Segunda batalha de Durazzo (1918)

A Segunda Batalha de Durazzo, travada na costa da Albânia no final da 1ª Guerra Mundial, representou os últimos tiros disparados pela Marinha Austro-Húngara e o maior confronto naval que os EUA participaram durante a guerra.

A Segunda Batalha de Durazzo teve início na manhã de 2 de outubro de 1918, quando aviões britânicos e italianos atacaram as concentrações de tropas inimigas e as baterias de artilharia, enquanto a frota austro-húngara, composta por três navios, continuou a navegar através do Mar Adriático. Em seguida, vários dos cruzadores italianos e britânicos formaram uma linha de dois escalões para iniciar o bombardeio de cerca de 8.000 jardas (7.315 metros) ao largo da costa. Enquanto isso, navios americanos e britânicos atacaram os três navios da Marinha Austro-Húngara, os contratorpedeiros SMS Dinara (foto acima) e SMS Scharfschütze e o torpedeiro nº 87.

 
Os três navios austro-húngaros navegaram ao redor do porto de Durazzo, na Albânia, disparando suas armas e evitando os torpedos e o fogo de artilharia. O torpedeiro nº 87 e os dois contratorpedeiros foram perseguidos pela força aliada ao fugirem para norte ao longo da Costa, mas conseguiram escapar. O SMS Scharfschütze obteve alguns pequenos sucessos e teve três mortos e cinco feridos, enquanto o torpedeiro nº 87 foi atingido por um torpedo, que não explodiu. O SMS Dinara conseguiu escapar ileso. 
 
Bateria de artilharia de costa austro-húngara
 
O bombardeio do porto foi realizado pelos cruzadores blindados italianos San Giorgio, San Marco e Pisa e três navios mercantes, Graz, Herzegovina e Stambul, foram atingidos. O Stambul afundou, mas os outros dois escaparam à destruição total. O navio-hospital austro-Húngaro Baron foi abordado e inspecionado por contratorpedeiros britânicos antes de receber autorização para prosseguir. 
 
As forças navais norte-americanas receberam a incumbência de atuarem como força de cobertura e, no início da batalha, foram usadas para abrir um caminho livre através de um campo de minas ao largo de Durazzo. Alguns dos caça-submarinos foram engajados pelo fogo das baterias de artilharia de costa, mas nenhum foi danificado. Foram então designados para se unirem a outros caça-submarinos americanos para patrulhar ao norte e ao sul da área de batalha. 
Submarino U-29 austro-húngaro
 
Os americanos localizaram dois submarinos austro-húngaros, o U-29 e o U-31, e logo lançaram um ataque. Os caça-submarinos lançaram um ataque com cargas de profundidade contra o U-29 que durou 15 minutos, mas o submarino conseguiu sair ileso. O U-31 também foi atacado com bombas de profundidade e também sobreviveu.  Os navios americanos, por sua vez, foram alvejados pela artilharia de costa austro-húngara, mas nenhum deles foi seriamente atingido na batalha. 
O cruzador britânico HMS Weymout foi seriamente avariado durante a Batalha de Durazzo
 
Mais tarde, as forças norte-americanas relataram ter afundado os dois submarinos, mas isso não ocorreu, e, posteriormente, os submarinos conseguiram danificar pelo menos um cruzador ligeiro aliado, o HMS Weymouth, da Marinha Real britânica, que foi atingido por um torpedo do U-31 que danificou uma grande porção de sua popa e matou quatro homens. O Weymouth estava bombardeando posições terrestres, juntamente com outros quatro cruzadores britânicos, quando o torpedo o atingiu. O navio passou o resto da guerra em reparos.
 
Os outros cruzadores ligeiros britânicos foram levemente danificados pelo fogo das baterias costeiras, antes que estas fossem silenciadas. Um destroier britânico também foi atingido por um torpedo. 
 
A batalha terminou às 1:30h de 3 de outubro e o porto outrora ocupado ficou em silêncio. Em 10 de outubro, as últimas unidades austro-húngaras tinham deixado Durazzo, que acabou por ser ocupada pelos italianos em 16 de outubro.
 
O bombardeio aliado contra a pequena área portuária abalou os seus pilares de madeira. Embora os civis tivessem começado a fugir da cidade no início do bombardeio, muitas baixas foram infligidas sobre a população neutra. A antiga cidade adjacente ao porto foi completamente destruída, incluindo os edifícios públicos. O palácio real de Durazzo, em breve, a residência do Príncipe Wilhelm Zu Wied, da Albânia, foi completamente destruído.
 
Original Post

Incluir Resposta

Curtidas (0)
×
×
×
×