Resposta to "Regras para Divulgação de Eventos..."

quote:
E ai não querem que eu me chateie... Então infelizmente se tem que ser assim, vai ser assim.. Não fui eu que comecei essa briga. Estou sendo IGNORADO por esses grupos a 10 anos e mesmo assim forneci nossa estrutura para que o grupo fizesse sua propaganda, mas agora eu cansei.

Tudo depende de como se faz a coisa.

Para quem não conhece um grupo "por dentro", não sabe o quanto é difícil organizar um concurso. De fora parece lindo e fácil (e lucrativo), mas mesmo os grupos que já tem quilometragem, têm dificuldades, e não são poucas.

A primeira dificuldade é interna: na verdade "todo mundo gosta de abará, mas não quer saber do trabalho que dá". Conseguir que sejam feitas as coisas que precisam ser feitas (decisões tais como temáticas, data do evento, aluguel de mesas, local, regulamento, cartaz, patrocínio, medalhas, troféus, homenagens, sistema de julgamento (categorias abertas ou pre-definidas), decoração, fluxo de caixa, balanço (sim, pois o evento tem de se pagar, senão quem paga saõ os integrantes dos grupos...), material de escritório, recepção eletrônica das inscrições, recepção física das inscrições (quem vai receber os modelistas?), impressão de fichas, segurança no local, mapa, filipetas, divulgação, processo de premiação (chama na frente, ou premia na mesa, pe.ex.) e mais um caminhão de coisas) é trabalhoso, e ninguém quer pegar mais "serviço". Essa é a realidade de um evento.

A segunda, externa: estar antenado com os outros grupos, participar dos eventos deles, fazer divulgação "boca-a-boca", conversar com revistas (por exemplo, a Hobby News, que está sempre presente nos eventos de plasti), correr atrás de patrocínio ($$$), brindes, falar com lojistas...

O que eu quero explicar com isso é que é muito difícil fazer um evento de plasti, mesmo pequeno, e muitos contatos são feitos nos outros eventos. Imagino que uma das possíveis causas da "ignorância" de alguns grupos deveu-se ao fato de eles não encontrarem com vc (ou não saberem que vc é o Brisa) nos eventos. Eu mesmo não o vejo há anos.

No Brasil as coisas são muito pessoais, e isso é uma coisa boa e uma maldição - fica a imagem de que se o Brisa não vai aos eventos, a WK não participa, entendeu?

Na minha humilde opinião (de quem está de fora, veja bem), se vc falasse diretamente com o presidente desse grupo (que é muito forte em SP, tem tempo de estrada e é uma pessoa muito traquila) daria para ter um entendimento.

Sugiro que vc passe um sábado na sede deles, e fale com o ele. Veja os porquês e mostre-se disposto a negociar. Talvez a WK não entrasse como "patrocinador" (pois não faria "aporte de capital" diretamente), mas sim como "apoio" - e todos ganhariam com isso. mas isso teria de ser conversado pessoalmente.

Só sinto que se tentar resolver a coisa "no braço de ferro", todos perderão.

[]´s

X
×
×
×
×