Olá Amigos

Não sei se tem algum tópico com isso ou se há no site alguma parte onde podemos encontrar o significado para muitos termos e expressões usados em nosso Hobby.

Então se não houver algo neste sentido, gostaria de saber, sobretudo dos mais experientes, se é possível fazermos um tópico com isso.

Seria mais ou menos assim por exemplo:
"Dry Brush": Significa isso, é usado para isso e uma descrição da aplicação da técnica.

Creio que para muitos novatos e para quem ainda não está familiarizado com estes termos, poderá ser de grande importância.

Abraços
Original Post
quote:
Originalmente publicado por Pinho:
Por exemplo, o que siginifica JET?


JET é uma cola líquida utilizada por dentistas. É um acrílico polimerizante, que pode ser encontrado em lojas de material odontológicos (dentais).

Você aplica um pouco na peça a ser colada com o auxílio de um pincel e a mantém unida. Seca rapidamente, eu uso bastante.

Dry Brush - Pincel Seco - técnica de pintura em que aplicamos a tinta ao pincel e passamos ele em um papel toalha ou similar para retirar o excesso de tinta deixando apenas o pigmento nas cerdas e aplicamos nas arestas e cantos vivos e locais de alto relevo do modelo geralmente a tinta aplicada é um tom mais clara que a cor usada no modelo.

Wash - lavado, técnica quem irá aplicar uma tinta bem diluida geralmente preto ou marrom para que está entre nos sulcos das linhas do modelo dando um efeito de profundidade!
Legal !!!
Muito boa a idéia, e melhor ainda seria se todos os termos usados lá fossem em PORTUGUÊS, e acabasse com essa besteira de usar nossos termos em Inglês, silvering, pre-shadding, dry bush, wash e td mais. A única coisa q os Americanos tem de bonito são os aviões, de resto....são uns #$¨¨@@!@*& Legal !!!Legal !!!
quote:
Originalmente publicado por MAGNO ( Barra Mansa RJ ):
Muito boa a idéia, e melhor ainda seria se todos os termos usados lá fossem em PORTUGUÊS, e acabasse com essa besteira de usar nossos termos em Inglês, silvering, pre-shadding, dry bush, wash e td mais. A única coisa q os Americanos tem de bonito são os aviões, de resto....são uns #$¨¨@@!@*& Legal !!!Legal !!!

silvering = prateamento
pre-shadding = pre-sombreamento
dry-brush = pincel seco
wash = tinta aguada

que doidera de tradução, ehehehe
Etto

Em tese seria assim mesmo, porém colocando para que serve e como se aplica a técnica.

silvering = prateamento, para que serve a técnica e como é aplicada?

pre-shadding = pre-sombreamento, para que serve a técnica e como é aplicada?

dry-brush = pincel seco, para que serve a técnica e como é aplicada?

wash = tinta aguada, para que serve a técnica e como é aplicada?

Abraços
quote:
Originalmente publicado por jniltonsantanna:
Se vocês permitem a sugestão, por que não deixar esse dicionário fixo na página inicial?


Acabei de fixa-lo no alto da página. Seria interessante uma maior quantidade de dúvidas/respostas, para podermos transformar isto em um artigo.

quote:
silvering = prateamento
pre-shadding = pre-sombreamento
dry-brush = pincel seco
wash = tinta aguada

que doidera de tradução, ehehehe


Acho melhor não traduzir as coisas ao pé da letra - muita vezes, uma tradução literal mais atrapalha que ajuda.

"Prateamento - silvering" é um "defeito" que ocorre quando pequenas bolhas de ar ficam retidas entre o decal e a base (que pode ser a pintura, ou mesmo o plástico do kit). Em geral, para solucionar isto, o ideal é que a superfície onde o decal vá ser aplicado esteja bem lisa (o que pode ser entendido como "o mais brilhante possível). Outra técnica que pode ser utilizada para eliminar estas bolhas é passar um pouco de cola branca diluída embaixo do decal, antes de aplica-lo, limpando o excesso após posiciona-lo corretamente.

Um abraço

Sidney
Alguns termos mais...

Não vão rir se acharem que certos termos pareçam ser "óbvios", pois já que se trata de um glossário, não podemos supor que todo mundo sabe o que é, principalmente os iniciantes! Legal !!!

aerógrafo - ferramenta de pintura, cujo funcionamento consiste em vaporizar tinta misturada com ar sob pressão, gerando assim um jato de tinta como nos de lata "spray". Técnica especialmente adotada para pinturas de qualidade, permitindo também que a transição entre diferentes cores se dê suavemente, efeito dificilmente obtido através de pincel.

airbrush - v. aerógrafo.

árvore - cartela plástica onde as peças de um kit vêm presas, e de onde devem ser destacadas antes da montagem.

blueprint - o mesmo que planta ou projeto. São figuras contendo "plantas baixas" de caráter técnico. Por exemplo, uma planta de arquitetura onde pode se ver os cômodos (sala, quartos, banheiro, etc) de uma construção, é um "blueprint" de uma casa. Os blueprints são muito populares entre os modelistas avançados, que podem utilizar plantas técnicas de veículos reais para uma aproximação fiel ao modelo em miniatura que esão construindo.

compressor - tipo de equipamento auxiliar necessário para o uso do aerógrafo. O compressor bombeia ar sob pressão para o aerógrafo, ar este que será utilizado para vaporizar o jato de tinta, e gerar o "spray".

die-cast - miniaturas e kits feitos em metal ao invés de poliestireno.

diorama - um "pedaço da vida real em miniatura". Ao montar um carro antigo, você pode criar um pequeno cenário e inserir o carro nesse contexto, como por exemplo um velho posto de gasolina. Assim, ao invés de apenas o carro, você terá o posto com o carro estacionado, com todos os elementos nos tamanhos proporcionais: bomba de gasolina, frentista, placa do posto, lojinha de conveniência, enfim, o que sua imaginação mandar. Se o modelo se tratar de um avião, você pode fazer um "pedaço" de uma pista de pouso ou de um hangar, etc. O objetivo é inserir o modelo em um cenário que reproduza o contexto original no qual ele estaria.

escala - é a relação de medida entre o modelo real e a miniatura na forma de kit. A escala é representada através de dois números separados por uma barra, onde o primeiro número é sempre "1" (um) e refere-se ao modelo original, e o segundo número se refere à redução da miniatura. Por exemplo, um modelo 1/72 significa que o kit é 72 vezes menor do que o modelo original. Assim, se o modelo original medir 20 metros de comprimento, o kit 1/72 desse mesmo modelo mediria aproximadamente 27,77 cm (2000/72).

estireno - forma reduzida da palavra "poliestireno", significando a mesma coisa. v. poliestireno.

kit - caixa ou pacote contendo peças e instruções de montagem de um determinado modelo. Existem kits dos mais variados temas: carros, motos, aviões, embarcações, veículos e figuras militares, ficção científica, etc, para atender todos os tipos de gostos e preferências. Normalmente os kits são de plástico (poliestireno), madeira ou metal, sendo os de plástico os mais populares devido ao baixo custo se comparados aos outros materiais.

leque - nome que se dá à "abertura" do jato do aerógrafo. Quanto maior o leque, maior a área de cobertura do jato da tinta pulverizada,e vice vera. Assim, um leque extremamente fechado é utilizado para jatear traços finos, enquanto um leque aberto é utilizado para cobrir grandes áreas.

máscara - pedaços de fita ou papel adesivo, utilizados na técnica de mascaramento (v.).

mascaramento - técnica através da qual cola-se pedaços de papel ou fita adesiva sobre parte de uma superfície a ser pintada. O objetivo é "proteger" aquela área da tinta a ser aplicada. Por exemplo, se você colar um pedaço de fita sobre uma asa de avião e pintá-la inteira, quando retirar a fita aquela parte exata onde ela estava permanecerá sem a pintura. Essa técnica é utilizada para efeitos especiais e também para "recortes" de pintura que não poderiam ser feitos à mão livre.

paper modeling - tipo de modelismo onde os modelos são construídos inteiramente de papel. Pode-se encontrar com abundância na Internet, diagramas prontos para serem executados, bastando que o modelista os imprima em uma folha de papel firme (120, 150, 180g) em uma impressora laser ou jato de tinta, recorte as peças, e monte o modelo utilizando cola branca. Modalidade muito popular.

photo-etched - técnica que consiste em reproduzir em finas chapas de metal, peças delicadas ou de extremo detalhamento, impossíveis de serem injetadas diretamente no poliestireno, como grades e balaústres, pecinhas de motor, etc. Atualmente, kits sofisticados e mais detalhados vêm acompanhados de chapas de photo-etched. Também existem diversas empresas especializadas em produzir chapas de photo-etched the uso "genérico" que podem ser utilizadas para o melhoramento de kits já existentes.

poliestireno - tipo de plástico rígido utilizado pelos fabricantes de modelos para injetar os kits. O poliestireno também pode ser adquirido em folhas ou placas inteiras.

putty - massa utilizada para preencher buracos ou vãos no poliestireno, provenientes de defeitos na fabricação do modelo.

redutor - líquido utilizado para refinar ou diluir tinta, tornando-a mais rala e propícia para a pintura, indispensável na pintura com aerógrafo. O redutor (ou diluente) irá variar de acordo com as características químicas de cada tinta, podendo ser provenientes de petróleo para tintas esmalte ou duco (benzina, querosene, redutores específicos, etc), de origem vegetal para tintas acrílicas (álcool) ou até mesmo água para aquarela ou guache, e até outros produtos como cera líquida por exemplo. Cada tinta possui seu redutor específico. Costuma-se utilizar o termo "thinner" erradamente para se referir a um tipo específico de redutor, e pensa-se que todo "thinner" é igual. Na verdade a palavra thinner significa "afinador" em inglês, ou seja, que afina, reduz, dilui. Dessa forma, "thinner" não é um TIPO de redutor, mas sim um termo genérico que se aplica a qualquer redutor. Pode-se dizer sem medo de errar que a água é o "thinner" (redutor) do guache. Acontece que alguns fabricantes engarrafam redutor a base de petróleo do tipo aguarraz (alguns mais concentrados outros menos concentrados) e os vendem com o nome de "Thinner" no rótulo. Ao utilizar um redutor genérico como esses para diluição, pode arruinar completamente a tinta (e o modelo em que for aplicado). Ao utilizar tintas à base de petróleo como esmaltes e duco, sempre deve-se buscar informações junto ao fabricante ou ao lojista onde adquiriu a tinta a respeito do redutor indicado para aquela tinta.

scratch building - técnica que consiste em criar um modelo inteiramente a partir do zero. Nesta modalidade, ao invés de montar um kit comercial, o modelista irá construir cada peça que comporá o modelo final e na maior parte dos casos é utilizada para a criação de modelos inexistentes, como naves espaciais saídas da imaginação do próprio modelista ou então a reprodução de miniaturas que não existem comercialmente. No scratch-building vale tudo: desde a modelagem das peças a partir de uma placa "virgem de estireno", até a utilização de sucatas como parafusos, embalagens usadas, peças de sucata, etc. Da mesma forma, pode-se combinar diferentes materiais como metal, plástico, madeira, isopor, papel, etc.

snapkit - tipo de kit que não necessita de cola para montagem, bastando que as peças sejam apenas encaixadas. Normalmente esse tipo de kit não é apreciado pelos modelistas mais experientes, devido a extrema simplicidade e facilidade na montagem, sendo mais indicado para crianças, principiantes e pessoas que não vêem o modelismo como um hobby habitual.

sprue - v. árvore.

thinner - v. redutor.


Por favor, se eu falei alguma besteira me corrijam. A idéia é que esse tópico não seja mantido, e que mais para a frente todos os termos sejam compilados em um artigo. Se eu lembrar eu coloco mais.
É isso aí Yan!

O óbvio para mim pode não ser o óbvio para voce. Beleza! Acho que já que estamos falando do Hobby como um todo deve-se lançar a maior quantidade de informações possíveis. Eu mesmo lendo diarimente este fórum, ainda não conhecia alguns termos que voce explica aqui. E eu acho que esse é um dos principais objetivos, senão o principal objetivo do Fórum; troca de informações.

Parabéns ao Jambock pela iniciativa.

Sds

Sérgio Martins
Que bom que gostaram pessoal!

Lembrando mais eu vou colocando. Enquanto isso, vai aí mais alguns termos:

aeromodelismo - modelismo especificamente voltado para miniaturas de aviões. Normalmente os modelos de aeromodelismo são não apenas decorativos, como também funcionais (voam), sendo equipados com motores à explosão ou elétricos, havendo também os não motorizados, como no caso dos modelos de planadores. Os controles normalmente são sem fio utilizando servo-motores, ou então por cabo de aço, em que o "piloto" fica parado no mesmo lugar girando o modelo à sua volta.

automodelismo - modelismo especificamente voltado para miniaturas de carros.

cabine de pintura - um compartimento normalmente feito de madeira (mas pode ser até mesmo uma caixa de papelão improvisada) onde você coloca o modelo dentro antes de borrifá-lo com uma lata de spray ou aerógrafo. A cabine de pintura tem dupla função: proteger o seu modelo contra agentes externos (poeira) e ao mesmo tempo proteger o ambiente onde a pintura está sendo feita, impedindo que a "nuvem" de tinta se espalhe por todo lado. As cabines de pintura de madeira especialmente construídas para esse fim, normalmente possuem iluminação interna além de ventoinhas de exaustão com filtro, para "sugar" a nuvem de tinta.

decal - folha contendo reproduções gráficas de números, inscrições, desenhos, etc, que normalmente acompanham os modelos para serem aplicados após a pintura do mesmo. Essas reproduções são impressas em uma finíssima folha plástica gomada, que é retirada da cartela de papel mergulhando a mesma na água até que a goma de aderência se dissolve, podendo então ser diretamente aplicada sobre o modelo, na posição correta indicada nas instruções.

ferreomodelismo - modelismo especificamente voltado para miniaturas de trens.

figura - nome dado genericamente a miniaturas humanas, como soldadinhos (incluindo cavalaria), pilotos, etc, utilizados principalmente em dioramas (v.).

inalador - um tipo de aparelho utilizado para fazer tratamento de inalação em pessoas com dificuldades respiratórias. Recentemente, nossos inventivos colegas, descobriram que o inalador pode ser utilizado como uma econômica alternativa em relação ao compressor tradicional, podendo ser utilizado com sucesso para bombear o ar sob pressão no aerógrafo.

jet - solvente utilizado por protéticos na diluição de acrílico e plástico para moldar peças e fazer reparos em dentaduras. Mais uma vez, nossos criativos colegas modelistas descobriram que o jet pode ser utilizado como uma formidável cola para plastimodelismo, com a vantagem de custar muito mais em conta que as colas tradicionais encontradas nas lojas de hobby, e ser encontrado com mais facilidade. Ao comprar o "jet", contudo, compre apenas o "jet líquido", pois o "jet em pó" não tem utilidade nenhuma para nós.

lixa - papel recoberto de uma camada áspera, utilizado para remover imperfeições em alto relevo de superfícies. Os números menores significam grão maior, ou seja, maior aspereza. Uma lixa 80, por exemplo, é mais áspera que uma lixa 120 e assim por diante. A numeração das lixas vai até valores altíssimos como 2000, o que significa, neste caso, uma lixa extremamente fina e suave. Uma lixa a partir de 600 para cima é tão suave ao toque, que mais parece um papel camurça ou borracha, mas acredite, é uma lixa! Enquanto as lixas mais grossas são utilizadas para remover excesso de sprue (v.) ou de massa putty (v.), as lixas finas são indicadas para dar polimento e abrir brilho. Existem as lixas secas para aplicação direta e as lixas d'água que são utilizadas molhadas.

nautimodelismo - modelismo especificamente voltado para miniaturas de barcos.

primer - camada que funciona como "base" para pintura, tendo dupla função: preparar o modelo para receber a pintura definitiva, especialmente quando se usa tintas que não aderem adequadamente direto ao plástico como é o caso das tintas acrílicas, e ao mesmo tempo revelar imperfeições no modelo quando o mesmo recebeu massa putty e lixamento, pois fica mais fácil visualizar as imperfeições quando a superfície tem uma única cor do que quando está "malhada" com as cores originais do plástico e da massa. Embora existam produtos vendidos especificamente como primer, pode-se usar qualquer tinta (normalmente branco ou cinza fosco) que adira bem ao plástico para essa finalidade. Pode-se usar, por exemplo, com muito sucesso, esmalte Colorgin ou Colorjet como primer.

solvente - a palavra "solvente" de forma geral significa um produto químico que "dissolve" algum tipo de material. No nosso caso, é importante o modelista saber que as colas para estireno que utilizamos (como da Tamiya, Humbrol, Revell, etc, e até mesmo o Jet para uso de protéticos) não é na realidade uma cola, mas um solvente! Ao passar uma dessas "colas" no seu modelo, você está na realidade passando um solvente que "derrete" microscopicamente o seu modelo e ao juntar as partes enquanto estão meio "derretidas" elas se fundem uma à outra e ao evaporar o solvente se tornam praticamente uma coisa só. Daí a importância em compreender que ao utilizar EXCESSO de "cola", você estará na verdade colocando uma quantidade absurda de solvente no seu modelo, arriscando-se até a arruiná-lo. Neste caso, menos é mais!

Abraços!
quote:
Originalmente publicado por Jambock "Hades" 09:
Daygoo ou Dayglo?

O que é? É tinta, é alguma base para acabamento?

Abraços


Pessoal,

Vocês também têm que aprender a dar uma "procuradinha" no Google de vez em quando, porque não custa nada...

Eu também nunca tinha ouvido falar em Daygoo nem Dayglo. Mas por curiosidade, entrei no Google e literalmente em menos de 10 segundos descobri que é "Dayglo", e que se trata do nome de um fabricante de tintas. Taí o link:

http://www.dayglo.com/
quote:
Originalmente publicado por Jambock "Hades" 09:
Yan

Fiz o mesmo que você, procurei no "my best friend" Google, é uma marca de tinta, mas como no plastimodelismo, muitas vezes utilizamos nomenclaturas para determinar o uso de uma técnica ou ferramenta (exemplo o JET), foi que surgiu a minha dúvida. Ok? Captou ???

Abraços


Claro, só que eu não podia perder a oportunidade de dar uma sacaneada, né? Maneiro !!!!
quote:
Originalmente publicado por Jambock "Hades" 09:
Yan

Lembrando que o JET é a marca de um Acrílico Autopolimerizante, e que pode ser encotrado com outro nome. Aqui em Belém por exemplo fui em duas dentais e não achei como JET e sim como VIPI FLASH.

Abraços


E falando em Jet, hoje desci a serra até Taubaté e comprei meu primeiro frasco de Jet.

Quando a menina do balcão veio com a caixona verde na mão eu falei "não, não, é o de 120ml!" e ela riu e respondeu "mas esse É o de 120ml!".

Porra, vem coisa pra cacete, vai dar pra montar uns 40 kits eu acho, hahahahaha! E foi barato: R$ 9,60. Maneiro !!!!
Rapaz, fantástica a idéia. Uns tempos atrás eu até pensei em escrever alguma coisa assim, mas achei meio "óbvio" demais.

Pra vocês verem como são as coisas...às vêzes,por mais óbvia que possa ser uma idéia, ela acaba sendo muito bem utilizada quando o ser humano resolve compartilhar o que sabe com os outros. É por isto que alguns fóruns são criados e fechados aos montes neste mundão digital, todos os dias. E muitos outros, uns poucos, que realmente cumprem o seu papel de informar, divertir e instruir permanecem e fazem sucesso como é o caso do Fórum da WebKits.

O verdadeiro prazer não está em saber, mas sim em passar esse conhecimento adiante.

Grande abraço a todos, excelente idéia, e assim que eu me lembrar de algum termo eu posto aqui.

Acho que tem algum termo que fala sobre os kits que não usam cola, as dremel da vida, os arrebitadores, os marcadores de zimetith , as pinças , as lupas, os tipos de solventes, e um mundão de outros termos que a gente usa. Vamos todos colaborar !


As bênçãos de Deus estão onde a gente as enxerga.
Para o pessoal que achou o JET maravilhoso como cola (de fato) e barato (o que não é), quero apresentar o TOLUENO... fede menos, custa (bem) menos e faz o mesmo efeito. Compre em lojas de produtos químicos, apresentando sua identidade (os menores, convençam os pais ou irmãos maiores Tô na boa...!).

Aqui em Porto Alegre, o Alemão comprou um litro (ou seria meio ?) por cerca de cinco reais e dividimos entre alguns modelistas.

Os cuidados necessários: evapora rápido, portanto, não esqueça o frasco aberto; ao aplicar, evite que atinja outras partes do kit pois VAI DERRETER ! Trabalhe em local ventilado, é chapante Maneiro !!!! ...

Colaboração do JET (e nem é trocadilho Maneiro !!!!).

(aliás, mais apropriado do que eu para escrever isso sobre o JET, só cara que me ensinou - com a palavra, o Alemão).
Como falou o Jet Commando eu estou usando o Tolueno que fede menos e é mais barato que JET.
Comprei, no início deste ano, um vidro de 500ml e paguei em torno de R$4,00. É possível a compra de até 2 litros mas eu acho que não precisa tanto, pois um vidro de 500ml durou 3 anos. Como o produto é controlado eles pedem identidade, CPF e é recomendável levar um comprovante de residência.
Aqui em Porto Alegre ele é vendido na Farmaquímica S.A. que fica na Av. Maranhão, 47 zona norte da cidade.
Quanto ao uso é melhor colocar um pouco do Tolueno num vidro de tinta vazio, de preferência com tampa de metal, mas os vidros de tinta da Tamiya também servem.
Deve-se usar um pincel exclusivamente para a aplicação do Tolueno nos kits.
Bom, o resto o Jet Commando já falou.
Fernando

Como diria Jack, o Estripador: Vamos por partes Maneiro !!!! Maneiro !!!!
Sim, o Tolueno acaba evaporando do pincel assim da mesma forma que evapora se tu deixares o vidro com a tampa aberta por muito tempo.
Quanto a aplicação do Tolueno nas partes eu sugiro tu fazeres primeiro um encaixe à seco para depois aplicares um pouco, passe uma ou no máximo duas vezes dependendo da superfície a ser colada e as junte. Muito cuidado para não colocares muito do Tolueno pois as peças podem derreter pricipalmente as peças muito pequenas ou finas.
O Tolueno amolece o plástico e quando evapora ele funde as peças.
Quanto ao tempo de secagem eu não sei dizer ao certo, mas eu faço o seguinte: eu seguro as peças na posição por mais ou menos 1 minuto e depois as coloco de lado para terminar de colar, mas é bom ficar atento pois muitas vezes acontece de a peça sair da posição na qual ela deve ficar.
Oi pessoal!
Gostei da idéia de se montar um glossário, dicionário ou qualquer coisa do tipo, podia até ser ilustada passo a passo, acho que quanto mais gente contribuindo mais rico ficaria esse negócio, até porque em cima de um só tópico haveria varias definições e varios modos de se fazer. Eu mesmo, vendo as sugestões dos colegas sobre qual cola usar, me cadastrei pra falar que uso somente thinner para colar meus kits,é mais barato do que toda essa "farmacia" rárárá, que vocês falaram. Más brincadeiras a parte o thinner funciona legal, geralmente uso ele com pincel, mas inventei outra técnica para colar peças onde tem uma área maior a ser colada.
Se alguem
quote:
Originalmente publicado por Fernando Galdiano- Ribeirão:
usar Coralit ( o Yan já conseguiu me convencer ! Maneiro !!!!)

Sério mesmo? Que legal saber disso! Bem-vindo ao clube!!!

Maneiro !!!!Maneiro !!!!Maneiro !!!!Maneiro !!!!

Sobre os kits que são só de encaixe, eles são chamados "snap-kits", e que eu saiba o fabricante que mais lança modelos nesse estilo é a Revell. Na Commerce-Center mesmo tem alguns desses, mas são indicados para iniciantes ou aqueles que não vêem no modelismo um hobby, mas apenas uma distração rápida.

Captou ???

Um abraço!
Gomes.

Dá uma lida nas páginas iniciais do tópico tem muita explicação nelas.

FUTURE é uma "cera" de base acrílica, aqui no Brasil temos uma substituta (Não é similar, não heim???), que é a Brilho Fácil incolor, que dá para quebrar um galhão, inclusive muito utilizada para diluir as tintas decorfix e acrilex.

Abraços
um tempo atras, quando nao se deluia cocina com acetona,encontravamos acetona pura, dai sim, vc pega acetato e misturava com acetona, dai da essa cola que usamos para colcar kits, essa acetona de hoje vem com agua dai nao funciona,ou use thinner dos mais violentos possiveis e mergulhe sprue ,até derretelos e dai sim com pincel vc consegue colar, mas nao fica bom nao.para ficar bom , tem que cer com acetona pura mesmo, é só pegar com algum amigo que seja quimico.dai resolve.mas tem muita gente que em vez de colar, fica cheirando o acetona, dai vira viciado em colas de sapateiros e por ai vai
Gostei desta iniciativa que serve até mesmo para os experientes!
Meu acréscimo que dou é:
thinner, já ouvi falar que é simplesmente solvente em inglês, mas que no Brasil significa um solvente em outra fórmula (aliás, os thinners feitos hoje em dia no Brasil estão péssimos, não mais como antigamente).
Nos kits, o que o pessoal gosta de chamar de "baixo relevo", é sinônimo de ranhura.
Já os de "alto relevo" é friso.
Olá.
Muito boa essa iniciativa !
Sou novo por aqui e tambem no modelismo, então não conheço os termos específicos e são muitos, né?
Inclusive, tenho muita curiosidade na area de representação de cenarios. Como ainda não conheço nada, não sei dizer se seriam dioramas, vinhetas ou o que? Não sei se essa parte é só ligada ás cenas militares ou se existem representações de cenas do cotidiano civil tambem.
Mas sem duvida , esse topico de termos , ou glossario será muito util para quem , como eu está iniciando.
Obrigado e um abraço á todos!!!!
Posso me entrometer? Respondendo ao "FERRO":
Cada modelista da o nome que bem intender a sua peça, cenario, etc...
Técnicamente (ao meu ver): Diorama: é um cenário em grande escala retratando alguma cena de ação (como exemplo A Batalha de Watherloo, num sei se escrevi certo :P).
Vinheta: normalmente é um cenário bemmmm menor (não muito mais que 20 ou 30cm) com poucas figuras e enfocando apenas uma parte de um todo... voltando ao exemplo: é muito mais vistoso você ver dois ou três soldados lutando sós contra um tanque com muita enfaze na ação (vinheta), do que ver toda a batalha de watherloo (diorama) retratada...

Ao meu ver é isso, porem isso pode mudar de modelista para modelista...

Lembrei de uma técnica para o glossario:

Weathering (desgaste): técnica usada quando se quer retratar uma figura ou veiculo em condições reais (um soldado ou um tanque não cruzam quilometros e ficam limpos). Consiste básicamente na junção do "wash" com o "drybrush" e se possivel na utilização de um aerografo. Como é feito: aplicado o "wash", utilizase o aerografo nas cores correspondetes ao cenário (lógicamente se um soldado esta no desento sua roupa não se suja de lama), sendo assim um tanque no deserto ganha em pontos ESPECIFICOS (não exagere para não pesar o efeito) borrifos de cores mais amareladas (areia) ou marrom claro (bemmmmmm claro). Por ultimo aplica-se o "drybrush". Esta técnica tem como principal intuito cimular "poeira" ou "terra" acumulada sobre os objetos.

Caso tenha escrito alguma besteira me avisem. Mas a meu ver o que descrevi está correto...Legal !!!
Prezados amigos,sou novo no hobbi e gostaria de ajuda. Tenho alguns kits que fiz a muito tempo atrás pintados a pincel, e na época não conhecia nenhuma técnica, porém, gostaria de fazer uma reforma em todos, monta-los e pinta-los novamente com as técnicas encontradas nesse site. É aí que preciso de ajuda dos amigos, para fazer esse "up-grade" tenho a necessidade de desmonta-los e retirar toda a tinta. Claro, estão colados, vem a pergunta: Existe alguma ténica onde posso desfazer o kit (descola-los) para monta-los novamente??? Já sei que para tirar a tinta é só megulhar as peças em fluído de freio, estou certo??? Bom amigos, desculpe minha ignorância, mas mesmo assim fico no aguardo de uma resposta... Abração á todos.
Norbiato, o Upgrade é algo trabalhoso e requer um pouco de prática, mas se você for paciente pode sair um trabalho bacana. Se realmente precisar remover a pintura, dê um "banho" com solda cáustica no kit, como fazer isso? Simples, pegue uma bacia; ou um balde plástico; ou até mesmo um Tuppeware grande coloque soda cáustica com um pouquinho de água. Usando luvas de borracha (pois a soda em contato com a pele poderá lhe causar lesões), pegue o kit e mergulhe na solução por algumas horas (1 ou 2 horas) depois é só pegar uma escova de dentes usada (velha) e esfregar a pintura debaixo de uma torneira com água corrente, sai bem fácil. No caso de tintas esmalte é mais complicado, você teria que seguir o mesmo procedimento só que usando fluído de freio.
No caso de ter que descolar peças, siga as seguintes regras:

1º A peça realmente precisa ser removida? Evite ao máximo remover peças delicadas, pois com certeza irão estragar, só remova o que realmente for necessário e tenha certeza que depois irá conseguir colocá-la de volta no lugar.

2º Se a peça realmente tiver que ser removida, a melhor maneira será usando um estilete e cortanto os pinos onde ela foi encaixada, aplicando uma certa pressão para soltá-las, você pode também (dependendo do caso) utilizar uma pequena espátula ou uma pequena chave de fenda (aquelas de relojoeiro). Sempre com muito cuidado e paciência. Você poderia usar acetona ou algum solvente mais forte para remover a cola, porém isso pode estragar definitivamente o kit pois geralmente estes solventes usados para remover a cola atacam o plástico do kit, podendo derretê-lo, p0ortanto não recomendo.

3º Depois de desprendê-las, limpe-as e remova rebarbas e restos de tinta que ainda se encontram nela, e faça o mesmo no local onde estavam coladas.

4º Não tente por exemplo corrigir erros do passado, o que está errado deixe assim (claro que se isso não for comprometer o trabalho), por exemplo: se as rodas foram coladas e não rodam, deixe assim...não tente removê-las e fazer rodar novamente. Isso requer uma experiência muito grande, e algum conhecimento de "scratch", não aconselho a iniciantes tentar fazer este tipo de "conserto". Porém em casos extremos onde foi feita uma colagem errada (por exemplo: a suspensão foi colada do lado contrário) aí não tem jeito, pois denotaria um erro grosseiro.

Bom, para servir como guia dê uma sapeada nesta matéria, talvez te ajude um pouco, ela está dividida em 4 partes:

http://www.webkits.com.br/news/templates/news.asp?articleid=317&zoneid=28

http://www.webkits.com.br/news/templates/news.asp?articleid=319&zoneid=28

http://www.webkits.com.br/news/templates/news.asp?articleid=320&zoneid=28

http://www.webkits.com.br/news/templates/news.asp?articleid=321&zoneid=28

Um abraço e boa sorte.

Fabio M. Moretti

PS: Depois da empreitada, poste fotos do "upgrade" aqui no fórum.
quote:
Originalmente publicado por Hades:
Soriedem

Não sei se é bem isso, mas creio que seja algumas peças feitas com aquele metal de proteção que tem nos disquetes, daí a nomenclatura fazendo alusão no sentido figurado do Photo Etched (PE).

Acho que é isso, me corrijam se estiver errado por favor.

Abraços.


É isso aí Hades! O nome é uma brincadeira com Phot-etched, e é quando vc usa aquele metal que é a capa móvel da abertura dos disquetes para cortar peças que serão usadas no seu modelo. Idem para o termo skol-etched, ou seja, usa-se latinha de cerveja ou refrigerante para cortar peças, tipo - cintos de segurança da cabine de aviões, correias de todo tipo, proteção para faróis, etc. O limite é a imaginação.
quote:
Originalmente publicado por Geiso Lawdel:
em que ocasião posso usar o jet


O Jet no plastimodelismo pode atuar como uma cola líquida. Imagine que você tenha duas superfícies, tais como as duas metades da fuselagem de um avião. Você junta as duas metadas e vai passado a cola líquida (no caso, o Jet) levemente com um pincel. A cola líquida vai "escorrer" e fundir as duas metades. O resultado é muito bom.

Aqui você encontra uma boa discussão sobre as colas líquidas e o Jet, incluindo as impressões de quem tem experiência no seu uso.

Outra utilidade do Jet é atuar no processo de produção de cópias de resina. Neste excelente artigo sobre cópias de resina, há uma boa descrição da utilização do Jet para a produção de cópias.

[ ]s
quote:
Originalmente publicado por Geiso Lawdel:
alem do jet qual outro produto pode substitui lo e qual sua finalidade
obrigado


A finalidade eu postei logo acima: atuar como cola líquida ou participar do processo de produção de cópias de resina.
Outras colas líquidas: Tamiya Extra Thin Cement (específica para plastimodelismo) e Vipi Flash (é o mesmo que o Jet, ambos muito utilizados por protéticos - o nome oficial é "resina autopolimerizante").

Acontece que o Jet e seus similares são muito mais baratos que as colas líquidas específicas, tais como o Tamiya Extra Thin Cement.

Um abraço,
Geraldo Ribeiro
quote:
Originalmente publicado por VASILI:
No que consiste o dry-run?!


Dry-run é um "teste", ao pé da letra "montagem à seco" sem cola apenas para se testar os encaixes e verificar se está "tudo em seu lugar", e se alguma coisa não estiver correta, consertar. É um processo interessante, porém necessita de alguma disciplina pois você acaba tirando diversas peças das árvores para fazê-lo e podem ocorrer duas fatalidades:

1ª Perder alguma peça pequena.

2ª Tirar muitas peças e você se "perder" na hora de colar de verdade, não sabendo lembrando que peça vai em que lugar.

Eu particularmente nunca utilizei dry-run, sempre lixei, testei a união e colei e no final se ficou alguma imperfeição apliquei putty e lixei. Muitos modelistas fazem este processo, conheço colegas que montam o kit inteiro e depois desmontam para novamente montá-lo aí sim com cola. Dizem que é uma maneira de se evitar os enganos na hora da montagem...sei..lá.
Olá pessoal, meu nome é Ruben. Depois de mais ou menos 30 anos sem montar nenhum kit resolvi retomar o velho hobby. Então dá pra dizer que sou iniciante. Tenho olhado alguns kits para montagem e fiquei em dúvida sobre o que representa o "nível"? É nível de dificuldade ou nível de detalhamento?
Se você está se referindo ao "Skill" é nível de dificuldade ele varia de 1 a 5 se não me engano, sendo o 1 o mais simples e 5 o mais complexo. Entende-se por nível de dificuldade o número de peças do kit, itens de multimídia (resina, Photoetched, etc), pinturas elaboradas, decalques elaboradas. Quanto menos peças, pintura de uma ou duas cores, decalques simples e sem multimídia, mais fácil de se montar...Têm alguns inclusive que já vem pintados, basta apenas colar ou encaixar as partes (snaptite).
Retomando a pergunta, Day-Glo é o nome genérico dado a cores fluorescentes. Em aviação, é uma tinta fluorescente usada para a sinalização e pintura de alguns painéis em aeronaves ou veículos.






A que é mais conhecida em aviação é o chamado "laranja pisca-pisca", ou "laranja Neon". Foi usada nos F-104 da Marineflieger alemã, e nas McLaren/Marlboro.



Foi muito usada antigamente, mas como tinha pouca resistência à luz, desbotava logo para uma cor amarelo-sujo muito feio.

Podem-se usar tintas especiais para reproduzir o Day-Glo num kit, mas deve-se sempre aplicar uma base de branco ou amarelo para dar cobertura, pois essas cor naturalmente não cobre bem.

Uma alternativa barata de se fazer o Day-Glo é aplicar um branco, em seguida um amarelo vivo, e em seguida um esmalte de unhas, diluído com thinner e aplicado com aerógrafo. Pode-se comprar por até R$ 1 no balaião na Ikesaki, e tem outras cores também.



[]´s

X
quote:
Originalmente publicado por Fabio Moretti:
Se você está se referindo ao "Skill" é nível de dificuldade ele varia de 1 a 5 se não me engano, sendo o 1 o mais simples e 5 o mais complexo. Entende-se por nível de dificuldade o número de peças do kit, itens de multimídia (resina, Photoetched, etc), pinturas elaboradas, decalques elaboradas. Quanto menos peças, pintura de uma ou duas cores, decalques simples e sem multimídia, mais fácil de se montar...Têm alguns inclusive que já vem pintados, basta apenas colar ou encaixar as partes (snaptite).


Complementando a resposta do Fábio.

Geralmente o Skill do kit não está totalmente relacionado à facilidade ou não dele, mas sim à quantidade de peças que compõe o mesmo, podemos facilmente encontrar um kit Skill 3 (a exemplo do Bristol Bleinhem MkIV da Airfix), que possui poucas peças, mas sua montagem não é tão simples quanto parece, carecendo de uma certa experiencia do modelista, uma vez que o mesmo irá lidar com fatores do tipo, alto relevo, fendas e peças empenadas.
quote:
Oi galera sou novo aqui. O Yan poderia poderia postar aqui uma foto deste frasco.Pra gente ver como é esse JET


quote:
Originalmente publicado por TamiYan [desligado]:
quote:
Originalmente publicado por Jambock "Hades" 09:
Yan

Lembrando que o JET é a marca de um Acrílico Autopolimerizante, e que pode ser encotrado com outro nome. Aqui em Belém por exemplo fui em duas dentais e não achei como JET e sim como VIPI FLASH.

Abraços


E falando em Jet, hoje desci a serra até Taubaté e comprei meu primeiro frasco de Jet.

Quando a menina do balcão veio com a caixona verde na mão eu falei "não, não, é o de 120ml!" e ela riu e respondeu "mas esse É o de 120ml!".

Porra, vem coisa pra cacete, vai dar pra montar uns 40 kits eu acho, hahahahaha! E foi barato: R$ 9,60. Maneiro !!!!
quote:
Porra, vem coisa pra cacete, vai dar pra montar uns 40 kits eu acho, hahahahaha! E foi barato: R$ 9,60. Maneiro !!!!


Se tu montar só 40 kit com um frasco de 120Ml de JET, pode pendurar a chuteira amigo ;P

Nesse frasco, tem líquido suficiente para derreter 40 kits inteirinho...

Brincadeiras à parte, vá com calma com o JET, utilize com moderação pois pode estragar seu kit!

Abraços e bem vindo ao Hobbby!
Depende do tipo de tinta. Se estiver usando óleo, pode ser até uns 10:1 (10 gotas de águarraz para 1 gota de tinta).

Em geral, vai-se guiando pelo efeito desejado (mais ou menos "pesado") e pelo aspecto - tem de se concentrar nos cantos e ranhuras, não pode alterar demais a cor da tinta de base.

Espero ter ajudado.

[]´s

X
gostaria de saber de quais equipamentos preciso para começar, óbivio que conheço alguns, mas todas as dicas serão muito bem vindas.
Estou com um Panzer IV Ausf H, um sturmgeschütz Sdkfz. 167 e um M2 bradley, todos da marca ACADEMY (fui recentemente ao Chile e os encontrei muito em conta. não sei se a marca é boa).Aguém poderia dar umas dicas?
quote:
estou iniciando hoje minha caminhada pelo modelismo de forma mais comprometida com a qualidade e o przer de criar uma pequana obra de arte. Peço que meajudem neste começo, indicando ferramentas, tintas, leituras manhas que concordarem em dividir.
desde já fico agradecido

Ausfürlich, bem-vindo ao plasti.

Uma dica que lhe dou é pegar o DVD Plastimodelismo Peça-apeça, no site do GPC (www.grupogpc.com.br).

Lá tem 4 h de dicas de plasti, pra vc começar com o pé direito!

[]´s

X
quote:
Originalmente publicado por Ausführlich:
Bom dia gente.
Vou tentar montar um compressor com um inalador, seguindo as dicas do artigo do Juliano P. dos Santos. Alguém pode me dar uma dica sobre qual aerógrafo
eu devo adquirir?
Agradeço
Saudações mineiras


Para funcionar com inalador eh bom que seja aerografo com copo que funcione por gravidade...(os que sao copos de metal que ficam em cima ou do lado do aerografo). os de sucção (com pote embaixo do aerografo) nao sao muito adequados pois necessitam de uma pressao maior que tem os inaladores... e tambem existem aerografos de dupla açao e açao simples

dupla açao e que quando vc aperta o gatilho para baixo só sai o ar e conforme vc vai puxando o gatilho para traz ele vai soltando tinta ...

ja o de ação simples quando vc aperta o gatilho do aerografo e ja sai com tinta...

recomendo aerografos que funcionam por gravidade e com dupla açao... aki na loja da webkits tem uns sagyma com um preço razoável... qlq coisa fala
quote:
Originalmente publicado por Ausführlich:
Bom dia gente.
Vou tentar montar um compressor com um inalador, seguindo as dicas do artigo do Juliano P. dos Santos. Alguém pode me dar uma dica sobre qual aerógrafo
eu devo adquirir?
Agradeço
Saudações mineiras

Oi como o Ph citou existem diversos tipo de aerografo e ralmente para com o inalador a tinta deve ser alimentado por gravidade...
Caso vc esteja começando e nao quehr gastar muito no aerografo tem um no site da hobbyking por 17 dolares, eu paguei em torno de 60reais ao todo com frete e até agora esta atendendo as expectativas
Minha humilde contribuição para o glossário de coisas relacionadas ao modelismo, no quesito "entidades mitológicas do modelismo":

Boxmodelista: pretenso modelista que compra mais kits do que consegue ou quer montar; condiçào viciante caracterizada pela compra compulsiva de kits; estado mental compulsório onde o modelista compra varios kits iguais, pensando em fazer diversas versões do mesmo kit, sem que de fato estes projetos sejam efetivados ou finalizados no todo ou em parte. Aquele que quando morre, faz a alegria dos viventes, que podem herdar e usufruir de seus tesouros.

Empregada: uma de tres entidades inimigas do modelismo, sendo a mais feroz; ser maldito, inimigo figadal do modelsimo; ser que causa destruição e tristeza no meio modelistico; ser mitólogico saído do inferno, que se materializa de maneira inoportuna no espaço dedicado ao modelismo, causando desordem, dano, horror e desespero. Caracteriza-se por uma aparencia grotesca, fala arrastada, ou sotaque ininteligível, aparencia bestial e atitude ilógica e sem-noção. Usa como atributos, um espanador numa mão, e uma vassoura na outra.

Esposa: outro ser mitológico, o que dá origem a entidade "empregada", mencionada acima. Causa angústia e culpa com suas criticas e reclamações em relação ao modelismo e ao modelista, e qdo se materializa diante do modelista, cria dificuldades para que o mesmo entre em casa com o kit novo, induzindo à atitude de criação de esquemas, mentiras esdrúxulas e explicações ridiculas; causa desorientação e desequilibrio ao modelista. Quando sua apariçào coincide com certa época do mes (conjunçao da TPM com a lua cheia e o final do mes), pode tornar-se muito feroz, e até mesmo destruir e/ou atirar fora os kits.

Filho-do-vizinho: gnomo do mal, é a menor das tres entidades, porem a mais agitada e rápida em causar danos; a que quando se materializa causa danos localizados ou mais extensos, mas atuando por um breve período, e desaparecendo do local logo em seguida, evitando assim assumir a culpa pelo estrago feito, assumindo aspecto de criatura inocente.

Cartão-de-crédito: instrumento ou ferramenta ambivalente, conforme o fiel usuário o use com sabedoria ou de maneira desenfreada; pode causar alegria como porta para os objetivos, ou dor e sofrimento, desviando o incauto da rota da luz e induzindo-o ao labirinto dos juros eternos. Foi dado aos humanos pelos servos dos Titãs do vício do consumo, visando causar-lhes sobressalto e impedir que os humanos possam ter paz de espírito e visao clara do que está ao seu alcançe.

Viúva, ou ex-esposa: aquela que destrói toda a obra modelistica de uma vida, jogando fora os kits ou distribuindo pelas crianças da vizinhança, após o passamento do modelista.

Leigos: seres idiotizados, em geral chatos e desagradáveis, que se referem ao modelismo de forma pejorativa e/ou desinformada; ser que alega que no passado tambem gostava de "montar Revell"; ser que pergunta aonde conseguir cola ou tinta de modelismo; ser que troca e mistura os nomes de veiculos, aeronaves, navios e outros; ser que chama kits de aviaozinho, barquinho, bonequinho e outros diminutivos pejorativos.

Pentelho (sin.: chato-de-galochas): colega modelista perfeccionista, que insiste em descobrir supostos erros, existentes ou nao, em modelos recém-montados e finalizados; ser que teima em contestar informaçào histórica comprovada e aceita unanimemente, sobre equipamentos e cores; ser que se compraz em criticar o menor detalhe; estraga prazeres; fura-olho; tira-tesão; fofoqueiro; sabichão; criatura-que-nao-tem-mais-o-que-fazer-na-vida.

Modelistas felizes: seres de existencia tida como real, mas ainda nao comprovada pelos cientistas e antropólogos; criatura semi-mitológica procurada há tempos pelos cripto-zoólgos; seres inocentes ou que nao se importam tanto com detalhes ou medalhas. Lendas relatam que tais criaturas supostamente conseguiriam se divertir em suas relações com o modelismo, e viveriam numa espécie de Éden, onde a ignorancia da existencia de FS's e RLM's, partes em resina e complementos, PE, sets de decais e outros itens de aftermarket permitem ou causariam extase extremo; criaturas extintas ou em fase de extinção.

Fominhas: modelistas que disputam um mesmo kit, tanto no mundo real como no meio eletronico, saciando-se apenas quando o compram; quando estes tem acesso livre aos atributos do instrumento "cartão de crédito", podem se transmutar em boxmodelistas; seres que disputam medalhas de modelismo, de forma sistematica e continuada, podendo viciarem-se neste comportamento; esta psicopatia pode ocorrer mesmo quando os modelistas nao montaram os kits em questão.
Saudações Ferreira!

Tchê! Penso que é possível aperfeiçoar o tópico esposa, pois cabe a uma ex-esposa que tive...No entanto ñ cabe a minha atual esposa.

No mais, tenho uma expressão que gosto muito de usar:
'The book on the table'= Algo muito fácil(origem: Em minha época de colégio, era a 1ª frase a ser ensinada em inglês, de tão fácil, he,he).

Enfim, muito divertido.
Abc a todos.
Saudações a todos.

Puxa é bom reler este tópico, he,he.
Surgiram mais contribuições de minha parte...A 1º: Me enquadro no 'modelista feliz'(É vero!!). 2º No tópico 'leigo' é possível adicionar duas perguntas que ocorrem na EXPOAER em Canoas todo ano e exercitam minha paciência: a)Voa?!!! b) É de ferro?!!! 3º É vero quanto a viúvas e ex's, mas minha atual esposa é parcerona, incentivadora e até faz e edita no word as etiquetas de meus dioramas (pois se dependesse de mim era tudo na máquina de escrever, he,he).

Abração
quote:
Boxmodelista: pretenso modelista que compra mais kits do que consegue ou quer montar; condiçào viciante caracterizada pela compra compulsiva de kits; estado mental compulsório onde o modelista compra varios kits iguais, pensando em fazer diversas versões do mesmo kit, sem que de fato estes projetos sejam efetivados ou finalizados no todo ou em parte. Aquele que quando morre, faz a alegria dos viventes, que podem herdar e usufruir de seus tesouros.


Some-se a essa descrição a gíria "Zé Conversa":

pretenso modelista que compra kits os quains nunca vai montar, diz que não monta alegando as mais furadas desculpas como falta de tempo e de espaço. Alega ser modelista experiente porém, quando monta algo demonstra ser um verdadeiro amador. Geralmente possui muito conhecimento com base em livros porém não tem ideia real do desempenho ou características reais de uma aeronave mas jura de pé junto que sabe. Fora isso, tem o PÉSSIMO costume de dizer que tem o mesmo kit que um colega tem, diz que é ótimo mas montar mesmo nunca montou e muitas vezes, ao ver que um colega comprou um kit maravilhoso, tira dinheiro de onde não tem para comprar. Por pura inveja. Em resumo, conta mais histórias que pescador velho de porto.
Saudações Valdez!

Caraca!!!
Corajoso tu heim!?
Mas é a mais pura verdade!
Aliás...Normalmente a verdade é amarga, mas sendo aceita torna-se doce!

Desejo um feliz natal e próspero ano novo, com saúde, paz e prosperidade!
A todos, em nome de Jesus!!!
Plasti-abraços gurizada!

Att.
Chaves
Saudações Omarr e valdez!
Pois bem, he,he, é vero! E acredito que este tipo de coisa deve ser dito em nosso 'meetié', pois o mesmo ocorre em outras áreas profissionais, onde certas verdades não devem ou não podem serem ditas.

Mas voltando ao assunto...O comentário do Valdez, acredito ser sob a ótica dele, vem do Norte deste Brasilzão. Onde penso, minha ótica, o pessoal do modelismo é mais homogêneo. Pois aqui no garrão (no gauchês, calcanhar é garrão) deste belo Pais, nos modelistas somos heterogêneos.
Embora imagine, eu não arriscaria responder a causa disto, he,he.
No entanto é oportuno adicionar as minhas felicitações de 3 mensagens atrás o seguinte:

Desejo um feliz Natal repleto de perdão com um ano novo cheio de reconciliações!
"A bíblia esta para o ser humano, como as instruções estão para o kit!"

Abc.
Chaves
quote:
Originalmente publicado por André Domingues:
Posso me entrometer? Respondendo ao "FERRO":
Cada modelista da o nome que bem intender a sua peça, cenario, etc...
Técnicamente (ao meu ver): Diorama: é um cenário em grande escala retratando alguma cena de ação (como exemplo A Batalha de Watherloo, num sei se escrevi certo :P).
Vinheta: normalmente é um cenário bemmmm menor (não muito mais que 20 ou 30cm) com poucas figuras e enfocando apenas uma parte de um todo... voltando ao exemplo: é muito mais vistoso você ver dois ou três soldados lutando sós contra um tanque com muita enfaze na ação (vinheta), do que ver toda a batalha de watherloo (diorama) retratada...

Ao meu ver é isso, porem isso pode mudar de modelista para modelista...

Lembrei de uma técnica para o glossario:

Weathering (desgaste): técnica usada quando se quer retratar uma figura ou veiculo em condições reais (um soldado ou um tanque não cruzam quilometros e ficam limpos). Consiste básicamente na junção do "wash" com o "drybrush" e se possivel na utilização de um aerografo. Como é feito: aplicado o "wash", utilizase o aerografo nas cores correspondetes ao cenário (lógicamente se um soldado esta no desento sua roupa não se suja de lama), sendo assim um tanque no deserto ganha em pontos ESPECIFICOS (não exagere para não pesar o efeito) borrifos de cores mais amareladas (areia) ou marrom claro (bemmmmmm claro). Por ultimo aplica-se o "drybrush". Esta técnica tem como principal intuito cimular "poeira" ou "terra" acumulada sobre os objetos.

Caso tenha escrito alguma besteira me avisem. Mas a meu ver o que descrevi está correto...Legal !!!


Olá André,
Ótimas observações. Eu mesmo sempre trabalhei com conceitos parecidos. Assim, seria um diorama aquela montagem com mais de três figuras e pelo menos um veículo, ao passo que a vinheta se resumiria numa configuração de no máximo três figuras e um veículo (ou parte dele).
Abraço,
Saudações gurizada!

Muito interessante, apesar de eu não saber até hoje o que de fato é uma vinheta,he,he.

O que respondo sobre este assunto aos que me perguntam é o seguinte:

Maquete física, é o nome dado a algo que ainda não existe fisicamente, apenas no projeto, por exemplo: Maquete de um prédio residêncial que será construído; Os efeitos pluviais e fluviais da consequência de uma construção de barragem num determinado meio.

Diorama, é uma representação de algo que já existiu...Um cenário da tal batalha de waterloo 1/1 ou 1/72 seria um diorama. O prédio onde encontraram e executaram o Bin Ladem seria um diorama.

Vinheta, até agora eu pensava que seria no máximo 2 figuras + um assunto numa reduzidíssima base.

Figura, eu pensava ser apenas uma fig. numa reduzidíssima base.

Busto, De 1/1 a 1/72 figura com corte transversal um pouco abaixo dos ombros.

Enfim, atribuo estas confusões ao relativismo, pois já existe sites vendendo árvores em escala.
Pessoal, posso estar muito enganado, e apesar de eu ainda não ser arquiteto não usa-se escala para árvores.

Um grande abc a todos.
Att.
Chaves
Saudações X-cão!

Matou a xarada...! Alguns concursos podem variar as definições de vinheta/diorama!
Eis a causa das confusões, na minha opinião mais um exemplo de relativismo, talvez aplicar uma ISO padronizasse,he,he. Que ótimo isto não afetar em nada nossa vida política-sócio-econômica Nacional.

Um abc a todos.
Att.
Chaves

Assim que eu tiver um tempinho posto em um tópico... quem sabe torne-se fixo ... 

Mas acho legal manter também o lance da versão DOC/PDF até mesmo disponibilizada para download ... pois nessa versão dá para linkar referências aos termos relacionados no próprio texto usando ancoragens... (não sei se vou conseguir fazer o mesmo em um tópico, mas vou tentar!)

Vou aproveitar para adicionar os termos aqui encontrados e suas respectivas dicas...

Aguardem a nova versão! kkkk

As técnicas usadas atualmente são tênues, levam o kit aos poucos a um estado de realidade muito interessante, pois é a soma de muitas para se conseguir a aproximação do que estamos pintando a um objeto real em um determinado contexto.

Os colegas deste fórum que certamente tem muito mais experiência que eu logo iram lhe ajudar com diversas dicas.

Bom retorno.

Boxmodechato: Sujeito que compra kit raro, caro, que outro amigo quer e o compra somente pelo poder de tê-lo enquanto outros o desejam. Não monta absolutamente nada e só sabe tudo na teoria. Frequenta rodinhas de modelistas para puxar-saco, bajular, fofocar e isso é tudo que consegue fazer. Em décadas, nunca ninguém viu um trabalho dele acabado.

Pasmém: Conheço dois assim.

xxAgnaldoxx posted:

Boxmodechato: Sujeito que compra kit raro, caro, que outro amigo quer e o compra somente pelo poder de tê-lo enquanto outros o desejam. Não monta absolutamente nada e só sabe tudo na teoria. Frequenta rodinhas de modelistas para puxar-saco, bajular, fofocar e isso é tudo que consegue fazer. Em décadas, nunca ninguém viu um trabalho dele acabado.

Pasmém: Conheço dois assim.

Boa Agnaldo...Boxmodechato! De acordo com este termo. 

Atualmente não frequento  rodinhas de modelistas, mas na época que o fazia, conheci um. Por respeito a idade desse distinto engenheiro aposentado, não 'darei nome aos bois'. Até porque do lado deles, deve existir um termo para minhas 'manias', he, he...Vida que segue.

Mas boxmodechato esta ótimo!

Grande abc

Att

Chaves

Bah galera confesso que não tinha parado para ler este tópico.

Esta muito útil e bem recheado de informações para todos, muito bom.

Já dei uns printe na tela, kkkk

Estou anotando algumas coisas que não sabia e algumas já conhecia, e esta ideia de deixar fixa na pagina é uma boa.

Um grande abraço a todos

Incluir Resposta

Curtidas (3)
LelloLihH PandaHCASTR0
×
×
×
×