Chegaram os Russos - Zapad-2017: Rússia e Bielorrússia realizam maior manobra militar conjunta

Russian Air Force One Ilyushin IL-96-300PU (M1):  "Борт номер 1" O Avião Presidencial Russo

O principal avião presidencial é o Ilyushin Il-96-300PU (com números de matrícula RA-96016 e RA-96022) de quatro motores, de longo alcance ao custo de  5,2 bilhões de rublos cada unidade.

Detalhe: Com a presença do presidente a bordo, o brasão da Rússia é colocado sobre a bandeira Russa como visto abaixo, mas por medidas de segurança isto não é mais frequente.

O avião desenhado por Ilyushin na antiga União Soviética e fabricado pela Voronezh Aircraft Production Association em Voronezh , Rússia 

O interior de um dos novos aviões presidenciais:

 

Dimensões
Da asa: 60.1 m;

Comprimento aeronave 55,35 m; 

Altura aeronave 17,57 m; 

Área de asa de 391,6 m2; 

Fuselagem diâmetro 6,08 m;

Dimensões cabine de passageiros
Comprimento de 41 m;
Largura máxima de 5,7 m;
Altura máxima de 2,61 m;
Volume de 350 metros cúbicos.

Motores
Turbofan motor Perm KB PS-90A com dispositivos de inversão (4h156,9 kN 4h16000 kgf)

Pesos
Peso máximo de decolagem - 230 m; 

Peso máxima de aterragem - 175 toneladas;

Peso vazio - 119 m;

Peso máximo sem combustível - 157 toneladas;

Carga máxima - 40 m,

Capacidade máxima de combustível - 122 toneladas (150400l).

Dados de voo
Velocidade de cruzeiro, a uma altitude de 10.100 m - 850-900 km / h; 

Velocidade de aproximação - 260-270 km / h; 

Distância de decolagem equilibrada - 2600 metros,

Distância de aterragem - 1980 m; 

Autonomia de voo, com uma reserva de combustível:

Com uma carga máxima - 7500 km,

Com uma carga de 30 toneladas - 9000 km; 

Com uma carga de 15 toneladas - 11.000 km.

As características estruturais e da técnica e características econômicas
Perfil de asa e com aerofólios supercríticos encerrado.

Recurso estimativa de 60.000 horas de voo (12.000 aterragens durante um tempo de vida de 20 anos),

Complexidade de manutenção de 11 horas-homem a 1 hora de voo, a preparação para re voo 45 min. 

Equipamentos
Equipamentos de navegação permite a operação da aeronave ICAO Categoria III Um mínimo. Usa built-in sistema de controle de voo-wire modo analógico e sistema de gerenciamento de voo, built-in sistema de navegação inercial, equipamentos de navegação por satélite e sistema de navegação "Omega", o sistema de display eletrônico possui seis telas de LEDs. Existe um equipamento de teste incorporado, informações automático de exibição sobre o alinhamento do plano.

MiG-31: Interceptor russo de Alta Velocidade e de Longo Alcance

Mikoyan MiG-31 ( russo : Микоян МиГ-31; OTAN : Foxhound  é um interceptor supersônico desenvolvido para uso das Forças Aéreas Soviéticas. A aeronave foi projetada pelo gabinete de design Mikoyan como um substituto para o MiG-25 "Foxbat" anterior e compartilha elementos de design com o MiG-25.  O MiG-31 tem a distinção de ser um dos jatos de combate mais rápidos do mundo.

Na última década da Guerra Fria, o MiG-31 gozava de uma certa mística no Ocidente. As mesmas fotos granuladas de um caça de alta velocidade apareceriam em publicações de aviação, juntamente com especulações ameaçadoras sobre suas capacidades. Mas ao contrário de seus pares - MiG-29 e Su-27 - o Foxhound nunca emergiu completamente da obscuridade após a Guerra Fria.

A razão é simples - o MiG-31 foi construído para ser um interceptor de defesa em casa, e não foi exportado nem usado em combate. Mas Moscou mantém centenas de caças em seu inventário como parte de sua rede de defesa aérea multi-camadas, e continuará a fazê-lo nos próximos anos.

Foxhound emergiu como uma tentativa de melhorar um antecessor um tanto decepcionante, o MiG-25 Foxbat. O Foxbat bimotor continua a ser o caça operacional mais rápido, capaz de atingir velocidades acima do Mach 3 e voar até 70 mil pés para contrariar o bombardeiro supersônico dos EUA XB-70 Valkyrie (abaixo) que não acabou entrando em produção.

Foxbat desfrutou uma reputação inflada nos círculos ocidentais da aviação até que o desertor soviético Victor Belenko voou para o Japão em 1976, permitindo ao Pentágono descobrir o que os soviéticos conheciam há muito tempo - por toda a sua velocidade, o Foxbat foi um pouco Cão quando se tratava de manobrabilidade e não conseguiu manter velocidades supersônicas em baixa altitude. Além disso, poderia atingir as velocidades de Mach 3 apenas ao queimar seus motores para além da sua tolerância ao calor. Abaixo MiG-25 Foxbat.

Após a deserção, o MiG-25 começou a ser vendido para exportação, enquanto a União Soviética se concentrou em construir um melhor interceptor de alta velocidade fora da célula de Foxbat. Moscou já não se preocupava apenas com os bombardeiros de alta velocidade de alta altitude, mas também com mísseis de cruzeiro de baixa altitude que atravessavam lacunas nas suas defesas de radar.

Novos elementos de design incluíam um oficial de sistemas de armação de banco traseiro para operar um novo radar poderoso, mísseis ar-ar melhorados de longo alcance e melhores motores.

Este super Foxbat, que foi desenvolvido, designado como o MiG-31 e distinguido pela adição de um oficial de sistemas de armação (WSO) de banco traseiro para operar seu grande radar Zaslon S-800 Passive Electronically Scanned Array (PESA).

O radar pesado tinha um alcance máximo de 125 milhas e apresentava a capacidade de "olhar para baixo, derrubar" para detectar e atacar aeronaves de baixo voo, o que não era generalizado no momento. Um sistema de busca e rastreamento de infravermelho-vermelho (IRST) complementou ainda o terno do sensor.

A peça central do armamento do Foxhound são seus novos mísseis R-33 de longo alcanceAA-9 Amos pela OTAN. O R-33 é considerado o equivalente soviético aos mísseis AIM-54 Phoenix utilizados pelos F-14 da Marinha dos EUA - os grandes mísseis guiados por radar foram montados sob a barriga do MiG-31 para engajar bombardeiros opostos em longos intervalos de até 75 milhas.

O radar Foxhound permitiu que ele fosse lançado em até quatro aeronaves simultaneamente. De quatro para seis mísseis de ar / ar de médio ou curto alcance adicionais poderiam ser montados sob as asas. Ao contrário do Foxbat, o Foxhound também estava armado com um canhão de 23 milímetros.

MiG-31 mantém o desempenho de altitude alta do Foxbat, embora seja um pouco mais lento no Mach 2.83 - ainda mais rápido do que qualquer operação de caças ocidentais de hoje. Mais importante ainda, pode voar até Mach 1.23 a baixa altitude - o que o MiG-25 não pode. Isso o torna ideal para a busca de mísseis de cruzeiro e bombardeiros de combate.

No entanto, o Foxhound não é altamente manobrável, e não pode seguramente puxar mais de 5G enquanto voa supersônico. O MiG-31 não seria bom em compromissos ar-a-ar contra combatentes contemporâneos, como o F-15, mas isso simplesmente não é o que foi projetado para fazer. O Foxhound destina-se a fechar em intrusos a altas velocidades, destrói seus mísseis e desengate.

 

MiG-31 x SR-71

A produção do Foxhound começou em 1979 e entrou em serviço em 1981. Inspirado em relatórios de inteligência vagas mas brilhantes sobre suas capacidades, o Foxhound adquiriu uma reputação sinistra nos relatórios de inteligência da OTAN. Refletindo essa reputação exagerada, o filme de 1982 Firefox , estrelado por Clint Eastwood, imaginou o MiG-31 como capaz de voar a Mach 5, beneficiando da tecnologia stealth, e de ser operado apenas pelo pensamento!

No mundo real, o MiG-31 não parecem ter sido usado para perseguir o avião espião Blackbird SR-71, que poderia sustentar velocidades de Mach 3.3 ou superior em suas missões de reconhecimento. A conta de um piloto soviético sugere que um Foxhound foi capaz de "bloquear" um Blackbird com seus mísseis.

Outro relatório afirma que seis MiG-31 foram capazes de encaixar em um Blackbird em um incidente separado. No entanto, o Melro nunca foi empregado para sobrevoar o espaço aéreo soviético, ao contrário do que algumas fontes implicam. Os Blackbirds, em vez disso, voaram ao lado dele, o que explicaria por que os pilotos MiG-31 nunca tiveram motivos para disparar seus mísseis R-33 nos rápidos planos de espião.

Moscou refinou seus Foxhounds ao longo do tempo, começando a produzir 101 da variante MiG-31DZ capaz de reabastecimento a partir de ar em 1989. Após a revelação de 1985, o designer aeronáutico soviético Adolf Tolkachev expôs os segredos do radar Foxhound à CIA , 69 MiG- 31Bs e BSs foram desenvolvidos posteriormente com novos radares e várias atualizações de hardware. Dois MiG-31Ds também foram desenvolvidos para disparar mísseis anti-satélite especializados.

Como o Mig-31 repeliu o Blackbird SR-71 dos céus soviéticos.

Mesmo que nenhum SR-71 tenha sido perdido devido a ações hostis durante toda a carreira do Blackbird, o espião espião capaz de Mach 3+ enfrentou um adversário que poderia efetivamente interceptar: o Mig-31 Foxhound .

O registro de missão impressionante do SR-71 foi alcançado graças a algumas características únicas de sua estrutura, como sua capacidade de voar em mais de três vezes e meia a velocidade do som a 88.000 pés, é pequena (para o tempo) Radar Cross Section (RCS) e suas sofisticadas contramedidas eletrônicas (ECM).

Essas características de voo tornaram o Blackbird seguro contra qualquer tentativa de interceptação conduzida por combatentes inimigos ou mísseis de superfície a ar (SAM), durante suas missões de reconhecimento no céu russo durante os anos da Guerra Fria.

A única aeronave que possuía as capacidades para derrubar um SR-71 era o F-14 Tomcat , que poderia usar o míssil de longo alcance AIM-54 de Phoenix contra o plano preto rápido.

Na verdade, a Phoenix foi desenvolvida para derrubar mísseis de cruzeiro soviéticos que voavam a uma altitude similar à alcançada pelo Blackbird. Além disso, com uma velocidade entre Mach 4 e Mach 5, o AIM-54 foi rápido o suficiente para causar sérios problemas ao SR-71.

Mas, as capacidades apresentadas pelo Tomcat e seus mísseis de longo alcance, não foram acompanhadas por nenhum interceptor russo, e para parar os sobrevoos dos SR-71, os soviéticos desenvolveram uma aeronave que apresentava características semelhantes às da F-14.

Como explicamos recentemente, o único avião que teve uma velocidade próxima da SR-71 foi o MiG-25 . Mas, mesmo que pudesse voar no Mach 3.2, o Foxbat não conseguiu sustentar tais velocidades o suficiente para alcançar o Blackbird.

Outro problema sério que afetou o Foxbat foi a falta de eficácia de seus mísseis R-40 (AA-6 Acrid com base na designação da OTAN) contra um alvo ar-a-ar menor do que um grande bombardeiro estratégico .

Essas deficiências foram resolvidas quando um desenvolvimento mais avançado de MiG-25 (abaixo), o MiG-31, entrou em serviço na década de 1980: o Foxhound estava armado com um míssil muito semelhante ao US AIM-54 Phoenix, o R-33 (AA-9 Amos, conforme relatado pela designação da OTAN).

Esta arma era ideal não só para derrubar os bombardeiros americanos, mas também para interceptar e destruir aviões de reconhecimento rápido, como o SR-71.

Esta afirmação foi dramaticamente confirmada no livro de Paul Crickmore Lockheed Blackbird: Beyond The Secret Missions.

Neste livro, um dos primeiros pilotos do Foxhound, o capitão Mikhail Myagkiy, que tinha mexido com o MiG-31 várias vezes para interceptar o avião espião super-rápido dos EUA, explica como ele conseguiu bloquear um Blackbird no dia 31 de janeiro, 1986:

"O esquema para interceptar o SR-71 foi calculado até o último segundo, e os MiGs tiveram que iniciar exatamente 16 minutos após o alerta inicial. (...) Eles nos alertaram por uma interceptação às 11 horas. Eles soaram o alarme com um sino agudo e depois o confirmaram com um alto-falante. A aparência de um SR-71 sempre foi acompanhada por nervosismo. Todo mundo começou a conversar com frenesi, a correr e reagir à situação com emoção excessiva ".

A Myagkiy e o seu Oficial do Sistema de Armas (WSO) conseguiram alcançar um bloqueio SR-71 a 52,000 pés e a uma distância de 120 Km do alvo.

Foxhound subiu a 65.676 pés, onde a tripulação teve o Blackbird à vista e de acordo com Myagkiy:

"Se o avião espião violasse o espaço aéreo soviético, um lançamento de mísseis ao vivo teria sido realizado. Não havia praticamente chance de que a aeronave pudesse evitar um míssil R-33 ".

Após essa intercepção, Blackbirds teria começado a pilotar suas missões de reconhecimento de fora das fronteiras da União Soviética.

Mas os MiG-31 interceptaram o SR-71 pelo menos outro tempo.

Em 3 de setembro de 2012, um artigo escrito por Rakesh Krishman Simha para Indrus.in explica como o Foxhound conseguiu parar as missões de espionagem dos Blackbirds na União Soviética em 3 de junho de 1986.

Naquele dia, nada menos que seis MiG-31 "interceptaram" um SR-71 sobre o Mar de Barents, realizando uma interceptação coordenada que submeteu o Blackbird a um possível ataque de mísseis ar-ar.

Aparentemente, após esta intercepção, nenhum SR-71 voou missões de reconhecimento sobre a União Soviética e poucos anos depois o Blackbird foi retirado para ser substituído pelos satélites.

Mesmo se alegando que o MiG-31 foi uma das causas da aposentadoria do SR-71 é um pouco extravagante, é seguro dizer que, no final da carreira do espião-piloto lendário, os russos provaram ter desenvolvido táticas que poderiam colocar o Blackbird em risco .

Mig-31 ainda está em serviço, mas o sucessor do SR-71, apelidado de SR-72 e capaz de atingir o Mach 6, deve ser bastante seguro a uma velocidade hipersônica.

Comparativo MIG-31 Foxhound vs F-14 Tomcat

Segundo fontes Russas, o potencial de combate do F-14 Tomcat e das suas armas é equivalente a 60 a 70% do potencial do MIG_31. Os restantes aviões de produção Ocidental como o F-15, F-16, F/A-18, Mirage 2000 e Panavia Tornado F-3 (abaixo), ainda segundo os especialistas Russos, são inapropriados para comparar com o MIG-31 em combate (BVR) para além do alcance visual.

Embora o MIG-31 não tenha sido desenvolvido para defrontar o F-14 Tomcat (abaixo), são ambos projetos da mesma época e possuem características que os tornam únicos. Ambos são tripulados por um piloto e um operador de radar/armas, ambos foram pensados e desenvolvidos segundo o mesmo conceito, a intercepção de alvos a muito longa distância.


Especificações comparativas
 MIG-31 Foxhound

F-14 Tomcat

Propulsão2x Soloviev D-30F62x P&W TF30-P-412A
Potência normal9,500 Kgf5,600 Kgf
Potência c/ pós combustão15,500 Kgf9,480 Kgf
Combustível interno15,500 Kg7,460 Kg
Máximo peso bruto à descolagem43,000 Kg33,000 Kg
Relação peso potência0.760.72
Velocidade máxima ao nível do mar1,450 Km/h1,450 Km/h
Velocidade máxima em altitude3,030 Km/h2,350 Km/h
Velocidade mínima (antes de cair)450 Km/h400 Km/h
Tecto de serviço20,600 m18,500 m
Limite da força de gravidade5 G's7,5 G's
Alcance de intercepção c/ pós combustão720 Km250 Km
Alcance de intercepção c/ potência militar1,250 Km800 Km
Sistema de controlo de armasRP-31 (zaslon)AN/AWG-9
Antena de radarPhased ArrayDoppler, Banda X
Alvos controlados ao mesmo tempo1024
Alvos atacados ao mesmo tempo46
Alcance de detecção modo normal120-130 Km130-140 Km
'Alcance de detecção modo perseguição45-60 Km60 Km
Sistema de alerta radarBeryoza-MLAN/ALR-45
Dispensadores Chaff/flareAPP-50AN/ALE-39
Interferidor (Jammer) activo- -AN/ALQ-126
Mísseis de longo alcance4x R-336x AIM-54 Phoenix
Mísseis de médio alcance2x R-40TD6x AIM-7F Sparrow
Mísseis de curto alcance4x R-60M2x AIM-9 Sidewinder
CanhãoGSh-6-23Vulcan M-61A1
Bombas- -14x Mk-82

 

Микоян МиГ-31 "Foxhound" ; Especificações

Dados referentes aos modelos MIG-31B e MIG-31BS Foxhound A

  • Tripulação - 2 (piloto e operador de radar/armamento)
 
  • Performance
    • Velocidade máxima ao nível do mar - 1,500 km/h
    • Velocidade máxima acima de 17,000 m - 3,030 km/h
    • Velocidade de cruzeiro supersónica - 2,500 km/h
    • Velocidade de cruzeiro subsónica - 900 km/h
    • Velocidade máxima, (número mach) - mach 2.85
    • Velocidade de aterragem (a 26,000Kg) - 280-285 km/h
    • Tecto de serviço c/ 4x R-33 e 2600Kg de combustível - 20,600 m
    • Alcance máximo c/ 4x R-33 a mach 2.35 - 1,400 km
    • Alcance máx. veloc. sub sónica e 2x depósitos externos - 2,850-3,000 km
    • Alcance máx. veloc. sub sónica sem depósitos externos - 2,150-2,400 km
    • Alcance de travessia (ferry range) - 3,300 km
    • Alcance de intercepção, velocidade supersónica - 720 Km
    • Alcance de intercepção velocidade sub sónica - 1,200 km
    • Alcance de intercepção veloc. sub sónica 2x depósitos externos - 1,400 km
    • O mesmo que o anterior com um reabastecimento aéreo - 2,000 km
    • Resistência sem reabastecimento aéreo - 2,6 horas
    • Resistência com reabastecimento(s) aéreo(s) - 6 a 7 horas
    • Limite de força G c/ menos de 6,000Kg de combustível - 5 G's
    • Como o anterior à velocidade entre mach 0.8-1.5 - 4,5 G's
    • Como o anterior mas com depósitos externos - 2,5 G's
    • Corrida p/ descolar c/ 37,100Kg de peso bruto - 950 m
    • Corrida de aterragem c/ 26,600Kg de peso bruto e 2x para-quedas de travagem accionados - 800-900 m
    • Tempo máximo de voo permitido a mach 2.35 com 4x R-60 - ≤ 2 minutos
    • Tempo máximo de voo permitido a mach 2.2 com 4x R-60 - ≤ 8 minutos
    • Tempo máximo de voo permitido a mach 0.9 com 4x R-60 - ≤ 60 minutos
    • Ângulo máximo de mergulho - 45º

 
  • Dimensões
    • Comprimento (incluindo a sonda no nariz) - 22.67 m
    • Envergadura - 13.45 m
    • Altura no solo - 5.15 m
    • Área das asas incluindo a secção central - 61.6 m2
    • Área das asas excluindo a secção central - 41 m2
  • Pesos e capacidade de combustível
    • Peso vazio - 21,890 Kg
    • Peso à descolagem com o máx. de combustível sem carga externa - 36,700 Kg
    • Peso à descolagem com o máx. de combustível c/ 4x R-33 - 41,000 Kg
    • Peso bruto máximo à descolagem - 46,200 Kg

Motores

  • 2 × Soloviev D-30F6 com Pós-combustores
  • Impulso com Pós-combustão accionada - 152 kn
  • Impulso sem Pós-combustão - 93 kn

 

Armamento[editar | editar código-fonte]

  • Mísseis ar-ar de longo alcance - 4x R-33 (designação NATO: AA-9 Amos)
  • Mísseis ar-ar de médio alcance - 2x R-40TD (designação NATO: AA-6 Acrid) ou
  • Mísseis ar-ar de médio alcance - 4× R-77 (AA-12 'Adder')
  • Mísseis ar-ar de curto alcance - 4x R-60M (designação NATO: AA-8 Aphid) ou
  • Mísseis ar-ar de curto alcance - 4× R-73 (AA-11 Archer)
  • canhão - 1x GSh-6-23 (23 mm)

 

MiG-31BM 1:48 AMK Istvan Michalko

 
MiG-31 FoxhoundMiG-31 FoxhoundMiG-31 FoxhoundMiG-31 FoxhoundMiG-31 Foxhound

A Rússia desenvolveu uma versão modernizada do Sukhoi Su-30SM Flanker-H que possui armas e aviônica avançadas.

Designado como Su-30SM1, o avião foi construído considerando a experiência operacional que a Rússia obteve durante a operação na Síria, comunica o The National Interestcitando o jornal Izvestia.

De acordo com o material publicado pelo Izvestia e citado pela The National Interest, o Su-30SM1 possui um sistema de gerenciamento de reservas avançado e uma variedade de armas de precisão incluindo mísseis do tipo ar-ar KAB-250 e o X-59MK2 do tipo ar-superfície.

O míssil KAB-250 é a resposta russa à Bomba de Pequeno Diâmetro (Small Diameter Bomb) de 250 libras do Pentágono, informa o colunista do The National Interest Dave Majumdar. Esta arma russa é modular e pode utilizar um sistema de navegação GPS ou GLONASS, ou pode ser guiada via laser.

Entretanto, o X-59MK2 é uma nova versão do míssil antinavio X-59 adaptado para atacar alvos terrestres. O novo X-59MK2 ganha capacidade para atacar alvos terrestres estacionários pré-programados, mas não é claro se mantém a capacidade de atacar alvos marítimos.

Presumivelmente, o avião recebeu melhorias dos sensores e do equipamento de comunicação. Dave Majumdar frisou que não é nada surpreendente que os russos estejam modernizando o Su-30SM. A Força Aérea russa aprendeu muitas lições operacionais com suas missões na Síria e agora aplica alterações na sua frota aérea.

A Rússia está também modernizando outras aeronaves, incluindo o Su-35 Flanker-E e o Su-34. Espera-se a entrega de 17 Su-30SM neste ano.

d471f319-8713-4c40-a164-50f6c496f989.jpge1abbf6e-ceda-4b97-9fad-55fc7a036fc4.jpg920a852a-13f4-4348-9d1e-1924636f8552.jpgfb0a029c-12f1-4793-b8d4-ff1f2565fe63.jpga6799949-4e65-4dae-9543-9745d450e215.jpg016-1.jpg

A base de Hmeymim é uma das estruturas militares russas mais conhecidas e modernas. Sendo a base do contingente russo na Síria, ela é equipada com tudo o necessário para garantir o trabalho e o lazer dos militares, possuindo até uma biblioteca, um museu e uma igreja... Mas como este aeródromo sírio abandonado se tornou em um posto avançado russo?

primeira base militar russa, ou melhor soviética, foi instalada na Síria em 1971, no porto de Tartus. Depois, quando em 2015 o governo sírio lançou um pedido de ajuda a Moscou, o comando russo decidiu criar uma base militar próxima deste porto, contou em uma entrevista ao canal Zvezda o general das Forças Armadas russas Aleksandr Dvornikov, primeiro comandante do grupo russo na Síria. Coordenadas 35°24′42″N 35°56′42″E 

De acordo com o militar, para instalar uma base militar o comando russo escolheu um aeródromo civil abandonado por muitos anos.

Em setembro de 2015, Hmeymim se converteu já em uma base aérea plenamente operacional. Na época, a situação na Síria estava extremamente tensa, já que uma grande parte do país se encontrava sob controle do Daesh, sendo que as tropas governamentais estavam recuando. Deste modo, a base foi construída em condições difíceis, quase na linha da frente.

De acordo com o general Dvornikov, as Forças Armadas russas conseguiram instalar rapidamente as estruturas de comando e um sistema de controle, bem como o Centro para a Reconciliação no território sírio.

Uma atenção especial foi dada às questões de segurança. Deste modo, o espaço aéreo da base foi protegido por sistemas da defesa antiaérea Pantsir-S1 e S-400. Assim, qualquer engenho aéreo não autorizado que penetre no espaço aéreo em um raio de 60 quilômetros da base pode ser destruído.

O sistema da defesa antiaérea S-400 instalado na base militar russa Hmeymim, na Síria
Acima sistema da defesa antiaérea S-400 instalado na base militar russa Hmeymim, na Síria.

Prova disso é que os terroristas já tentaram várias vezes atacar a base de Hmeymim com peças de artilharia improvisadas. Os projéteis lançados foram imediatamente destruídos pelos sistemas Pantsir. Além disso, a defesa aérea russa abateu diversos drones dos terroristas carregados de dispositivos explosivos. A segurança dos próprios sistemas antiaéreos cabe às forças dos fuzileiros da Marinha russa.

polícia militar, por sua vez, assegura a segurança do território da base aérea, protegendo, ao mesmo tempo, a impressionante frota de aeronaves da Força Aeroespacial russa que lá operam. Trata-se se de caças, bombardeiros, helicópteros militares e grandes aviões de transporte.

Além disso, as Forças Armadas russas melhoraram a pista de decolagem, por isso agora os bombardeiros e até o gigantesco avião de transporte Antonov An-124 Ruslan podem lá aterrar.

Entre os primeiros membros das forças russas que desembarcaram na Síria figuram os médicos militares, inclusive a vanguarda da equipe médica especial de Sevastopol.


Ademais, a base aloja duas cantinas, uma para os soldados e outra para os oficiais. Para variar a ementa, cada mês se organiza um dia da cozinha nacional. Deste modo, os militares têm oportunidade de provar pratos ucranianos, georgianos, ossetas e uzbeques. Sabe-se também que na preparação das refeições são utilizados legumes frescos.

Uma cantina para os militares russos na base aérea de Hmeymim, na Síria
Acima cantina para os militares russos na base aérea de Hmeymim, na Síria

Para os tempos de lazer, os militares russos têm acesso a vários tipos de atividades: uma biblioteca, televisores e um bilhar estão em sua disposição, sem falar das cabinas telefônicas gratuitas e de ajuda psicológica profissional.

Além disso, a base é equipada com uma lavandaria e banhos russos, uma espécie de sauna. Para aqueles que se encontram nas posições mais afastadas, existe também uma sauna móvel.

Militares russos treinam na academia da base aérea russa Hmeymim, na Síria

Rússia conduz uma operação militar contra os grupos terroristas na Síria desde 30 de setembro de 2015, por ordem do presidente Putin e a pedido do presidente sírio Bashar Assad.

Em 14 de março de 2016, Vladimir Putin começar a retirar a maior parte do contingente russo na Síria. De acordo com ele, os militares russos já cumpriram sua missão e inverteram a tendência da luta contra o terrorismo.

Su-57 vs. F-22: comparação entre mísseis dos caças de quinta geração

O caça russo Su-57 é frequentemente comparado com outro caça de quinta geração, o F-22 Raptor de produção estadunidense. A revista russa Svobodnaya Pressa analisou recentemente as munições de ambos os aviões militares para descobrir quais são as mais potentes.

Pelo menos 14 tipos de armamento estão sendo criados para as aeronaves russas Su-57. Entre eles há mísseis ar-ar e ar-terra com diferentes alcances e bombas guiadas. Quase todas as munições devem estar localizadas no interior da fuselagem com vista a diminuir sua visibilidade.

Contudo, também há mísseis não ordinários que não cabem no seu compartimento de bombas. Esses projéteis possuem muitas vantagens, um alcance extremamente longo e grande potência. Está previsto que essas armas sejam colocadas no exterior da asa, a não ser que os Su-57 tenham que se esconder dos radares inimigos.

Por exemplo, quando o caça é usado como interceptor, a melhor opção é aniquilar o alvo a partir de longa distância. Nesse caso, o melhor míssil para esse tipo de tarefa será o inovador KS-172 que conta com um alcance de 400 km.

Esse projétil é capaz de acelerar até 1.400 metros por segundo. O KS-172 pode eliminar alvos que voam a uma altura de entre três e 30.000 metros a uma velocidade de 1.100 metros por segundo. A ogiva do mencionado projétil pesa uns 50 kg. Abaixo AIM-120 dos EUA

O principal rival desse míssil é o AIM-120 dos EUA, da classe ar-ar, que possui um alcance de 180 km. Esses mísseis são instalados nos F-22 Raptor. Diferentemente dos KS-172 russos, os AIM-120D estão dotados de sistema GPS. Não obstante, a velocidade do projétil é inferior a 1.200 metros por segundo. A ogiva pesa uns 18 kg. Abaixo KS-172 russos

 Apesar dessas desvantagens, o tamanho do míssil americano permite instalá-lo dentro do compartimento do caça, o que possibilita manter a baixa visibilidade do aparelho aos radares inimigos, conclui o autor do artigo da Svobodnaya 

O jornal sueco Svenska Dagbladet publicou uma lista das dez armas russas que podem vir a mudar o equilíbrio de forças no mundo.

 

RS-28 Sarmat 

Este míssil balístico intercontinental com ogiva nuclear é capaz de atingir uma área comparável ao território do Texas ou da França, indica o artigo do Svenska Dagbladet. O alcance operacional do míssil é de 11 mil quilômetros, ele pesa 100 toneladas. Segundo a OTAN, o novo míssil terá o nome de Satã 2. 

"A ogiva nuclear do Satã 2 pesa 10 toneladas, ela é duas mil vezes mais potente do que as bombas lançadas em Hiroshima e Nagasaki", comunica a edição. 

Se espera que o míssil entre em serviço em 2018. 

T-14 Armata

O Armata é uma plataforma de combate capaz de desempenhar funções de tanque, de sistema de defesa antiaérea, de unidade de artilharia ou de veículo de engenharia. 

"O tanque se destaca pelo fato de a tripulação estar protegida em uma torre de estrutura  inovadora", diz o artigo. Além disso, o T-14 é mais rápido e ligeiro do que seus análogos estrangeiros. 

 

Submarino Lada

O submarino a diesel Lada (Classe St.Petersburg de submarinos) é famoso por suas características compactas e furtivas. Estes submarinos são dotados de torpedos autoguiados que podem eliminar outros submarinos e navios. O Svenska Dagbladet classificou esta embarcação como "submarino invisível". 

"Este submarino faz menos ruído do que o seu antecessor soviético Kilo e do que todos os outros submarinos russos atuais", indica o artigo.

 

Mísseis 9K720 Iskander

Estes mísseis balísticos de curto alcance podem transportar ogivas nucleares ou de outro tipo. 

"Trata-se, por exemplo, de bombas de alta precisão, capazes de destruir bunkers, bombas de fragmentação ou ainda mísseis eletromagnéticos para eliminar sistemas de radares inimigos", comunica a edição.

Sistema de mísseis táticos Iskander

O míssil Iskander pesa cerca de 3,8 toneladas e pode alcançar uma velocidade de mais de 2 mil metros por segundo, o que o torna praticamente inacessível para os sistemas antiaéreos do inimigo. 

 

Mísseis táticos operacionais OTR-21 Tochka 

O OTR-21 Tochka é um míssil balístico tático construído ainda em 1976. A versão mais recente do Tochka pesa 1,8 toneladas, enquanto o seu alcance atinge 185 quilômetros.  

Sistema de mísseis balísticos russo Tochka

"O míssil pode ser equipado com uma carga convencional ou ogiva nuclear", acrescenta o artigo. 

 

S-400

"Os S-400 são a 'nova estrela' do sistema antiaéreo russo", acrescenta o Svenska Dagbladet. A edição classifica este sistema móvel como a variante mais moderna da defesa contra mísseis e aviões inimigos.

S-400 Triumph / SA-21 Growler sistemas de mísseis terra-ar de médio e longo alcance no desfile militar de 2015 do 70º aniversário da Vitória na Guerra Patriótica 1941-1945. Moscou, Praça VermelhaS-400 Triumph / SA-21 Growler sistemas de mísseis terra-ar de médio e longo alcance no desfile militar de 2015 do 70º aniversário da Vitória na Guerra Patriótica 1941-1945. Moscou, Praça Vermelha.

"O S-400 tem o sistema de monitoramento mais avançado, que pode acompanhar 80 mísseis e aviões ao mesmo tempo", indica o artigo.

O S-400 pode utilizar três tipos de mísseis com alcance de até 400 quilômetros, enquanto a velocidade do projétil supera os 1000 metros por segundo.

 

Su-34

Os militares russos utilizaram com sucesso este caça na Síria. A tripulação do caça consiste de 2 pilotos e a autonomia de voo é de 4,5 mil quilômetros. Numa altitude de 11 mil quilômetros este aparelho pode atingir velocidades de até 1,9 mil km/h.

Caça russo Su-34
"O caça é dotado de dois mísseis ar-ar, mísseis guiados ar-terra, mísseis de médio alcance, bombas guiadas e não guiadas", comunica a edição.

 

Navios de infantaria

As Forças Armadas da Rússia têm vários navios pesados do tipo 775 Minsk-Korolev, Kalinigrad e Aleksander Shabalin, que podem transportar um batalhão de forças de infantaria naval, para além do respetivo equipamento técnico. 

Estes navios são equipados com lança-mísseis de calibre 57 milímetros e uma instalação de 76,2 milímetros. Além disso, os navios são dotados de sistemas de mísseis. 

 

 

Submarinos da classe Kilo

A tripulação dos submarinos Kilo é composta por 57 marinheiros e oficiais. A velocidade do submarino é de 18,5 km/h em regime de emersão e 31 km/h debaixo de água. O navio é capaz de submergir a uma profundidade de até 240 metros e permanecer imerso durante 45 dias. 

"O seu armamento inclui seis lança-torpedos, podendo transportar 18 torpedos ou 24 minas", diz o artigo. 

 

Submarino nuclear Borei

O jornal classifica este submarino como o "novo super submarino russo".  Os Borei são menores do que os seus antecessores Akula, sendo mais manobráveis e furtivos. 

"A embarcação de 170 metros é equipada com mísseis balísticos dotados de ogivas nucleares táticas e estratégicas", acrescenta o artigo. 

Após a desintegração da União Soviética em 1991, o financiamento da defesa foi drasticamente reduzido, indica o jornal. Mas após a chegada de Putin, a situação se alterou. O Exército russo começou a receber financiamento para a modernização do equipamento e realização de exercícios. Abaixo Submarino nuclear da classe Borei Aleksandr Nevsky

Submarino nuclear da classe Borei Aleksandr NevskyEm 2017 as forças estratégicas da Rússia vão receber 41 novos mísseis balísticos, a Força Aérea será dotada de 170 novos aviões, o exército de 905 tanques e veículos blindados e a Marinha de 17 novos navios.

MIG-41 - Um novo Interceptador Mach 4+?

O novo interceptor Mikoyan

O departamento de design de aeronaves militares russas, Mikoyan Gurevich, desde a década de 1940, está construindo muitos aviões militares famosos, algumas das aeronaves sendo verdadeiras garanhões em termos de velocidade. Dois destes são o MiG-25 e o MiG-31, que ambos foram capazes de velocidades de sobre mach 3.2 e 2.83, respectivamente.

Agora houve rumores de que o MiG está tentando fazê-lo novamente - construindo um interceptor super rápido. O nome atual do projeto é MiG-41 com velocidades projetadas para ser de mais de 4.0. De acordo com o famoso piloto experimental russo Anatoliy Kvochur, o MiG-41 deve ser capaz de atingir velocidades até Mach 4.3 (cerca de 5270 km / h ou 3270 mph).

MiG-41 - sobre o que será?

Então, agora ao ponto deste artigo, o MiG-41. Não há muito conhecido porque é, assim como todos os principais projetos militares modernos, muito secretos. Mas sabemos que há um programa acontecendo, já que o deputado Alexander Tarnaev, do Comitê de Defesa da Duma do Estado russo, disse isso durante uma entrevista no Centro Cultural das Forças Armadas da Rússia: "A decisão correspondente foi tomada pelo Chefe do General Funcionários; Ele já assinou o documento para realizar trabalhos de pesquisa no projeto MiG-41 ". 

O novo MiG será baseado no Foxhound, já que Tarnaev também disse isso sobre o projeto: "Incorporará todas as vantagens do jato interceptor de combate MiG-31". 

Para fazer isso, eles precisarão de plataformas de teste, o que pode ser o motivo pelo qual centenas de MiG-31s serão revisadas e colocadas em serviço com a Força Aérea Russa.

O que veremos quando o MiG-41 será introduzido ainda é desconhecido, já que o projeto é bastante novo e não foi muito vazado. No entanto, quando olhamos para o modo como o MiG-31 se desenvolveu a partir do Foxbat e pensa sobre a capacidade do Mach 4.0 (até 4.3) da MiG-41, podemos dizer que provavelmente será um interceptor fortemente armado com teto de alto serviço e - obviamente - muito alto Rapidez.

No próximo ano, o único porta-aviões russo, Admiral Kuznetsov, irá para reparação programada. 

Porta-aviões Admiral Kuznetsov, da Marinha russa
O maior navio da Marinha da Rússia fará 30 anos em dezembro, é uma idade considerável para um navio grande. Algumas de suas partes e mecanismos demandam serem substituídos.

porta-aviões será reparado e modernizado e depois, em 2020 ou 2021, ele vai voltar ao serviço na Frota do Norte da Marinha da Rússia. Depois da modernização, o navio vai ser também usado para treinamento de pilotos da aviação embarcada quando a Marinha receber novos porta-aviões.

Agora o motor do porta-aviões trabalha a óleo, durante a reparação, quatro de suas oito caldeiras do motor principal serão substituídas e o navio já não vai lançar tanto fumo (no ano de 2017, quando o Kuznetsov se dirigia com sua missão às costas da Síria, a mídia ocidental o ridicularizou por causa desta fumaça, mas é assim que trabalham os motores a óleo).

Além de alteração no sistema de propulsão, o porta-aviões receberá novos equipamentos avançados para a tripulação, incluindo meios de comunicação e navegação.

No início do ano, o chefe da Corporação Unida de Construção Naval da Rússia, Aleksei Rakhmanov, disse que as armas do navio também serão substituídas. Pode ser que se trate da substituição dos mísseis anti-navio Granit pelos mais avançados mísseis Kalibr.

Mas nem todos os especialistas consideram que o Admiral Kuznetsov precisa de mísseis de ataque, porque este navio desempenha um papel defensivo.

Por exemplo, o especialista russo em assuntos militares Viktor Murakhovsky, editor-chefe da revista Arsenal Otechestva, pensa que "durante a reparação será preciso desmantelar os mísseis de ataque, como fizeram anteriormente os chineses com seus porta-aviões", e usar o espaço libertado para aumentar as reservas de combustíveis e munições para a aviação embarcada neste porta-aviões. Abaixo míssil disparado pelo Admiral Kuznetsov 

Segundo relatos, o porta-aviões russo poderá receber sistemas de defesa antiaérea Pantsir-M (modificação naval do Pantsir-S), mas isto não é claro até que seja aprovado o programa estatal de armamentos para 2018-2025.

Sukhoi Su-25UTG FROGFOOT NAVY 

Rússia destrói tanques e posições de artilharia terroristas na Síria.

A Força Aeroespacial da Rússia destruiu uma série de alvos terroristas perto da cidade síria de Deir ez-Zor, incluindo quatro tanques, duas fortificações de artilharia. A informação foi divulgada pelo Ministério da Defesa da Rússia nesta segunda-feira (28).

Nas últimas 24 horas, a aviação russa destruiu alvos terroristas em Deir ez-Zor em meio à ofensiva do Exército da Síria para libertar a área ao redor da cidade do controle do grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico). 

 
"A aviação russa continuou a atacar com sucesso os alvos da Daesh, destruindo 4 tanques, 16 veículos armados com metralhadoras pesadas, 6 veículos pesados com munição e duas posições de artilharia fortificadas", diz o comunicado.

O Ministério da Defesa russo informou que os terroristas do Daesh estão se reagrupando e preparando áreas fortificadas em Deir ez-Zor após a ofensiva das tropas do governo sírio, que contam com a assistência russa.Veículos de combate de infantaria do exército sírio"As ações efetivas dos aviões de combate russos permitiram que as forças do governo sírio sob o comando do general Hassan Sukhel continuassem a ofensiva ao longo da margem leste do rio Eufrates até Deir ez-Zor, visando levantar seu cerco", informou o Ministério da Defesa. 

Foi destacado também que o Exército sírio e as unidades de autodefesa apoiadas pela Forças Aeroespacial russa avançaram significativamente rumo a Deir ez-Zor a partir de três direções.

As 4 invenções militares russas mais temíveis

Armas nunca foram usadas em combate – e esperamos que não sejam!

 

1. O Pai de Todas as Bombas 

Em abril de 2017, os EUA bombardearam o EI (Estado Islâmico) no Afeganistão com a “Mãe de Todas as Bombas” – o GBU-43/B Arsenal Massivo de Explosão Aérea (MOAB, na sigla em inglês) -, a mais poderosa arma não nuclear de seu arsenal.

Pelo menos 36 terroristas morreram durante a explosão e armazéns com armas e equipamentos militares, assim como diversos túneis, foram destruídos.

A Rússia tem uma bomba similar, mas muito mais poderosa. Apesar de seu tamanho menor, a Munição Aérea Volumétrica de Detonação russa (ODAB) tem quatro vezes mais força que o MOAB americano, com o rendimento equivalente a aproximadamente 40 toneladas de TNT.

O “Papa” russo, como a bomba foi carinhosamente apelidada, garante o dobro da distância mortal da norte-americana “Mama”.

O design da ODAB é muito original. O nariz tem um artifício eletromecânico complexo para armar e pulverizar o material explosivo. Algum tempo depois de o dispositivo ser lançado, os produtos químicos são despejados. O aerossol resultante se transforma em uma mistura gás-ar que é detonada por um fusível.

A ODAB gera uma onda de impacto com propulsão da pressão de cerca de 3.000 kPa (30 kgf/cm), criando um vácuo no epicentro da explosão. Esse diferencial rasga, literalmente, o interior para destruir qualquer coisa em seu caminho, até mesmo prédios.

2. Sarmat substitui o velho Satan

O míssil balístico intercontinental RS-20V  (designação da Otan: SS-18 Satan) é o maior e mais feroz míssil estratégico do mundo. Com quase 210 toneladas, ele pode liberar até 10 ogivas nucleares, cada uma de 750 quilotoneladas, direto sobre o alvo. O Stan pode limpar uma cidade do tamanho de Moscou ou Nova York.

Mas este míssil está ficando velho, e Moscou encontrou um substituto à altura: o Sarmat, um ICBM que deve começar a ser usado no final do tratado Start III, em 2021.

Ele tem metade do peso é pode levar não 10, mas 17 ogivas independentemente segmentáveis, com capacidade de 300 quilotoneladas cada.

Além disso, eles não serão o tipo de explosivos “tolos” comuns , que traçam uma parábola ao alvo após a separação, mas sim mísseis manobráveis hipersônicos.

3. BMPT-72 “Terminator”

Foto: Vladislav Belogrud /TASS

Dois canhões de 30 mm, mísseis guiados antitanques e metralhadoras. Tudo isso combinado ao poder de direção do tanque T-72 junto à blindagem e chassi.

No final de 2017, o veículo russo de apoio a tanque BMPT-72 (apelidado, não oficialmente, de “Terminator”, ou “Exterminador”), viu os combates na Síria.

O Terminator pode se mover em terrenos difíceis a uma velocidade de 60 km/h, atravessar trincheiras e esmagar paredes de 1,5 metros de altura, ou destruí-las, assim como estruturas superfortificadas.

Ele pode combater helicópteros e seu enorme poder de fogo pode neutralizar os inimigos a uma distância de 3 quilômetros.

Além de canhões de 30 mm com 850 munições, o Terminator é equipado com quatro lançadores de mísseis antitanques Shturm-S com ogivas termobáricas, assim como com a nova metralhadora Kord com 2 mil cartuchos de munição.

4. TOS-1 Buratino - Um furacão de fogo

TOS-1A Alexander Vilf / RIA Novosti

O sistema lança-chamas pesado TOS-1 Buratino é outro da categoria sobre lagartas. Como o personagem dos contos de fadas Buratino (o “Pinóquio” russo), este sistema pode botar seu nariz em qualquer buraco.

O veículo é baseado sobre o tanque T-72, mas, ao invés de uma arma montada, ele tem 30 tubos (de 220 mm de calibre) capazes de soltar um furacão de fogo em apenas alguns segundos.

Os mísseis contêm uma mistura termobárica que literalmente esmaga esconderijos e tropas e as transforma em pedacinhos com choques, fogo e estilhaços.

Mas o inferno de verdade começa depois. A carga termobárica em cada projétil cria uma “nuvem de mistura aérea” que explode, criando pressão a uma temperatura de quase 3 mil graus Celsius, consumindo todo o oxigênio dos entornos e ruindo com a pressão.

Tudo dentro de um raio de vários quilômetros é destruído dessa forma: prédios, maquinário e, claro, qualquer coisa viva.

Os exercícios militares russo-bielorrussos poderiam resultar na tentativa de ofensiva em direção à região de Kaliningrado para ocupação de territórios da Polônia e Letônia, declarou o porta-voz do Estado-Maior das Forças Armadas ucranianas, Vyacheslav Voloshin, ao EspressoTV.

"O corredor de Suwalki, que separa a Bielorrússia da região russa de Kaliningrado, está a uma distância bastante pequena da Polônia e da Letônia", declarou o porta-voz do Estado-Maior ucraniano ao Espreso.TV.

De acordo com ele, realizar uma operação do tipo nesse corredor seria bastante fácil, "segundo mostram os eventos na Crimeia e em Donbass".

Riga, capital da LetôniaEm sua opinião, uma parte do contingente militar russo poderá ficar instalada na Bielorrússia, mesmo depois da conclusão dos exercícios militares.

"A Rússia declarou que deslocou 3.000 militares para a Bielorrússia. No entanto, ninguém sabe quantos [militares] na verdade entraram, [a Rússia] poderá retirar 3.000. Três mil entraram, três saíram, mas quantos [militares] na verdade ela pode deixar instalados lá?", frisou.

Os exercícios conjuntos russo-bielorrussos vão decorrer entre 14 e 20 de setembro em território bielorrusso.

Vários países da OTAN expressaram preocupações devido às manobras. No entanto, os exercícios vão contar com a presença de observadores de sete países e de diversas entidades internacionais.
 

Ao comentar essa inquietação em relação aos exercícios, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou que a quantidade de efetivos e equipamentos das manobras Zapad 2017 não atinge o nível sujeito à observação obrigatória prevista no Documento de Viena da OSCE de 2011.

A mídia polonesa está repleta de notícias alarmantes ligadas à presença temporária do contingente militar russo no território da República da Bielorrússia. As Forças Armadas da Polônia decidiram fechar a partir de meados de setembro o espaço aéreo do país ao longo de suas fronteiras orientais. 

Veículo blindado de transporte de pessoal BTR-80 durante os exercícios conjuntos da Rússia e BielorrússiaAs limitações aos voos de aviões comerciais abrangerão não só a fronteira da Polônia com a Bielorrússia, mas também com a região russa de Kaliningrado. As restrições compreenderão a aviação civil, paraquedistas e drones. Já os voos regulares, VIP, de policiamento e militares continuarão ocorrendo como de costume.

Russia BMP-3 Fighting Vehicle / ERA Armor [Plastic model) Item picture1
Russia BMP-3 Fighting Vehicle / ERA Armor [Plastic model) Item picture2
Russia BMP-3 Fighting Vehicle / ERA Armor [Plastic model) Item picture3
Russia BMP-3 Fighting Vehicle / ERA Armor [Plastic model) Item picture4
Russia BMP-3 Fighting Vehicle / ERA Armor [Plastic model) Item picture5
Russia BMP-3 Fighting Vehicle / ERA Armor [Plastic model) Item picture6

Rússia divulga imagens de ataque contra comboio do Daesh

Aviões da Força Aeroespacial russa destruíram cerca de 30 unidades de material pesado do Daesh na área de Deir ez-Zor na Síria, bem como armazéns com munições, informa o Ministério da Defesa da Rússia.

"Nos últimos dois dias, os aviões russos eliminaram 9 blindados, incluindo dois tanques, 6 posições de artilharia, um sistema de lança-foguetes múltiplo da produção artesanal, 3 armazéns com munições, um posto de comando, bem como mais de 20 caminhões com combustível, armas e munições", diz o comunicado do ministério.

Entretanto, existe uma informação que os militantes estão deslocando equipamento pesado para a área.

O Ministério de Defesa de Rússia publicou um vídeo de um recente ataque realizado contra posições de terroristas na região síria de Deir ez-Zor.

Acima, um comboio de 12 caminhões bliindados do Daesh foi destruído pelas aeronaves da Força Aeroespacial da Rússia na estrada entre Deir ez-Zor e a cidade de Rasafa. Foi infirmado qu os caminhões transportavam armas e munições. 

 

Em breve, serão realizados testes do novo canhão antitanque Sprut-SDM1. Graças às suas características modernizadas, esta arma foi batizada de "destruidor de tanques". 

T-90 c armado
Espera-se que a produção em série da arma, destinada para as tropas paraquedistas da Rússia, comece em 2018. O 2S25M Sprut-SDM1 ( russo : 2C25 «Спрут-СД»; 2S25 "Kraken-SD") substituirá a versão Sprut-SD que entrou em serviço em 2005.

 As capacidades da nova arma superam as de qualquer canhão autopropulsado. O Sprut-SDM1 pode bombardear tanques e outros veículos blindados.

"Isso significa que as capacidades desta arma são semelhantes às de um tanque. Outra característica comum com os tanques é o seu canhão liso de 125 milímetros", informa Vladimir Tuchkov no seu artigo publicado no jornal russo Svobodnaya Pressa.

Graças ao seu poder de fogo, que quase equivale aos tanques T-72 e T-90, o Sprut foi batizado como um autêntico "destruidor de tanques". Tuchkov destaca que o canhão, juntamente com o tanque russo Armatapodem reduzir a cinzas os tanques Abrams e Leopard da OTAN.


Para que o canhão, cujo disparo provoca enormes cargas, pudesse ser instalado em uma plataforma de lagarta mais leve, os engenheiros russos tiveram que usar sua máxima criatividade. Desta forma, decidiram diminuir o recuo do Sprut até 740 mm e introduziram na sua concepção mecanismos de suspensão hidropneumática.

Sprut-SDM1, à semelhança de um tanque, pode ser carregado automaticamente. Graças a esta função, a arma tem uma velocidade de tiro muito elevada.

Além do canhão de 125 milímetros, a nova modificação do Sprut recebeu uma metralhadora adicional de 7,62 milímetros, que vem integrada em um bloco de combate análogo ao usado no tanque T-90M.

Kalibr russos reduziram fortificações terroristas na Síria a cinzas 

Os mísseis de cruzeiro Kalibr, lançados da fragata russa Admiral Essen, atacaram posições do Daesh perto de Deir ez-Zor. Em relação ao ataque certeiro dos mísseis russos, para o especialista militar Viktor Litovkin não é novidade, já que os Kalibr vêm comprovando sua eficiência desde o primeiro ataque contra terroristas ainda em 2015.

 Segundo informou o Ministério da Defesa da Rússia, na manhã do dia 5 de setembro, a fragata Admiral Essen da Frota do Mar Negro da Rússia, que está cumprindo missões no mar Mediterrâneo, disparou mísseis de cruzeiro Kalibr contra alvos do grupo terrorista Deash perto da cidade síria de Deir ez-Zor.

Além disso, destaca-se que os lançamentos de mísseis de cruzeiro Kalibr foram realizados contra alvos terroristas identificados através de "vários canais".

Na opinião de Litovsky, os mísseis de cruzeiro Kalibr superam significativamente os mísseis norte-americanos Tomahawk.

"Os ataques de precisão da aviação russa e síria eliminaram muitos postos de comando dos terroristas em Al-Abgaliya, Al-Ayash, Ain abu Juma, Al-Tabna, Jibal Tharda e Al-Tih, e dentro de algumas horas será iniciada a libertação do aeródromo militar e áreas residenciais",

Submarinos russos com recordes tecnológicos que não foram superados

Além de proteger os interesses nacionais nos oceanos em todo o mundo, os submarinos da Marinha russa batem uma série de recordes tecnológicos que não foram superados por nenhum outro país.

Lista dos submarinos russos inigualáveis.

 

Primeiro submarino de mísseis balísticos

Mais de seis décadas atrás, em setembro de 1955, foi disparado pela primeira vez um míssil balístico a partir de um submarino. O lançamento bem-sucedido do míssil russo R-11FM foi realizado a partir do submarino soviético B-67, que foi modificado no estaleiro Sevmash, se tornou o primeiro submarino equipado com mísseis balísticos do mundo.

Nos três anos seguintes, cinco submarinos do projeto AV611 (Zulu V, na designação da OTAN) foram construídos – ou modernizados – e se tornaram os primeiros submarinos produzidos em série com mísseis balísticos a bordo. Em 1957, na Frota do Norte da Marinha russa foi criada a primeira brigada de submarinos estratégicos. Abaixo ilustração do  com missil

 

Mais rápidos

Em dezembro de 1970, o submarino nuclear multiuso K-162 do Projeto 661 Anchar atingiu a velocidade subaquática de 44,7 de nós (cerca de 83 quilômetros por hora) e estabeleceu um recorde que esteve em vigor durante décadas. Não havia tarefas impossíveis para o K-162, já que o submarino era capaz de atingir e destruir qualquer navio de guerra existente na época.

Antes do K-162, os submarinos do Projeto 705 Lyra, também de produção soviética, foram considerados os mais rápidos e podiam alcançar a velocidade de até 41 nós. Devido à sua grande manobrabilidade, eles eram capazes de se esquivar facilmente aos torpedos lançados contra eles. O Lyra também podia dar uma volta de 180 graus em 42 segundos (também um recorde).


 
Pioneiros atômicos de automatização complexa

Com a chegada da era dos submarinos nucleares, a União Soviética bateu mais um recorde. Os primeiros submarinos atômicos de alta velocidade altamente automatizados foram os do Projeto 705 (Alfa, na designação da OTAN). Devido à introdução de sistemas de automação integrados, a tripulação desses submarinos poderia ser reduzida a apenas 32 homens.

Esses submersíveis foram construídos a partir de 1959 e a Marinha soviética recebeu sete unidades, incluindo uma versão modernizada, o Projeto 705K. De acordo com o especialista em armamento Khrolenko, até hoje, os submarinos do Projeto 705 não têm análogos no mundo.

 
Recorde de profundidade

O submarino do projeto 685 (Mike, na designação da OTAN) podia submergir a uma profundidade de mais de um quilômetro, permanecendo fora do alcance das armas antissubmarino do inimigo. Além disso, um dispositivo especial permitia a esse navio disparar torpedos a partir de grandes profundidades. 

submarino nuclear experimental K-278 do Projeto 685 entrou em serviço da Frota do Norte em 1983 e permaneceu operacional durante vários anos. O recorde de imersão do K-278 a uma profundidade de 1.027 metros nunca chegou a ser superado.

 

O tamanho importa

Em dezembro de 1981, a Frota do Norte da Marinha da URSS recebeu o maior submarino do mundo, o ТK-208 Dmitry Donskoi, do Projeto 941 Akula (Typhoon, na designação da OTAN). O comprimento do submarino atingia quase 173 metros, tinha um deslocamento de 48 mil toneladas e podia atingir velocidades de 25 nós (cerca de 43 quilômetros por hora).

Os Akula são os únicos submarinos do tipo catamarã no mundo, isto é, eles têm dois cascos interconectados mas independentes. No total, foram construídos seis submarinos desse projeto. Até hoje, não existem análogos do Projeto 941, disse Khrolenko.

"O tempo voa, mas a frota submarina russa está sempre um passo à frente", disse o autor.

 

amigo nao vou  entrar  em debate  para não poluir  teu post  - mas quero apontar  umas discordâncias minhas com o autor  citado - em materia de submarinos  não  é bem assim não, o autor exagerou (na verdade ele tem interesses em propalar estes dados ) em alguns dados  e em outro ele  propositalmente  omitiu   caracteristicas  e em outras  simplesmente   se calou  em  caracteristicas  prejudiciais, tais  como acustica.

Só para citar  um dado  - o Lyra  que  fez a  manobra turn back  que  vc  citou  tinha  um dispositivo  de  auxilio de manobra a um terço a vante   do casco   (algo  como  uma saída auxiliar  de  empuxo vetorado de água pressurizada )  que permitia diminuir o raio e foi  abandonado devido  exatamente  ao ruido que  causava e a cavitação de deslocamento do  casco - isto Khrolenko não cita - nem que  foi só  no  que inaugurou a classe.

Bem como o disparo a grande  profundidade  é dado com o torpedo encapsulado  - na verdade  muitos  nem  consideram como  torpedo e sim  como uma mina ativa - ele  sobe  encapsulado  em  um vaso de pressão que ao atingir  uma pressão  menor,  se  abre  e  faz um novo disparo e dai em diante  liga  o motor elétrico  já em modo  de busca ativa - até ai vc pode pensar  e dai?? só que  ao  lançar  ele  já assinala  posição  do submarino  e   este dispositivo perde  tempo de  ataque  - e até o segundo disparo se o lançador  for destruido   ele entra  em modo  inoperante, se tornando inutil, e ao fazer previamente  um ruido de disparo que  em termos seria ineficiente do ponto de vista de ameaça imediata, isto   pode determinar  um contra ataque  simultâneo - fazendo  com que esta  vantagem  seja  pífia.

-  mas para  não  falar  que  tudo é  ruim eles  tem  o VA-111 Shkval que  é  um  torpedo a  propulsão a  jato de combustão de peroxido de hidrogenio ( creiam é  evolução do motor  do Komet) usa  o sistema  de ultra cavitação e vortex de  vácuo na cabeça  ( ou seja  alem de  ser  um foguete  se desloca  em  um vacuo causado por  um dispositivo na  cabeça  e  nao  tem similar  no oriente  - ultra-rápido  não  da  quase  tempo de reação alguns  falam  entre 200 a 300 milhas de deslocamento - em compensação  é  muito perigoso a bordo sendo que ele  foi o  motivo  do  Kursk  ter  ido para o beleléu - se  no komet  já era  um perigo  imagina  em  um submarino rsrsrsr-  e  para terminar  os sensores  deles  estão muito  aquém dos usados pelos Ingleses ou americanos - ps  os dados  que te dei  são  da procedings  que  é  a revista  de  marinha  dos  EUA  que  divulga orientaçoes  taticas  aos   oficiais  e  civis  ou  seja  nada  de apologia  patriotica pois  uma avaliação errada ali  vai criar  um modo de conduta   que vai gerar desastre na certa- já  vi até a revista  condenar  armamento em uso  e  recomendadno  taticas  para  diminuir  as deficiencia ate  corrigirem eleas  e  no caso  das fragatas Oliver Hazard Perry eles  romendavam até abixa delas pois  eram deficientes  de todo para combate submarino (ou seja  tem credibilidade  e isenção em apontar  erros).

Ps - não tome  meu comentário acima  como  qq  critica  - este topico é  um  dos melhores da  wk para mim - e  em naval  é algo quase  que  um  hobby  para mim e vivo lendo por isto discordei - e  como  dica  te  recomendo procurar  sobre  as novas  fragatas  russas stelth Gremyashchy-class estas sim  vão  dar muito o que  falar  no  ocidente  para  vc  ver  a torre  de  sensores dela é  fundida  em  alumínio toda  de uma  vez para  nao ter  arestas  de solda que  poderiam  dar  reflexo de sinal  de radar  -  sensores   radares  etc  tudo  sendo elogiado  até aqui no ocidente  - claro  nao  é  um destroyer zumwalt mas em relação custo beneficio   da de 10 nas  novas  inglesas e na francesas - vai fazer historia naval esta classe  QVV

 

JGAP, a gradeço muito sua participação, sempre muito esclarecedora. Realmente Khrolenko, apesar de escrever excelentes artigos nunca mostra o outro lado. Mas acho que tirando isto, os equipamentos usados pela Marinha Russa ainda são um grande mistério para o ocidente, principalmente os equipamentos da era soviética. Na moderna Russia vejo grandes movimentos de propaganda para venda de armamento, ai fica mais fácil descrever e conhecer seus novos equipamentos, como as fragatas da classe Gremyashchy que você comentou, são um grande avanço tecnológico.

 

Abs

Castro

P.S. Mas a industria de kits não acompanha, sempre que posto um artigo sobre equipamento, procuro antes o kit deste (alem dos cuidados de não postar nada que gere grande polemica ), mas nem sempre são injetados, principalmente em se tratando de Russos modernos... e quando existem, são de qualidade duvidosa  e pouco conhecidos.

Antonov An-22 "Antei": O Maior Turbo-Hélice do Mundo

Antonov projetou o An-22 Antheus (chamado para o filho gigante do deus grego Poseidon) para transportar os mais poderosos veículos de combate do exército soviético, incluindo os principais tanques de guerra e os lançadores de mísseis.

Os turbopropulsores NK-12, que também usam a família de bombardeiros russos Tu-95 / Tu-142 "Urso" e os aviões de patrulha marítima, são os mais poderosos motores turbo-propulsores em serviço. 

O primeiro An-22 voou em 27 de fevereiro de 1965, e foi exibido publicamente no Paris Air Air Show no final desse ano. A maior aeronave de transporte da época, o An-22 estabeleceu uma série de recordes mundiais. 

A produção terminou em 1974, depois de cerca de 75 aviões terem sido entregues à Força Aérea Soviética e a Aeroflot. (Embora construído principalmente para a Força Aérea Soviética, quase todos os An-22 usam as tradicionais cores Aeroflot.

Algumas características notáveis da An-22 incluem a navegação abrangente e a aviação de precisão com três radares separados, um trem de rodagem de 14 rodas (as pressões dos pneus podem ser ajustadas a partir do tripé de voo para otimizar a aeronave para diferentes superfícies de aeródromo), um piso de titânio reforçado com rampa de carga traseira integral, quatro postes de suspensão e guinchos de dois pisos para manuseio de carga, caudas gêmeas e abas de asa com fendas duplas. Além disso, como o An-12 , a retenção de carga principal não é pressurizada, as tropas / passageiros são transportados em uma cabine dianteira que acomoda 29 pessoas.

Depois de entrar em serviço, o An-22 configurou carga útil para registros de altura em 1967, cujo pináculo foi o transporte aéreo de 220,500 libras (100 toneladas métricas) de blocos de metal para uma altitude de 7.748 m (25.748 pés). 

Também estabeleceu o registro de uma carga útil máxima, 1041.443 libras (104.445kg), levantada para uma altura de 6.662 pés (2.000 m). Uma série de registros de velocidade também foram definidos em 1972, incluindo uma velocidade de 328 nós (608,5 km / h) em torno de um circuito fechado de 540 milhas náuticas (1.000 km) com uma carga útil de 110.250 libras (50.000kg). Vários outros registros de velocidade com carga foram estabelecidos em 1974 e 1975.

Enquanto o Antheus foi substituído pelo "Condor" maior, com jato A-124, a aeronave sobrevivente ainda é bastante utilizada, pois oferece características de transporte de carga útil raras.

 

Conheça a sua Ficha Técnica:

Entrou em serviço: 1969
Tripulação: 5-6 homens
Comprimento:  57,9 m
Envergadura: 64,04 m
Altura: 12,05 m
Peso (vazio): 115 t
Peso (máximo de decolagem): 250 t
Carga útil máxima: 80 t
Carga padrão: 50 t
Motores: 4 x turboélices Kuznetsov NK-12MA
Potência do motor: 4 x 15 000 CV
Velocidade máxima: 740 km/h
Teto de serviço: 8 km
Tropas: 290 homens e 150 pára-quedistas

A cada segundo domingo de setembro, na Rússia, é costume celebrar o Dia do Tankman. 

Este feriado profissional é um dos mais importantes e reverenciados no exército russo. Este dia tornou-se um feriado para marcar a ocasião méritos de forças mecanizadas e blindadas na derrota da Alemanha nazista na grande guerra patriótica.

Em 1943, durante a maior batalha perto da vila de Prokhorovka, mais conhecida como o Orel-Kursk, o exército com tanques soviéticos, que é uma grande força de choque e poder de fogo, conseguiu romper as defesas do inimigo e, assim, gahou a batalha.

estado soviético prestou grande atenção à criação e ao desenvolvimento de forças blindadas antes da guerra. Os líderes do país entenderam que na próxima guerra com o fascismo os tanques terão um papel enorme. 

Construíram novas fábricas, os designers criaram novos tipos de veículos blindados, osvaivatjsya, nossa indústria de defesa. Por um curto período de reorganização das forças blindadas, os números aumentaram em sete vezes e meia. Abaixo video com equipe do T-90

tinha até no you tube um hino aos tanquistas  da  ww 2 ,  algo como "tri tankista" (usavam  inclusive  vetustos t - 27  ou  bt - 5/7  nas filmagens  ....) ....   realmente muito   importante  o uso dos blindados na ww 2 pelos  russkies... e grandes  sacrifícios  teve  da passar  o povo-exercito até a  virada  na  guerra patriotica...plastiresiabços paulo r  morgado , sp -sp  

paul morgado posted:

tinha até no you tube um hino aos tanquistas  da  ww 2 ,  algo como "tri tankista" (usavam  inclusive  vetustos t - 27  ou  bt - 5/7  nas filmagens  ....) ....   realmente muito   importante  o uso dos blindados na ww 2 pelos  russkies... e grandes  sacrifícios  teve  da passar  o povo-exercito até a  virada  na  guerra patriotica...plastiresiabços paulo r  morgado , sp -sp  

Imagino quer deva ter uma data comemorativa no Brasil, só não sei dizer, pesquisei mas não achei nada ainda... acho importante este tipo de homenagem.

CASTR0 posted:
paul morgado posted:

tinha até no you tube um hino aos tanquistas  da  ww 2 ,  algo como "tri tankista" (usavam  inclusive  vetustos t - 27  ou  bt - 5/7  nas filmagens  ....) ....   realmente muito   importante  o uso dos blindados na ww 2 pelos  russkies... e grandes  sacrifícios  teve  da passar  o povo-exercito até a  virada  na  guerra patriotica...plastiresiabços paulo r  morgado , sp -sp  

Imagino quer deva ter uma data comemorativa no Brasil, só não sei dizer, pesquisei mas não achei nada ainda... acho importante este tipo de homenagem.

deve ser uma celebração interna no Centro de Instrução de Blindados, que agora está em Santa Maria, RS.

Valls

Valls posted:
CASTR0 posted:
paul morgado posted:

tinha até no you tube um hino aos tanquistas  da  ww 2 ,  algo como "tri tankista" (usavam  inclusive  vetustos t - 27  ou  bt - 5/7  nas filmagens  ....) ....   realmente muito   importante  o uso dos blindados na ww 2 pelos  russkies... e grandes  sacrifícios  teve  da passar  o povo-exercito até a  virada  na  guerra patriotica...plastiresiabços paulo r  morgado , sp -sp  

Imagino quer deva ter uma data comemorativa no Brasil, só não sei dizer, pesquisei mas não achei nada ainda... acho importante este tipo de homenagem.

deve ser uma celebração interna no Centro de Instrução de Blindados, que agora está em Santa Maria, RS.

Valls

Valls,

Realmente   é o que mais se aproxima de uma data comemorativa para "tanquistas"  no Brasil.. Mas seria bom confirmar....

Abs

Castro

Eles estão de volta: por que os "trens da morte" russos são perigosos ao inimigo.

As Forças Armadas Russas vão receber uma nova geração de trens militares em 2018, em uma operação prevista para durar até pelo menos 2040. E eles prometem trazer consigo uma boa dose de saudosismo, sobretudo aos que se lembram dos "trens da morte".

Há 30 anos, a União Soviética completou o programa de testes com os mísseis móveis Molodets, que eram camuflados em trens convencionais. Sem chamar a atenção, tais trens transportavam também os temidos mísseis RT-23.

Tais trens deixaram de transportar armamentos em razão do Tratado de Redução de Armas Estratégicas START-II, firmado em 1993. Contudo, em julho, o vice-premiê russo Dmitry Rogozin revelou que empresas do país irão produzir o sistema de mísseis estratégicos Barguzin.

De acordo com artigo da RIA Novosti, isso possivelmente significa o renascimento dos chamados "trens fantasmas" soviéticos, que por sua vez tinham o apelido de "trens da morte" em razão da letalidade que poderiam impor aos seus inimigos.

Os mísseis do projeto Barguzin estão sendo desenvolvidos pelo Instituto de Tecnologia Térmica de Moscou desde 2012. Eles consistem nos próprios "trens da morte", carregados com seis mísseis balísticos intercontinentais RS-24 YARS e terão modernos meios de camuflagem, de combate radioeletrônico e defesa antiterrorista. Abaixo RS-24 YARS com seu transportador.

Tais trens circularão em linhas férreas tradicionais da Rússia, sem serem reconhecidos, podendo acionar os seus mísseis a qualquer momento. Os primeiros armamentos deverão estar disponíveis já em 2018, segundo as autoridades russas.

Para o especialista militar Igor Korotchenko, os novos trens do projeto Barguzin podem ser considerado uma verdadeira "carta na manga" para a Rússia, sobretudo por "criarem um fator de incerteza" para osadversários.

Korotchenko lembra que o projeto Barguzin é uma resposta russa ao programa Ataque Global Imediato, dos Estados Unidos. Anunciado pelo Pentágono em 2010, ele possibilita um ataque nuclear massivo contra infraestruturas militares, defesas antiaéreas e postos de controle.

"Se o inimigo não possuir todas as coordenadas exatas para os lançadores de mísseis, tal conceito não funciona", explicou o especialista, exaltando assim o projeto dos trens russos.

Os submarinos da Marinha russa Veliky Novgorod e Kolpino dispararam mísseis de cruzeiro Kalibr contra vários pontos do Daesh, declara o Ministério da Defesa da Rússia.

"Os pontos terroristas foram atacados com sete mísseis de cruzeiro", informa o comunicado do ministério."

De acordo com o ministério russo, os submarinos Veliky Novgorod e Kolpino do projeto 636.3 dispararam mísseis de cruzeiro Kalibr contra as posições dos jihadistas na Síria.

Segundo a informação divulgada, a distância entre submarinos e as posições do Daesh foi entre 500 e 670 km. 

Os serviços de controle russos confirmaram que "todos os alvos planejados foram eliminados".

Submarinos russos lançam mísseis Kalibr contra alvos do Daesh

Em particular, "postos de comando e de comunicação, armazéns de armamentos e munições terroristas nos bairros controlados pelo Daesh ao sudeste da cidade de Deir ez-Zor".

Mais cedo, o Ministério da Defesa da Rússia comunicou que na manhã do dia 5 de setembro, a fragata Admiral Essen da Frota do Mar Negro da Rússia, que está cumprindo missões no mar Mediterrâneo, disparou mísseis de cruzeiro Kalibr contra alvos do grupo terrorista Daesh perto da cidade síria de Deir ez-Zor.

"Os pontos terroristas foram atacados com sete mísseis de cruzeiro", informa o comunicado do ministério."

De acordo com o ministério russo, os submarinos Veliky Novgorod e Kolpino do projeto 636.3 dispararam mísseis de cruzeiro Kalibr contra as posições dos jihadistas na Síria.

Segundo a informação divulgada, a distância entre submarinos e as posições do Daesh foi entre 500 e 670 km. 

Os serviços de controle russos confirmaram que "todos os alvos planejados foram eliminados".

Submarinos russos lançam mísseis Kalibr contra alvos do Daesh

Em particular, "postos de comando e de comunicação, armazéns de armamentos e munições terroristas nos bairros controlados pelo Daesh ao sudeste da cidade de Deir ez-Zor".

Mais cedo, o Ministério da Defesa da Rússia comunicou que na manhã do dia 5 de setembro, a fragata Admiral Essen da Frota do Mar Negro da Rússia, que está cumprindo missões no mar Mediterrâneo, disparou mísseis de cruzeiro Kalibr contra alvos do grupo terrorista Daesh perto da cidade síria de Deir ez-Zor.

KILO-Klasse KILO-Klasse

KILO-Klasse

KILO-Klasse

KILO-Klasse

KILO-Klasse KILO-Klasse

KILO-Klasse

KILO-Klasse

Tanques, helicópteros e pára-quedistas implantados como Rússia e Bielorrússia começam exercícios Zapad-2017

Os exercícios estratégicos conjuntos Zapad 2017, dirigidos pelos comandantes dos estados-maiores da Rússia e da Bielorrússia, são a etapa final da preparação das forças armadas dos dois Estados, são de caráter estritamente defensivo e não são dirigidos contra quaisquer Estados ou alianças de países", acrescenta o comunicado do departamento de imprensa do Ministério da Defesa da Rússia.

A entidade acrescenta que das manobras participam até 12.700 militares (7.200 bielorrussos e 5.500 russos), 70 aviões e helicópteros, 680 peças de equipamento bélico, incluindo cerca de 250 tanques, 200 peças de artilharia, lançadores múltiplos de foguetes e morteiros e 10 navios de guerra.

Incluir Resposta

Curtidas (7)
Luis PachecoMÁRCIO PINHOScout SniperCarnavalliFaiscaLelloCoração De Leão
×
×
×
×