Skip to main content

BigBag posted:
Guacyr. posted:

Possível inspiração para Sukhoj fazer o Su-25, o concorrente do A-10 o YA-9 da Northrop que perdeu para o A-10.

 

Já ouvi sobre isso também mas sempre quis saber se tem realmente alguma verdade. Afinal parecem mas não tanto.

Como você acha que fizeram o Concordovisk?

O YA-9 foi abandonado com projeto e tudo, pois seria até melhor que o A-10, mas como a Northrop estava muito bem com o F-5 e o B-2, acharam melhor colocar azeitona na empada da Fairchild(A-10), então com certeza o projeto foi relegado e alguém infiltrado vendeu.

Não acredito que o YA-9 seria melhor que o A-10, e o Su-25 não é nem de perto tão capaz quanto o A-10, mas...

...ambas são demais pro cenário em que estão operando. Foram criadas como "caça-tanques", e o que menos fazem, atualmente, é caçar tanques. São caras, pesadas e rápidas demais para reconhecimento armado, ataque contra-insurgentes e apoio às tropas.

O canhão do A-10 é fenomenal, mas é como matar formigas com tiros de fuzil. Mesmo o canhão do Su-25 é demais pro cenário que opera.

Uma aeronave como o Super-Tucano ou seus equivalentes (pra não ser "bairrista") seria muito mais apropriada. 

Fala-se de sua aposentadoria pra desviar os gastos para o programa F-35, mas discute-se "à boca pequena" que o ideal seria a compra de anvs leves de ataque.

Last edited by FІЯЭFФЖ

Os dois são letais e efetivos porém o A-10 foi projetado para parar a máquina blindada russa  e já provou isso e eu não queria estar em um tanque sabendo que o outro lado poderia usar um A-10.

A-10 Thunderbolt II versus Sukhoi Su-25 Frogfoot

 

CATEGORY

Su-25 Frogfoot

A-10 Thunderbolt II

Unit cost in USD millions

13-15

20-25

Fuel economy in km/l

0,39

0,31

Fuel economy in NM/g

0,90

0,72

Fuel tank capacity in litres

3500

4850

Fuel tank capacity in gallon

924

1280

Range on internal fuel in km

1350

1500

Range on internal fuel in miles

837

930

Range on internal fuel in NM

729

810

Powerplant/Engines

2 × Tumansky R-195

2 × General Electric TF34-GE-100A

Dry thrust in kN

2 x 44

2 x 40

Dry thrust in lbf

2 x 9500

2 x 9000

Afterburner in kN

NO

NO

Afterburner in lbf

NO

NO

Max. Speed in Mach

0,77

0,70

Max. Speed in km/h

943

858

Max. Speed in mph

586

533

Minimal thrust/weight ratio

0,40

0,21

Normal thrust/weight ratio

0,61

0,36

Maximal thrust/weight ratio

0,80

0,58

Overall length in meters

15,36

16,26

Overall length in ft

50,38

53,33

Wingspan in meters

14,36

17,53

Wingspan in ft

47,10

57,50

Height in meters

4,80

4,47

Height in ft

15,74

14,66

Wing area in sq meters

31,00

47,00

Wing area in sq ft

333,56

505,72

Empty weight in kg

10700

11300

Empty weight in lb

23540

24860

Maximal take-off weight in kg

21500

23000

Maximal take-off weight in lb

47300

50600

Minimal wing-loading in kg/m2

345

297

Normal wing-loading in kg/m2

555

482

Maximal wing-loading in kg/m2

691

599

Rate of climb in m/sec

65

30

Rate of climb in ft/min

12799

5907

First flight

1975

1972

 

- See more at: http://www.kamov.net/versus/a-...sthash.3LMEeAqo.dpuf

REZENDE posted:

Os dois são letais e efetivos porém o A-10 foi projetado para parar a máquina blindada russa  e já provou isso e eu não queria estar em um tanque sabendo que o outro lado poderia usar um A-10.

Lembro das histórias dos tanquistas iraquianos pulando do tanque e ou rezando que não fossem atingidos naquela passagem.

FІЯЭFФЖ posted:

Não acredito que o YA-9 seria melhor que o A-10, e o Su-25 não é nem de perto tão capaz quanto o A-10, mas...

...ambas são demais pro cenário em que estão operando. Foram criadas como "caça-tanques", e o que menos fazem, atualmente, é caçar tanques. São caras, pesadas e rápidas demais para reconhecimento armado, ataque contra-insurgentes e apoio às tropas.

O canhão do A-10 é fenomenal, mas é como matar formigas com tiros de fuzil. Mesmo o canhão do Su-25 é demais pro cenário que opera.

Uma aeronave como o Super-Tucano ou seus equivalentes (pra não ser "bairrista") seria muito mais apropriada. 

Fala-se de sua aposentadoria pra desviar os gastos para o programa F-35, mas discute-se "à boca pequena" que o ideal seria a compra de anvs leves de ataque.

Um Super Tucano?????  Tá sendo bairrista demais. O canhão do A10, como dizem nas FFAA, bate zona e não alvo, aliás, esta é a diferença básica entre forças policiais e militares. E outra, com os dispositivos de mira hoje, atingem o alvo e o que estiver próximo.

AVMF - "Aviação Naval Russa" também presente na Síria.

 

A AVMF, abreviação de Aviatsiya Voenno-morskovo Flota Rossii, ou Aviação Militar morskovo Marinha Russa, foi criada em 1912 e atualmente é a segunda maior força aérea naval do mundo. A AVMF conta hoje com  cerca de 360 aeronaves. 

A AVMF conta hoje com 17 bases aéreas, atendendo a Frota do Norte, do Mar Negro, Pacífico e Báltico, além é claro, de um porta aviões na Frota do Norte. Atualmente a Frota do Báltico está envolvida ativamente no conflito na Síria contra o Daesh, com eventuais apoios da Flotilha do Mar Cáspio. Conheça mais sobre "Aviação Naval Russa" e sua composição atual e futura.

Porta aviões Almirante Kuznetsov 

O Porta-aviões Almirante Kuznetsov, é um porta-aviões que serve como navio-almirantado da Marinha de Guerra da Rússia. Totalmente operacional em 1995.

O Porta-aviões Almirante Kuznetsov é atualmente o único porta-aviões da Marinha russa. Ele é baseado em mais de 50 aviões e helicópteros. Além dos típicos caças multi-funções Su-33 e Su-25 o "Admiral Kuznetsov" carrega helicópteros Ka-29 e suas modificações.

O Deslocamento do porta-aviões é de 55 mil toneladas e uma autonomia de oito mil milhas, composto de uma equipe de 1500 pessoas, 650 - pilotos. Sua velocidade é de 29 nós e é armado com sistremas anti-navio "Granit" e sistemas de defesa aérea "Dirk", "Blade" entre outros. Abaixo lançadores de míssil  "Granit".

Aeronaves da AVMF

Su-27UB

O Su-27UB é a versão bi-posto do caça Su-27, ele pode ser utilizado em missões de interceptação, combate aéreo, treinamento (para o Su-33) além de ataque ao solo e anti navio. 

 

Sukhoi Su-33 

É o único caça naval embarcado utilizado pela Rússia na atualidade. Sua função é de defesa da força tarefa, podendo ser utilizados em missões de interceptação e combate aéreo.

 

Mig-31

O interceptador Mikoyan-Gurevich MiG-31 (designação NATO: Foxhound) é utilizado nas bases fronteiriças de onde podem defender a área contra aeronaves hostis de grande porte e estratégicas vindas do mar aberto, além da destruição de mísseis cruzadores, lançados de navios e submarinos, que visam como alvo as instalações militares navais costeiras. 

 

Tu-22M3

O caça supersônico Tupolev Tu-22M (OTAN: Backfire) desempenha na AVMF o papel de defesa contra um ataque proveniente de uma força tarefa naval norte americana. Sua capacidade de transporte de mísseis anti navio supersônicos com ogivas nucleares, aliados a um alcance de 7000 km lhes dão a capacidade de neutralizar qualquer frota naval do mundo. 

 

Tu-142MR

O Tupolev Tu-142MR é uma aeronave de comando e monitoramento dos SSBN da AVMF, sua função é a comunicação com submarinos em missão em meio aos oceanos do planeta. 

 

Ilyushin Il-38

É a aeronave padrão de patrulha oceânica da AVMF. Seu desempenho, tamanho e função o igualam ao P-3C Orion norte americano. Apesar de executar basicamente a mesma missão do Tu-142M3, o Il-38 é muito mais econômico operacionalmente, óbvio ao custo de menor velocidade e alcance. O modelo que atualmente chega a metade de sua vida útil, vem aos poucos recebendo modernizações como a instalação de um novo radar e novos modelos de torpedos anti submarinos. 

 
Ilyushin Il-24RT 
É a aeronave de guerra eletrônica (ELINT) da AVMF, com ela são localizados e rastreados sinais eletrônicos diversos propagados pelo ar. Tais sinais podem fornecer dados sobre a localização de alvos na superfície e submersos. 
Beriev Be-12 
O hidro avião anfíbio Be-12 é utilizado na região do Mar Negro para patrulha marítima porém otimizado para guerra anti submarino. Suas funções e capacidades se equiparam ao SH-5 chinês e ao Shin Maywa Japonês, que são largamente empregados devido a sua capacidade de pousar e decolar diretamente da água. 
Antonov An-12. 
A AVMF utiliza somente a versão cargueira do Antonov An-12 para transporte de cargas até 20 toneladas. Para cargas maiores são utilizadas as aeronaves da VVS. 


Antonov An-24/26 
Além dos An-12 a AVMF também dispõe de cargueiros menores como o An-24 e o An-26 que possuem capacidade para até 5,5 t. Esses aviões são utilizados para transporte de mísseis, armas e munições em geral. 

Kamov Ka-27
O Kamov Ka-27 é o helicóptero padrão embarcado da AVMF. Sua aparência exótica se deve ao fato do tamanho reduzido dos hangares dos navios de guerra. Sem a proeminente cauda com rotor traseiro, o Ka-27 tem 11,30 m de comprimento, contra 19,76 m do Sikorsky S-70 norte americano. Esse último é muito similar em desempenho e operacionalidade ao Ka-27

 
Kamov Ka-29
 
A versão de ataque ao solo derivada do Ka-27 , entrou em serviço no final dos anos 90 a bordo do Porta-aviões Almirante Kuznetsov. O Ka-31 tem a mesma função do norte americano Bell Super Cobra do USMC, que é a de fornecer apoio aéreo a tropas em terra. 


 
Kamov Ka-31


O Ka-31 AEW é a mais recente aquisição da AVMF para o monitoramento aéreo dos mares. A versão se baseia no Ka-29 porém sem os sistemas de armas e com um radar rotativo em sua parte inferior. Apesar do alcance limitado do helicóptero, o Ka-31 é vital para a orientação e controle de qualquer modelo de aeronave embarcada, pois a partir das informações fornecidas por ele pode se localizar um alvo ou ameaça com antecipação. 


 
Mi-8/14/24
A AVMF assim como a aviação naval norte americana ou de qualquer país, possui uma série de helicópteros para patrulha marítima, busca e salvamento, anti submarino, transporte, apoio de tropas e ataque. Além dos modelos específicos de uso naval como os Kamov descritos acima, a AVMF ainda opera uma variedade de helicópteros baseados em terra, como o Mi-8 de busca e salvamento visto acima, o anfíbio Mi-14 e o Mi-24 de ataque. 

Treinamento
Não é possível dizer ao certo quantas e quais aeronaves de treinamento fazem parte da AVMF, porém sabe-se que além do Su-27UB, o Tu-134LL (imagem abaixo) é utilizado para o treinamento da tripulação dos Tu-22M3.  A AVMF também pode utilizar os treinadores Tchecos Let-39.

 
Futuro da AVMF
Com a nova política de união criada pela Rússia no setor aerospacial desde 2008, foi decidido que a partir de 2012 algumas das bases e aeronaves serão transferidas para a Força Aérea (VVS). A medida visa em primeiro lugar a redução de custos operacionais e em seguida a modernização das aeronaves das forças armadas russas. Assim a VVS (Força Aérea Russa) ficará com 4 das 17 bases da AVMF além das aeronaves de ataque de longo alcance Tu-22M3, com os Su-24M para convertê-los no padrão atual M2, com os Su-24MR de reconhecimento, os Su-25 e os Mig-31, a serem convertidos para o padrão BM.

Ainda é previsto para o futuro a aquisição de novos aviões, como:
Mikoyan Mig-29K
O Mig-29K é um programa que surgiu na época da construção do Porta-aviões Almirante Kuznetsov no início dos anos 90. Na época, o desenvolvimento conjunto do Mig-29M, fez com que o modelo naval recebesse também um radar multi função que lhe permitia o transporte e lançamento de mísseis ar superfície e anti navio. Após 20 anos, os Su-33 precisam serem substituídos por um modelo multifuncional, e assim foi escolhido o Mig-29K.
Seu desempenho geral o assemelha em capacidades ao F/A-18E Super Hornet, porém o modelo russo conta com mísseis de longo alcance, rastreador infra vermelho e extrema manobrabilidade em combate corpo a corpo. 
 
Sukhoi Su-39
O projeto do atacante naval, em uma versão econômica, Su-39 parece não ter lugar na aviação embarcada da nova Rússia com o advento do Mig-29K, porém ainda é plausível o boato de que esse avião ainda entra em produção. 

Sukhoi Su-30
O caça multifuncional Su-30 só entrará em serviço na AVMF na região da Crimeia para substituição dos antigos Su-24. Outras bases da AVMF não contarão mais com aeronaves de combate, que a partir de 2012 são utilizadas apenas pela VVS (Voyenno-Vozdushnye Sily Rossii&nbsp ou Força Aérea Russa.

Beriev Be-42
Assim como os P-3 Orion norte americanos, o Il-38 necessita de um sucessor, que até então o mais cogitado fica na proposta da Beriev, o Be-42 Albatross. Com capacidade similar ao novo P-8 Poseidon que entrará a serviço da US Navy, o Be-42 é um hidro avião anfíbio de propulsão a jato que quebrou uma série de recordes da classe na década de 90. A Rússia pós colapso da URSS não possuía verba para inciar a produção da aeronave, que até agora encontra-se parada.
Assim como o cargueiro Il-76MF evoluiu para o modelo Il-476, renascendo das cinzas após 10 anos, finalmente entrando em produção ano passado, o Be-42 pode também renascer e entrar para a AVMF. 


 
Kamov Ka-52 
O Ka-52 é um helicóptero de apoio a tropas em solo, será o sucessor do Ka-29 para os novos navios da Classe Mistral que farão parte da AVMF em um futuro próximo. Já se iniciaram os testes do Ka-52  em embarcações variadas da Marinha Rússia. 

 
Tupolev Tu-142

O Tu-142 é uma aeronave que não possui sucessores, ao menos por enquanto. Das unidades em serviço algumas do padrão M3 poderão receber cabides de míssil para o lançamento do Kh-35 Uran anti navio.

 

A estrutura da aviação naval russa até 2014

 

Frota do Norte  - Com sede em Severomorsk, faz parte do Distrito Militar Ocidental

Frota do Mar Negro  - Com sede em Sevastopol, é  parte do Distrito Militar do Sul

Frota do Pacífico - Com sede em Vladivostok, é parte do Distrito Militar do Leste

Frota do Báltico - Com sede em Kaliningrad, é  parte do Distrito Militar Ocidental

Flotilha do Mar Cáspio - Com sede em Astrakhan, faz parte do Distrito Militar do Sul

No estágio atual de desenvolvimento da aviação naval vai no sentido da construção de um novo porta aviões nuclear, melhoria de todos os tipos de aeronaves, aumentar a sua velocidade, distância e duração dos equipamentos de voo de armas guiadas com precisão, a generalização do equipamento informático, sistemas e gestão, automação de coleta, processamento e emissão de segmentação para envolver todos os alvos com alta precisão, a criação de busca e destruição de alvos de superfície e submarinos com base em novos princípios físicos, aumentando para o novo milênio sua estabilidade stealth e combate.

 

 

 

Last edited by CASTR0

A Frota Russa do Báltico realizada Exercícios táticos.

 

O Exercício Operacional Russo-Bielorrusso "Escudo da União-2015", ocorreu na Região de Kaliningrado, Khmelevka, onde a ordem do dia era o desembarque de equipamentos e tropas.

Participaram cerca de 500 fuzileiros Navais, 20  Navios Superfície, barcos e Navios de Apoio. O exercício contou também com mais de 10 Aviões e Helicópteros da Aviação Naval, 50 unidades de armas e equipamentos militares da Frota Russa do Báltico.

Nos Primeiros Helicópteros de ataque Mi-24 e caças Sukhoi Su-24 da frota de Aeronaves da Aviação Naval Russa (AVMF) deram um duro golpe no Inimigo imaginário, destruindo alvos terrestres com mísseis e bombas.

A tomada de "cabeça de praia" foi feito com o grande Navio de Desembarque "Alexander Shabalin" e Navios Anfibios Hovercraft MDK-94 "Mordovia" e "Eugene Kocheshkov", bem como os mais modernos navios de transporte e desembarque de tropas, entre eles "Serna", "Ensign Lermontov" e "Tenente -Korsakov".

Com  apoio de fogo naval composto das corvetas "Жесткая", "мужественный" и "просвещенный" (Resistente, Corajoso e Esclarecido), além de pequenos Navios e barcos de mísseis antimísseis, traineiras e navios antissubmarino. O desembarque contou com cerca de 30 veiculos BTR-82A como equipes de boca de assalto e conexão com as Forças Costeiras da Frota da Marinha.

Para Ajudar o assalto anfíbio na costa, o avanço contou com grupos de helicópteros Ka-27PS que garantiu a passagem através de áreas minadas nas praias do desembarque.

Ao mesmo tempo, o ritmo era realizado o desembarque tático de paraquedistas como parte de assalto aéreo de unidades de Infantaria da Frota da Marinha, que completaram a tarefa de capturar uma área de desembarque/pouso e proporcionar a ofensiva do assalto anfíbio.

Segue fotos do exercício conjunto da Rússia e Bielorrússia, que além de uma grande demostração de força para o ocidente, também foi considerado por muitos analistas como um ensaio Russo, para um possível desembarque na Síria e ataque terrestre ao grupo Estado Islâmico.

 

 

DM7005 dream models 1/700 Russia Navy zest class lcac

Last edited by CASTR0

Hovercraft MDK-94 "Mordovia"

 

Hovercraft MDK-94 "Mordovia"  (Project 1.232.2, o nome do relatório da OTAN "Pomornik") é uma classe de embarcações de desembarque almofadado (LCAC). Esta classe de militares hovercraft é, a partir de 2012, a maior do mundo, com um deslocamento a plena carga padrão de 555 toneladas.

O hovercraft é projetado para transporte marítimo de unidades de assalto anfíbio (como fuzileiros navais e tanques) para pontos não equipados para desembarque de navios, como praias marítimas e margens de rios.

Atualmente existem sete Hovercraft classe Zubr em serviço ativo em todo o mundo, mas com várias entrega pendentes. Há duas embarcações em serviço com a Marinha Russa, um em serviço com a Marinha ucraniana, e quatro com a Marinha grega.

Em 2009, a China fez uma encomenda de quatro navios da Ucrânia como parte de um negócio no valor de 315 milhões de USD . Duas versões atualizadas dos navios serão construídos em Feodosia Shipbuilding,  uma Companhia da Crimeia seguido por dois modelos avançados de o navio de guerra de superfície.

O Classe Zubr de desembarque tem uma área de carga de 400 metros quadrados (4.300 pés quadrados) e uma capacidade de 56 toneladas de combustível.  Ele pode transportar três tanques (até 150 toneladas), ou dez veículos blindados com 140 tropas (até 131 toneladas), ou 8 veículos blindados de massa total de até 115 toneladas, ou 8 tanques anfíbios ou até 500 soldados (com 360 soldados no compartimento de carga).

A compra do Hovercraft Kefallinia (L-180) para a Marinha grega marcou a primeira vez que um embarcação naval soviética foi construída para um membro da OTAN.

Lello posted:

Hovercraft ... Muito interessante! Desconhecia a existência! Alguém sabe se existe plasti dessa genialidade russa?!

 

Lello, não conheço, e em minhas pesquisas só achei o Dream Model que coloquei no post anterior.

abs

DM7005 dream models 1/700 Russia Navy zest class lcac

Last edited by CASTR0
CASTR0 posted:
Lello posted:

Hovercraft ... Muito interessante! Desconhecia a existência! Alguém sabe se existe plasti dessa genialidade russa?!

 

Leco, não conheço, e em minhas pesquisas só achei o Dream Model que coloquei no post anterior.

abs

DM7005 dream models 1/700 Russia Navy zest class lcac

Sim... esse eu vi no post e me interessei tbem ^_^

Sempre fui mais interessado em aeros e ferreos ... Mas depois desse tópico fiquei inclinado a apreciar nautis e militias como nunca imaginei que iria. Eu desconhecia totalmente a beleza desses equipamentos russos que tem nos apresentado com tanta maestria!

Valeu man!

muito bacana as imagens dos meios anfibios da Russia, geralmente ficamos mais focados na força de submarinos deles e nas poucas classes de escoltas mais conhecidas.

 

De fato conhecia esses LCAC deles mas não imaginava os outros meios de desembarque disponiveis.

A Rússia planeja pela primeira vez testar em condições de combate na Síria o novo caça polivalente Su-35S, informou o jornal Russo Kommersant na segunda-feira (1/02).

 

Segundo o Kommersant, o Estado-Maior Russo tomou a decisão de testar pela primeira vez em condições de combate novíssimos caças Su-35S.

“De acordo com as informações não oficiais, trata-se de quatro aviões que foram prestados em outubro-novembro do ano passado à Forças Aeroespacial Russa pela empresa de Komsomolsk-na-Amure”, disse o Kommersant.

Estes aviões primeiramente posicionavam no Distrito Militar Oriental da Rússia e depois foram deslocados para Astrakhan. Entretanto, alguns dias atrás partiram de Astrakhan e passando através o Mar Cáspio e espaço aéreo do Irã e Iraque atingiram a província síria de Latakia. Segundo um oficial do Estado-Maior Russo, agora o grupo aéreo russo na Base de Hmeymim na Síria inclui mais de 70 aviões e helicópteros.

O Su-35S é o caça de um tripulante de geração 4++ que é uma versão modernizada do caça polivalente Su-27. A Rússia visa modernizar o seu equipamento militar até 2020.

SUKHOI SU-35S FLANKER E. O exterminador Russo de 4º geração

FICHA TÉCNICA
Velocidade de cruzeiro: Mach 1,2 (1350 km/h).
Velocidade máxima: Mach 2,25 (2500 km/h).
Razão de subida: 16800 m/min
Potência: 1.14
Fator de carga: 9 Gs
Taxa de giro instantânea: 30º/s
Razão de rolamento: 240º/s
Raio de ação/ alcance: 1580 km/ 3600 km
Alcance do radar: Tikhomirov NIIP  N035E Irbis-E com 400 km de alcance
Empuxo: 2 X Lyulka AL-41F com 17500 kgf de empuxo
DIMENSÕES
Comprimento: 21,9 m
Envergadura: 15,3 m
Altura: 5,9 m
Peso: 25,3 toneladas (na decolagem com 2 R-77 e 2 R-73)
ARMAMENTO
Ar Ar: Míssil R-73 Archer, missil R-27 Alamo e missil R-77 Adder.
Ar Terra: Míssil Kh-59, missil Kh-31, missil Kh-35, missil Kh-29, missil Moskit/ Brahmos, missil PJ-10, , missil Kh-59 míssil 3M54AE Klub, missil Kh-65, Bombas guiadas Kab (todas as versões), Bombas convencionais FAB (todas as versões)
Interno: Canhão GSH-30 de 30 mm.
 
 
 
Last edited by CASTR0

Um misterioso franco-atirador começou a caçar líderes do Daesh (Estado Islâmico) na Líbia, segundo relatou o Telegraph.

 

Pelo menos três comandantes do grupo terrorista foram mortos a tiros de longa distância em um espaço de 10 dias na cidade de Sirte, provocando uma atmosfera de medo e confusão entre os jihadistas. Ainda não se sabe se o misterioso atirador é um lobo solitário ou se há uma equipe de snipers trabalhando para derrubar os comandantes do Daesh, informou o jornal britânico, citando a mídia local.
 

Na tentativa de rastrear o franco-atirador, os jihadistas começaram a prender e executar uma série de pessoas supostamente suspeitas, mas o esforço tem sido em vão: recentemente, o matador desconhecido abateu Abdullah Hamad al-Ansari, um alto comandante do Daesh da cidade líbia de Obari.

"Um estado de terror prevaleceu entre as fileiras do Daesh após sua morte. Eles atiraram aleatoriamente no ar para assustar os habitantes, enquanto procuravam o atirador", disse uma testemunha local ao site al-Wasat, de acordo com o International Business Times.

Quanto mais tempo o sniper desconhecido permanece à solta, mais o pânico se alastra entre os militantes do grupo terrorista nas ruas de Sirte. A identidade do atirador é objeto de intensas discussões on-line e entre as pessoas da cidade líbia. 

Alguns afirmam que se trata de um miliciano da cidade de Misrata, que lutou contra o Daesh no passado pelo controle de Sirte. Outros especulam que ele pode ser um atirador de elite das forças especiais dos EUA que operam na região, segundo relata o Telegraph.

Após a derrubada do governo de Muammar Gaddafi em 2011, a Líbia caiu no caos. O estado de turbulência política e social levou à expansão dos grupos extremistas islâmicos e, atualmente, existem pelo menos 5.000 militantes do chamado Estado Islâmico tentando estabelecer o “califado” no país.

Há relatos de que o Daesh tenha enviado à Líbia seu principal líder no Iraque, Abu Omar, para aumentar a influência do grupo terrorista na cidade de Sirte, bem como para preparar um asilo potencial para os líderes do Daesh que atualmente se encontram na Síria e no Iraque.

 

 

Deve ser um comando infiltrado há algum tempo. Imagina o estrago q um comando destes bem treinado vai fazer no meio dos barbudinhos....

Aproveito e pergunto. O Brasil nas suas doutrinas operacionais das Faz comtempla este tipo de atividades, os atiradores de elite?

Obrigado a todos pela atenção.

CORREA posted:
FІЯЭFФЖ posted:

Não acredito que o YA-9 seria melhor que o A-10, e o Su-25 não é nem de perto tão capaz quanto o A-10, mas...

...ambas são demais pro cenário em que estão operando. Foram criadas como "caça-tanques", e o que menos fazem, atualmente, é caçar tanques. São caras, pesadas e rápidas demais para reconhecimento armado, ataque contra-insurgentes e apoio às tropas.

O canhão do A-10 é fenomenal, mas é como matar formigas com tiros de fuzil. Mesmo o canhão do Su-25 é demais pro cenário que opera.

Uma aeronave como o Super-Tucano ou seus equivalentes (pra não ser "bairrista") seria muito mais apropriada. 

Fala-se de sua aposentadoria pra desviar os gastos para o programa F-35, mas discute-se "à boca pequena" que o ideal seria a compra de anvs leves de ataque.

Um Super Tucano?????  Tá sendo bairrista demais. O canhão do A10, como dizem nas FFAA, bate zona e não alvo, aliás, esta é a diferença básica entre forças policiais e militares. E outra, com os dispositivos de mira hoje, atingem o alvo e o que estiver próximo.

Na verdade, existe um estudo de uns oficiais americanos (US Marine) defendendo a aquisição do Super Tucano para apoio aéreo aproximado, em vez de usar F-35B.

Last edited by Hartmann
Destino posted:

Deve ser um comando infiltrado há algum tempo. Imagina o estrago q um comando destes bem treinado vai fazer no meio dos barbudinhos....

Aproveito e pergunto. O Brasil nas suas doutrinas operacionais das Faz comtempla este tipo de atividades, os atiradores de elite?

Obrigado a todos pela atenção.

Sim. No EB, os batalhões de infantaria podem ter duplas de caçadores integrados à Cia de Comando. Inclusive os Batalhões de Infantaria de Selva vêm desenvolvendo estágios para caçadores (como os snipers são denominados no EB). As unidades de ForEsp também fazem emprego de caçadores. Agora, o termo "atirador de elite" não é usado no Brasil. Existem os caçadores (atirador/observador, que correspondem ao sniper/spotter) e existe o chamado atirador de escol, que é escolhido entre os melhores de uma unidade de infantaria e usa um fuzil regular (ParaFAL ou - agora - o Imbel IA2) dotado de luneta. Os caçadores do EB usam fuzis especiais, com ação mauser, como o AGLC nacional e armas importadas. O Corpo de Fuzileiros Navais, unidades especiais da FAB como em alguns BInFA, ParaSAR, GruMeC e outras unidades de ForEsp usam snipers também.

Governo americano continua a implementação de contratos para a produção dos bombardeiros F-35 Lightning II de quinta geração. 

Apesar da implementação dos contratos, o Pentágono ainda não sabe determinar com precisão a verdadeira capacidade da aeronave e sua utilização, informa a publicação digital The Fiscal Times.
 

Segundo um relatório publicado por J. Michael Gilmore, diretor do escritório de teste e avaliação operacional no Departamento de Defesa, as datas para o início dos testes militares do F-35 já foram adiadas em mais de um ano, e a previsão agora para agosto de 2018.

Ainda assim, mais de 500 aeronaves podem ser produzidas antes do fim dos testes. A lista final de modificações ao modelo básico que serão requeridas pelas forças armadas continua indefinida.

O Fiscal Times chamou o F-35 de “caça problemático do futuro do Pentágono.” Enquanto os testes continuam, as empresas contratadas pelo governo federal produzirão cerca de 500 caças ao custo de cerca de US$ 100 milhões cada “antes que o Departamento de Defesa saiba com certeza o que o avião pode fazer e o quais serão suas utilidades.”

O F-35 está sendo produzido nos moldes do programa Joint Strike Fighter (JSF), ou Caça de Ataque Conjunto, projetado para economizar dinheiro do orçamento com a criação de um único modelo que pode ser utilizado por todas unidades das forças armadas americanas. 

Ainda assim, o estouro do orçamento original, bem como o não-cumprimento dos prazos do JSF, tornou o programa um desastre. O conceito de "bombardeiro único” se perdeu porque cada unidade quer adaptar a aeronave a seus requisitos específicos de missões de combate. 

Especialistas australianos estão preocupados com o desempenho do caça norte-americano F-35 em um hipotético, porém possível, encontro em combate com o mais novo caça russo de quinta geração Sukhoi T-50, escreve o portal de notícias News.com.au. Abaixo o Sukhoi T-50

 

"Conseguiria o australiano F-35 de produção norte-americana dar conta do russo T-50 ?" – pergunta o autor do artigo – "A julgar pelos vídeos sobre o caça russo, que supera consideravelmente as capacidades de manobra do F-35, possivelmente, não" – conclui.

Caça PAK FA em vôo.
 
Na opinião do autor, o Sukhoi T-50  é "a última encarnação da doutrina russa da aviação de combate". Ele destaca ainda que o sucesso da moderna aviação da Rússia também foi comprovado pelos caças Indianos de produção Russa Su-30, que em um recente exercício de combate não deram a menor chance ao caça inglês Typhoon, com um placar final de 10x0 a favor dos pilotos indianos. Abaixo o Su-30.
 

A publicação também cita o relatório "revelador" de um piloto de testes norte-americano alegando que o novo F-35, cujo programa de desenvolvimento e modernização é avaliado em torno de 400 bilhões de dólares, possui muitos problemas e é inferior em combate ao F-16D, usado ativamente nos anos 1980. F-16 visto abaixo

Ao mesmo tempo, espera-se que em 2017 a Rússia inicie a produção em serie de seu primeiro caça de quinta geração, o Sukhoi T-50 PAK FA (abaixo).

“O único verdadeiro caça de quinta geração em operação atualmente é o F-22. Conhecido como Raptor, o F-22 foi extremamente caro e sabidamente pouco confiável. O Pentágono tem menos de 200 deles. O Congresso parou de financiá-lo em 2009, em parte porque imaginava-se que o F-35 estava a caminho”, escreveu Gilmore. Abaixo o F-22

Ou seja, até que todos problemas do F-35 sejam solucionados, o caça bombardeiro mais avançado do mundo pertencerá a Moscou, concluiu Gilmore. Segue imagens do Sukhoi T-50

1/48 F-22 e F-35B

Last edited by CASTR0