Omaha

Tópico 27

O cronograma estava em frangalhos, despedaçado como um janela quebrada, mas a consequência não significava apenas os pedaços de vidro espalhados mas a perda de muitas vidas, cada uma delas importante para alguém.  Para os soldados da primeira leva, o desembarque atrasado significava não poder contar com as unidades de apoio e com o poder de fogo.  Por outro lado, isso significava morte pela simples razão que os alemães podiam facilmente concentrar os seus tiros em pequenos grupos isolados ao invés de uma multidão contínua e numerosa.  Os planejadores da invasão tinham a esperança de subjugar as defesas inimigas com um desembarque perfeitamente sincronizado, o apoio mútuo do poder de fogo e a imensa quantidade de tropas. Agora essa esperança tinha sido destruída.

Às 07hs00mins, com 30 minutos de atraso, cinco LCAs carregando as tropas de assalto da Companhia L da 16ª Divisão de Infantaria comandada pelo capitão John Amellino se aproximaram da praia Fox Red bem a leste da Fox Green.  Uma embarcação carregando a quarta seção virou em alto mar a uns 3 quilômetros da orla.  Oito soldados se afogaram; os outros foram "pescados" do mar frio por botes salva-vidas.  Os cinco LCAs remanescentes chegaram à praia um pouco antes das fileiras de Portões Belgas, ouriços, tetraedros e postes carregados com minas Teller, todos em diferentes profundidades.  A bordo de uma das lanchas, o Soldado Primeira Classe Giles Lee Hamlett, um orgulhoso sulista de Danville, Virginia, espreitava pelo lado num esforço para poder ter uma melhor visão da praia.  Hamlett era novo no pelotão e, na sua concepção, todos os outros eram nortistas.  Ainda na Inglaterra, seu Sargento o apelidou sarcasticamente de "General Lee" (O General Lee foi um importante militar no exército sulista durante a Guerra da Secessão nos EUA - N. do T.).  Naquele momento, enquanto Hamlett tentava enxergar a praia Fox Red, o Sargento, fingindo estar em posição de sentido, bateu continência e perguntou: "E o que o Sr. vê General?".  Hamlett não gostava de ser alvo de brincadeiras mas ele estava mais preocupado com o fato de os alemães, ao verem o Sargento batendo continência, poderiam assumir que Hamlett era um figura importante e, assim, o primeiro alvo a ser fuzilado.  Hamlett pulou em cima do sargento e os dois começaram a brigar até que os outros soldados intercederam e os separaram.

O barco com a primeira seção estava prestes a ficar inundado de modo que a praia era uma visão de alívio para aqueles homens.  "Não havia nenhum fogo de apoio contra as defesas na praia quando a Companhia desembarcou" informou o relatório da manhã de 6 de junho da Companhia L.  Assim que as rampas foram abaixadas, aqueles que olhavam para além dos obstáculos podiam ver as 200 jardas (182m) de praia que se colocavam à sua frente.  A praia aberta e com pedras dava lugar aos barrancos com uma altura variando entre 3,5m e 4,5m.  Acima desses barrancos estava o WN-60.  Logo eles começaram a serem alvejados pelos tiros do canhão de 75mm da casamata bem como dos morteiros.  Dois projéteis do 75mm atingiram o LCM inundado do Tenente Klenk, um na popa e outro abaixo da rampa.  A explosão matou e feriu vários soldados.  Os sobreviventes lutaram desesperadamente para sair da embarcação condenada.  "Eu tive que subir por vários corpos que estavam na minha frente, boiando na água"lembrou o Primeiro Sargento Vincent "Mike" McKinney.  Ele mergulhou na água e começou a vadear em direção à orla.  Vários soldados pularam pelos lados ou seguiram McKinney pela rampa.  Na parte de trás da lancha, o Soldado Primeira Classe James Jordan pisou por cima dos corpos de vários amigos e se dirigiu à rampa.  "Quando cheguei perto da rampa, fui atingido por uma onda que me jogou de volta para a parte traseira da lancha.  De novo eu fui para a frente e consegui sair enquanto que ela afundava debaixo dos meu pés.  Fui o último homem a sair."  Outra onda o jogou para fora da rampa e para debaixo do mar.  Por causa do peso do equipamento, ele afundou como uma pedra.  Felizmente ele conseguiu se livrar de sua mochila, voltou à superfície e começou a vadear em direção à praia.  Dos 31 soldados que estavam no LCA da primeira seção, 13 não conseguiram sair do barco ou estavam feridos na praia.

C O N T I N U A

Tópico 28

Os alemães por pouco não atingiram em cheio pelo menos outras duas lanchas ferindo vários soldados embora ninguém morresse.  O volume de disparos partindo das metralhadoras, morteiro e rifles logo elevou a uma quantidade estarrecedora.  As metralhadoras costuravam pela praia Fox Green e Fox Red literalmente da esquerda para direita.  Granadas de morteiro explodiam por sobre e nas pedras de tamanho de um punho espalhadas pela praia.  As balas dos rifles tinham como mira as áreas vitais tais como a cabeça, o coração ou o pescoço.  As tropas, da maneira mais rápida possível, pulavam para fora das LCAs, vadeavam lentamente pela a água fria e tentavam cruzar a praia de Fox Red até o relativo refúgio da escarpa.  Para a maioria, a jornada de 200 jardas (182 metros) parecia interminável.  Sob o peso esmagador de seus equipamentos, muitos dos operadores de metralhadoras pesadas, BARs, morteiros, bazucas e cargas de demolição não conseguiam fazer nada além de andar.  Os fuzileiros, especialmente aqueles que  tinham perdido parte do equipamento no mar, conseguiam se mover mais rápido.  O Soldado Primeira Classe John Sweeney estava focado em seguir o líder da seção de lanchas, Tenente jimmie Monteith, um rapaz bem-humorado e discreto nascido em Richmond, Virginia e que tinha sido estudante da Virginia Tech. (O Instituto Politécnico e Universidade Estadual da Virgínia, conhecido como Virginia Tech, é uma universidade dos Estados Unidos, localizada em Blacksburg, no estado da Virgínia e fundada em 1872 - N. do T.).  "De repente eu fui atingido por uma rajada de metralhadora vindo da dianteira esquerda" escreveu Sweeney mais tarde.  "Eu girei completamente, a bazuca que eu carregava ficou cheia de furos, o colete salva-vidas foi arrancado de mim." Sweeney foi atingido no braço e na perna.  Ele caiu e ficou imóvel por alguns instantes mas encontrou forças para levantar e cambalear até o barranco.

Em outro lugar, o Sargento McKinney não via ninguém à sua frente ou mesmo ao seu lado.  Para ele, era como se estivesse invadindo a França sozinho.  "Eu não via uma viva alma.  Eu pensei: como aquilo era assustador.  Eu via pequenas nuvens de areia levantando do chão quando atingido pelos tiros de metralhadora." Pela sua visão periférica, McKinney finalmente enxergou outros soldados, alguns dos quais estavam na mesma seção de lanchas e que também se esforçavam em correr mas que pareciam não sair do lugar.  Pelo menos dois foram atingidos e caíram para trás, como se fossem puxados pelo peso do equipamento às costas.  Eles ficaram deitados com um olhar atordoado, seus olhos fixos devido ao choque.  McKinney olhou em volta e observou "homens em toda a volta caindo, alguns sem respiração, outros sem vida."  Ele conseguiu chegar no barranco e deitou para descansar.

Os soldados foram treinados por seus comandantes, do General Huebner descendo pelas diferentes patentes, para ziguezaguear e avançar em pequenas corridas de modo a ser um alvo pequeno e o mais evasivo possível.  "O nosso treinamento foi de grande valia" disse mais tarde o Soldado Steve Kellman.  Sob o enorme stress além da tensão do momento, os veteranos pareciam ziguezaguear melhor do que os novatos.  "Eu perdi vários soldados jovens que se juntaram à Companhia na Inglaterra um pouco antes da invasão" comentou o Capitão Armellino.  "Eles não tinham medo e demoravam a se jogar ao chão depois de algumas jardas.  Os mais experientes se jogavam ao chão com bem mais frequência (e) como resultado evitavam serem atingidos pelo fogo inimigo" (embora deva-se notar que Kellman era um novato bem como vários outros soldados que conseguiram sobreviver).  O Soldado Primeira Classe Jordan, um veterano da campanha da Sicília empregava uma tática diferente para permanecer vivo.  "Toda a praia era um matadouro" lembra ele.  "Disparos de artilharia e metralhadoras explodiam por todos os lados.  Soldados feridos e mortos estavam espalhados pela praia.  Enquanto eu corria pela praia, tiros de metralhadora começaram a passar por mim e atingir o chão a centímetros do meu pé.  Acreditando que um atirador alemão me tinha na mira, eu me joguei no chão.  Eu fiquei lá, imóvel, na esperança que o alemão me desse como morto e parasse de atirar naquela direção."  Deve ter funcionado pois os tiros de metralhadora logo pararam.  Jordan então se levantou, saiu como um raio em direção ao barranco e conseguiu chegar inteiro.

C O N T I N U A

Incluir Resposta

Curtidas (3)
RodrigoBMCASTR0MÁRCIO PINHO
×
×
×
×