Uruguai propôs vender águia de bronze do navio Graf Spee

Um deputado uruguaio propôs vender uma águia de bronze nazista do navio Graf Spee, afundado no rio da Prata em 1939, para ampliar os fundos do Ministério da Defesa nacional. Alfredo Etchegaray, um dos líderes da operação de resgate do respectivo "tesouro".

Os vínculos entre Etchegaray e a águia são da época da década de 80, quando ele se empenhou em estudar todos os naufrágios ocorridos no rio da Prata. Ao longo desse período, encontrou 250 pedaços de barcos afundados.

"Por causa das exigências que o Tratado de Versalhes impunha sobre a Alemanha depois da Primeira Guerra Mundial, esta nação foi obrigada a construir embarcações leves, O Graf Spee era um cruzador de 'classe Deutschland' com capacidade de deslocamento de 10 mil toneladas, alta poder de fogo, plantas de purificação de combustível e primeiros motores a diesel que atingiam grande velocidade", explicou à Etchegaray, que até contratou uma equipe de técnicos para resgatar os restos do navio.

 A águia nazista recuperada em 2006 pesa 350 quilos, mede 2 metros de altura e 2,8 de largura. Desde então, foi exibida somente durante um mês ao público com o aval do Comitê Central Israelita do Uruguai. Depois, por uma disputa legal, foi instalada em um cofre de madeira sob a custódia das Forças Armadas uruguaias.

"A história deve ser exibida porque é uma forma de corrigir os erros do passado. Atualmente, está em um cofre sob a vigilância das Forças Armadas. Não se exibe nem se vende. O que nós queremos é conseguir uma certa compensação por tantos anos de trabalho e pelos investimentos realizados", disse o empresário.

A história é um bom negócio. Estima-se que o valor da peça varia entre US$ 8 e 55 milhões (R$ 25 e 173 milhões). Porém, Etchegaray explicou que "basta um dos museus ou algum colecionador de alto poder aquisitivo ficar interessado para que o valor dispare".

Um dos motivos para abrir o debate sobre a venda do artefato nazista são os rendimentos que o Estado receberia por uma eventual transação, já que lhe corresponderia 50% do valor. Outros 50% seriam recebidos pela equipe de especialistas envolvidos no resgate.

Jorge Gandini, deputado opositor do Partido Nacional, foi aquele que propôs a ideia de vender a águia quando o ministro da Defesa uruguaio, Jorge Méndez, manifestou a necessidade de aumentar o orçamento da sua entidade.

"Trata-se de buscar uma solução que seja boa para todos. Se algum outro país [nos] pressiona para que nem se venda nem se exiba, como a Alemanha, poderiam financiar os projetos de atração turística, algo que o Uruguai necessita muito. Há muitas opções, o único que queremos é que nos recompensem por tantos anos de esforços", assinalou Etchegaray.

O empresário rechaçou por completo de que haverá grupos neonazistas tentando conseguir a peça. "Até agora, somente recebemos as propostas de museus através de intermediários. É uma peça que provoca interesse pelo seu valor cultural, para a exibição e ensino de história", concluiu.

Águia de bronze nazista do navio Graf Spee
O Graf Spee foi uma embarcação emblemática da Alemanha nazista. No início da Segunda Guerra Mundial, foi protagonista do único episódio do conflito militar no território sul-americano, e da primeira batalha na qual se enfrentaram as Marinhas britânica e alemã. Em dezembro de 1939, participando de uma intensa batalha com os navios britânicos Exeter, Ajax e Achilles no rio da Prata foi encurralado e afundado no porto de Montevideo.

sputniknews

Original Post

Eu tive a oportunidade de conhecer esta  bela peça, guardada no Ministério da Marinha do Uruguai juntamente com outras peças importantes do Graf Spee, hoje esta peça não é mais exposta ao publico.

Algum tempo depois estive no tumulo do Capitão do Graf Spee, Hans Wilhelm Langsdorff, que fica no Cemitério de La Chacarita em Buenos Aires, e é muito bem conservado até hoje.

CASTR0 posted:
 

A história é um bom negócio. Estima-se que o valor da peça varia entre US$ 8 e 55 milhões (R$ 25 e 173 milhões). Porém, Etchegaray explicou que "basta um dos museus ou algum colecionador de alto poder aquisitivo ficar interessado para que o valor dispare"

Vende logo esse elefante branco e vergonhoso ! O Uruguai podia até trocar por um navio moderno e útil para sua marinha com um país rico.

Uma vez estava em Montevideo e fui numa feira em uma praça onde um senhor entre outras coisas estava vendendo um binoculos que foi de um marinheiro do Graf Spee,como o preço era meio salgado e eu não sou museu deixei passar.Independente de ideologia é uma pena que um país não consiga preservar em seu territorio algo que de alguma forma fez parte de sua história,me lembro que o telemetro e um canhão recuperado estão em exposição.Mas na minha opinião o cidadão não está necessariamente pensando na marinha de seu país e sim pensando na grana que pode receber caso a venda se estabeleça.

pak43 posted:

Uma vez estava em Montevideo e fui numa feira em uma praça onde um senhor entre outras coisas estava vendendo um binoculos que foi de um marinheiro do Graf Spee,como o preço era meio salgado e eu não sou museu deixei passar.Independente de ideologia é uma pena que um país não consiga preservar em seu territorio algo que de alguma forma fez parte de sua história,me lembro que o telemetro e um canhão recuperado estão em exposição.Mas na minha opinião o cidadão não está necessariamente pensando na marinha de seu país e sim pensando na grana que pode receber caso a venda se estabeleça.

É verdade, eu conheci Etchegaray, e ele diz para todos que investiu muito para recurar estas peças e não consegue vender... para alguns é apenas uma peça de museu, para outros um simbolo a ser idolatrado.

Mas é apenas uma peça belíssima que deve ser vista como parte da historia. Alias, o objeto mais valorizo para a época era mesmo o Telêmetro, um grande avanço para época, que não caiu nas mãos dos ingleses mas hoje está enferrujando ao tempo.

Incluir Resposta

Curtidas (0)
×
×
×
×