Olá pessoal,

Abri este tópico pois estou retomando uma montagem parada há 10 ou 12 anos.

Vou precisar de uma ajuda para recuperar algumas técnicas e práticas enferrujadas.

Minha intenção é de fazer com o pouco tempo de modelagem que tenho.

Assim, as postagens serão muito ocasionais.

Outro ponto será usar o material que já tenho. não pretendo adquirir alguma coisa pois tem bastante.

As fotos vou ver como posso postar melhor, pois sou um traste para fotos e postagens. Coisa de idoso....
O kit é o clássico Hornet waterline da Tamyia 1/700.

Além dele tenho PEs da GMM para aircraft carrier, bem como figuras e folha de decal.

Já tinha iniciado a montagem das peças maiores.

Mas vou ter de fazer muita coisa por conta.

Finalmente, resolvi tomar coragem de postar aqui, para ter uma forma de estímulo moral para continuar até acabar o porta aviões.
Farei por partes, até porque a quantidade de PEs é enorme.

Ainda não voou nada para o buraco negro de PE, mas quero evitar o possível.

Sei que o Paulo é o gigante das embarcações por aqui e vou perturbar ele um pouco.

Sugestões sempre serão muito bem vindas e críticas também.

 

 

Original Post

Bem,
Consegui colocar as fotos, via Flickr.
Tive de aprender de novo, pois não conseguia enviar...
Abaixo tem os frets dos PEs
E uma foto de minha primeira tentativa de colar o PE na ilha.
Espero manter o ânimo e terminar esta aventura...

Coisas já feitas :
1. Deck com peças coladas
2. Estrutura toda colada
3. Ilha com metade colada e outra parte encaixada (dá para separar em duas partes)
4. Aviões B25 ficam pro final (terão hélices e rodas)

Imagino pintar ilha, deck e hull e depois colar os PEs
O que orientam?

Bucha: os decais estão amarelados e o papel por trás mofou...

 

 

 

 

Normalmente eu colo o máximo possível de PEs antes da pintura. Digo aqueles que não corram o risco de levarem uma pancada da mão durante as fases de montagem após a pintura. Por exemplo, algumas amuradas podem ser colocadas antes da pintura. Outras depois. A única diferença é que quase sempre é necessário retocar a pintura daquelas coladas após a pintura.

Já as peças menores, como canhões, metralhadoras, mastros, radares, guindastes, botes e aeronaves devem ser pintados separadamente e colados ao final.

Sobre os decals, o Hornet tinha marcas simples, no caso duas faixas brancas no convés de vôo. Seria o caso de mascarar e pintar,

[  ]s

paulors posted:

Normalmente eu colo o máximo possível de PEs antes da pintura. Digo aqueles que não corram o risco de levarem uma pancada da mão durante as fases de montagem após a pintura. Por exemplo, algumas amuradas podem ser colocadas antes da pintura. Outras depois. A única diferença é que quase sempre é necessário retocar a pintura daquelas coladas após a pintura.

Já as peças menores, como canhões, metralhadoras, mastros, radares, guindastes, botes e aeronaves devem ser pintados separadamente e colados ao final.

Sobre os decals, o Hornet tinha marcas simples, no caso duas faixas brancas no convés de vôo. Seria o caso de mascarar e pintar,

[  ]s

Me preocupa o mascaramento da camuflagem.
Daí que pensei em não colar os PE

Lussari,

Bem vindo ao Clube dos Kitmúmias! Sempre prontos a serem desenterrados num armário perto de vc.

Tenho um Enterprise há anos encalhado com modificações extensas, adequando-o ao ano de 1944 - após estudar e analisar bastante material, concluí que o kit é uma mistura do original com detalhes que vão de 1941 a 1944. Combinei um Enterprise com um Hornet para alterar a ilha reformada em 1943 (que ficou parecida com o do irmão mais novo), refiz posições de canhões de 40mm (os do kit são os mesmos para ambos - os "Chicago's Pianos", quádruplos de 28mm/1,1"); um poço de elevador descente para o de ré; um convés de hangar inteiro, e assim vai.

Sua escolha de materiais para detalhar o mesmo é muito boa, mas digo que não precisa se preocupar muito com os decais da GMM amarelados. Segundo as referências que tenho, e o link da Navsource que o Paulo indicou é excelente, verá que eram pouquíssimas as marcações no convoo dele, tanto durante o Raide do Dollitle quanto em Midway. Basicamente, apenas as linhas pintadas para guiar os B-25 na decolagem.

E um detalhe importante, nessa época os porta-aviões americanos não tinham os números pintados no convoo, pois facilitaria muito aos japoneses identificar contra quais navios estavam combatendo.

Boa sorte, termine esse bicho!

Acompanhando.

Abs,

Luciano

Valeu Luciano,
Meu objetivo é terminar este bicho sem muito exagero com exatidão.
Minhas limitações e a tendência de empurrar com a barriga, faz da tentativa de superdetalhar um risco de parar de novo.
Vou fazer o mais próximo da época do raid Dollitle.
Pintar as linhas ou aproveitar os decais será suficiente.
Menos decais, melhor.
Uma coisa que fiz e que vou testar na próxima mexida é que passei ACC nas janelas redondas da frente da ilha, pois estão horríveis.
Depois lixo e faço a furação com uma broca.
Fica mais aceitável.
A junção da parte superior das janelas com a peça de baixo, fez das escotilhas redondas um conjunto de portais em arco.

Lussari posted:

Valeu Luciano,
Meu objetivo é terminar este bicho sem muito exagero com exatidão.
Minhas limitações e a tendência de empurrar com a barriga, faz da tentativa de superdetalhar um risco de parar de novo. (1)
Vou fazer o mais próximo da época do raid Dollitle.
Pintar as linhas ou aproveitar os decais será suficiente.
Menos decais, melhor.
Uma coisa que fiz e que vou testar na próxima mexida é que passei ACC nas janelas redondas da frente da ilha, pois estão horríveis.
Depois lixo e faço a furação com uma broca.
Fica mais aceitável.
A junção da parte superior das janelas com a peça de baixo, fez das escotilhas redondas um conjunto de portais em arco. (2)

Oi, Lussari.

(1) - 2!

(2) - Pior que vc tem razão...

 

Avanços minúsculos no fim de semana, mas avançou.
Passei um pouco de ACC nos arcos das vigias, lixei e furei com uma broquinha equivalente.
Não consegui um bom alinhamento, mas está satisfatório.
Vou ver se não ficou uma valeta, pois aparenta ser transparência do ACC.
Também colei alguns PEs na estrutura superior da torre (me corrijam se souberem o termo técnico).

PEs colados: 6
PEs acumulados: 8 

Ainda não colei o mastro das antenas nem todos os andares da ilha.
Acho prudente avançar com a colagem ds corrimãos por andar.
Sugestões bem vindas.

Estou avaliando em fazer a antena dos radares SK.
Depois farei os corrimãos e escadas.
Podem sugerir como fazer portas para esta ilha.
Preciso de fazer algumas na parte de trás, junto à escadaria.
Por enquanto é só pessoal...

Está indo muito bem.

Existem folhas de PEs só com portas. Existem portas nas folhas que vc está usando? Caso negativo, faça portas cortando os excessos de metal dessas folhas. Vc pode calcular o tamanho usando como referência as portas em alto relevo do kit. Já fiz muito isso.

[   ]s

paulors posted:

Está indo muito bem.

Existem folhas de PEs só com portas. Existem portas nas folhas que vc está usando? Caso negativo, faça portas cortando os excessos de metal dessas folhas. Vc pode calcular o tamanho usando como referência as portas em alto relevo do kit. Já fiz muito isso.

[   ]s

Paulo,

 

Não tenho nas folhas de PE as portas.
Vou pensar na dica de fazer com o excesso de metal da folha, ou fazer um estireno, se achar mais fino.
Quanto a colocar as amuradas na ilha, vou fazer depois.
Acho que primeiro vou fazer os SK.
Uma coisa que me chamou atenção foi o tamanho do radar que a Tamiya colocou no kit, minúsculo.
Ainda estou me adaptando a cortar e manusear os PE.
Outra questão, colei os yardarm direto no no braço do mastro.
Seria questão de remover e colar só o PE?

Isso! Estireno fino é outra boa opção para essas portas.

Sobre os yardarms, eu faço da mesma maneira que vc fez. Colo na parte inferior ou na frente do braço. Tentei uma vez usar só o PE e ficou muito frágil. Dobrava a toda hora.

Sobre as amuradas, pode ser depois sim.

[  ]s

Lussari posted:

Tentei recomeçar hoje.
Fui fazer a base do radar SK37 e ela voou para o buraco negro...

Tive de guardar tudo e dar um refresco, depois de procurar em vão, buracos, caixas, na roupa...

 

Lussari, poste foto do que foi perdido, ou ao menos das instruções que mostre qual é . Tenho sobras da Skywave aqui que podem te ajudar.

Depois conversamos sobre dúvidas do que vc postou.

Lussari posted:

Luciano,
Vou verificar, pois tenho duas folhas: uma de porta aviões e outra de navios em geral, ambos da GMM.

É que toma tempo fazer isso e tenho pouco tempo de modelagem.
Depois tem o tempo de arrumar e guardar, bem como procurar a perdida...

Vamos aguardar destampar a caixa de Pandora de novo.

2

Hoje é sábado e feriado aqui em Presidente Prudente-SP.
Depois de uma semana movimentada, consegui um tempo para relaxar.

Resolvi montar o circo e ver o que podia fazer para recompor a perda anterior.
Eis que antes de verificar se a folha de navios tinha o sobressalente do radar, ao esvaziar a tampa da caixa, lá estava ela sorrindo para mim.

Não tinha ido para o buraco negro, mas foi brincar de esconde esconde...

 

Ao retomar as modelagens peguei as partes de plástico e coloquei para verificar.

O radar da GMM instalado e o radar da Tamyia (peça 24).
Quase não dá para perceber a diferença.
Creio que o tamanho pequeno seja outra versão ou um recurso de não fazer algo enorme na escala e chamativo.
Com a palavra os universitários experts no ramo.

 Da mesma forma, comparado os radares SK37 da GMM e da Tamyia.
Novamente, tem de observar muito bem, para distinguir a diferença.

Depois de algumas torturas e tentativas de homicídio (ou etchcídio), consegui montar os dois SK37.

 

O próximo passo foi verificar as bases dos radares.
O furo tinha de ser tampado e optei por colar a peça original do radar, cortar e lixar o topo.
Curioso é que a peça ficava dançando dentro do buraco.
Nem acreditei que era Tamyia...

Notei que o topo é bem pequeno e a base em PE do radar terá se ser dobrada um pouquinho, para ficar sobre a estrutura do radar.
Parei por aqui...
Aí resolvi colar umas escadas...
Uma no mastro da chaminé.
Uma na base do radar CMAX
Uma no mastro atrás do radar CMAX
Duas em cada lado da base do radar SK37
Uma atrás da chaminé, para acesso ao topo.

 

PEs colados: 14
PEs acumulados: 22 

Agora vou dar um tempo até surgir oportunidade para continuar...


Afinal, tudo pode ser feito com calma e com segurança.

Até...

Sobre a diferença no tamanho da antena do radar, acredito que são tipos diversos. O que vc montou em PE é o CXAM e o da Tamiya me parece ser um SC, cuja antena era bem menor.

Sobre os PEs, colo os meus com Super Bonder Gel e eles resistem bem à pintura, mesmo com aerógrafo. Ficam bem firmes.

[  ]s

paulors posted:

Sobre a diferença no tamanho da antena do radar, acredito que são tipos diversos. O que vc montou em PE é o CXAM e o da Tamiya me parece ser um SC, cuja antena era bem menor.

Sobre os PEs, colo os meus com Super Bonder Gel e eles resistem bem à pintura, mesmo com aerógrafo. Ficam bem firmes.

[  ]s

Entendi sobre os radares. A diferença é muito grande.
Sobre a pintura, fiquei na dúvida sobre como lavar antes de pintar.
Pois o manuseio e poeira podem impregnar...

Eu raramente lavo meus kits e sempre antes de começar a montagem. Por outro lado, sempre que posso uso luvas de procedimento (vendidas em caixas de 100 unidades em casas de material hospitalar) ao manusear os kits. Depois de pintar eu SEMPRE uso essas luvas, para evitar impressões digitais na escala 1/1.

Me dou bem com as de vinil, tamanho M, com uma leve aplicação de talco no interior para facilitar a colocação.

[  ]s

15 minutos de tempo e consegui colar os radares nas bases, depois de descolar um deles e voar por aí.
Achei e colei de novo a peça fujona.
Aí colei nas bases, depois de ajustar as pernas da antena para a base.

Por ser um projeto simples, não terá mais peças impactantes na ilha.
Entretanto, tem diversas amuradas, escadas e portas a serem colocadas.
Estou me concentrando exclusivamente na ilha no momento.

paulors posted:

Eu raramente lavo meus kits e sempre antes de começar a montagem. Por outro lado, sempre que posso uso luvas de procedimento (vendidas em caixas de 100 unidades em casas de material hospitalar) ao manusear os kits. Depois de pintar eu SEMPRE uso essas luvas, para evitar impressões digitais na escala 1/1.

Me dou bem com as de vinil, tamanho M, com uma leve aplicação de talco no interior para facilitar a colocação.

[  ]s

Agora que já comecei, devo deixar de molho em água com detergente e depois enxaguar bem.
Vamos ver o que posso fazer, sem destruir o que está feito.
Mas é uma dica para a próxima etapa.


Abç

Continuando as mexidas na ilha.
No tempinho de hoje, fiz as portas traseiras com plástico e colei as escadas.
As escadas não ficaram exatas, mas aceitáveis.
Comparado às fotos e à grossura do piso do plástico, tem variação de um andar para o outro.
O espaço é pequeno, mal cabe a porta e a escada.
Também dá para ver a escada vertical que foi colada para acesso do topo da chaminé.




Outro ajuste foi as janelas quadradas laterais que estavam tortas.
Removi e colei de novo, ficaram imperceptíveis e alinhadas com os elementos vazados.


PEs colados: 4
PEs acumulados: 26
Scratch: 4

Aos poucos vai ficando legal.

Na semana passada fiz pouco progresso, mas acabei colando umas travessas (apoio) na torre de antenas, conforme fotos.
Tentei fazer com plástico, mas ficou muito grosso.
Aí observei a folha de PE de navios em geral e vi as cordas e polias de barcos, cortei o segmento de cordas e colei na travessa.

Hoje caminhei mais um pouco com os trabalhos na ilha.
Primeiro, colei as peças da ilha, que cada vez que separava um escada descolava.
Em seguida, resolvi colocar duas colunas nas plataformas das escadas, atrás da ilha.
Precisava de algo fino, devido à escala.
Tente perfil de plástico da Evergreen, mas ainda era muito grosso.
Aí voltei para as amuradas e vi a de poço de elevador, aue parece uma escada, cortei um segmento e removi os "degraus".
Separadas, forma coladas as colunas.

Depois colei minha primeira amurada, formando a volta toda até as escadas.
Finalmente coloquei as amuradas dos dois andares de baixo.

Não é trabalho para gente normal...

 


Coloquei os mastros para tirar a foto e ter uma geral da criança.
Mastros, radares e chaminé ainda estão soltos.

O próximo passo será colocar as demais amuradas da ilha, pois tem muito recorte e curvas.
Coisas que consomem tempo demais.

PEs colados: 5
PEs acumulados: 31
Scratch: 4

paulors posted:

A 1/700 é assim mesmo - uma batalha atrás da outra. Só que o resultado final mais do que compensa.

[  ]s

Paulo
Uma dúvida:
Como as amuradas são altas eu colei na fachada do corredor, pois ficariam muito altas se fossem coladas no topo, parecendo uma parede.
Vendo as fotos, o piso dos andares aparenta mais baixo.
Aí tem de fazer algumas escolhas...
A estratégia está adequada?
Grato,

Lussari,

Sua opção foi correta, pois esse é um problema comum. Só em alguns poucos casos os fabricantes incluem amuradas mais baixas, justamente para esses pisos superiores. Quanto à grossura dos pisos, é outro problema comum. Aliás, não só com os pisos, mas tb, por exemplo, com as amuradas sólidas em volta das posições dos canhões. A opção seria removê-los e substituir por outros em estireno bem fino. Já vi gente fazendo isso, mas até agora preferi deixar passar, pois o risco de danificar as áreas adjacentes é muito grande. Seria o caso com a ilha de seu porta-aviões. Já no caso das amuradas sólidas em volta dos canhões, já consegui substituir com sucesso.

[  ]s

Aliás, uma coisa a ser perseguida na 1/700 é afinar, sempre que possível, certos detalhes que são muito pesados em função das limitações do processo de injeção. Por exemplo, mastros, antenas, paus de bandeira e canos de canhões. Não existe uma regra ou uma obrigatoriedade. É ir observando e descobrindo tudo aquilo que pode ficar mais leve. Arames finos e canos em metal ajudam demais a obter um resultado melhor. Isso sem falar nos PEs que, como vc deve estar observando, permitem um nível de delicadeza impossível no estireno.

[  ]s

Concluí a colocação das amuradas na ilha.
Os mastros e radares estão apenas encaixados.
Cola só no final.
Ficou bom, por ser minha primeira incursão com PE na 1/700.

 

 

A próxima etapa serão os guindastes e alguns itens do deck.
Em seguida os canhões e metralhadoras.

PEs colados: 10
PEs acumulados: 41
Scratch: 4

paulors posted:

Aliás, uma coisa a ser perseguida na 1/700 é afinar, sempre que possível, certos detalhes que são muito pesados em função das limitações do processo de injeção. Por exemplo, mastros, antenas, paus de bandeira e canos de canhões. Não existe uma regra ou uma obrigatoriedade. É ir observando e descobrindo tudo aquilo que pode ficar mais leve. Arames finos e canos em metal ajudam demais a obter um resultado melhor. Isso sem falar nos PEs que, como vc deve estar observando, permitem um nível de delicadeza impossível no estireno.

[  ]s

Grato pelas palavras de incentivo.
Como estou indo com calma e fazendo com o que tenho, vou seguir a orientação de fazer o que os limites das minhas habilidades permitem e quando o suficiente está suficiente.
Dá vontade de fazer algumas mexidas mais substanciais, mas a falta de tempo e habilidade me fazem ir pelo caminho da prudência.
Aos pouco vou perdendo o medo e receio e me sentindo seguro em fazer algo a mais.

Quanto às amuradas sólidas dos canhões, preferi deixar assim mesmo, por enquanto, pois os locais implicam em risco aos detalhes em volta.
Abç

 

Ficou muito bom. Vc se saiu muito bem em dois pontos difíceis - as escadas na parte de trás da ilha e as passarelas ao redor do topo da chaminé.

Na 1/700 é preciso saber quando parar em termos de detalhamento. Os fabricantes de PEs enfiam o que podem em seus produtos e algumas coisas são, pelo menos para mim, impossíveis de utilizar. Coisas muito pequenas, minúsculas mesmo, ou sem a rigidez necessária para permanecer no lugar. Nessas horas eu esqueço delas e toco em frente.

[  ]s

Seguindo a montagem, pouca coisa, porém itens miúdos.

Colocada amurada e a as metralhadoras quádruplas e "respiro" da frente da ilha.
Também colados os ganchos dos guindastes.
Na grua do deck lixei o plástico do topo e substituí com uma amurada circular.
Colado o cabo da polia no topo da grua, um corrimão na parte inclinada.
Também foi colada uma escada de acesso ao topo da grua.
Tem um "caixão" com uma amurada sobre ele. Deve ser cabine de equipamentos.
Assim, termina as peças sobre o deck.
A próxima fase será amuradas e escadas no deck.
Depois o acabamento do casco, que tem muitas amuradas e escadas, metralhadoras de monte...


PEs colados: 10
PEs acumulados: 51
Scratch: 4

Mais uma etapa concluída: colocação das amuradas no deck.
Deu trabalho, pois são pequenas e muito recortadas.
Algumas precisaram ser dobradas e outras descolaram a medida que vai ficando mais difícil por onde pegar o conjunto.
O que me impressionou foi o rápido consumo de amuradas da folha de PE.
Se bobear tem de comprar mais de um conjunto, para dar conta das amuradas.



Mal dá para ver, mas coloquei escadas em cada lado da amurada da proa.

Próxima etapa amuradas e outros detalhes do casco.

PEs colados: 27
PEs acumulados: 78
Scratch: 4

Paulo,

Como será uma montagem livre, agora no casco terei algumas ações.
1. Vou colar correntes e âncoras da GMM.
É melhor colar agora ou depois de pintado?
2. Fica estranho usar amurada de três linhas, no lugar da de quatro linhas nas partes interiores das baias do casco?
Como terá barcos e outros detalhes que desviam a atenção, daria para "passar".
3. Tem alguma sugestão apra lavar as peças sem descolar os PEs?
É uma tortura perder, achar e colar de novo estes mosquitinhos.

Grato,

Incluir Resposta

Curtidas (0)
×
×
×
×