O Ultimo Panther

O Último Panther,  Entrando no Kessel

(Narrativa traduzida do livro do ex-combatente W.Faust)

Na primavera de 1945, a guerra que tínhamos provocado com tal ambição estava se fechando sobre nós como uma armadilha. Em janeiro daquele ano eu era o motorista de um tanque Tiger I em linha de defesa no rio Oder. Em fevereiro meu batalhão foi esmagado e meu comandante, Helmann, morreu queimado em sua torre. Em abril, nas intensas reorganizações exigidas pelo nosso colapso, fui nomeado comandante do meu próprio panzer com a 21ª Divisão Panzer integrante do 9º. Exército Alemão. Meu panzer era um dos soberbos Panthers, o orgulho das tropas panzer. Meu posto era agora Feldwebel  e eu comandava uma tripulação de adolescentes que me olhavam como se eu fosse um veterano aos vinte anos. Nossas unidades tentaram reter o avanço do exército vermelho em direção a Berlim. Isso era impossível, e fomos espalhados, enquanto os vermelhos invadiam a capital. Na última semana de abril o bolsão foi fechado, estávamos cercados. Os bolchevistas cercaram todo o nosso 9º Exército ao sul de Berlim e nos fecharam em uma zona de florestas onde só podíamos esconder nossos veículos e esperar por ordens.

O esconderijo era um tormento. Estávamos sentados em nossos panzers e suando dentro do cerco russo, dentro de uma floresta de pinheiros, dentro de um tanque Panther de quarenta e oito toneladas.  Senti então o quanto completamente desamparados estávamos.

 Agachado na cadeira do comandante na torre, o suor escorrendo pelas minhas costas e meu coração batendo como um martelo, as sombras dos bombardeiros russos que sobrevoando tremulavam através dos galhos de pinho acima, e o som incessante da artilharia russa era alto mesmo através da placa blindada do Panther. Estávamos presos, cercados pelos russos que nos enviariam para a Sibéria com certeza se nos capturassem. Nossa única esperança era alcançar as linhas americanas no rio Elba para o Ocidente pois os americanos eram nossa grande esperança agora. Eles já foram nosso inimigo, os destruidores de nossas cidades, mas agora eram nossa salvação se pudéssemos alcançá-los. Ser um prisioneiro dos 'Amis' significava cachorro-quente, repolho e a Convenção de Genebra.   Ser um prisioneiro dos Reds, tínhamos certeza, significava escravidão, o Círculo Ártico e nunca mais retornar a sua terra natal. Mas havia todo um exército russo entre o nosso grupo de batalha e os americanos, entre o nosso punhado de panthers, os nossos exaustos Panzergrenadiers e um seguimento de refugiados civis que se agitavam atrás de nós, soluçando como um cortejo fúnebre.  Quanto tempo temos que esperar Herr Feldwebel? - perguntou meu artilheiro. "O Capo estará de volta em breve", eu disse a ele. - O Capo saberá o que fazer.

“Capo” era como chamávamos nosso líder de pelotão, nosso Tenente. Sua unidade original de seis Panthers era agora de apenas três veículos sobreviventes, e ele estava participando de um briefing de oficiais reunidos de emergência para decidir o próximo movimento do nosso grupo. O ar na torre do Panther era poluído com gases do escape (monóxido de carbono), fumaça de explosivos, óleo e a presença de cinco tripulantes que não haviam se lavado durante semanas, suando no calor. Abri  a cúpula do comandante. A luz inundava-se através da escotilha, a clara luz de primavera perfumada com agulhas de pinheiro. Através de uma abertura nas árvores, eu podia ver nuvens brancas subir no céu azul. Em um segundo, porém, o céu foi atravessado com trilhas de vapor e as asas dos aviões russos, e o cheiro de pólvora soprou sobre a brisa quente. A pura desesperança da nossa situação veio a tona. Nossos três Panthers estavam estacionados entre os troncos de pinheiros em uma densa área de floresta. Para a direção Leste tínhamos uma tênue linha de tropas como retaguarda, mas os russos estavam sondando e testando essa linha, minuto a minuto. O som dos motores de tanques subiu e caiu na brisa, e pudemos ouvir as trocas de tiros entre os nossos rapazes e a infantaria russa que cavalgava nos Panzers vermelhos. Sabíamos por experiência que os comandantes russos não gostavam de entrar nas florestas, seja por razões táticas ou alguma superstição eslava, e seus enormes tanques  Josef Stalin, máquinas tão grandes quanto os panzer Tiger I, não podiam manobrar ou atravessar seus canos entre as árvores, a menos que conhecessem os caminhos que conhecíamos.

 Para o Noroeste e para o Sudeste, dois grupos de exércitos russos haviam fechado a nossa posição em uma pinça e a infantaria mecanizada ia esmagando as poucas aldeias fora da floresta. A cidadela de Heiden tinha sido bombardeada e queimada até ao chão, seus habitantes morrendo nas adegas e abrigos. Em Munchehuf, as poucas mulheres civis sobreviventes tinham sido estupradas durante horas na praça da aldeia. Os homens da unidade de reconhecimento haviam observado isto da floresta, seus corações rasgados entre atirar contra os estupradores ou manter-se oculto em seu local de esconderijo.

Schlepzig, uma aldeia que produzia laticínios e tinha moinhos de água foi explodida em pedaços por salvas de foguetes Katyusha incendiária, a vala onde suas últimas famílias se refugiaram tornaram-se seu túmulo. Agora um sólido anel de forças russas estava ao nosso redor. Aqui na floresta, onde estávamos escondidos como animais feridos, nossos três panzers Panther e vários tanques King Tiger da Waffen SS foram isolados com um grupo de cerca de cinco mil homens. Soldados da Wehrmacht, Volksgrenadiers, tropas de elite da Waffen SS, uma companhia de Fallschirmjager (pára-quedistas), e um grande número de inevitáveis remanescentes, mais homens de diversas unidades e tropas que perderam os seus veículos, mecânicos da Luftwaffe, artilheiros sem armas e uma dúzia de outros tipos e classes. Entre eles, em grupos espalhados pelas árvores havia grupos de Civis. Eram mulheres, crianças e homens idosos que haviam fugido de suas casas nas fazendas e aldeias à medida que os vermelhos avançavam. Com suas posses de uma vida reduzidas a pacotes ou pilhas de coisas em carrinhos de mão, eles se sentavam a sombra, olhando para o céu acima das copas das árvores, ou andando para cima e para baixo como criaturas enjauladas em seus espaços alocados entre as árvores e os soldados . Entre eles, eu vi o nosso Capo retornando de seu briefing, seu uniforme de camuflagem bem adequado para a luz do dia, seu rosto fixo em sua permanente feição de concentração, com sua Cruz de Ferro presa em sua garganta. Passou entre os civis sem olhar para eles. Somente quando um avião passou muito baixo sobre o dossel da árvore, baixo o suficiente para atirar cones de papel para baixo entre nós como granadas de mão de brinquedo, só então ele olhou para o céu. Todos nós olhamos para cima. Do alto dos pinheiros, pequenos pedaços de papel emergiam, flutuando e torcendo-se na brisa. A maioria ficava presa entre os ramos, mas alguns escorregavam e se espalhavam lentamente até o chão da floresta. Eu agarrei um enquanto ele voava através da torre. Era um folheto em alemão com o seguinte impresso:  Forças do Reich! Sua posição é cercada por nossos exércitos, e o fim da guerra é iminente.

Não desperdicem mais vidas. Qualquer soldado levando este folheto às linhas russas será bem tratado, e todos os civis receberão comida e abrigo. Todos sabemos que a guerra está quase terminada. Por que lutar sem propósito? Salve-se! Depois do anoitecer, sua segurança não pode ser garantida.

O folheto foi pego da minha mão pelo Capo, que o olhou agachado no convés do motor do Panther e depois riu. "Ah, então seremos bem tratados!" Ele riu, me dando tapinhas nas costas. - O que você acha, Faust? Podemos arriscar? "Eu mimetizava a indecisão, acariciando meu queixo. - Parece uma oferta muito generosa, senhor. - Ouvi dizer que os hotéis na Sibéria são muito espaçosos, riu ele com gesto sombrio, enquanto fazia um gesto para que os outros tripulantes do tanque se juntassem a nós.  E há tanta neve que você pode comer todos os dias.  Não sei, Herr Leutnant - disse eu.  A neve russa não concorda comigo, nem eu Faust. O Capo piscou e guardou o folheto no bolso. "Vou usar esse papel mais tarde, sozinho, fazendo as necessidades em algum buraco no chão." Alguns dos civis, no entanto, tinham pego os panfletos e estavam estudando, discutindo a proposição em vozes altas. O Capo virou as costas para eles e reuniu os três tripulantes do nosso Panther, quinze homens ao todo, na parte traseira do Panther, onde os grandes tubos de exaustão estavam à altura da cabeça. - Muito bem - disse o Capo, examinando seus homens. "Nós fomos pegos como ratos em um saco aqui, "os homens assentiram, sabendo que esta era a verdade” - E há uma coisa naquele folheto dos vermelhos que é verdade - continuou o Capo. "A guerra está chegando ao fim, temos que aceitar esse fato. Depois da guerra a Alemanha ainda existirá, e a Alemanha precisará de homens como nós para reconstruí-la, para torná-la forte novamente e cuidar do povo. A Alemanha vai precisar de nós tanto nos próximos anos quanto nos últimos seis anos, posso dizer-lhe isso. Mas para que possamos servir a Alemanha no futuro, devemos render-nos aos americanos. Essa é a nossa tarefa agora. "Nós, os tripulantes do panzer, olhamos um para o outro. A guerra chegando ao fim? Alemanha para ser ocupado, e depois reconstruído? Estas eram ideias bruscas e difíceis de aceitar, mas o Capo manteve-nos focados em preocupações mais imediatas. Nesta parte da floresta, somos apenas um dos muitos grupos cercados do 9º Exército. Todos esses grupos devem se mover para o Oeste e se reunir na Floresta Spree. Faremos isso à primeira luz do dia. Da direção do Spree vamos unir nossas forças panzer e sair para o Ocidente em um movimento coordenado, liderado por nossa maior força blindada disponível. Ao mesmo tempo, o 12º Exército lutará e tentará furar o cerco acima do rio Elba para encontrar-se conosco, e formará um corredor através da qual nossas forças podem se locomover para o oeste em direção aos americanos. Os grupos reagiram instintivamente fazendo ao Capo uma série de perguntas táticas. Quem lideraria a fuga final da Floresta Spree? Os tanques King Tigers da SS Panzer Corps. Eles seriam a marreta, quebrando o caminho através das linhas vermelhas. Quem seria a retaguarda quando saírmos da Floresta Spree? Os remanescentes da 32 ª Divisão Panzer. Eles segurariam os vermelhos do leste enquanto o corredor de fuga era aberto. Fornecimentos de munições? Não mais estava disponível. Cada Panther tinha trinta obuses disponíveis, metade do seu montante padrão. Combustível? Não há combustível disponível. A gasolina teria de ser encontrada a partir de veículos abandonados ou suprimentos na rota Oeste. Os homens assentiram sombriamente. Todos nós notamos que o Capo, geralmente tão preciso, não tinha produzido um mapa ou diagrama da rota planejada ou das posições inimigas. Isso significava que ele não tinha mapa. Bem, que assim seja. - Herr Leutnant, o que dizer dos civis? O Capo hesitou por um momento, isso não era problema dele. - Os civis? Se eles puderem acompanhar-nos e seguir-nos, deixem-nos - disse ele em voz baixa. - Caso contrário, terão que ficar aqui. - Todos? - Sim, todos eles. Eles devem lutar sozinhos. Não podemos evacuá-los e não podemos ajudá-los. Se ficarmos aqui, os civis e as tropas estão perdidos. Se rompermos pelo menos algumas tropas serão salvas para o futuro de nosso país. "Mas, Herr Leutnant, as mulheres", disse um dos comandantes Panther, deixá-las aos bolchevistas, serão estupradas e todos serão mortos? O Capo respirou fundo e fixou os olhos na blindagem do Panther ao lado dele. - Não podemos ajudá-los - repetiu ele. "Esta é uma tragédia nacional, estamos buscando salvar alguns desse desastre, dos eventos que aconteceram, este é o nosso dever agora. - Mas, Herr Leutnant ... - Este é o nosso dever. Nós nos moveremos à primeira luz....   

Continua..

Original Post

Ao cair da noite na primavera de 1945, o som de combate vindo do oriente era muito claro. O que estava por vir também ficou claro para os civis acampados entre nós, as jovens mães com crianças que se sentaram pálidas debruçadas sobre os fogões improvisados enquanto seus filhos corriam entre as agulhas de pinho caidos na terra. Ficou claro para os velhos que ficaram olhando para os fogões, chupando pedaços de pão duro a partir de suas mochilas. Estas pessoas não fizeram perguntas,  elas podiam perceber o que estava ocorrendo pela forma como estávamos  preparando os nossos tanques e veículos, verificando os motores e repartindo as munições entre as tripulações, elas podiam perceber que estávamos saindo. Até agora nós tínhamos nos  movido lentamente, sempre que possível, permitindo que os civis nos acompanhassem andando atrás de nós com seus carrinhos e pacotes, agora nós correríamos, fazendo uma corrida selvagem em direção a floresta Spree com os outros restos de unidades agregadas ao 9º Exército, sem tempo de espera para os não-combatentes.

 Para conhecer a rota imediatamente à frente para esta fuga de madrugada, fui para a frente com o Capo a pé. Saímos do acampamento e caminhamos com os nossos MP40s em nossas mãos, através de uma série de caminhos entre as árvores, lembrando da rota de incursões aferidas anteriormente. Através dos pinheiros nós chegamos a vista da borda da floresta, onde as árvores deram lugar a uma planície de areia pontilhada a intervalos de crateras, lagos e áreas de pântano. Esse era o caminho para a Floresta Spree e do Ocidente. Era um pedaço pouco promissor de terreno para avançar através de solo aberto e macio, cheio de obstáculos que poderiam atolar um panzer ou deixá-lo exposto ao fogo russo. A planície estava coberta com veículos destruídos, caminhões, carros e semi-lagartas Hanomag os quais tentaram atravessá-la dois dias antes, no momento em que os russos estavam fechando o cerco.  O Capo e eu percorremos uma distância maior do que tínhamos feito antes, ao longo da borda das árvores, onde equipamentos abandonados, armas e todo tipo de objetos mostrava onde as tropas tinham lutado e depois correram para a floresta tentando fugir da armadilha. Havia muitos cadáveres ao longo da linha também. Muitas eram as tropas da Wehrmacht, atingidos por fogo de artilharia ou bombas incendiárias que deixou as árvores em chamas. O cheiro das cinzas, seiva de pinheiro e putrefação tornava o ar espesso e desagradável de respirar. Havia corpos também de civis que tentaram atravessar correndo depois  das tropas. Um grupo de mulheres que estavam empurrando um carrinho de mão foram atingidas e seus corpos despedaçados estavam espalhados entre as pinhas. As colchas e tigelas de seus carrinhos permaneciam espalhados ao redor. Depois disso...  “Meu Deus”  disse o Capo... “O que aconteceu aqui?”  Na pequena batalha ocorrida na borda da floresta, onde uma trilha rústica dava para a planície, uma seção de infantaria alemã estavam mortos, todos queimados dentro do caminhão que os transportavam.  Atrás deles, um outro grupo de mulheres estavam mortas,  mas essas mulheres tinham sido despojadas de suas roupas, os corpos nus, dando testemunho das  violações que tinha sofrido em seus momentos finais. Cada uma tinha um buraco de bala na testa,  cinco corpos no total, cinco tiros na testa.  O Capo murmurou... “Isto é o que aguarda os nossos civis”...  E no entanto, não podemos trazê-los conosco.  Nós voltamos para as sombras da floresta quando um par de caças russos passou pela copa das árvores. Os aviões bombardearam a planície aberta por nenhuma razão evidente, seus tiros de canhão rasgando os veículos abandonados lá, alguns veículos romperam em chamas. Em seguida, houve o eco de sua partida, e o barulho constante dos combates além da floresta.   O Capo afastou-se dos corpos das mulheres e  apontou através da planície. 'Os Tigres da SS partirão primeiro', disse ele. 'Eles vão se mover em velocidade, perto da floresta, onde o solo é mais firme. Vamos segui-los e segurar qualquer russo que apareça nos flancos da planície. A infantaria virá atrás de nós nas bordas das árvores, então avançaremos pela encosta, descendo em direção a cidadela de Markhof atravessando-a.  As primeiras posições do 9º Exército estão a 5km para além dali, na Floresta Spree além da planície. Quando alcançarmos esta posição ai é que a luta vai realmente começar.  Eu balancei a cabeça, olhando para o caminho ao longo da borda das árvores. Ficaríamos expostos como patos em uma linha de caça, seguiríamos uns atrás dos outros..  Mesmo agora, havia olhos russos espreitando do outro lado a partir de Markhof, ou escondidos entre as árvores, prontos para dar o alarme ao menor movimento observado.  Os russos tinham munição ilimitada, fontes intermináveis de suprimentos para seus tanques e canhões, quantidades infinitas de soldados que consideravam como dispensáveis. Tudo isso, contra nossos poucos tanques King Tiger e três panteras,  um exército maltrapilho de infantaria com fome e desorientados, desesperados para alcançar os americanos, tão desesperados que eles iriam abandonar seus próprios civis, não havia outra maneira.  Estava escurecendo e voltamos para o acampamento, o horizonte para além da planície estava iluminado por altas colunas de fogo, que se estendiam a uma grande altura sob as estrelas. Deduzimos que eram os restos de uma de nossas colunas de transporte que haviam sido pegos no outro lado do campo aberto. Quantos caminhões, tanques e veículos teriam que queimar para criar tal coluna de fogo?  Mais próximo, o céu foi iluminado por tiros de sinalizadores com os russos tentando iluminar a floresta. Vários pára-quedas de luzes caíam em cima de nós, o seu magnésio branco incendiando os ramos de pinheiro e transformando toda a área à luz do dia até que nos mexemos para longe de seu brilho, de volta ao nosso esconderijo no fundo das árvores. Embora sem luzes ou incêndios visíveis, toda a floresta parecia acesa no crepúsculo, com todos trabalhando como demônios. Passamos por áreas de sombra onde sabíamos que os tanques King Tiger da Waffen SS estavam escondidos sob pilhas de ramos, e ouvimos os sons desses ramos que estão sendo jogados de lado e os poderosos motores postos a trabalhar. Em outras áreas a nossa infantaria foram se preparando para a primeira luz do dia. Ninguém estava dormindo, como eles poderiam sabendo o que a manhã traria? entre eles, os gritos das crianças e suas mães, lembrando-nos dos fatos iminentes que nossos compatriotas sofreriam nas mãos dos russos assim que entrassem na floresta. Tentava tirar isso da minha mente e voltei para o meu Panther.    Minha tripulação eram bons soldados, no último dia eles limparam o longo cano do canhão do Panther, usando as longas hastes de seis metros para arrastar um chumaço de pano pelo cano, utilizando um novo pano de cada vez até que o tubo ficou limpo. Esta limpeza retirou os resíduos de pólvora e metal das estrias, garantindo a arma disparar com precisão e tiro tenso. Foram também verificadas as lagartas, os pontos de lubrificação no interior da torre, o sistema hidráulico e os filtros de óleo acima do motor. Dentro da torre do Panther, eu e meu artilheiro, o municiador, o radiotelegrafista em seu posto verificando a metralhadora no casco, e o motorista ao lado dele nos controles. estávamos dormindo? ou estávamos acordados pensando na batalha da manhã por vir? Ambas as coisas, movíamos entre o sono e pensamento, como os flashes e explosões através do periscópio...

Continua..

À primeira luz do dia os civis já alertas nos olhavam, figuras cinzas e espectrais em seus xáles e cobertores, as crianças agarradas aos joelhos das mães, algumas começaram a se posicionar atrás de nós quando ligamos nossos motores. Os exaustores dos Panthers enviavam faíscas ao ar, iluminando os civis em vermelho e laranja. Eu tive a minha última visão deles a partir da cúpula, formavam diversos grupos tropeçando e correndo atrás de nós, com os Panthers balançado entre as árvores indo em direção a planície. Então a infantaria saiu e nos seguiu. Em poucos segundos grandes grupos de nossa infantaria surgiram atrás de nós de cada sombra e lacuna nas árvores, entrando na poeira e fumaça que nós provocávamos, derrubando as poucas mulheres que ainda podiam manter-se a correr e finalmente obstruindo a visão dos últimos civis atrás de uma parede sólida de uniformes ásperos, cinzentos e azuis. Na luz do amanhecer a aparência destes soldados que estavam com barba por fazer e abatidos tinham os seus olhos cheios de determinação vazia. Os civis, deixados na sua esteira, estavam por conta própria agora. A corrida para a Floresta Spree estava começando.

A cúpula do meu Panther estava úmida, cheia de fumaça e do rugido do motor Maybach através da parede do compartimento da tripulação. Fomos em direção a uma antiga trilha florestal alinhada com os destroços  de veículos abandonados e árvores derrubadas, vários feridos incapazes de caminhar e que procuravam desesperadamente ajuda nos olhavam com desesperança, a cada momento mais e mais nossa infantaria emergia da profundidades da floresta, prontos para se juntar a rota de fuga para o ocidente. Quando nos aproximamos da borda das árvores,  perto de onde eu tinha estado com o Capo no crepúsculo, nós vimos as formas maciças dos gigantescos King Tiger posicionando-se para fazer a primeira tentativa de deixar a floresta.   Uma vez e meia mais pesado do que o meu tanque Panther, eles se erguiam sobre o caminho estreito, expelindo gases de escape.  A sua camuflagem salpicada era bem adaptada às condições de luz e sombra. Os tubos dos canos dos ultra-longos canhões de 88mm se projetavam para o ocidente e havia o risco de que um cano tão longo atingisse as árvores enquanto o veículo manobrava. Os comandantes estavam visíveis nas cúpulas da torre, com os rostos pálidos, mas não traindo nenhuma emoção. Quando nos viram, esperaram apenas alguns segundos mais e então os Tigres tremeram e se moveram para a planície. O ar atrás deles tremia com o calor de seus gases de escape e na trilha por onde passavam lançavam ramos e torrões de terra à medida que as imensas faixas de aço mordiam a terra. Na borda da floresta um batalhão de engenharia estava trabalhando cortando um punhado de árvores remanescentes com machados,  as árvores finais que fechavam o interior da floresta e impediam os veículos de sair ou entrar. Uma a uma as árvores caíram, e quando a última caiu, os dois Tigres a esmagaram sob suas lagartas enquanto avançavam sobre os escombros. Despedaçando as carcaças de caminhões queimados, os dois Tigres foram para a borda da planície. Atrás deles, outro King Tiger emergiu das profundezas entre as árvores, sua placa frontal inclinada e uma longa e esbelta torreta coberta de folhagem. Ele julgou mal a passagem estreita entre as árvores e teve que derrubar para os lados uma série de pinheiros enormes antes de chegar ao perímetro, perdendo tempo e gasolina e arriscando danificar as lagartas no processo de destruir os troncos. Finalmente, em um furacão de fumaça, faíscas, árvores quebrando e motores rugindo, os King Tiger estavam na planície e avançando ao longo da borda da floresta em direção ao ocidente. Os russos responderam imediatamente. Quando nosso pantera manobrava até o ponto de saída, passando pelas filas de infantaria sendo retidos por seus oficiais, eu coloquei minha testa no periscópio e olhei  ao longo da borda.  Eu podia ver o último dos King Tiger à nossa frente, soprando faíscas na luz cinzenta do amanhecer, com sua torre apontando para a esquerda pela planície para o lado oposto.  Em segundos um lampejo de tiro traçante o atingiu no lado da torre com o tiro resvalando na sua maciça couraça indo se abater nas árvores ainda brilhando intensamente. O Tigre continuou se movendo atravessando sua arma para apontar a possível origem do tiro. Eu ordenei a meu artilheiro, que tinha o controle da torre através dos seus pedais, para girar nossa arma igualmente na direção. Através do suporte de mira na minha cúpula eu via apenas uma sólida parede de árvores sombrias, com nevoeiro pendurado entre eles, sem traço de sinal de atividade inimiga. Então o tiro traçante veio novamente, e vi o lampejo através da planície dirigido contra o King Tiger. Eu vi o tiro acertar desta vez a parte de trás do Tigre, na altura das lagartas e do rolete livre na parte de trás. Este tinha sido um tiro com munição alto-explosiva e explodiu com uma forte luz branca. Eu vi a roda traseira inteira do Tigre, um disco de metal na qual são necessários três homens para levantá-la,  voar fora e cair sobre a mata.

Pedaços da lagarta do Tigre se fragmentou e esta se estendeu,  todo o panzer de setenta toneladas rodou  fora de controle para um lado, bloqueando o caminho à frente em um jato de terra e pedras quando ele parou com seu motor rugindo. Esses artilheiros russos sabiam como derrubar um King Tiger em etapas, não com tiros perfurantes mas primeiro estourando a lagarta, deixando-o encalhado. Desta vez eu vi a origem do tiro, dei então as coordenadas para  o meu artilheiro que tinha o controle da torre do pantera. Nas árvores, onde a névoa se dissipava, acima de um pequeno lago de juncos. . . há! Havia o contorno de um tanque T-34, envolto na fumaça de sua arma. Ao meu comando o nosso motorista diminuiu e parou para nos dar estabilidade de tiro. Meu artilheiro grunhiu quando o Panther balançou e ficou imóvel, então ele acionou os controles hidráulicos e disparou. O tiro traçante partiu e o Panther balançou suavemente quando nossos freios de boca e amortecedores hidráulicos absorveram o retrocesso da arma. Nós no movemos novamente e nos aproximamos do King Tiger encalhado.  Observei ao periscópio que nosso tiro tinha atingido o T-34 porque sua blindagem frontal estava emitindo uma fumaça escura, e este começou a avançar para fora da linha que margeia as árvores para encurtar o intervalo contra nós.  À frente, o Tiger danificado estava disparando contra o T-34, seu corpo maciço balançando quando descarregou o tiro. Atirou de novo, e então novamente, e eu percebi que a tripulação estava determinada a disparar todas as suas munições antes de abandonar o veículo atingido. Da linha de árvores do lado oposto eu vi através de meu periscópio mais T-34 que emergiam da floresta, derrubando árvores à medida que avançavam para nos enfrentar.  Os tanques dos vermelhos eram quase equivalentes ao nosso Pantera mas não eram páreos para os nossos King Tiger, mesmo assim eles não mostraram nenhuma hesitação em correr contra nossos panzers, girando em torno dos cumes e lagoas na planície. O King Tiger a nossa frente disparava como o próprio diabo, enviando rodadas e rodadas de tiro para a fileira de seis T-34 que avançaram sobre nós.  A arma maciça do Tigre de 88mm fez o seu trabalho e dois dos tanques vermelhos se detiveram imediatamente. Um Vermelho foi atingido na torre, uma grande placa da blindagem  voou através da planície em um fluxo de faíscas. A T-34 ficou girando fora de controle e caiu de cabeça para baixo em uma depressão lotada de juncos. Eu disse ao meu artilheiro para não atirar nele, mas para conservar a munição, pois já estava  a queimar. O Tigre atingiu o segundo T-34 diretamente através da blindagem frontal, e eu vi grandes pedaços do casco voar em todas as direções quando explodiu por dentro. Meu próprio artilheiro atingiu um terceiro tanque vermelho enquanto corria em nossa direção, o tiro de alta velocidade de 75mm atingiu a base do mantelete do canhão superior da torre do tanque russo, a placa blindada que fecha a torre voou longe. O T-34 continuava avançando sobre nós, com seu comandante morto, o corpo em chamas meio fora da torre despedaçada. Não atiramos  novamente sobre ele, mas deixamos aproximar-se,  ele foi reduzindo a velocidade até parar e explodir em uma bola de fogo alaranjada. Examinei o terreno através de todos os periscópios para avaliar a situação agora. Os três T-34 restantes estavam recuando em marcha-ré, mantendo suas blindagens frontais voltadas para nós, disparando furiosamente com seu indubitavelmente amplo suprimento de munição. O King Tiger encalhado estava atirando neles, claramente  determinado a só parar depois de gastar toda a sua munição. Atirou em um dos tanques vermelhos que se retiravam pela pista da frente e acertou-o na lagarta que fragmentou imediatamente se desenrolando para o lado. O T-34 virou para um lado e caiu em uma depressão,  inclinou-se com o casco superior exposto, com a única lagarta ainda correndo livremente. O Tigre disparou um último tiro que perfurou o tanque através da base do motor. O veículo inteiro tremeu quando o motor explodiu, e mesmo quando os tripulantes vermelhos lutaram para saltar das escotilhas, seu combustível explodiu engolfando-os. Eu olhei enquanto os homens da tripulação queimavam desaparecendo nas chamas, para ver a tripulação do King Tiger desembarcar e apontar para o meu Panther pedindo ajuda. Passando ao lado do Tiger, as fileiras de nossa infantaria se moviam entre as árvores, correndo para a frente logo atrás dos  King Tiger que avançavam em direção ao ocidente. Atrás de nós, o Pantera do Capo e nosso terceiro Panther fechavam a retaguarda como tínhamos planejado, protegendo a infantaria de novos ataques.  Permiti que a tripulação do King Tiger subisse no nosso tanque, sobre a estrutura no convés traseiro entre os vapores do motor. À medida que contornávamos o veículo abandonado, vi-o explodir internamente, as escotilhas voando e caindo no ar. A tripulação, profissional até o final, tinha colocado uma carga de demolição para impedir que a poderosa máquina fosse capturada pelos russos. Depois disso voltamos a avançar, mantendo à nossa direita a floresta com sua massa de homens em movimento, e a planície à nossa esquerda. Cerca de seiscentos metros à frente, os King Tiger estavam liderando o caminho, suas grandes torres subindo e descendo a medida que avançavam sobre o terreno irregular e ondulado. Tínhamos avançado cerca de 2km e ainda tínhamos mais 3km até chegar à aldeia.

 A luz diurna estava aumentando e os pinheiros começaram a mostrar a sua tonalidade verde. Eu enxuguei o suor do meu rosto, conseguiríamos quebrar o cerco e avançar? Os vermelhos pareciam não responder, além do breve contra-ataque da unidade dos T-34. Mas eu conhecia os vermelhos muito bem e sabia que estavam prontos para lutar. A cada momento, com cada rangido da engrenagem do Pantera, cada grunhido do motor Maybach, eu esperava mais problemas.  E ela veio sob a forma de um bombardeio maciço,o som bruxuleante de foguetes passando sobre a copa das árvores vindo do oeste, arrastando faixas de faíscas e caindo sobre nossa coluna como um dilúvio de chamas.  “Katyushas”  - gritei. 'Mantenha-nos em movimento, gritei ao motorista.' Os foguetes caiam  no chão ao longo da trilha, estourando entre o meu Panzer e do King Tiger à frente, espalhando estilhaços que se esmagavam contra as placas de nossa blindagem com um som oco. Olhei para a retaguarda através do periscópio, e vislumbrei a tripulação do Tigre no nosso convés do motor abrigado atrás de nossa torre. Um Katyusha explodiu atrás de nós, e dois desses tripulantes foram arrancados do nosso casco, caindo no caminho do Pantera do Capo atrás de nós. Vi que o Panther se desviava, mas eu não podia ver se ele conseguiu evitar de esmagar os homens. Nas árvores ao nosso lado, os foguetes estavam explodindo em turbilhões de destruição, derrubando troncos altos  e pedaços ao redor. Embaixo deste dilúvio vinha a infantaria correndo como loucos, pulando por sobre os feridos e morrendo enquanto lutavam para avançar e sair dessa zona de fogo. Os foguetes mudaram então de alto explosivo para incendiário, e eles explodiram entre as árvores em lençóis de chama líquida que cascatearam para baixo sobre os homens fugindo abaixo, cobrindo os infelizes em uma torrente de fogo. Homens correram em chamas, pularam e rolaram com seus uniformes e rifles queimando em suas costas. Outros homens saltaram sobre eles, agachando-se entre as chamas  que se derramava em sua busca frenética por uma maneira de sair. À frente, vi dois King Tiger avançando contra as chamas, num ponto em que a parede da floresta terminava e a planície em declive ia em direção a cidadela de Markhof e que teríamos de atravessar. Eu vi os veículos enormes lentamente avançarem com a poeira atirando acima de suas lagartas, e então pararam na planície, longe das árvores ardentes. Por que haviam parado ali, na crista da própria encosta, no topo onde podiam ser facilmente vistos? Com os Katyushas ainda estourando em torno de nós, nos aproximamos do King Tiger e então ficamos nivelados com eles. Eu podia ver agora porque mesmo um King Tiger parou quando confrontado com essa encosta. A cidadela de Markhof era claramente visível, com chamas saindo de suas casas periféricas, sua torre da igreja apontando para cima através da fumaça.    O declive que nos levava até o assentamento descia por cerca de 2km. Esta encosta estava cercada com explosões. Estávamos sendo bombardeados com artilharia pesada dos  vermelhos, grandes explosões, violentas o suficiente para atirar pedaços de terra do tamanho de automóveis e jogá-los alto no ar, desintegrando-se ao caírem. A encosta estava cheia de veículos abandonados e queimados, os remanescentes das unidades que fugiram antes do cerco se fechar. Enquanto eu observava, um carro blindado de oito rodas abandonado foi atingido por uma granada e jogado a altura de uma casa no ar, seus pneus voaram em todas as direções. Qualquer veículo que tente atravessar esta zona de morte era um convite à destruição. O Capo entrou em contato comigo pelo rádio,  - Vamos ter de ir em frente - gritou ele. 'Não podemos parar. Vejam, os Tigres estão se movendo agora. "Sim - os dois grandes King Tiger estavam começando a carregar encosta abaixo, suas blindagens frontais angulares se colocaram diretamente na direção da aldeia lá embaixo, com seus longos canhões apontando para as casas. - Se pudermos atravessar a cidade e a estrada - gritou o Capo. - A infantaria poderá passar. Siga os Tigres. - Meu Deus - disse nosso artilheiro de repente. "Meu Deus, Herr Feldwebel - há feridos lá embaixo." À medida que começávamos a avançar para o gradiente, para o turbilhão de explosões, com estilhaços se esmagando em nossa blindagem eu vi que nosso artilheiro estava certo...

Continua...

Berliner,

sem querer me intrometer mas existe versão deste livro em inglês (que talvez seja mais acessível para ti). A Biblioteca do Exército costumava editar em português alguns destes bons livros mas não sei se este especificamente o foi.

De qualquer forma está a venda na edição em inglês aqui:

https://www.amazon.com/Last-Pa...-ebook/dp/B00Y1R4X92

Também existe a Editora Norte-americana Stackpole que costuma colocar vários destes originais alemães em edições na língua inglesa. Tenho alguns deles aqui e todos são muito bons.

Vale uma boa pesquisa.

Abraços,

Gelson

 

Para um lado da encosta, uma série de reboques em pneus , alguns ainda presos aos caminhões, foram abandonados em campo aberto. Trata-se de reboques de metal de um tipo frequentemente usado como ambulâncias, e de suas portas traseiras abertas eu podia ver claramente homens feridos dispostos em camadas dentro, alguns gesticulando para nós fracamente. Havia cinco destes reboques, com talvez cinquenta ou sessenta homens feridos no total. Aproximamo-nos de um destes, acelerando e incapaz de parar ou dar assistência aos feridos. Nossa única esperança era de prosseguir e nos mantermos em movimento para evitar que os russos escolhessem os reboques como alvo. Quando passamos pelo primeiro trailer, ele foi atingido por um obus alto explosivo que fez voar todas as suas paredes para os lados e jogou os feridos ainda em suas macas pelo chão. Não havia nenhuma chance de desviar-se, nosso Panther  rolou sobre eles sem sequer um solavanco esmagando seus corpos feridos onde eles estavam.   Nosso motorista gemeu e soltou um palavrão  mas não havia nenhuma maneira de evitar o massacre. Os outros reboques que passávamos estavam cheios de rostos aterrorizados de homens feridos, aglomerados enquanto os obuses explodiam ao redor deles, sabendo que a morte podia chegar a qualquer momento. Depois que passamos por esses homens condenados, corremos pela encosta abaixo em direção a cidadela como loucos,  chacoalhando e saltando a cada obus que caia próximo.  Diante de nós eu vi os dois King Tigers movendo-se como rolos compressores pelo declive, esmagando os poucos veículos que estavam em seu caminho. Um Tigre esmagou completamente um Staff Car abandonado ea gasolina deixada nele explodiu com um sopro de chamas sob os lagartas do Tigre. O outro Tigre mergulhou em uma depressão cheia de junco e subiu esguichando água e lama, seu ímpeto era tal que até o solo pantanoso não poderia segurá-lo . Esse Tigre foi atingido por um tiro que explodiu em seu flanco, a saia blindada protetora da lagarta foi derrubada em uma explosão ofuscante de fogo, mas o mastodonte não diminuiu a velocidade por um segundo. Enquanto corríamos atrás dos Tigres, olhei para trás e ao lado procurando pelos outros dois Panthers. O Capo, que distingui pela antena de rádio estendida, estava ao nosso lado, mas nosso terceiro Panther estava para trás, andando mais devagar. Aparentemente tinha um problema no motor,  ou tomado um obus na transmissão ou lagarta. Ele foi reduzindo ainda mais sua velocidade e ficando para trás, e eu tive que voltar minha atenção para a frente novamente. Estávamos aproximando-nos da cidadela  e agora podíamos ver as PAK (anti-tanque) russas colocadas atrás de parapeitos de terra ao redor do limite da cidade. Um tiro PAK atingiu nossa blindagem frontal com um estrondo que fez tremer meus dentes, e então outro tiro, dessa vez atingindo a torre próximo de onde estava minha cabeça, senti como se tivesse recebido uma paulada na minha testa. Contudo nós continuávamos avançando e eu via os obuses russos resvalando na blindagem espessa dos King Tigers a nossa frente, o obus resvalava e saia espiralando e espalhando estilhaços por todos os lados. Um King Tiger foi atingido por um obus alto explosivo, mas o tiro rebentou contra a torre não causando danos. Os nossos tanques estavam balançando, pulando, caindo e levantando enquanto corríamos sobre o terreno irregular - e essa corrida selvagem tornou mais difícil, é claro, aos artilheiros vermelhos que se concentrassem em qualquer alvo específico ou em um determinado ponto de nossos tanques.

 Avançávamos a trinta quilômetros por hora, rangendo e quase fora de controle. Em poucos segundos nos aproximamos do embasamento PAK inimigo. Não houve tempo para abrandar a marcha  e não havia necessidade de fazê-lo. O King Tiger se chocou com o primeiro dos embasamentos esmagando as paredes de terra em uma nuvem de detritos. Vi toda uma equipe de vermelhos, a guarnição da PAK, se virar e fugir, mas primeiro o canhão deles foi feito em pedaços pelas lagartas do Tigre, e então os homens foram ceifados pela metralhadora do panzer,  os sobreviventes foram esmagados pela lagarta do Tigre, eu via como a lagarta ficou vermelha  com a carne e sangue, e então nós mesmos colidimos com uma posição de PAK causando a mesma destruição. Todo o cano e as rodas do canhão PAK se ergueram diante de nós quando rebentamos a parede de terra de sua posição, com a arma girando no ar enquanto era jogada para um lado pelo ímpeto da nossa tonelagem. Os artilheiros russos também foram esmagados, com botas e capacetes girando em torno de nossa torre.  O motorista manobrou então para um lado para abater outra posição PAK inimiga. Senti que levantamos no ar, acredito que ficamos no ar por um curto tempo, e então todo o nosso peso caiu sobre o canhão que estava abaixo de nós. Eu ouvi e senti a munição da PAK detonar sob nós, mas nada nos deteve e já entravamos na cidade, já podia ver as casas enfileiradas. Também vi soldados russos correndo através da rua principal e outros atirando em nós com armas pessoais ou granadas de mão.  Eu optei por usar nossa preciosa munição e ordenei que meu artilheiro limpasse a redondeza. Duas descargas de munição alto explosiva enviaram os vermelhos restantes  para longe e os disparos contra nós parou. Paramos  com um forte golpe contra a parede de terra de um curral onde o gado morto estava com as pernas enrijecidas para cima. À nossa direita os dois King Tiger disparavam intermitentemente contra a cidadela e ao meu lado, a Pantera do Capo avançou para a rua principal atirando em direção a praça principal que víamos na outra extremidade. Olhei de volta para a encosta atrás de nós. Nosso terceiro camarada Panther estava encalhado no declive, com fumaça negra saindo de seu motor. Rangia e estremecia arrancando movimentos bruscos enquanto tentava avançar, mas a transmissão ou a caixa de marchas estavam evidentemente avariados. Atrás dele a massa da nossa infantaria se aproximava, não em fileiras disciplinadas mas uma multidão de uniformes cinzentos, azuis e de camuflagem, correndo cada homem por si mesmo pela encosta abaixo através da fumaça do bombardeio ainda rodopiando no ar. O sol estava se erguendo atrás deles, no oriente, e isso iluminou fortemente os pinheiros da floresta com um brilho lúgubre, mostrando as dobras do chão e os escombros em que os homens estavam se revolvendo. Esta horda frenética conseguiu cobrir uma centena de metros ou assim, antes dos foguetes Katyusha virem sobre eles novamente. No momento em que carregámos a colina, os artilheiros soviéticos tinham recalibrado os lançadores na encosta  e agora as ogivas explosivas e incendiárias voltaram a cair de novo diretamente sobre a massa humana.

 O Panther encalhado foi atingido primeiramente enquanto a horda da infantaria avançava passando por ele. Com um impacto colossal, a torre do Panther foi completamente cuspida para fora do casco, lançando a tripulação do tanque na massa da infantaria passante, onde desapareceram sob as centenas de botas. Uma segundo projétil explodiu entre os que corriam  e depois outra, até que desviei os olhos da carnificina e dos corpos rodopiando em fragmentos. Diante de nós eu podia distinguir através do periscópio empoeirado o gramado antes da cidadela, as casas destruídas e a blindagem traseira do Panther do Capo enquanto atravessava sua torre da esquerda para a direita no meio da rua principal, sondando a resistência russa . Vi um grupo de soldados vermelhos saírem de uma porta à sua direita, segurando pequenos pacotes que só podiam ser minas anti-tanque. Meu artilheiro viu também e disparou a metralhadora coaxial. Os vermelhos caíram sobre os pedregulhos, seus corpos se enrolando enquanto as balas resvalavam pelas pedras. À minha esquerda os dois gigantescos Tigres roncaram até os limites da cidade e detiveram-se diante dos pitorescos edifícios de madeira de contornos rígidos. Eles progrediram lentamente em torno da borda do assentamento usando uma estrada de terra que corria ao lado da cidadela através de seus prados de água. Mesmo quando meu Panther começou a entrar na cidadela, a nossa infantaria já estava nos nossos calcanhares. Centenas de nossos camaradas esfarrapados e emaciados começaram a descer as encostas e correr, andar ou ir atrás dos King Tiger enquanto alguns, os mais bem armados e aparentemente mais alertas, entraram cautelosamente atrás de nós em direção ao centro da pequena cidade, protegendo-se ao longo das fachadas e varrendo a tiros os jardins contra tropas inimigas ocultas. Na praça principal, meu Panther e a do Capo paramos ao avistar uma fileira de caminhões russos da qual podíamos retirar o combustível. Um punhado de prisioneiros russos foram arrastados até a praça, eles estavam escondidos nas caves ou jardins.  Pusemo-los a trabalhar imediatamente uma vez que tínhamos verificado que os caminhões usavam gasolina e não diesel. Os prisioneiros foram colocados a trabalhar, usando nossas bombas de mão com sifão para bombear o combustível precioso de seus caminhões e transferi-lo para os dois Panthers sobreviventes. Várias obuses começaram a cair entre as casas derrubando os telhados e fazendo com que os muros ruíssem, mas o bombardeamento parecia ter diminuído de intensidade,  a artilharia russa talvez não percebesse que seus homens não estavam mais no controle da cidadela. Nessa pausa dos combates muitos civis alemães surgiram e começaram a se reunir em torno dos Panthers, nos implorando para levá-los conosco, para longe dos vermelhos.  Nosso destino é a Floresta Spree para o ocidente, disse o Capo.  Essa é uma jornada perigosa e não podemos desacelerar para vocês.  Nisto um velho apontando e gesticulando falou... "Entre aqui e veja uma coisa..."   Enquanto os prisioneiros russos continuavam a bombear o combustível, o velho levou o Capo e eu para o maior edifício da praça, uma antiga câmara do conselho municipal encimada por uma veneziana ornamentada.  Levou um tempo até meus olhos ajustarem-se à luz fraca de dentro que filtrava através das janelas de vidro coloridas. Neste velho salão do conselho, sobre as tábuas de madeira polidas por gerações de pés de aldeões havia uma fileira de moças nuas no chão, seus corpos salpicados de sangue e ferimentos brilhavam com uma cor cerosa na luz fraca. De uma viga do teto dois homens estavam pendurados com os pescoços partidos, os olhos abertos olhando para os cadáveres de suas filhas explicou o homem. "Eles foram obrigados a assistir a isso, e depois foram enforcados".  Já fora do edifício, o Capo permitiu que os civis subissem aos panzers. Depois pegou a pistola Walther e quando os soldados vermelhos terminaram de bombear o combustível ele os levou para um lado da rua e os matou, um tiro na nuca, um após o outro contra a parede da câmara do conselho. Um círculo de aldeões, tropas e as tripulações dos tanques assistiram a isso,  e depois saímos do povoado em direção à floresta onde pudemos ver os King Tiger parados sob as primeiras árvores da Floresta Spree, nosso objetivo. Uma multidão de várias centenas de civis seguiu os nossos Panthers a pé até os bosques. Passamos pelo King Tigers, e agora eramos nós que iríamos liderar o caminho. Os civis mostraram-se úteis, uma mulher aproximou-se de minha torre, com um fuzil pendurado sobre o ombro, e me indicou as melhores e mais largas faixas de terra a serem tomadas para que pudéssemos alcançar a parte mais densa e central da floresta mais rapidamente. Já estávamos fora de vista da cidadela quando ouvimos o ronco de aviões.  Um trio de aparelhos do tipo conhecido como “Sturmovik” veio diretamente sobre a cidadela atirando na passagem.  Vi pedaços de madeira e telha voando em todas as direções envolvendo a cidade em chamas e fumaça, depois disso eles viraram para leste e se foram.   Os russos devem ter relatado que já não estávamos na cidade, devíamos agora focar nosso objetivo e alcançar as primeiras linhas do 12º exército... 

Obrigado a todos pela manifestação de apreço pela postagem, gostaria de observar um fato incomum e que os veteranos não mencionam que foi a execução dos prisioneiros.  Ai no caso o autor já é falecido bem como a grande maioria das pessoas que lá estiveram.  Os familiares dele é que cederam suas memórias para publicação, e como ele já faleceu não há perigo de alguma represália.   Há mais uns fatos de cunho técnico em relação aos tanques em meio a tragédia mas não sei se devo postar.   De qualquer forma fica a indicação para a leitura do livro, somente em alemão e inglês...

Fuga do Kessel

Dizer que não estávamos sozinhos no Kessel seria uma subavaliação terrível. O Kessel consistia de toda a Floresta Spree, a Leste de uma pequena cidade chamada Halbe, que era um lugar que eu nunca tinha ouvido falar antes, mas nunca serei capaz de esquecer. O Spree continha antigos bosques de carvalhos, pinheiros e vidoeiros que se estendiam por uns 30km de leste a oeste, pontuada por pequenos lagos, charnecas e  canais escavados para quebrar incêndio florestal, onde nenhuma árvore cresce. Toda esta área estava viva, cheia com as pessoas, com dezenas de milhares de pessoas.

As trilhas da floresta  e seus caminhos de terra foram dimensionados para pequenas carroças e deslocamentos a pé e não para um exército de gente andando, mancando, dirigindo e caminhando para o oeste.  Muitos eram soldados, de todos os escalões, insígnias e uniformes, incluindo a Wehrmacht, Waffen SS e Volkssturm (força de defesa civil), todos misturados.

 Os homens da Volkssturm estavam vestidos com roupas civis, com Panzerfausts (bazucas de um único tiro) e sub-metralhadoras fabricadas especificamente para o seu uso.

Muitos estavam feridos e se deslocavam com muletas ou viajavam subindo em qualquer veículo que os aceitassem, podia ser um panzer, caminhão ou carroça puxada a cavalo.

 Os homens dormiam nos decks dos panzers rastejando lentamente ao longo das estradas, ou sentados sobre as torres,  para-lamas ou nos próprios canos das armas, suas cabeças balançando enquanto dormiam em pé, muitos eram civis, homens idosos, mulheres de todas as idades e crianças, todas misturadas com as tropas, cavalgando ou implorando por lugares ao lado dos soldados.

Alguns dos civis estavam armados com espingardas, pistolas ou fuzis militares, e caminhavam quase como tropas, com apenas mochilas e suas armas. Outros estavam tentando mover seus pertences em carrinhos de mão ou vagões puxados por cavalos ou bois. Alguns refugiados  traziam seus animais com eles, e não era incomum que tivéssemos que descer do Panther para limpar o caminho de um amontoado de vacas, porcos ou cabras sendo dirigido por um Velho fazendeiro com uma vara. 

Atrás dos nossos dois Panthers sobreviventes, os King Tigers da Waffen SS davam carona apenas para os homens da SS, dezenas de homens em cada panzer, seus uniformes de camuflagem mesclando bem contra a folhagem e luz refletidas.

Nesta faixa estreita, cheia de obstáculos e veículos abandonados, o nosso progresso foi agonizante e lento, e vimos coisas terríveis à medida que avançávamos entre os carvalhos. Várias vezes, aviões soviéticos voaram sobre o dossel das árvore, disparando aleatoriamente sobre o chão da floresta, evidentemente não se importando se atingiram qualquer coisa, ou sobre o que foi alcançado. Em um destes ataques o avião russo enviou uma salva de balas traçantes de canhão rasgando diagonalmente através dos galhos das árvores, arrancando ramos pesados e incendiando-os. Um ramo de árvore caiu sobre uma família empurrando um carrinho de mão,  uma mãe, avó e filhos, matando as duas mulheres.  Seus corpos foram deixados no mato e as atordoadas crianças tiraram alguns pertences do carrinho e simplesmente começaram a andar  logo desaparecendo na coluna de pessoas a pé.

 Foguetes Katyusha também explodiam nas árvores, os estilhaços chovendo sobre nós junto com lascas de madeira das árvores que rasgavam as pessoas aboletadas sobre os veículos.

A mulher civil agindo como minha guia, que estava de pé no deck traseiro do meu Panther foi atingida no braço por uma tal lasca, e eu dei-lhe uma bandagem de nosso pacote de primeiros socorros.  Ela se endireitou com os dentes cerrados, os olhos cheios de lágrimas.  Em um ponto, à tarde, paramos para adicionar óleo aos motores e permitir que os motores parados esfriassem pois a baixa velocidade e várias horas de funcionamento causavam superaquecimento de forma perigosa. Nós orientado nossos dois  Panthers para saíram da pista e estacionarem entre as árvores.  Com os motores dos Panther desligados, o metal ressoou enquanto se contraía, e a grande unidade do motor Maybach assobiava e estalava. Os King Tigers pararam ao lado de nós, seus motores emitindo fumaça e calor. Os tripulantes abriram as grelhas do motor para permitir o arrefecimento.  Os motores dos Panther e Tiger eram de desenho semelhante, uma unidade motora, uma sólida caixa de aço blindado, com os radiadores em caixas de aço separadas em ambos os lados.  Isto foi assim projetado para dar proteção contra a água se o panzer tivesse que vadear um rio, eram poucas as pontes que podiam suportar o peso de quarenta e oito toneladas do Panther ou as quase 70 ton. do King Tiger. Mas este projeto de proteção fez com que a unidade se superaquecesse facilmente em seu caixão de aço, e os incêndios de motores eram um problema comum após várias horas em funcionamento contínuo.

Nós despejamos a última reserva de nosso óleo, então dissemos à nossa infantaria acompanhante que pararíamos por uma hora. Aproveitamos a oportunidade para verificar os nossos links de lagartas e equipamentos de rodagem.  Enquanto a infantaria se esparramava no chão da floresta entre as folhas e árvores, na borda dela alguns dos homens estavam investigando um carro estacionado, um luxuoso Horsch de uso pessoal, do tipo utilizado por oficiais superiores. Eles nos chamaram para ver o que tinham encontrado.  No lugar do motorista, um oficial da SS estava sentado, olhando através do vidro, a cabeça encostada na porta. Ele atirou com sua pistola na própria cabeça, na têmpora, muito recentemente pois o sangue ainda escorria de sua cabeça,  ao lado dele, uma mulher em roupas civis, um elegante vestido de verão e chapéu, também estava morta, com as mãos entrelaçadas no colo, os olhos fechados e um cigarro entre os lábios.

As SS estavam agora aterrorizadas pelos vermelhos.  Após os anos de Rússia, a política de não tomar prisioneiros, as SS tinham uma conta a ajustar, os vermelhos não lhes mostrariam nenhuma misericórdia. E por que os bolchevistas deveriam mostrar misericórdia afinal?  Era muito melhor para um homem da SS morrer com uma bala na cabeça do que cair nas mãos dos vingativos soviéticos.   Não havia nada a ser feito sobre esses dois corpos no carro Horsch. Nós aproveitamos para sifonar fora de seu tanque de gasolina o conteúdo que estava quase cheio, e compartilhamos com os outros blindados.  As sombras estavam se alongando quando nos afastávamos novamente.

 A floresta tinha assim muita vida, e também muita morte, e cada ângulo de pista revelava nova confusão e sofrimentos. Civis a pé nos chamavam perguntando sempre que caminho eles deveriam tomar e implorando para uma chance de subir nos panzers.  Alguns seguravam seus filhos para nós mostrando-nos como esgotado e doente eles estavam, dizendo-nos como eles vinham  a pé andando há mais de cem ou duzentos quilômetros do leste. Não podíamos fazer nada para ajudar essas pessoas e às vezes nosso artilheiro tinha que usar uma pá para bater e expulsar de volta os homens civis que tentavam escalar nosso casco.

À medida que a noite se aproximava, minha guia civil alertou-me  que havia mais três ou quatro quilômetros restantes antes de alcançarmos a área central da floresta.

- Teremos que ter cuidado lá, acrescentou.   "Nós?", Perguntei a ela.        - Suponho que posso ficar no seu panzer - disse ela. "Eu fui útil para sua unidade”

- Como está o seu braço?   'Doi muito.'                                                                             - Gostaria de ter morfina para lhe dar.                                                                             - Você não tem nenhum em sua bolsa médica? Meu braço está muito dolorido agora.                                                                                                                                      - Você me dá morfina, Herr Feldwebel?                                                                     Sinto muito mas usamos tudo madame.                                                                            - "Eu não acredito em você," ela sibilou, segurando seu braço. "Acho que você está guardando para vocês mesmos”.

Eu não disse nada, mas como o meu Panther roncou e se dirigiu para outra parada, em uma junção de três estradas entupidas com carrinhos e até um ônibus civil repleto de feridos, eu pude olha-la com cuidado pela primeira vez. Ela tinha talvez uns quarenta anos de idade, com olhos cinza claros que ardiam de indignação.                                                                                                                                  - Só um pouco de morfina - repetiu ela. 'Por favor.'                                                   Na frente de nosso tanque um carrinho de ambulância estava preso, seu cavalo desmoronando com as pernas dianteiras afundando na lama em exaustão, as tropas feridas no vagão gritavam para as pessoas que passavam ao lado.              - Eu usei a última morfina da minha equipe panzer há dois dias - eu disse. 'Um dos meus homens foi atingido por estilhaços nos rins. Levou três dias para morrer, mas mantivemos ele sem sentir dor durante o tempo que pudemos. Quando nossa morfina acabou, ele me implorou para atirar nele.                                                   Ela enxugou o nariz com a mão, evidentemente resignada.                                        - E você atirou nele?                                                                                                            - Sim, eu atirei nele na cabeça. Espero que alguém faça isso comigo se eu estiver nessa condição, mas escute, eu vou encontrar-lhe alguma morfina ao longo da estrada aqui em algum lugar, você tem sido útil e nos ajudou.

Os sons da batalha eram altos ao sul e ao leste, e parecia que os russos estavam investigando nossas forças e nos desgastando.  Soldados da Infantaria correram vindo dos perímetros, gritando que os vermelhos estavam forçando sua entrada no Kessel  em grupos de dois ou três blindados.  As árvores começaram a se enrugar levemente, e em intervalos era possível perceber os aviões soviéticos que moviam sobre as copas das árvores contra o azul do céu. Rodamos o mais próximo das folhagens para esconder nossos cascos e torres, e de olho no céu para seguir os aviões atacantes. Numa clareira exposta entre as árvores, encontramos uma unidade de três magníficos Jagdpanzers  - destruidores de tanque de chassi baixo sobre a plataforma do Panzer IV, uma arma excelente,  e  paramos atrás deles enquanto eles paravam próximo a borda de uma clareira, olhando os céus antes de arriscarem avançar para o outro lado da floresta.

 O segundo veículo parou, acelerou e fez o mesmo, correndo através da borda.  O Jagdpanzer  levou muito tempo para verificar o céu,  até que nossas tropas começaram a gritar para ele se mover ou sair do caminho. Seu comandante ignorou os gritos, até finalmente decidir por mover-se.    Assim que o veículo baixo e atarracado se precipitou pela clareira, as formas de aviões Sturmoviks rasgou sobre nós suas sombras enchendo a estrada. O Jagdpanzer acelerou, comprometido agora a chegar até as árvores mais densas, já estava a meio caminho quando uma salva de foguetes voou esmagando galhos e árvores atingindo o Jagdpanzer diretamente em seu flanco.   A máquina levantou-se no ar, caiu sobre suas lagartas e perdeu o controle. Com a fumaça saindo de suas grelhas, desviou-se para o lado das árvores ao lado da estrada, derrubando várias em seu momentum e inclinando para seu lado. As árvores balançaram e caíram ao chão, e isso expôs o trecho de estrada mais brutalmente, dando aos pilotos vermelhos uma visão mais clara do que estava lá embaixo na floresta.  Chamas saíram do motor do Jagdpanzer quando ele parou em um redemoinho de lascas de madeira que foram atirados para todos os lados quando bateu de frente nas árvores.  As pessoas que se juntaram ao lado do meu Panther e se preparavam para começar a correr para a parte mais densa do outro lado da floresta, depois do que viram se afastaram de nós, longe do alvo dos Sturmoviks. Somente a mulher civil permaneceu, agarrando-se ao deck traseiro, aparentemente demasiado temerosa para mover-se.  Examinei o céu a procura dos aviões e não vi ou ouvi nenhum,  e disse ao meu motorista para dirigir como o diabo através da clareira. Era um risco  mas seria mais arriscado ficar onde estávamos, com a cobertura das árvores quebradas e o Jagdpanzer em chamas para marcar o alvo.  Entrei na torre e fechei a escotilha, e meu motorista nos colocou em movimento com uma força que Jogou-me contra a parede traseira. Através dos periscópios vi a as árvores ardendo junto ao panzer incendiado, com um tripulante tentando arrastar-se para fora da escotilha, o seu torso inteiro em chamas. Então a estrada à nossa frente iluminou-se com foguetes explodindo, que rasgou a terra e as árvores, e enviou uma barragem de estilhaços sobre o panzer, os estilhaços martelando nosso casco enquanto  atravessamos a fumaça das explosões. Os panzers atrás de nós não demoraram em fazer seu movimento, e em um minuto, ambos os nossos Panthers e os dois King Tigers estavam avançando em frente e para a segurança da cobertura de árvore mais espessa. Depois de alguma distância, fizemos uma pausa, e abri minha escotilha subindo para avaliar o estado do meu tanque. Em torno de nós, nossas tropas e civis lentamente foram se juntando, tendo corrido atrás de nós através das árvores.  No convés do meu tanque a mulher civil estava deitada de costas.  As grelhas do motor, as roupas enegrecidas pelos vapores de óleo e despedaçadas pelos estilhaços dos foguetes que explodiram sobre nós.

Seus olhos estavam abertos e ela ainda estava respirando, mas o ar estava escapando de suas feridas no peito em longos sons sibilantes pelos buracos em seu pulmão.   Eu a levantei e passei-a para os civis no terreno. O movimento causou-lhe muita dor, e ela chorou suavemente, com os olhos rolando para trás junto com sua cabeça. O Capo veio e ficou ao meu lado, suas mãos em seus quadris.

- Temos que seguir em frente - disse ele, olhando para a mulher. - Os Jabos estão em toda parte.                                                                                                                       - Prometi encontrar para essa mulher morfina - disse eu. - E não temos mais nada.  Mas ela está morrendo!...                                                                                       - Ela nos ajudou a encontrar o caminho. Ela foi útil para nós.                                    O Capo suspirou e pediu o kit médico de seu próprio tanque. Ele pegou uma ampola de morfina, e injetou em seu braço. A mulher gemeu, e abriu os olhos a medida que o anestésico fazia efeito.   Suas mãos se atrapalharam e ela retirou do bolso uma fotografia que ela empurrou para mim. Eu peguei e a mulher ficou quieta. Imaginei que sua morte estava próxima, talvez mais dez ou vinte minutos . Pelo menos estava sonhando.    Olhei para a foto que ela tinha me dado, mostrava uma jovem de dezoito ou vinte anos, a semelhança com a moribunda sugerindo que era sua filha ou talvez ela mesma mais jovem.

 Eu franzi o cenho e coloquei a foto no bolso da túnica enquanto mais aviões rugiam acima das árvores e a estrada que tínhamos acabado de passar explodia sob as rajadas de tiros e foguetes explodindo com chamas alaranjadas.  Esqueci-me da fotografia até muito mais tarde.

Mais adiante ao longo da pista, a estrada primitiva estava marcada com crateras de bombardeio, e nosso progresso foi retardado com as manobras que tivemos de fazer para evitar as crateras.  Em muitos casos, as crateras estavam sendo cobertas com pranchas e troncos, sendo o trabalho feito pelos homens condenados que chamamos Hiwis.  Os Hiwis eram os Hilfswilliger: os "Ajudantes voluntários". Estes eram soviéticos capturados que se renderam  às nossas forças nos bons anos de 1941 e 1942, quando parecia a todos que o rolo compressor alemão esmagaria a Rússia bolchevista. Estes homens foram confrontados com campos de prisioneiros que consistiam em grandes quadrados de arame farpado, sem telhado, sem tendas, sem abrigo de qualquer tipo. Nenhum alimento, exceto as ervas daninhas, e nenhuma água exceto a da chuva. Quantos morreram nesses campos enquanto nossos guardas viam através do arame farpado os vermelhos se matarem para comer os cadáveres crus?  Os Hiwis se haviam oferecido para ajudar os exércitos alemães e sair desse inferno trabalhando para nós como auxiliares, motoristas e em outros papéis desarmados.  Sua recompensa foi manterem-se vivos, comer uma ração todos os dias e ter um cobertor à noite. Depois de Kursk em 1943, os soldados vermelhos tornaram-se menos propensos a render-se, e os que o fizeram relutaram em trabalhar para nós. Eles nos disseram que a pena por serem capturados era que suas famílias seriam enviadas para um Gulag no Ártico.

Agora os Hiwis no território alemão estavam  entre duas forças esmagadoras.   Se eles parassem de nos ajudar não teriam mais valor e sua punição seria uma bala ou a forca. Seu único consolo era que o os russos não sabiam quem eles eram e assim suas famílias estavam seguras. Mas se eles fossem capturados pelos russos, suas identidades eventualmente seriam descobertas e ambos os Hiwis e suas famílias seriam condenados à morte. O que um homem pode fazer em tal situação diante de tal escolha? Alguns hiwis se mataram enquanto outros continuaram a cooperar com as nossas tropas esperando que desse modo pudessem evitar seu destino inevitável. Seus rostos estavam encovados, máscaras de estresse e medo, e seu trabalho era o trabalho de homens condenados, sombrios e metódicos.

Encontramos uma turma de Hiwis, que era de dez em número; Homens vestindo uma mistura esfarrapada de uniformes russos e alemães e roupas civis. Esses homens tinham evidentemente sobrevivido há anos de seu papel, e eram magros, com olhos ocos e cabeças rapadas. Eles estavam puxando um PAK 75mm à mão fora de uma cratera de bomba com a equipe de artilheiros  simplesmente olhando. O trator estava em uma vala ao lado da estrada, seu motor despejando fumaça. Enquanto passávamos, outro grupo de  infantes passava gritando um aviso que os vermelhos estavam perto.  De repente as árvores à nossa esquerda foram destruídas e, quando caíram, vimos o verde focinho de um T-34 empurrando as árvores a sua frente  a apenas cinqüenta metros de distância.   Um pelotão de infantaria vermelha também vinha atrás, trepando sobre os troncos caídos para chegar até nós. Houve gritos dos civis nas proximidades pois, depois de tantos anos de ouvir sobre as bestas vermelhas,  as próprias bestas apareceram de repente em carne e osso.

O Hiwis imediatamente mergulharam na cratera da bomba, deixando a arma PAK cair sobre a borda e os artilheiros correram para pegar seus fuzis e metralhadoras.  Fui para a torre, ordenei que o meu tanque parasse e atirasse nos vermelhos assim que o artilheiro pudesse. Suamos nessa corrida de vida ou de morte para ver quem seria o primeiro a dar o tiro.

 Em duelos de blindados o tiro inicial é freqüentemente  o decisivo, mesmo que não destrua o veículo inimigo ele pode danificar as lagartas ou a concussão atribular a tripulação e com isso ganha-se preciosos segundos para um segundo tiro.  A melhor tática é usar uma combinação de manobra sobre a pista para alinhar o casco para o tanque inimigo ao mesmo tempo que se vira a torre para apontar, a torre é acionada pelo sistema hidráulico sob controle do artilheiro.     É uma estranheza dos nossos Panthers que somente o artilheiro poderia manobrar o canhão,  o comandante não tinha pedais de travagem e controle próprios, e haja fôlego, cada segundo enquanto o artilheiro girava a grande torre a esquerda ou a direita com o rosto fixo no acolchoado da mira da arma parecia uma eternidade, o artilheiro era o homem mais importante na batalha. A torreta do Panther girou lentamente, mas a nossa vantagem já era maior, o T-34 ainda estava avançando sobre as árvores desabadas em nossa direção.

Nosso tiro soou, a traçante voou em sua trajetória vermelha  e naquele intervalo nosso 75mm varou diretamente através da torre do T-34, abaixo do mantelete do canhão. Através do meu periscópio eu vi o tanque vermelho sacudir com o impacto e a máquina caiu contra um carvalho arrancando-a.  A infantaria vermelha espalhou-se ao redor do tanque atingido e sem hesitação,  mesmo quando a torre do T-34 explodiu para fora do casco em uma coluna de chamas e fumaça, caindo sobre vários soldados de infantaria quando ele atingiu o chão - mesmo assim, eles continuaram a avançar contra nós.  Disparamos a metralhadora frontal derrubando muitos dos vermelhos, e ao mesmo tempo meu artilheiro estava avistando o segundo T-34 que vinha de entre as árvores destruídas em sua ânsia de chegar até nós.

 À medida que seu casco se elevava por sobre as árvores caídas, disparamos em sua barriga exposta, mas o nosso tiro foi muito alto e o blindado caiu horizontalmente novamente,  nosso tiro conseguiu apenas ricochetear na blindagem dianteira inclinada em uma nuvem de estilhaços de metal.

Meu artilheiro amaldiçoou, e meu carregador trabalhava como o diabo para municiar e preparar a próxima salva fechando o bloco atrás do obus, mas logo que ele fechou o bloco de culatra, aquele segundo T-34 abriu fogo em cima de nós. Eu esperava receber um obus perfurante ou alto explosivo destinado a arrancar as nossas lagartas mas o que estourou da torre do T-34 foi um longo jorro de líquido ardente, uma torrente de fogo que brotava através das árvores em nossa direção, os salpicos de fogo respingando sobre a  infantaria vermelha enquanto ele se mexia para se posicionar, e incendiando os homens.  Os camaradas dos homens incendiados não fizeram qualquer tentativa de ajudá-los enquanto queimavam. Este T-34 era um Flammpanzer (lança-chamas) equipado com um projetor de líquido incendiário.  Sua aparência se assemelhava a uma arma normal, e sua explosão de chama causou tanta fumaça que era impossível durante alguns segundos ver o próprio veículo. Meu artilheiro murmurou para si mesmo, seu rosto pressionado contra a mira da arma, fazendo estimativas de onde a máquina iria sair da fumaça, e percorrendo uma fração de segundos para colocar o seu tiro lá. Eu disse ao municiador para carregar um obus de alto explosivo, com a intenção de atingir o blindado lança-chamas e soprar a chama de volta ao seu próprio lançador. À nossa direita, a infantaria vermelha trocava tiros com a equipe de artilheiros da PAK e um esquadrão de tropas alemãs que saíram da floresta , mas dos milhares que deviam estar escondidos nas proximidades das árvores, apenas cerca de cinqüenta homens se aproximaram prontos para defender o Kessel.

Quando olhei pelo periscópio através da fumaça, o Flammpanzer surgiu fora das chamas e carregava sobre nós jorrando uma nova linha de líquido incendiário que  voou descontroladamente pela floresta enquanto o blindado se balançava entre as árvores. Eu sabia que se o líquido atingisse nossa grelha traseira as chamas imediatamente entrariam pelo motor causando uma explosão. Nós seriamos reduzidos a cinzas se não pudéssemos escapar do tanque a tempo. Já eu podia sentir o cheiro do combustível incendiário russo, e mesmo senti o calor intenso de sua chama, mesmo através da nossa placa de blindagem.

Nosso tiro foi disparado as pressas e atingiu o canto da torre do T-34, olhando pelo periscópio vi o tiro que atingiu obliquamente a torre ricochetear sem penetrar  e resvalar nas árvores.  O Flammpanzer correu para a frente ao mesmo tempo apontando em nossa direção sua torre para esguichar seu fogo diretamente sobre nós,  elevando seu tubo para certificar-se de que suas chamas viriam abaixo sobre nós. O comandante vermelho não teve essa chance. Nosso tiro seguinte com munição alto-explosiva atingi-o na frente de sua torre e como eu esperava a detonação arrancou o cano, o projetor de chamas, enviando-o girando na direção das árvores, arrastando uma linha de chamas. O líquido inflamado começou a jorrar do mantelete da torre em cascata para baixo e para a frente do casco, com o T-34 dando marcha a ré para escapar-nos, nós aproveitamos para enviar-lhe mais uma salva de alto-explosivo no mesmo lugar.

O efeito foi imediato. O artilheiro inimigo deve ter desligado o líquido do reservatório de combustível para o seu lança-chamas porque a escotilha da torre abriu e uma explosão vertical de fogo disparou pelo ar. Todos nós da tripulação do Panther murmuramos agradecidos que este destino era deles e não o nosso. A explosão dentro do casco apertado do T-34 com toda a quantidade de combustível foi tal que enviou a torre em chamas a trinta ou quarenta metros de altura. Segundos depois as chamas caíram sobre o blindado e ele foi envolto em seu próprio fogo, encravado entre as árvores em chamas enviando espirais de destroços para a floresta,

A batalha ainda não havia terminado. Os soldados de infantaria vermelhos, vendo seus blindados destruídos começaram a recuar, mas mantiveram uma barragem de fogo de metralhadora em nossas tropas...  Eu vi que passando pela cratera da bomba com a arma PAK empoleirada em seu canto, os vermelhos gritaram e gesticularam em triunfo ao descobrir a quadrilha dos homens Hiwis abrigados lá dentro, desarmados. Nossas tropas começaram a responder ao fogo mas timidamente,  talvez conservando suas preciosas munições, mas também eu suspeitei enquanto observava, que não havia vontade de deter os russos e todos olhavam esperando para ver o que os russos fariam com seus compatriotas na cratera.

 Eu abri a escotilha o suficiente para olhar ao redor,  não vi mais blindados inimigos aproximando-se de qualquer direção. O Flammpanzer ainda estava em erupção em chamas alaranjadas.  Também  vi que os russos estavam cercando a cratera, colocando granadas no cano da arma PAK para desativá-lo, e disparando suas sub-metralhadoras para baixo na cova.  Eu podia ver os corpos dos Hiwis tremendo rasgados pelas balas disparadas por seus compatriotas. Gritei para alguns dos nossos da infantaria no chão, interpelei mesmo um jovem Feldwebel para disparar contra os vermelhos e salvar os Hiwis, mas era tarde demais. Sua tarefa estava completa, a infantaria vermelha correu de volta para as árvores em direção a suas próprias linhas, gritando em russo e gesticulando...

Obrigado a todos mas não é muito ético colocar um livro inteiro aqui, se todos fizessem assim as editoras iam a falência e não teríamos mais o que ler.

Provavelmente o Panther tenha escapado pois o autor não teria deixado suas memórias se assim não fosse, mas ainda estou lendo e não cheguei ao final...  Ah, não gosto de antecipar o final antes de terminar a leitura...

Humm...

Eu fiquei com a pulga atrás da orelha com estes relatos, eu gosto muito deste tipo de livro, tenho diversos, mas esta ai estava me parecendo quase inacreditável, e parece que realmente é.

Li vários comentários sobre este e o outro livro dele, e o que se fala é que os relatos são cheios de falhas, com fatos errados, locais errados e descrições pouco confiáveis.

Para tirar a dúvida eu comprei o outro livro dele Tiger Tracks. O relato é semelhante, o couro come já nas primeiras páginas, mas tem vários furos para quem lê com atenção. O cara da posição de motorista do tigre, apenas olhando pela viseira, vê mais do que se pode crer, identifica aviões no céu, vê tripulantes de tanques russos saltando e se arrastando e mesmo enxerga o que esta acontecendo dentro de outro tanque, ou o que acontece em tanques que estão na lateral. Num trecho ele diz que ele e o cara da metralhadora estão ambos com as escotilhas abertas e sentados no encosto dos assentos, com parte do corpo para fora, em seguida diz que via tudo pelo visor frontal. No trecho que estou lendo agora ele relata um combate a curta distancia entre Tigres em ISs, o que já seria estranho, mas pior coloca isso em 1943 quando os IS só começaram a operar em 1944.

É muito bem escrito e os relatos tem uma qualidade quase cinematográfica, mas esta me parecendo que é mais novela do que realidade, tipo aqueles livros do Sven Hassel, que o seu Melzi tanto gosta.

 

Sobre estas incoerências, eu nem me incomodo muito.

O livro foi publicado em 2016.

Baseado  nas memórias de um veterano já falecido, fatos ocorridos  em 1945, memórias de um idoso, relatos de fatos traumáticos, é aceitável que algumas coisas estejam desencontradas ou soem estranhas, isso dá mais humanidade a história!

É como estar ouvindo um veterano contar histórias de guerra, cheias de "causos e bravatas"...

Se tudo soasse certinho, perfeitinho, cada ponto encaixando aí sim me pareceria que tudo passou por revisão... 

Mas posso perguntar uma coisa? Tu fala que no livro Tiger Tracks ele relata  um combate a curta distancia entre Tigres em ISs como assim entre tigres? tigres roubados? capturados? 

Incluir Resposta

Curtidas (2)
Tripa secaCoração De Leão
×
×
×
×