O desastre do submarino russo K-278 Komsomolets

Em 7 de abril de 1989, o submarino nuclear de ataque russo K-278 Komsomolets naufragou no mar da Noruega. O evento causou consternação na Marinha Soviética, um alto interesse nos círculos de inteligência e marítimos da OTAN e apreensão entre ambientalistas. Esta preocupação surgiu particularmente na Noruega, pois o casco naufragado do submarino possui dois reatores nucleares e pelo menos dois torpedos com ogivas nucleares contendo plutônio, uma das substâncias mais tóxicas conhecidas pelo homem.

Desde o naufrágio, as autoridades russas obtiveram assistência cientifica sem precedentes de outros países e usaram sensores remotos e mini-submarinos para encontrar o Komsomolets, medir o vazamento de radiação e avaliar a estabilidade do naufrágio. Ironicamente, o arquiteto deste instrumento de guerra que o projetou para caçar navios dos Estados Unidos e da Noruega pediu e recebeu assistência na pesquisa do submarino e avaliação de sua estabilidade das vítimas pretendidas pelo Komsomolets.

Komsomolets – Único do tipo


Komsomolets significa “membro da Liga dos Jovens Comunistas”. Ele foi lançado em maio de 1983 em Severodvinsk, uma cidade soviética fechada no Mar de Barents, com o maior estaleiro do mundo. Tinha 117,5 metros de comprimento, boca de 10,7 metros e calado de 9 metros, com um deslocamento submerso de 8 mil toneladas — um submarino de grande porte.

O Komsomolets tinha dois reatores nucleares, que muitos pensavam ser de design revolucionário (refrigerante de metal líquido), mas na verdade, era resfriado a água (PWR). Seu casco de pressão interna era de titânio, leve e forte, tornando-se o submarino de ataque de mergulho mais profundo do mundo, e sua profundidade de operação abaixo de 3.000 pés (1.000 metros) estava muito além da dos melhores submarinos dos EUA.

Ele era tripulado por cerca de 70 homens e podia transportar uma combinação de torpedos e mísseis de cruzeiro com ogivas convencionais ou nucleares. A OTAN apelidou o tipo de “Mike” e esperava que a unidade fosse a primeira de uma classe de grandes submarinos de ataque. Ele entrou em operação no final de 1984, mas nenhum outro “Mike” foi construído. Embora fosse um protótipo, ele realizou patrulhas operacionais e foi descrito como uma unidade de guerra antissubmarino em maio de 1989.

O naufrágio

7 de abril de 1989. O Komsomolets, da Frota Soviética do Norte, está navegando a 1.250 pés (381,2 metros) abaixo da superfície do Mar da Noruega, a cerca de 100 milhas a sudoeste de Bjornoya (Bear Island) e 200 milhas ao norte do continente norueguês. Ele estava em patrulha por 39 dias.

Às 11:00 horas, o marinheiro Nodari Bukhnikashvili informa que está tudo bem no compartimento número 7, a localização do controle do leme e o mais afastado na popa do navio. Momentos depois, uma linha de ar de alta pressão que liga os tanques de lastro principais permitindo que o submarino controle sua profundidade explode sua vedação no sétimo compartimento.

De alguma forma, um jato de óleo atinge uma superfície quente no local, e um fogo instantâneo se inicia no ar rico em oxigênio de alta pressão. Três minutos depois, o capitão-tenente Vyacheslav Yudin, engenheiro de serviço do Komsomolets na sala de controle, observa um aumento acentuado da temperatura na popa. Ele chama Bukhnikashvili no interfone, mas não recebe nenhuma resposta. O tenente Igor Molchanov observa o tempo e registra no deck log.

O engenheiro chefe Valentin Babenko e o capitão de fragata Yevgeniy Vanin, comandante do navio, estão agora na sala de controle. Babenko recomenda Vanin sufocar o incêndio aparente com freon, um gás não inflamável. Vanin adia, sabendo que o gás sufocaria o marinheiro, bem como o fogo. Mas logo ele relutantemente ordena a ativação do sistema. A linha de ar de alta pressão está alimentando o fogo no compartimento número 7 como um alto-forno. Bukhnikashvili é o primeiro da equipe a morrer. O fogo está agora além da contenção.

A pressão na popa força o óleo para o Compartimento número 6, e os arcos de fogo através dos cabos de energia, apesar das escotilhas fechadas. Os geradores de turbina se desligam, é ativado o sistema de emergência para proteger os reatores nucleares de sobrecarga e o eixo da hélice pára. Com medo de uma fusão, o oficial do reator desliga a principal fonte de energia do submarino. Agora o Komsomolets está sem energia. Sem nenhum impulso e a uma profundidade de 500 pés, ele perde uma sustentação vital. Comunicações interiores cortadas.

Às 11h13, as bombas de óleo são desligadas e o submarino perde a pressão hidráulica para as superfícies de controle. Os lemes verticais travam e os lemes de mergulho da popa não podem ser controlados. O capitão Vanin ordena que os principais tanques de lastro sejam enchidos de ar comprimido, e o Komsomolets eleva-se a cerca de 300 pés. Atingindo essa profundidade ele repete o procedimento. De alguma forma, ao soprar ar em mais um tanque de lastro, Vanin consegue trazer o submarino para a superfície. Ao emergir, ele sinaliza um SOS codificado para sua base.

Mas a emersão não colocou o Komsomolets fora de perigo. Às 11h21 da manhã, o fogo se espalhou por cabos elétricos para todos os compartimentos da popa e o incêndio atingiu quase 2.000°F de temperatura (1.093,5°C). O revestimento de borracha no casco exterior projetado para abafar a detecção acústica começa a deslizar em tiras por causa do calor.

Vanin ordena a todas os homens não envolvidos no controle de avarias a sair do interior do submarino e aguardar no convés superior. Aqueles que lutam para salvar o navio usam as máscaras com sistema de respiração de emergência. Mas com a perda de ar de alta pressão, a fumaça do compartimento número 7 trouxe o monóxido de carbono (CO), um gás insípido, inodoro e tóxico para dentro do sistema. Os homens ficam tontos e o tenente médico Leonid Zayats suspeita de algo errado. Ele arranca sua máscara e prova o ar. É detectada uma concentração fatal de CO. Agora, a maioria da equipe vai lutar por seu navio na fumaça e com ar sujo.

Vanin continua pedindo socorro à sede da Frota do Norte. Às 11h41, sua mensagem é recebida, mas ilegível — um submarino soviético em algum lugar está em apuros, e as tripulações aéreas são alertadas.

Ao meio dia, o fogo atinge compartimentos à vante do submarino. Nada é ouvido dos nove tripulantes que ocupam os reatores no Compartimento número 4. Yudin e outro oficial não possuem equipamento autônomo de respiração, abrem a escotilha e entram. Milagrosamente, eles acham dois oficiais ainda vivos no compartimento cheio de fumaça e os trazem para fora. Mais socorristas tentam ventilar o Compartimento número 5 e trazem dois tripulantes. Um sobrevive. No compartimento número 3, o marinheiro Roman Filippov tenta reiniciar um gerador diesel para fornecer energia ao navio. Ele consegue, mas fica doente e é ordenado a subir para o convés exterior. O capitão-tenente Anatoliy Ispenkov assume e continua a tarefa.

Às 12:19h, Vanin abandona o protocolo de segurança e envia uma mensagem aberta dando o nome do submarino, localização e circunstâncias extremas. A Marinha responde. O Almirante da Frota Chernavin, o oficial da marinha soviética sênior, é alertado durante uma conferência no Ministério da Defesa. Ele ordena sua sede a tomar todas as medidas para resgatar a tripulação, incluindo a assistência da Noruega.

A sede da frota encontra três navios soviéticos dentro do alcance de 70 milhas do Komsomolets e os envia para o local. A primeira aeronave de resgate da Red Banner Northern Fleet decola da Península de Kola às 12:43h. Mas os M-12 anfíbios não são despachados, e ninguém alerta os noruegueses. No entanto, estes ficam sabendo do alerta através de comunicações interceptadas, mas atrasam o envio de ajuda porque não está claro se é um treinamento de resgate em andamento.

Às 14:20h, aeronave de resgate fala com Vanin e ouve que o fogo não está mais se espalhando. A maioria dos homens se junta no convés exposta ao tempo. Às 14:40h o avião de resgate sai das nuvens e avista o Komsomolets parado na água. A visibilidade é razoável, o estado do mar é moderado. Os homens estão entusiasmados com a visão da aeronave.

Pensando que a ajuda da superfície chegará em breve, eles não usam roupas térmicas, embora a água esteja suficientemente fria a 36°F para matá-los em 15 minutos. Em pouco tempo, o vento começa a aumentar, as ondas se elevam para mais de 1 metro, e os homens se apegam ao convés escorregadio. Nas próximas duas horas, tudo parece estar sob controle. A tripulação limpa o Compartimento número 5, e o navio não está mais sendo invadido por água. Espera-se que o resgate de superfície chegue às 18:00h. A maioria da tripulação está agora a céu aberto, enquanto a fumaça dentro do navio está se tornando intolerável. A visibilidade da sala de controle é inferior a 15 cm. Poucos agora permanecem dentro do submarino. Vanin, Yudin e Molchanov na sala de controle, Ispenkov administrando o gerador, e os oficiais especialistas Slyusarenko, Krasnobayev e Chernikov permanecem dentro para salvar o navio.

Por mais de quatro horas, o capitão Vanin tentou salvar o navio. Após a emersão, ele corrige uma inclinação para bombordo por transferência para outro tanque. Duas horas depois, o submarino começa a inclinar para boreste. Vanin é prejudicado por equipamentos danificados, condições perigosas e uma quase total falta de informação de seus instrumentos.

Cerca das 16:30h Vanin comanda ar em dois tanques de lastro para ajustar a inclinação do submarino. Isso não funciona e serve apenas para acelerar a entrada de água. No Komsomolets os tanques de lastro não estavam equipados com válvulas Kingston que fechariam sob a água, e seu casco de pressão estava avariado. A água começa a entrar rapidamente pela popa. Nenhuma medida de controle de avarias pode salvá-lo agora. Às 16:42h o capitão Vanin ordena que a tripulação abandone o navio e, minutos depois, envia sua última mensagem de rádio.

Às 17h, duas balsas salva-vidas são infladas na proa, e a aeronave deixa cair uma balsa de resgate. Os homens começam a entrar nelas. O capitão desce para retirar os últimos de sua tripulação, mas agora o Komsomolets está afundando rápido. O último homem na vela fecha a escotilha enquanto a água flui sobe por ela. A água afogaria aqueles que ainda estavam dentro do submarino se deixasse a escotilha aberta. O Komsomolets está equipado com uma cápsula de escape, e talvez eles possam usá-la. Às 17:08h, o Komsomolets começa a afundar pela popa primeiro. Ainda falta uma hora para a chegada da ajuda de superfície.

O auto-resgate não está indo bem. Uma balsa salva-vidas emborca. Os homens conseguem subir a bordo, mas alguns têm que se agarrar pelas bordas. A segunda balsa afunda com o submarino, mas acaba voltando à superfície, mas muito longe para os homens chegarem até ela. Mais pequenas balsas são atiradas pela aeronave de resgate, mas não há o suficiente para os 50 homens na água. Na grande balsa, as mãos dos homens ficam entorpecidas. O médido Zayats diz-lhes para se segurarem pelos dentes. Alguns conseguem, mas na próxima hora mais de metade, incluindo Babyenko e Filippov, se soltam e se afogam.

Dentro do Komsomolets afundando, seis homens ainda estão vivos. O capitão Vanin os orienta para sua última esperança, a cápsula de escape. As submarinistas americanos não teriam essa opção. Eles fecham a escotilha. Vanin conta. . . ele próprio, Yudin, Slyusarenko, Krasnobayev, Chernikov. . . falta um. . . Ispenkov. Eles ouvem uma batida do lado de fora da cápsula, tentam abrir a escotilha, mas é tarde demais.

As paredes do compartimento externo colapsam. O Komsomolets cai a 300, 500, 1.000 pés. A 1.300 pés, a escala já não registra, mas o submarino continua descendo. Os homens tentam desesperadamente liberar a cápsula, mas sem sucesso. Outra explosão arrasa o navio, e de repente a cápsula de escape se liberta — voando para a superfície. Uma vez lá, a escotilha é ejetada. Mas só Slyusarenko pode sair, à medida que a cápsula começa a ser inundada pelo mar agitado. Vanin, Yudin, Krasnobayev e Chernikov afundam na cápsula para se juntarem ao Komsomolets a mais de 5.000 pés abaixo.

Pouco depois das 18:00h um barco de pesca chega e resgata 30 tripulantes. Dos 69 tripulantes, 39 já estão mortos. Molchanov é recuperado e se sente bem, mas a fumaça que inalou enquanto estava na sala de controle e o frio da água cobraram seu preço. Ele e mais dois morrerão em breve. O médico Zayats e Slyusarenko estão entre os sobreviventes.

As conseqüências

O Komsomolets não morreu em silêncio. Na era da glasnost, esse incidente não poderia ser encoberto, mesmo na mídia soviética. Além disso, os noruegueses observaram as tentativas de resgate e estavam preocupados com a radioatividade liberada em sua zona econômica.

As recriminações se avolumaram. Os noruegueses alegaram que poderiam ter chegado à cena por ar ou superfície duas horas antes do submarino afundar. Dentro de uma semana, uma história explosiva apareceu nos jornais soviéticos amplamente divulgados Komsmolskaya Pravda e Sovietskaya Rossiya com eventos de tempo detalhados do ponto de vista do avião de resgate.

Dentro de um mês, a tripulação, morta e viva, foi premiada com Ordem da Bandeira Vermelha, e mais histórias explicaram porque demorou tanto tempo para que a ajuda chegasse.

Além de seus oito torpedos padrão, o K-278 estava carregando dois torpedos armados com ogivas nucleares. Sob a pressão da Noruega, a União Soviética utilizou submersíveis de mar profundo operados a partir do navio de pesquisa oceonográfica Akademik Mstislav Keldysh e em junho de 1989, dois meses após o naufrágio, o submarino foi localizado. Oiciais soviéticos declararam que possíveis vazamentos eram insignificantes e não constituíam uma ameaça ao meio ambiente.

O exame do naufrágio em maio de 1992 revelou fendas ao longo de todo o comprimento do casco de titânio, alguns dos quais eram de 30 a 40 centímetros (12-16 polegadas) de largura, bem como possíveis brechas nos tubos de refrigeração do reator. Um levantamento oceanográfico da área, em agosto de 1993, sugeriu que as águas no local não estavam se misturando verticalmente e, portanto, a vida marinha na área não estava sendo contaminada rapidamente. Essa pesquisa também revelou um buraco de mais de seis metros (20 pés) de largura no compartimento de torpedos na proa.

Uma expedição em meados de 1994 revelou alguns vazamentos de plutônio de um dos dois torpedos nucleares. Em 24 de junho de 1995, Keldysh partiu novamente de São Petersburgo para o ponto de referência do Mike para selar as fraturas do casco no Compartimento número 1 e cobrir as ogivas nucleares e declarou o sucesso no final da expedição subsequente em julho de 1996. O governo russo declarou o risco de contaminação radioativa do meio ambiente insignificante até 2015 ou 2025.

As autoridades norueguesas da Agência Ambiental Marítima e da Agência de Radiação tomaram várias amostras em agosto de 2008 e nenhuma radiação foi encontrada. Eles verificaram diferentes substâncias radioativas, incluindo emissores gama, plutônio, amerício e estrôncio.

Em 1993, o vice-almirante Chernov da reserva, comandante do grupo submarino do qual o Komsomolets fazia parte, fundou a Sociedade Memorial do Submarino Nuclear Komsomolets, uma instituição de caridade para apoiar as viúvas e os órfãos de seu antigo comando. Desde então, a Sociedade se expandiu para prestar assistência às famílias de todos os submarinistas soviéticos e russos perdidos no mar. Além disso, o 7 de abril tornou-se um dia de comemoração para todos os submarinistas que perderam suas vidas no mar.

Fonte: Central Intelligence Agency

http://www.naval.com.br/blog/2...o-k-278-komsomolets/

Original Post

Incluir Resposta

Curtidas (0)
×
×
×
×