russo nas mesmas áreas onde a OTAN está promovendo histeria militar", disse ao serviço russo da Rádio Sputnik.

De acordo com o especialista, dadas as ações, a Rússia não tem como não tomar medidas de resposta.

"É natural que atividades de navios, aviões e drones perto de nossas fronteiras nos forcem a tomar medidas de resposta — nossos aviões e serviços de guerra eletrônica monitoram atividades militares da Aliança perto das fronteiras russas. Mas estas são exclusivamente ações de defesa. Não temos como não responder, porque a atividade militar da OTAN, às vezes, é de caráter mais do que hostil", ressaltou.

Falando nisso, Boris Rozhin citou o incidente com o avião do ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, sobre o mar Báltico. Na opinião dele, é uma caraterística da atualidade, pois tais incidentes já aconteceram antes e continuam ocorrendo. "O número desses 'encontros' será variável dependendo do nível da tensão nas relações", concluiu.

Assassino silencioso: submarinos russos de 5ª geração vão "torpedear inimigo" sem ruído.

Os submarinos russos de quinta geração vão conseguir lançar torpedos sem ruído graças aos sistemas de torpedos mais recentes que estão sendo desenvolvidos nas fábricas russas. 

Os sistemas de torpedos utilizados hoje em dia lançam os torpedos com ar comprimido, enquanto a novidade vai permitir efetuar isso com uso de água sob pressão. Isso vai permitir realizar o tiro de modo silencioso em profundidades de até um quilômetro.
Abaixo "Husky" - o submarino russo da quinta geração.

"Os torpedos russos atuais ficam submersos nos tubos de torpedos. Os marinheiros terão só que clicar no botão e a nossa bomba vai formar a pressão necessária para projetar o torpedo por sete metros, a essa distância de segurança ocorre a ativação do motor e o torpedo vai começar seguindo o alvo", comentou ao jornal Izvestia o diretor executivo da fábrica Lopastnye Gidravlichiskie Mashiny (LGM) Roman Pyhtin.

Os aparelhos vão utilizar uma turbobomba de empuxo com capacidade de 5 metros cúbicos de água por segundo. 

Severodvinsk%20001.JPG

Severodvinsk%20002.JPG

Severodvinsk%20003.JPG

Tu-160M2: Mais avançado que qualquer outro que o Pentágono tenha em seu arsenal

Comandante das Forças Aeroespaciais Russas, Viktor Bondarev, confirmou que o novo bombardeiro estratégico Tu-160M2 levaria aos céus em março de 2018. O analista militar Viktor Tuchkov diz que, com uma eficácia de combate estimada duas vezes e meia maior que sua antecessora, o Tu-160M2 Está mais avançado que qualquer coisa que os EUA tenham em seu arsenal.

Em uma entrevista com Krasnaya Zvezda ('Estrela Vermelha'), o jornal oficial do Ministério da Defesa da Rússia no início desta semana, o coronel general Bondarev disse que o primeiro Tu-160M2 decolar para julgamentos estaduais na primavera, acrescentando que A força aérea espera receber cerca de três a quatro aviões por ano nos anos seguintes.

Além da modernização profunda dos bombardeiros 16 Tu-160 ('Cisne Branco') já em serviço com as Forças Aeroespaciais Russas, a indústria de defesa russa também incorporará as melhorias do Tu-160M2 na produção de novos Tu -160s. O presidente russo, Vladimir Putin, assinou um decreto para reiniciar a produção do Tu-160 na fábrica de aviões Tupolev em Kazan no início deste ano. A empresa também foi instruída para começar a trabalhar no PAK-DA, o bombardeiro estratégico russo da próxima geração. Abaixo representação artística do PAK-DA.

Comentando as observações de Bondarev, o analista militar independente e o colaborador de Svobodnaya Pressa, Vladimir Tuchkov, escreveram que a discussão do teste de voo a partir da próxima primavera, um ano antes do planejado originalmente, parece indicar que o prazo para a entrega do Tu-160M2 para o exército foi Dramaticamente encurtado. Abaixo PAK-DA, o bombardeiro estratégico russo da próxima geração em testes no túnel de vento.

"Sobre esta base, pode-se supor que o Tupolev, ao abordar duas tarefas principais - a profunda modernização do Tu-160 e o desenvolvimento do PAK-DA, pode ter focado no pássaro [Tu-160] na mão, Enquanto o pote de ouro [PAK-DA] no final do arco-íris pode esperar ", explicou Tuchkov.

Exército russo em imagens"Claro, o Tu-160M2 não é simplesmente um pássaro, mas uma águia - ligas à frente de todos os outros bombardeiros estratégicos do mundo", escreveu o analista. Isso inclui o American B-2 Spirit e o B-1B Lancer (abaixo).

De acordo com Tuchkov, "mesmo o modelo de base do Tu-160 supera os aviões dos EUA. É verdade que o B-2 é um avião furtivo. No entanto, o Tu-160 tem pouca razão para se esconder: seus mísseis podem voar a distâncias de 5.500 km, o que significa que o avião não precisa se aproximar das defesas aéreas do inimigo ".

A base Tu-160 também tem um melhor peso máximo para decolagem (275,000 kg versus 216,365 kg e 171,000 kg), maior impulso máximo do motor (4x25,000 kgF vs. 4x14,000 KgF e 4x7,000 KgF), maior máximo Velocidade (2.230 km / h vs. 1.328 km / h e 1.010 km / h), maior faixa sem reabastecimento (14.000 km vs. 12.000 km e 11.100 km), altitude máxima máxima de voo (21.000 m vs. 18.200 m e 15.240 m) , E maior carga útil operacional (45 toneladas versus 34 toneladas e 27 toneladas) do que o B-1 e B2. Abaixo B-1 Lancer

B-1 Lancer

Conseqüentemente, o analista observou que é lógico que os observadores militares dos EUA estão levando muito a sério a ameaça potencial representada pelo Tu-160. No ano passado, o contribuinte do Interesse Nacional, Dave Majumdar, escreveu que a principal vantagem do Tu-160 ao lado de seus homólogos dos EUA se resume a sua "combinação de velocidade de bolhas e mísseis de cruzeiro de ponta nuclear para entregar sua carga útil do final do mundo".

"É certo que a aeronáutica do White Swan original, que fez seu primeiro voo em 1981, já não é jovem e exige modernização", observou Tuchkov. Esta tarefa já está sendo resolvida com o Tu-160M1, um avião já sendo entregue às forças armadas através da atualização de sua instrumentação. O trabalho de reparação e modernização está ocorrendo na Fábrica de Aviação Gorbunov em Kazan, acrescentou.

Quanto à variante "M2", embora seja chamada de modernização profunda do Cisne Branco, é, na realidade, uma aeronave totalmente nova, que terá capacidades de combate incomensuravelmente superiores às de seu antecessor. As características de Os sistemas a serem instalados a bordo do Tu-160M2 são classificados, no entanto, o aumento esperado das capacidades é enorme. O vice-ministro da Defesa, Yuri Borisov, disse que a eficácia de combate do Tu-160M2 será duas vezes e meia maior que a de seu antecessor.

De acordo com Tuchkov, isso significa que, com base na informação disponível sobre o processo de modernização profunda, tudo o que resta do antigo Tu-160 no novo avião é a sua estrutura. "O resto do mundo é novo. Mesmo os motores serão atualizados. O Kuznetsov Design Bureau da Samara desenvolveu uma nova versão do motor NK-32 - o NK-32-02, com desempenho aprimorado ... O novo motor será produzido usando novos Equipamentos e novas tecnologias mais avançadas ".

O último é necessário, observou o observador, porque a cadeia de produção da era soviética foi essencialmente destruída após a produção do Tu-160 foi interrompido em 1992.

Ao mesmo tempo, o analista escreveu que a "eterna juventude" do White Swan - isto é, a possibilidade de uma maior atualização a baixo custo "será alcançada devido ao fato de seus sistemas eletrônicos de bordo estarem conectados usando princípios de arquitetura aberta. Um novo sistema [eletrônico] com capacidades aprimoradas pode ser incorporado, em sentido figurativo, conectando-os aos conectores e girando alguns parafusos. O sistema operacional do avião adapta o novo sistema da mesma forma que um dispositivo externo recentemente encontrado. Adaptado em um computador".

Mas os engenheiros da Russian Radioelectronic Technologies Concern que projetaram os sistemas eletrônicos do Tu-160M2 foram ainda maiores do que isso, escreveu o especialista. De acordo com a empresa, a natureza modular dos seus sistemas eletrônicos permite que um sistema adote as funções de outro, se necessário. Isso significa que, mesmo que um dos sistemas informáticos do avião mal funcionamento, os recursos de outros poderiam ser direcionados para a eliminação do problema. Isso, por sua vez, aumenta a capacidade de sobrevivência dos sistemas eletrônicos do avião. Abaixo Revisão dos aviões Tu-160 na Kazan Aircraft Plant.

Revisão dos aviões Tu-160 na Kazan Aircraft Plant

Consequentemente, Tuchkov observou: "juntamente com a alta capacidade de sobrevivência dos sistemas mecânicos do avião, alcançados através da paralelização de unidades e linhas de ventilação para minimizar o perigo de incêndio ou explosão a bordo," a arquitetura aberta e modular de seus sistemas eletrônicos "aumentará ainda mais A confiabilidade do avião". 

Espera-se que o Tu-160M2 esteja equipado com um sistema de radar de antena em fase faseada ativo. Também receberá um novo sistema de controle de incêndio, aumentando a eficiência de seus mísseis Kh-101 e Kh-102 de longo alcance (que têm uma faixa máxima de 5.500 km - o mais longo do mundo). O avião também estará equipado com uma moderna estação de guerra eletrônica, aumentando a capacidade de sobrevivência contra ameaças de mísseis antiaéreo terrestres e aéreas.

Em última análise, o analista militar observou que o fato de o Tu-160M2 estar sendo criado em paralelo com o PAK-DA é vantajoso para ambas as aeronaves, permitindo que o avião modernizado receba tecnologias avançadas, ao mesmo tempo em que dá início ao bombardeiro da próxima geração No desenvolvimento.

Em suma, Tuchkov escreveu que essas melhorias significam que o White Swan verá um aumento em sua "massa muscular", "sua" acuidade visual e, claro, sua "inteligência", permitindo que o avião tome conta da equipe e para resolver as tarefas de pilotagem, defesa e entrega real de ataques com mísseis".

Ahhhhh!!!

A boa e nova Guerra Fria!

Nada como o medo e a escalada de novos armamentos de contenção, combinado com um ex(????))-comunista no comando de um país e um velho ricaço, reacionário e petulante no outro para reeditarmos os velhos tempos...

E agora com um novo "parceiro" de peso entrando de verdade nesse jogo (China).

 Pombas, se a escala daquele Tu-160 nas mãos do Putin deve ser menor que 1/144 ou aproximada, não? Imagina o tamanho disso em 1/72!

 

Lucianocf posted:

Ahhhhh!!!

A boa e nova Guerra Fria!

Nada como o medo e a escalada de novos armamentos de contenção, combinado com um ex(????))-comunista no comando de um país e um velho ricaço, reacionário e petulante no outro para reeditarmos os velhos tempos...

E agora com um novo "parceiro" de peso entrando de verdade nesse jogo (China).

 Pombas, se a escala daquele Tu-160 nas mãos do Putin deve ser menor que 1/144 ou aproximada, não? Imagina o tamanho disso em 1/72!

 

Viva a nova guerra fria !!!

Com base em fotos do kit do TU 160 (não tenho ainda este kit ) acho que o modelo que deram para Putin é na escala 1/72.

Se for isto mesmo então o kit não é da Zvezda (Moscou), pois esta faz o kit em 1:144. Então deve ser Trumpeter (China), já que a A-model (faz Tu 160 na 1:72) é da Ucrânia.

Independente do fabricante... é kit de um dos mais bonitos aviões do mundo

Ninho de cisnes  brancos:  O local  de  nascimento dos novos  bombardeiros estratégicos russos

Uma fábrica de aeronaves em Kazan deverá se tornar o local de nascimento de uma nova geração de aeronaves bombistas supersônicas russas Tu-160, conhecidas em todo o mundo como o "White Swan" (Cisne Branco). 

Os bombardeiros estratégicos do Blackjack Tupolev Tu-160
vice-primeiro ministro russo, Dmitry Rogozin, confirmou que a montagem dos novos bombardeiros estratégicos pesados supersônicos ocorrerá em uma fábrica de aeronaves na República do Tatarstan da Rússia.

 De acordo com Rogozin, o processo de fabricação em si será tratado pela Kazan Aircraft Production Association, já que a planta já conseguiu dominar todas as técnicas de produção necessárias, como a soldagem por feixe de elétrons de titânio.

Anteriormente, Yuri Slyusar, chefe da United Aircraft Corporation (UAC) da Rússia, anunciou que a UAC planeja fabricar até 50 Tu-160M2 atualizados a partir de 2022.

Revisão dos aviões Tu-160 na Kazan Aircraft PlantTu-160 é um bombardeiro estratégico pesado supersônico de asa variável, a maior e mais pesada aeronave supersônica Mach 2+ já construída e provavelmente a aeronave bombardeiro mais rápida atualmente em uso. O avião de guerra, denominado 'White Swan', de pilotos russos e referido como "Blackjack" pelas forças da OTAN, é capaz de envolver alvos terrestres em todo o mundo com armas convencionais e nucleares.

A Rússia pretende produzir anualmente 30-50 Tu-160M2 atualizados.

United Aircraft Corporation (UAC) da Rússia planeja a fabricação de lotes de bombardeiros estratégicos Tu-160M2 atualizados em 2022 de até 50 unidades por ano, disse o presidente da UAC, Yuri Slyusar.

"Estamos terminando o trabalho de projeto experimental em 2021, começando em 2022, começamos a produção em série dessas máquinas", disse Slyusar.

Ele estimou que o UAC construirá de 30 a 50 dos bombardeiros anualmente, observando que as negociações estão em andamento com os compradores no número específico.

Tu-160 é um transportador de bombardeiros / mísseis estratégicos pesados, de largura variável supersônica, projetado para envolver alvos em todo o mundo com armas nucleares e convencionais.

11662490724_06df2deb8e_c.jpg11662918836_f0b23f89c2_c.jpg

O primeiro voo do protótipo do novo bombardeiro russo de quinta geração PAK DA será realizado no início da próxima década, segundo uma fonte do complexo militar-industrial do país que não quis ser identificada.

Em 15 anos, novo modelo formará a base da aviação estratégica da Rússia.

Os PAK DA serão fabricados segundo o esquema "asa voadora", ou seja, sem empenagem e com asas separadas da fuselagem.

O avião poderá voar a uma velocidade supersônica de até 1.250 km/h, o que é significativamente menor do que a do bombardeiro Tu-160, que hoje é a principal unidade de longo alcance da aviação russa.

Mais barato e seguro

"O Tu-160 foi criado para ultrapassar a defesa antiaérea do inimigo. Assim, graças à sua alta velocidade, o avião pode entrar na estratosfera e bombardear o território inimigo sem riscos, porque essa altitude é inatingível para interceptores ou mísseis", explica o professor da Academia das Ciências Militares da Rússia Vadim Koziúlin.

Hoje, a aviação russa tem poderosos mísseis de longo alcance Х-555 e X-101, com uma distância de voo de até 5.000 quilômetros. Assim, os bombardeiros estratégicos já não precisam das características do Tu-160. “Os bombardeiros estratégicos podem desempenhar suas funções sem deixar o território russo, sendo cobertos pelos sistemas de mísseis antiaéreas do país”, diz Koziúlin.

O armamento da aeronave será transportado dentro dos compartimentos internos, como exige a tecnologia Stealth.

Segundo o chefe do laboratório internacional de mecânica e sistemas de energia da Universidade das Tecnologias de Informação, Pável Bulat, o PAK DA não vai levar mais mísseis do que o Tu-160 ou outros aviões estratégicos russos. O peso de armamentos será de 40 toneladas. "O PAK DA poderá ser equipado com todos os tipo de munições nucleares ou convencionais: de perfuração, fragmentação etc", diz Bulat.

Atrasos no desenvolvimento

A criação do novo bombardeiro estratégico teve início em 2009, quando o fabricante do Tu-160 Tupolev recebeu o contrato. Inicialmente, o Ministério da Defesa queria realizar os voos de teste até 2020 e comprar os novos aviões até 2025. No entanto, o projeto foi adiado e o fabricante voltou a produzir a versão modernizada do Tu-160.

"Os americanos também começaram o desenvolvimento de bombardeiros da nova geração há 20 ou 30 anos. Tudo ocorre muito lentamente porque os americanos e os russos realmente não precisam de uma aeronave desse tipo. Os velhos B-52 norte-americanos e os Tu-160 russos continuam a resolver todos os problemas da tríade nuclear", completa Bulat.

Rússia: míssil lançado por Pyongyang não é ICBM Russo

O Ministério da Defesa da Rússia contrariou as declarações do Pentágono sobre o projétil lançado hoje pela Coreia do Norte, afirmando que, ao contrário do que disseram as autoridades norte-americanas, o míssil balístico disparado não é do tipo intercontinental. Abaixo míssil Russo

Segundo os militares russos, o míssil norte-coreano teria viajado por apenas 732 quilômetros e atingido no máximo 681 quilômetros de altitude, números bem diferentes daqueles apresentados não apenas pelos Estados Unidos, mas também por Coreia do Sul e Japão. Para a Rússia, a julgar pelas características técnicas do lançamento, o projétil em questão seria "um míssil balístico de médio alcance".  Abaixo míssil da Coreia do Norte.

Ainda de acordo com a Defesa russa, o míssil norte-coreano, que caiu no mar do Leste, seguiu uma trajetória bem distante das fronteiras da Rússia, sem representar qualquer ameaça ao país. Abaixo míssil da Coreia do Norte.

Navios de guerra e submarinos russos se preparam para os desfiles do Dia da Marinha

A filmagem realizada quarta-feira mostra os navios da marinha russa preparando-se para celebrar o Dia da Marinha, que será realizado em 30 de julho.

porta-aviões pesado Admiral Kuznetsov pode ser visto participando de um ensaio na Baía de Kola de Murmansk, junto com submarinos de energia nuclear, vários outros navios, BTR-80 e BTR-82a transportadores de pessoal blindados anfíbios. 

Em Kronstadt, perto de São Petersburgo, o submarino Dmitriy Donskoy e o Cruzador Pyotr Velikiy fazem parte de uma flotilha de 40 navios que se prepara para participar das principais celebrações no rio Neva. 

Paradas navais semelhantes estão programadas para participar de portos em toda a Rússia.

A Rússia comemorou seu Dia da Marinha com um desfile militar em São Petersburgo no domingo. O presidente Vladimir Putin participou do evento.

"Hoje, a Marinha completa não só as tarefas tradicionais, mas também responde adequadamente aos novos desafios, contribui significativamente para a luta contra o terrorismo e a pirataria. Crianças e netos ficariam orgulhosos dos marinheiros da Marinha moderna", disse Putin. No desfile.

 

COURTESY: RT's RUPTLY video agency, 

O exército russo acaba de receber uma nova série de tanques modernizados T-72B3, comunica o Defence Blog. 

Tanque T-72B3 [arquivo)
A informação foi confirmada pela empresa UralVagonZavod (UVZ), que produz os veículos, acrescenta o Defence Blog. 

De acordo com a UVZ, o exército russo recebeu um lote de carros de combate T-72B3 modernizados com blindagem adicional. 

A modernização dos T-72B foi iniciada em 2010, o processo inclui o reforço da capacidade de fogo através da instalação de um novo sistema de controle de tiro. 

A nova versão dos T-72B3 é dotada de chapas de blindagem nas partes frontais e laterais, bem como uma armadura especial na parte traseira com o objetivo de aumentar a proteção do compartimento do motor contra os lança-granadas e foguetes. Os desenvolvedores tomaram em conta a experiência de combate na Ucrânia, Síria e Geórgia. 

A estrutura da torre é também modernizada, com uma nova blindagem, incluindo a blindagem reativa a explosivos instalada em cada lado, enquanto a parte traseira da torre está equipada com armadura semelhante à da parte traseira do corpo do tanque. 

Duelo de bombardeiros: Tu-160 russo vs  B-1B americano

O bombardeiro supersônico russo Tu-160 e o B-1B americano não perderão sua importância no futuro e continuam efetuando suas missões, afirma o analista militar Dave Majumdar.

É costume os especialistas compararem esses dois porta-mísseis, no entanto, na realidade eles são bem diferentes, destaca Majumdar.

Assim, a primeira modificação do B-1 (B-1A) foi projetada para realizar um ataque nuclear preventivo em altitudes fora do raio de alcance dos sistemas de defesa aérea do inimigo. No entanto, a administração do então presidente Carter desistiu do projeto ao saber no fim dos anos 70 que o avião não iria conseguir superar o sistema da defesa aérea da União Soviética.

Com Reagan no poder, o projeto foi renovado, mas o conceito da aeronave foi alterado de modo significativo. O novo modelo do B-1B que até hoje está no serviço da Força Aérea dos EUA tem que avançar pelo território a bombardear em altitude ultra baixa, contornando o relevo do terreno.

"Por isso, tiveram que pagar com a altitude e velocidade de voo", escreve o analista, lembrando que B-1A tinha a velocidade de 2 Mach, enquanto o B-1B tem apenas de 1,25 Mach.

B1-B Lancer norte-americanoNo início de anos 90 o porta-mísseis americano foi reequipado com armas de alta precisão e, durante as missões no Iraque e Afeganistão, esta modificação "convencional" funcionou bem.

"O Tu-160 é mais pesado e mais rápido do que B-1B", sublinha Majumdar. Assim, o peso máximo do "cisne branco" é 275 toneladas, enquanto B-1B pesa cerca de 216.

avião russo é mais destinado a usar mísseis de cruzeiro e efetuar ataques ao inimigo a partir de altitudes maiores.

O autor aponta ao armamento mais recente do Tu-160: mísseis X-101 que foram usados com sucesso nas operações da Força Aeroespacial russa na Síria.
Majumdar afirma também que o Tu-160 muito provavelmente permanecerá o principal bombardeiro estratégico da Força Aeroespacial russa até o fim da construção do bombardeiro de nova geração — o Sukhoi PAK-DA.

"Na verdade não é correto pôr a questão que avião é melhor, o Tu-160 ou o B-1B. Cada avião cumpre sua missão", resume Dave Majumdar seu artigo para edição The National Interest.

"Ninguém além de nós!"  - Dia das Forças Aerotransportadas da Rússia

Em 2 de agosto de 2017, a Rússia celebra o 87º aniversário da fundação oficial das Forças Aerotransportadas do país. Dê uma olhada nos paraquedistas russos em boinas azuis que continuam a exemplificar os mais altos padrões de proeza, valor e disciplina, seguindo o lema: "Ninguém além de nós!"

dia das tropas russas do ar é amplamente comemorado em todo o país. 

Milhares de pára-quedistas atuais e antigos se reúnem com suas famílias para celebrar suas férias profissionais e o aniversário da unidade de pára-quedismo.

A empresa russa da cidade de Nizhny Novgorod deu a conhecer o novo blindado multifuncional Buran 4x4 durante o salão aeroespacial MAKS 2017 na região de Moscou, comunica o Defence Blog.

Buran possui uma estrutura monobloco com o corpo blindado. O veículo pode transportar seis pessoas, incluindo o condutor e o comandante. De ambos os lados possui três portas e janelas blindadas com um orifício especial para controlo de fogo, informa o Defence Blog.

Buran 4x4 é desenvolvido para transportar pessoal e cargas. O veículo blindado oferece proteção contra armas ligeiras de calibre 7.62x51mm, possuindo além disso a mobilidade de um fora de estrada.

Buran pesa cerca de 7,6 toneladas e possui uma capacidade de carga de 1,2 tonelada. 

O veículo é dotado do motor a diesel a quatro tempos YaMZ 53442 que permite acelerar a velocidade de 100 km/h, com uma autonomia de 1,4 mil quilômetros.

Formalmente conhecido como o PAK FA, o Su-57 é um avião de combate melhorado com um novo motor avançado que supera suas contrapartes americanas.

O protótipo do avião de combate russo conhecido como PAK FA (T-50) já foi designado como "Su-57", depois que sua nova fuselagem passou todos os testes. A aeronave avançada ainda precisa ser submetida a testes de armas e motores antes que a produção final possa começar.  

O nono protótipo  T-50 foi equipado com o motor Izdelie-30, de quinta geração, que será testado no final do ano.

Comparado com o Izdelie-117, o motor é um novo desenvolvimento e já foi instalado no "Su-57". O Izdelie-117 é uma versão modernizada do motor AI-31 - o "coração" do Su-27 original.

Os russos começarão a construir o primeiro lote dos Su-57s em 2019 equipados com os motores de potência antigos, comprovados e confiáveis e, em seguida, começarão a construí-los em torno do motor mais poderoso Izdeliye-30 nos anos 2020.

'Invisível', novo caça Sukhoi Su-57 toma forma e chega em 2019

A expectativa é que a United Aircraft Corporation, responsável pelo grupo de empresas que constrói aeronaves russas – incluindo a Sukhoi e a MiG – entregue o primeiro lote com 12 caças Su-57 em dois anos. Todavia, há ainda a dependência de testes com o novo motor Izdeliye-30, que serão realizados no fim deste ano.

Herdado do Su-27 Flanker, o motor é uma atualização mais potente e eficiente em relação ao Izdeliye-117, permitindo que o novo caça possa voar acima da velocidade do som de forma constante. Ao atingir a marca de Mach 2, o Su-57 vai ultrapassar o Mach 1.6 (cerca de 2.000 km/h) do modelo anterior.

O projeto do Su-57 é muito aguardado, por ser a resposta definitiva da Rússia aos mais recentes caças dos Estados Unidos – o F-22 Raptor e o F-35 Lightning II. Ele vem a substituir dois aviões lendários das forças russas: o MiG-29 e o Su-27 (abaixo).

Recentemente exibido em Moscou, o novo Su-35 é um modelo intermediário, ao passo que o Su-57 é um modelo totalmente novo.

De acordo com a mídia especializada, o Su-57 tem um projeto semelhante ao F-22, com uma fuselagem de desenho furtivo – invisível aos radares.

A diferença principal se dá pelo fato do jato russo possuir saídas vetoráveis com pós-combustor de formato cilíndrico, ao contrário dos aviões norte-americanos. Abaixo foto exemplo do uso de vetor de um motor apenas

Anteriormente, o projeto do Su-57 era conhecido como T-50Ele chegou a ser oferecido pelos russos ao Brasil, à época das negociações para a compra de novos caças para a Força Aérea Brasileira (FAB). Contudo, a proposta acabou derrotada e o país escolheu o sueco Gripen (abaixo).

O Ministério da Defesa russo aceitou a proposta de ativistas e veteranos da Crimeia de dar o nome da cidade de Sevastopol a um navio de guerra russo. Foi decidido atribuir este nome ao futuro porta-helicópteros da Marinha russa tendo em conta as importantes vitórias navais que tiveram lugar nesta cidade.

O futuro "cartão de visita" da Marinha russa, seu novo porta-helicópteros, o primeiro da sua classe, se chamará Sevastopol, afirmou à Sputnik Dmitry Belik, deputado da câmara baixa do parlamento russo.

 "Para os habitantes de Sevastopol, considerada a fortaleza meridional da Rússia, este é um passo marcante e um ato de homenagem aos residentes da cidade", realçou o político.

Dmitry Belik, que representa Sevastopol na Duma de Estado russa, contou que, com o auge da construção naval na Rússia, os habitantes da cidade (que inclusive no seu hino histórico, escrito em 1954, é chamada de "orgulho dos marinheiros russos") estavam esperando o dia em que um potente navio de guerra comemorasse sua célebre história naval.

"Dirigimo-nos aos altos oficiais do Ministério da Defesa russo e já recebemos a resposta, que muito nos emocionou: 'Sua solicitação quanto à atribuição do nome de Sevastopol a um dos navios em construção da Marinha foi examinada.

Com o fim de preservar a memória da cidade-herói de Sevastopol e de suas tradições heroicas, planeja-se que o nome de Sevastopol seja atribuído ao principal navio de desembarque do novo projeto que entrará em serviço a partir de 2022", contou Belik à Sputnik.

Após o fracasso do contrato de compra de porta-helicópteros da classe Mistral devido à recusa por parte da França, a Marinha russa optou por um projeto próprio de navios deste tipo.

Tomando em conta a experiência dos estaleiros russos em construir os componentes para os Mistral franceses, inclusive toda a documentação, a Oficina de Desenho Nevsky e o Centro de Investigações Krylov elaboraram os projetos do porta-helicópteros de desembarque, incorporando as exigências da Marinha russa a as tendências mundiais na construção naval.


mini-DSC05657.jpgmini-DSC05647.jpgmini-DSC05654.jpgmini-DSC05656.jpgmini-DSC05658.jpg

Aviação do Mistral Frances. 

O convés de voo de cada navio é de cerca de 6,400m² . O deck tem seis pontos de pouso de helicóptero, um dos quais é capaz de suportar 33 toneladas helicóptero. O hangar de 1800 m² pode acomodar 16 helicópteros e inclui uma área de manutenção com uma ponte rolante. Para facilitar o lançamento e recuperação, um DRBN-38A Decca Bridgemaster E250 e Landing System Optical radar é usado.

 

A cabina de pilotagem e hangar de cada navio são ligados por elevadores, ambos capazes de levantar 13 toneladas. O principal elevador de 225 metros quadrados  está localizado perto da popa do navio, na linha central e é grande o suficiente para helicópteros para mover seus rotores na configuração de voo. O elevador auxiliar de 120 metros quadrados está localizado na popa da superestrutura da ilha.

 

Russian Air Force One Ilyushin IL-96-300PU (M1):  "Борт номер 1" O Avião Presidencial Russo

O principal avião presidencial é o Ilyushin Il-96-300PU (com números de matrícula RA-96016 e RA-96022) de quatro motores, de longo alcance ao custo de  5,2 bilhões de rublos cada unidade.

Detalhe: Com a presença do presidente a bordo, o brasão da Rússia é colocado sobre a bandeira Russa como visto abaixo, mas por medidas de segurança isto não é mais frequente.

O avião desenhado por Ilyushin na antiga União Soviética e fabricado pela Voronezh Aircraft Production Association em Voronezh , Rússia 

O interior de um dos novos aviões presidenciais:

 

Dimensões
Da asa: 60.1 m;

Comprimento aeronave 55,35 m; 

Altura aeronave 17,57 m; 

Área de asa de 391,6 m2; 

Fuselagem diâmetro 6,08 m;

Dimensões cabine de passageiros
Comprimento de 41 m;
Largura máxima de 5,7 m;
Altura máxima de 2,61 m;
Volume de 350 metros cúbicos.

Motores
Turbofan motor Perm KB PS-90A com dispositivos de inversão (4h156,9 kN 4h16000 kgf)

Pesos
Peso máximo de decolagem - 230 m; 

Peso máxima de aterragem - 175 toneladas;

Peso vazio - 119 m;

Peso máximo sem combustível - 157 toneladas;

Carga máxima - 40 m,

Capacidade máxima de combustível - 122 toneladas (150400l).

Dados de voo
Velocidade de cruzeiro, a uma altitude de 10.100 m - 850-900 km / h; 

Velocidade de aproximação - 260-270 km / h; 

Distância de decolagem equilibrada - 2600 metros,

Distância de aterragem - 1980 m; 

Autonomia de voo, com uma reserva de combustível:

Com uma carga máxima - 7500 km,

Com uma carga de 30 toneladas - 9000 km; 

Com uma carga de 15 toneladas - 11.000 km.

As características estruturais e da técnica e características econômicas
Perfil de asa e com aerofólios supercríticos encerrado.

Recurso estimativa de 60.000 horas de voo (12.000 aterragens durante um tempo de vida de 20 anos),

Complexidade de manutenção de 11 horas-homem a 1 hora de voo, a preparação para re voo 45 min. 

Equipamentos
Equipamentos de navegação permite a operação da aeronave ICAO Categoria III Um mínimo. Usa built-in sistema de controle de voo-wire modo analógico e sistema de gerenciamento de voo, built-in sistema de navegação inercial, equipamentos de navegação por satélite e sistema de navegação "Omega", o sistema de display eletrônico possui seis telas de LEDs. Existe um equipamento de teste incorporado, informações automático de exibição sobre o alinhamento do plano.

Incluir Resposta

Curtidas (7)
Luis PachecoMÁRCIO PINHOScout SniperCarnavalliFaiscaLelloCoração De Leão
×
×
×
×