Este é um tópico apenas para descontrair um pouco e trocar experiências.

No meu caso, até hoje o maior arrependimento é o de não ter tempo suficiente para montar tudo que tenho.  Ainda acho que viverei bastante, mas de vez em quando bate um arrependimento de ter comprado muitos kits e ver todas as caixas empilhadas e não ter tempo para fazer tudo.

Abrssss,
A Raguenet

Original Post
Colegas,
 
Há uns 5 anos, reformei o apartamento e os novos móveis limitaram meu espaço, me obrigando a vender rapidamente, o equivalente a 50 modelos grandes.
 
Em alguns meses, foram-se 17 caixas pequenas, 16 médias e 31 grandes, incluindo quase tudo que não fosse 1/35.
 
Embora quase todos tenham sido comprados "quando o preço era metade dos de hoje", na hora vender "não foram muito além disto".
 
Eu já sabia que se me arrependesse, provavelmente pagaria acima do que vendi, mas nunca os atuais "acima do dobro", também não contava em jamais reencontrar alguns.
 
PlastiAbraços

Não me lembro... Acho que nenhum.

Tive uma infância excelente onde fiz contato com o primeiro kit, um perdido Spitfire na gaveta de uma máquina de costura. Depois esqueci e fui para outros brinquedos, mas sempre tinha aviões por perto.

Fiz contato novamente com o plastimodelismo na hora certa, com bons fóruns (principalmente a WK) e fiz novos amigos, apesar da distância. Aprendi muito aqui! 

Apesar de mais caros, estou feliz com os modelos produzidos hoje, são muito melhores. Vendi meus kits antigos na hora certa e hoje eu compro e monto os novos modelos!

Trabalho em casa e minha bancada está atrás da minha mesa de pintura!  

Acho que meu único arrependimento é ter começado tarde no plastimodelismo. Desde adolescente, pratiquei muito o Aeromodelismo (elástico, UC e RC). Somente após ter terminado meu mestrado em 2008 que comecei o plasti a mil.

Hoje, tenho meu tempo todo ajustado e dentro das minhas mil tarefas diárias finalizo em média um kit por mês. A meta é sempre fuçar em algo antes de dormir. Funciona pessola.

Monto de tudo e em todas as escalas (aviação, militaria, naval, ficção, e etc). Sem frescuras ... o importante é cola no estireno!

Acho que num futuro próximo posso me arrepender de ter sido muito cricri e perfeccionista no hobby e de não ter terminado 2 kits ao mês. Na busca do weathering perfeito  ...

Foram vários...

1º. Ter me desfeito da minha coleção de kits montados da Revell brasileira;

2º. Ter parado por 10 anos (1993 até 2003);

3º. Ter comprado mais kits do que talvez consiga montar, neste caso é ruim e ao mesmo tempo é bom, com a crise de hoje em dia meu estoque está repleto de kits, no mínimo pelos próximos 10 anos.

4º. Não ter utilizado Acrilex antes...

alguns poucos...

  • ter começado a montar alguns kits bons sem ter experiência suficiente
  • perdido a paciência em algumas montagens
  • ter emprestado uns kits meio raros para um colega modelista que queria "copiar em resina"...
  • perdido tempo com alguns kits ruins para ganhar experiência mas que no final acrescentaram mais frustração que conhecimento

Do resto não me arrependo, como testar materiais alternativos, comprar kits de modelos que não eram exatamente meus favoritos, etc

Rogerio77 posted:
Daniel Iscold posted:

Ter gasto tanto dinheiro com o hobby... podia ter gastado menos dinheiro ao comprar kits 

Gostaria que o conterrâneo desenvolvesse o tema, muito me interessa saber como.

Fiquei curioso também. Tipo, aproximadamente quanto do teu orçamento tu comprometeu com o hobby ao longo destes anos? 2%, 5%, 8%, 10%, 20%...?

Meu maior arrependimento esqueci depois da última compra...

Acho que foi não ter montado mais.
Mas toco o modelismo como um todo.
Estar aqui no fórum é uma forma de modelismo (mental).
Falta de tempo, dinheiro, paciência, modelagem, leitura...
Tudo é uma questão de escolha.
Com a idade parei de me preocupar com arrependimentos, pois traz nostalgia, e nostalgia é ruim para a saúde.
Tenho muitos kits, conservados impecavelmente.
Se montar, tudo bem.
Se não montar, tudo bem.
Arrepender de ter feito um erro ou engano é uma forma de aprendizado.

Tive duas lojas de plasti, a Cia do Modelismo que abri em 1998 e saí da sociedade em 1999 e a Roger Hobby em 2000/2001. Pois o meu maior arrependimento foi ter aberto a segunda loja, em menos de um ano me afundei em dívidas que levei anos pra quitar. Mas, se não abrisse, ia ficar o resto da vida achando que deveria ter tentado ... 

Vários, vendi vários kits dos quais hoje eu me arrependo, como o Focke-Wulf Ta-154 1/48 da Revell (molde Dragon), tive um puta trabalho para tê-lo, inclusive enfrentar fila de banco para fazer pagamento para o vendedor, e em pouco tempo por questões de  espaço e financeiras acabei vendendo-o,  e um Ju-87R Stuka 1/48 da Promodeller (molde Hasegawa) além de um Focke-Wulf A 1/48 Weekend da Eduard (para o qual comprei decais, PEs e outros aftermarkets) tenho ainda uma grande coleção, mas, se pudesse voltar atrás no tempo não faria essas negociações

 

Rubens posted:
Colegas,
 
Há uns 5 anos, reformei o apartamento e os novos móveis limitaram meu espaço, me obrigando a vender rapidamente, o equivalente a 50 modelos grandes.
 
Em alguns meses, foram-se 17 caixas pequenas, 16 médias e 31 grandes, incluindo quase tudo que não fosse 1/35.
 
Embora quase todos tenham sido comprados "quando o preço era metade dos de hoje", na hora vender "não foram muito além disto".
 
Eu já sabia que se me arrependesse, provavelmente pagaria acima do que vendi, mas nunca os atuais "acima do dobro", também não contava em jamais reencontrar alguns.
 
PlastiAbraços

Taí uma coisa da qual não me arrependo: ter vendido vários kits.  Mas vendi mesmo.  Muitos eram antigos e do meu falecido pai.  Com o tempo passando, percebia que seria difícil montá-los pois estavam sendo substituídos por moldes mais precisos de outras marcas.  Então decidi vender.  Talvez amanhã eu possa sentir a necessidade de montar um em especial, mas se olhar pelo lado prático, cada vez mais nós temos ofertas de kits mais completos e com moldes cada vez mais precisos.

Abrsssss,
A Raguenet

ARaguenet posted:
Rubens posted:
Colegas,
 
Há uns 5 anos, reformei o apartamento e os novos móveis limitaram meu espaço, me obrigando a vender rapidamente, o equivalente a 50 modelos grandes.
 
Em alguns meses, foram-se 17 caixas pequenas, 16 médias e 31 grandes, incluindo quase tudo que não fosse 1/35.
 
Embora quase todos tenham sido comprados "quando o preço era metade dos de hoje", na hora vender "não foram muito além disto".
 
Eu já sabia que se me arrependesse, provavelmente pagaria acima do que vendi, mas nunca os atuais "acima do dobro", também não contava em jamais reencontrar alguns.
 
PlastiAbraços

Taí uma coisa da qual não me arrependo: ter vendido vários kits.  Mas vendi mesmo.  Muitos eram antigos e do meu falecido pai.  Com o tempo passando, percebia que seria difícil montá-los pois estavam sendo substituídos por moldes mais precisos de outras marcas.  Então decidi vender.  Talvez amanhã eu possa sentir a necessidade de montar um em especial, mas se olhar pelo lado prático, cada vez mais nós temos ofertas de kits mais completos e com moldes cada vez mais precisos.

Abrsssss,
A Raguenet

ARaguenet
 
Concordo, como disse não me arrependo da maioria, mas como citei alguns nunca mais reencontrei, por exemplo:
 
Academy 13203 M4A2 Sherman Marines
Fora de linha, comprei um DML (sem Wading Gear).
 
AFV Club 35S07 M10 Wolverine with Bonus Parts
Bonus só nos primeiros, comprei um Academy (sem Bonus)
 
DML 6807 U.S. M4A3 Sherman 105mm HVSS Flame
Fora de linha, comprei outro Academy (sem Flame).
 
Nos 3 casos acima obtive kits mais modernos, mas no geral de qualidade inferior e que me custaram muito mais do que obtive vendendo os originais. E salvo pelo novo M10 Tamiya, não existem kits muito melhores destes modelos 
 
Já estes abaixo provavelmente nunca mais vou ver, ou se encontrar, deverão me custar mais do que acho que valem:
 
Commando5 3503 NSU/Fiat 508 (1/35)
Tamiya MT133 German SdKfz 7 8T (1/35 Vintage Motorizado)
Matchbox PK451 Packard Victoria 1928 (1/32)
Monogram 3601 Deep Ocean Transport (1/32)
Revell Kiko H1407 German Porsche Carrera RS (1/25) 

Como meu foco hoje é mais 1/35, não me fazem falta (exceto talvez pelo NSU), mas se fizessem, o arrependimento seria enorme...
 
Em resumo, se vendi 64 mas devia ter mantido 3, então meu grau de arrependimento gira em torno de apenas 5% 

PlastiAbraços
Rubens posted:
ARaguenet
 
Concordo, como disse não me arrependo da maioria, mas como citei alguns nunca mais reencontrei, por exemplo:
 
Academy 13203 M4A2 Sherman Marines
Fora de linha, comprei um DML (sem Wading Gear).
 
AFV Club 35S07 M10 Wolverine with Bonus Parts
Bonus só nos primeiros, comprei um Academy (sem Bonus)
 
DML 6807 U.S. M4A3 Sherman 105mm HVSS Flame
Fora de linha, comprei outro Academy (sem Flame).
 
Nos 3 casos acima obtive kits mais modernos, mas no geral de qualidade inferior e que me custaram muito mais do que obtive vendendo os originais. E salvo pelo novo M10 Tamiya, não existem kits muito melhores destes modelos 
 
Já estes abaixo provavelmente nunca mais vou ver, ou se encontrar, deverão me custar mais do que acho que valem:
 
Commando5 3503 NSU/Fiat 508 (1/35)
Tamiya MT133 German SdKfz 7 8T (1/35 Vintage Motorizado)
Matchbox PK451 Packard Victoria 1928 (1/32)
Monogram 3601 Deep Ocean Transport (1/32)
Revell Kiko H1407 German Porsche Carrera RS (1/25) 

Como meu foco hoje é mais 1/35, não me fazem falta (exceto talvez pelo NSU), mas se fizessem, o arrependimento seria enorme...
 
Em resumo, se vendi 64 mas devia ter mantido 3, então meu grau de arrependimento gira em torno de apenas 5% 

PlastiAbraços

Ah tá... entendi.  Confesso que já fui assim, de não querer vender alguns kits com medo de não achá-los mais.  Mas logo me desfiz dessa crença.  E até hoje, não me arrependo dos que eu já vendi.  Na real eu era reticente ao extremo em querer vender os kits que eu tinha. Porém, quando a minha antiga oficina ficou abarrotada de kits e livros, não me restou outra alternativa.  E, na época, uma ex-namorada minha que é psicóloga falava que o que eu estava fazendo era bom pois trabalhava com a perspectiva de se reciclar e renovar os objetos que temos ao redor e não ficar se apegado ao material.  Pior: foi nessa hora que vi como tinha gente ávida por kits antigos.  Daí que não tive dificuldade nenhuma em vender vários "vintages" a preços consideráveis.

Abrsssss,
A Raguenet

Nenhum. Como é um hobby, nao faz muita diferença se uma tecnica ficou boa mas ficaria melhor, talvez, de outro jeito. O importante é sempre querer melhorar, de pouquinho em pouquinho. Particularmente acho que nunca vou atingir a perfeição, se isso acontecer perde a graça.

apneto posted:

Nenhum. Como é um hobby, nao faz muita diferença se uma tecnica ficou boa mas ficaria melhor, talvez, de outro jeito. O importante é sempre querer melhorar, de pouquinho em pouquinho. Particularmente acho que nunca vou atingir a perfeição, se isso acontecer perde a graça.

Concordo em gênero e número...

Já imaginou a chatice iniciar um kit sabendo que ficará perfeito?

Alias, não me arrependo de nada na minha vida, pela graça de Deus.

Adrix posted:
Rubens posted:
 

Monogram 3601 Deep Ocean Transport (1/32)

Esse não é tão difícil de achar.

Verdade, encontrei alguns até no ML, devia ter pesquisado antes 

Na realidade encontrei a lista dos vendidos e separei alguns que me foram difíceis encontrar quando os adquiri, como tenho acompanhado muito pouco do mercado de SciFi e afins, talvez sejam fáceis agora, por outro lado alguns dos que não listei, talvez estejam mais raros. Kits antigos parecem sazonais, quando a gente quer desaparecem, quando não quer, aparecem em diversos lugares 

PlastiAbraços

Buenas,

o meu maior arrependimento foi tentar fazer modelismo num país que não dá as mínimas condições para tal. É muito frustante!

Parece que é uma maldição ser modelista neste país!

E não há nenhuma perspectiva de melhora no horizonte .

Outro arrependimento foi ter falhado no planejamento dos dioramas. Ainda estou pagando caro por não ter pensado em ter um lugar adequado para guardá-los. Assim, muito deles acabaram sendo desmantelados por falta de espaço e outros reformados e reduzidos, perdendo assim, um pouco de sua originalidade.

 O mesmo vale para todos os trabalhos envolvendo o modelismo, é claro!

Abraços,

Gelson

 

gemerim posted:

Buenas,

o meu maior arrependimento foi tentar fazer modelismo num país que não dá as mínimas condições para tal. É muito frustante!

Parece que é uma maldição ser modelista neste país!

Abraços,

Gelson

 

No Brasil temos muitas dificuldades na prática do modelismo, mas dizer que não temos a mínima condição, acho um pouco demais. Respeito sua opinião, mas discordo. 

Podia ser melhor, podia, mas estou feliz com as facilidades de obter material aqui e lá fora e com a qualidade dos modelistas que temos aqui.

Desculpa Brettas,

esqueci que a minha situação não se aplica aos milionários .

Que facilidades a que você se refere?

Pagar 3 ou 4 vezes (no mínimo o dobro) mais do que custa um item lá fora e ficar esperando por ele por 2 ou 3 meses?

E para comprar tintas? Você tem uma loja aí na esquina da sua casa?

Eu já morei no exterior e vivenciei a diferença brutal que existe entre o nosso país e a maioria dos países (nem tão desenvolvidos assim).

Outra pergunta: porque o modelismo está moribundo por aqui? Será que não é pela dificuldade (e o custo) para comprar o necessário para praticar o hobby?

Estar feliz com esta situação me parece muito otimismo.

O Brasil parece a Terra do Nunca. Pois NUNCA vai acontecer...

É apenas um desabafo de quem já vivenciou e "grameou" no modelismo por muitas décadas fazendo malabarismos para se manter atuante.

Por favor não tome isto como pessoal.

Abraços,

Gelson

E só para ilustrar mais uma situação que está acontecendo agora.

Como gosto de usar tintas acrílicas para pintar os meus veículos e não mais estava sendo possível adquiri-las no exterior ( a loja onde comprava só as envia por via marítima agora), fiz uma pré-compra de tintas com uma loja daqui. O resultado: pagando 3 vezes mais caro do que custam no exterior elas acabaram chegando (ainda não chegaram para mim) 5 (cinco) meses depois de encomendadas!

E, o melhor é que as principais cores usadas não vieram porque não estavam disponíveis no fornecedor.

E aí? Faz o quê? Reclamar com quem?

Ficar otimista e aguardar mais alguns meses para poder concluir o trabalho?

Se não fosse tão trágico até daria uma boa piada, não é mesmo? 

Abraços,

Gelson

Gelson,

Compartilho de sua frustração. No meu caso, navios 1/700, é virtualmente impossível encontrar itens para detalhamento aqui em Pindorama. Kits vc ainda encontra, aqui no MP da nossa WK, no Mercado Livre e em lojas, apesar dos preços muitas vezes serem o triplo ou o quádruplo do cobrado lá fora.

Agora, canos de metal, PEs, decals, convés de madeira, tintas, aeronaves 1/700, entre outros, só sonhando. Que inveja daqueles caras lá foram que pedem pelo correio e recebem alguns dias depois, sem ECT e suas taxas, sem RF, sem inspeção em Curitiba e tudo mais.

Atualmente eu planejo a montagem de um kit 1/700 com alguns meses de antecedência e só inicio quando estou com tudo nas mãos. Contar com a sorte em terras verde-amarelas é meio caminho andado para o desastre.

Sobre tintas, dê uma pesquisada no eBay. Tem gente que manda as Tamiya sem problema, com preço bom e frete grátis. Veja os vendedores de Taiwan e Homg Kong.

[  ]s

Paulors,

poderíamos ficar aqui por horas somente discorrendo sobre as mazelas pelas quais já passamos para poder continuar no hobby. Cada segmento tem as suas peculiaridades (e dificuldades) em maior ou menor grau - mas todos têm.

Eu acho impossível encontrar alguém, em sã consciência, que esteja satisfeito com a situação, mas...

Valeu pela dica das tintas e boa sorte nos teus projetos.

Abraços,

Gelson

Vocês imaginem então como era na época em que eu comecei, lá pelos idos da década de 1980. Comprar kits bons naquela época não era tão difícil (lojas como a Hobbylandia no RJ eram a salvação) mas tintas boas e ferramentas, nem pensar. E esqueçam de after market pois não existia ainda. Me lembro quando começamos a fazer as primeiras compras em lojas no exterior, comunicando através de carta e pagando com ordem de pagamento internacional. Nessa época quem tinha um amigo que trabalhasse na Varig da vida, era um sortudo!

Quanto à situação hoje, temos de um lado muito mais ofertas e um acesso bem melhor se comparado com antigamente. Mas por outro lado concordo que os preços estão cada vez mais caros (tanto aqui quanto internacionalmente).

Da minha parte tenho conseguido resolver o suprimento de tintas comprando aqui mesmo, apesar de pagar bem mais caro.

A meleca é que nesse país o hobby manual é quase que inexistente. Se você faz plastimodelismo, ainda consegue participar de grupos como aqui no WK. Agora imagino quem faz ferromodelismo. Ou mesmo wood carving. Conheço pouquíssima gente que faça um ou outro.

Abrssssss
A Raguenet

Raguenet,

Vou recuar um pouco no tempo, pois comecei em meados dos anos 60. Nessa época eu comprava kits da Airfix na papelaria ao lado da escola, aqueles que vinham em sacos plásticos. Para pintar tintas Ki-Kores e aquelas da Hobbylandia em vidrinhos com rolha. Isso, rolha. Ainda tenho uns dois aqui que guardo como lembrança desses tempos. Solvente = Varsol.

Na década de 70 eu comprava nos EUA enviando dinheiro vivo dentro de cartas, conta certa, com as notas embrulhadas em papel carbono. Era enviar e aguardar chegar, sem rastreamento e sem nada. E chegavam. Nunca falhou.

Qualquer viagem ao exterior era oportunidade para ampliar o estoque de tintas e assemelhados, pois nunca se sabia quando teríamos outra chance.

Dois momentos paradisíacos nesse tempo todo, onde alimentei a impressão de viver no Primeiro Mundo - período em que as importações estavam liberadas e período do dólar a 1 real. Pena que alegria de pobre dura pouco.

[  ]s

paulors posted:

Raguenet,

Vou recuar um pouco no tempo, pois comecei em meados dos anos 60. Nessa época eu comprava kits da Airfix na papelaria ao lado da escola, aqueles que vinham em sacos plásticos. Para pintar tintas Ki-Kores e aquelas da Hobbylandia em vidrinhos com rolha. Isso, rolha. Ainda tenho uns dois aqui que guardo como lembrança desses tempos. Solvente = Varsol.

Na década de 70 eu comprava nos EUA enviando dinheiro vivo dentro de cartas, conta certa, com as notas embrulhadas em papel carbono. Era enviar e aguardar chegar, sem rastreamento e sem nada. E chegavam. Nunca falhou.

Qualquer viagem ao exterior era oportunidade para ampliar o estoque de tintas e assemelhados, pois nunca se sabia quando teríamos outra chance.

Dois momentos paradisíacos nesse tempo todo, onde alimentei a impressão de viver no Primeiro Mundo - período em que as importações estavam liberadas e período do dólar a 1 real. Pena que alegria de pobre dura pouco.

[  ]s

Sim, me lembro bem desta época.  Os kits em saquinho eram muito legais.  Na real foram os primeiros kits que comparam para mim.  Se não me engano, havia uma papelaria perto da casa chamada Rozenlândia no RJ.  E lá tinham esses plastic bags kits da Airfix.  Fora os kits da Revell na escala 1/72 e que vinham em caixa de papelão (com a eterna "arte"  do P-51D pintado em tom de vermelho...) E quanto às tintas com tampa de rolha, odiava quando a gente tentava abrir e a rolha quebrava no meio!

Olhando para trás, vejo como eram rústicos esses kits.  Mas era o que a gente tinha e nem se importava pois na época era o que tinha de melhor.

E me lembro também, no meio da década de 1980, quando começaram a chegar nas papelarias as primeiras publicações da Squadron/Signal com as ilustrações do Don Greer.  Rapaz, que loucura!

Tá... chega de sessão nostalgia.

Abrsssss,
A Raguenet

3456e00964dfc3b4ea6d4bfc2b6af2ff

Attachments

Fotos (1)

Raguenet,

Vc mandou bem nessa da rolha rachar no meio. Boa lembrança! Era um pesadelo. Tinha que abrir com muito cuidado. E a gente gostava dessas coisas.

Na Hobbylandia eles tinham uma tabela plastificada com a lista de cores. Era só escolher. E eram foscas!

Bons tempos....

[  ]s

Sessão nostalgia à pleno!

Os mais jovens que nos desculpem mas recordar é também viver...em meados dos anos sessenta ganhei de meu pai o meu primeiro kit 1/72 da Revell. As primeiras tentativas de pintura foram com guache e depois com outros improvisos que já não lembro mais. Lá por 1977 (após a lei da proibição de produtos importados -1º de Abril de 1976), eu trabalhava com um colega uruguaio que seguidamente viajava para casa. Próximo de sua casa havia a sede de um grupo de modelismo que se reunia e comprava (importava) kits e tintas. O que sobrava eles vendiam para quem quisesse. Foi assim que pus minhas mãos sujas nas primeiras tintas esmalte da Humbrol e em alguns kits importados. Que maravilha!

Hoje, como bem o Araguenet citou, as opções aumentaram e são muitas e variadas mas...os impecilhos (câmbio, RF, Correios, ICM,...demoras), também cresceram. Então me parece que nada mudou!

Continuamos empatados!

Abraços,

Gelson

Gemerim, não sou milionário e continuo discordando de você.

Como eu disse  acima, no Brasil temos dificuldades sim, mas dizer que é impraticável, não é verdade.

Pratico o hobby sem problemas, e hoje temos sim muitas facilidades de obter material aqui e lá fora. Além disso um grande número de empresas com nova tecnologia vem surgindo. 

O dolar está caro? está, mas já esteve mais barato e sempre foi assim. Vai e volta.

Não tenho a menor dificuldade em praticar o Plastimodelismo aqui no Brasil. 

Buenas, gurizada!

Mas, para voltar aos arrependimentos sobre o modelismo. Talvez o meu segundo maior foi não ter planejado os espaços para guardar os trabalhos prontos.

Dois deles ainda estão em obras de adaptação. Muitos outros foram simplesmente desmantelados mas estes, foram de certa forma poupados, ainda que com muitas perdas.

O velho castelo onde funcionava um QG Alemão está sendo reduzido para poder caber num expositor. O trabalho começou a dois anos atrás e tão logo não vou conseguir concluí-lo.

O original (como ele estava lá pela virada do século).

E, como está no momento...

O outro, que também perdeu uma boa área (e muitos detalhes) é este sobre a retirada da Normandia. Este está mais adiantado e logo postarei na seção de Dioramas.

Ou seja, se tivesse que começar tudo novamente (em outro país é claro ), eu daria mais atenção ao armazenamento dos trabalhos concluídos pois é muito triste vê-los em deterioração e sem outra opção a não ser a de diminuí-los e reformá-los. Mas, enfim...este é o hobby que escolhemos.

Abraços,

Gelson

Gemerim,
 
Geralmente o custo do Hobby é ciclico, já tivemos épocas em que era mais barato e estamos atualmente numa fase mais cara.
 
Quando comecei lá no final dos anos 60 era barato, mas minha mesada era limitada, no começo dos anos 70 foi melhorando, mas lá pela metade com proibição das importações, um kit importado chegava a custar 10x o valor de um Revell Kiko daqui, então a gente se limitava com muitos nacionais e um ou outro importado, até final dos anos 80.
 
Mais ou menos nesta época, terminei meus estudos, casei, tive filhos, não montei quase nada e comprei muito pouco por uns 10 anos.
 
Quando reiniciei, os kits estavam baratos e haviam várias lojas aqui praticando preços pouco acima daqueles do exterior, mas não haviam muitas novidades tampouco a qualidade era muito melhor que antes.
 
Há uns 16 anos comecei a frequentar o WK e fui comprando muitos kits, fosse em lojas daqui, no exterior ou no MP quase todos com bons preços, mas todos ainda seguindo um mesmo padrão, nada muito além de um Dragon com LBL, um pequeno PE e  nada mais, que naquela época eram inclusive mais baratos que os Tamiya.
 
De repente lá por 2005 os kits começaram a ficar muito mais sofisticados, surgiram uma infinidade de marcas Chineses e como era de se esperar, alguns anos depois os preços começaram a subir bastante lá fora, tanto que atualmente, com custos dos Correios e e Dólar alto, qualquer modelo mais recente não sai por menos de uns R$ 150/200, que na minha opinião, é caro.
 
Por outro lado existem alternativas, kits mais antigos, porém ainda relativamente bons, costumam ser bem mais baratos.
 
Isto se nos restringirmos aos 1/35, se olhar por exemplo para aviação 1/72, provavelmente onde existe maior oferta de kits, tem muito modelo razoável barato.
 
Quanto aos insumos, salvo talvez por colas, existem alternativas nacionais bem mais baratas para quase tudo.
 
Houve uma época lá pelo final dos anos 80 que meu pai ficou desempregado e não havia como gastar em nada supérfluo, fiz muitos modelos em papelão e depois em folha de plástico (tampa de margarina) usando sobras de kits antigos ou materiais diversos. Alguns até ficavam bons, mas nem tanto se comparados a kits comuns, de qualquer modo continuei no Hobby, mesmo aos trancos e barrancos, até as coisas melhorarem.
 
Não desanime, mesmo com pouco se dá um jeito, até as coisas melhorarem
PlastiAbraços

Rubens,

muito obrigado pelo seu tempo e paciência para listar as fases do modelismo através dos anos.

Acho que os modelistas de mais idade passaram por tudo isso em maior ou menor grau. Houve momentos muito felizes e outros nem tanto mas, o importante é que houve a persistência para continuar.

O vício venceu mais uma vez! 

Mas também tenho certeza que muito pode ser melhorado (se houver vontade). O que não podemos fazer é aceitar as lambanças que os administradores de nosso país fazem. E não só com o modelismo.

Já conheci muitas pessoas que gostariam de praticar e até iniciaram mas, acabaram declinando por conta de custos e dificuldades inúmeras (que todos nós já conhecemos bem).

Também conheci outros tantos (no exterior) que por conta da facilidade existente conduziam os seus trabalhos de forma algo negligente pois sabiam que sempre podiam contar com a bela e abastecida loja logo ali da esquina (ou encomendar o necessário com entrega bem rápida).

Mundos diferentes, realidades diferentes...

Nós continuamos persistindo e insistindo!

Abraços,

Gelson

Gelson,
 
Infelizmente não é só por aqui, graças ao trabalho estive nos EUA em 2015 e comprei uma dúzia de kits  1/35, voltei ano passado e com o mesmo valor em dólares só comprei meia dúzia, metade era 1/35, os demais foram kits "nacionais" da Polar Lights e Moebius que ainda mantinham um preço menos ruim.
 
Vi e babei nos novos Meng, Takom e RFM com interior, custando entre 80 e 100 doletas cada, os Dragon mais baratos na faixa de US$ 50, de fato comprei um Skoda Takom em oferta por US$ 30 (uns R$ 120 na época), que convenhamos não é baixo, especialmente no exterior.
 
Não é para menos que os Gringos estão numa fase de relançamento de kits vintage, são modelos são muito mais baratos, tanto que até comprei alguns!
 
Agora com dólar beirando os R$ 4, talvez seja quase mais barato comprar por aqui do que lá 
 
PlastiAbraços

Rubens,

alguns colegas confirmam que o modelismo está em baixa na terra do Trump. Lojas fechando e pouca adesão aos concursos e encontros. Preços altos e muitas outras opções de lazer contribuem para isso.

Na Europa, apesar de um certo declínio, o modelismo continua firme. Portugal, Espanha, Alemanha e Hungria ainda se mantêm bastante ativos. Segundo conhecidos modelistas que vivem por lá. Os concursos e eventos nestes países ainda são bem concorridos.

O detalhe que pesa muito contra nós fica por conta de nossa moeda não valer nada e nossos rendimentos serem também baixos (menos para os milionários, é claro ).

Quando morei e trabalhei por lá a relação que fazia com o preço dos kits com o que ganhava era simplesmente irrisória. Um kit lançamento me custava uma hora de trabalho. Já, aqui, era bem ao contrário. Precisava-se trabalhar muito para comprar pouco. O que eu recebia por semana lá não conseguia receber aqui em dois meses!?

Os kits custam muito mais caros para nós se fizermos esta relação / comparação. E com o câmbio atual a coisa só piora. E, se acrescentarmos a isso os impostos e a morosidade dos serviços, então...melhor mudar de hobby.

...

Também estou "namorando" estes novos kits com interior mas acho que não vai dar "casamento". Pelo menos por enquanto .

Tem também uns lançamentos muito interessantes da Amusing Hobby e da Takon que é o guindaste de 16 toneladas (acompanha o kit de um Ferdinand no primeiro e de um Pantera, no segundo - ambos com interior. Só para babar!

https://www.perthmilitarymodel...ws/amusinghobby.html

https://www.perthmilitarymodel...ewkitnews/takom.html

Abraços,

Gelson

Gemerim,
 
Penso que o Hobby está mais em compasso de espera do que em baixa, tanto nos EUA quanto na Europa, pois os preços nestas duas regiões não diferem muito.
 
Creio que ambos estão simplesmente comprando menos lançamentos caros (mas compram) e optando por ofertas alternativas mais em conta ("nacionais").
 
Nos EUA a Round 2 inundou o mercado com relançamentos vintage ("baratos") ou New Tool ("mais caros") a Revell também tem (ou tinha) uma boa participação. Na Europa não é muito diferente, tem boas empresas "locais" como Airfix, ICM, Italeri e Miniart, dentre outras.
 
Até onde tenho acompanhado, ainda que o poder aquisitivo deste povo seja alto, vejo muita gente criticando preços de algumas novidades e comprando ou mais antigos ou em promoções ou montando do estoque (quem tem).
 
Ao longo dos anos tive a sorte obter um belo estoque, então não me preocupo muito com a situação atual, ainda assim, acabei comprando neste ano mais do que planejava, pois encontrei alguns belos kits com bons preços.
 
Veja bem, estou falando de algo entre R$ 150/200 em kits na faixa de US$ 50 numa Luckymodel ou Hobbyeasy, sem frete. Isto é 20% do salário mínimo, não precisa ser milionário para bancar uma quantia destas.
 
PlastiAbraços

quem faz escalas menores sente menos, por motivos óbvios, quanto ao geral, os tempos mudam, desde que comecei ja tiveram varias fazes, ora esta muito caro, ora esta aceitável, como alguém ja disse, o negocio é aproveitar os tempos gordos e abastecer, com certeza era fase vai passar.

uma coisa é certa, barato nunca vai ser

Rubens,

entendo e respeito o teu ponto de vista. Mas acredito que está havendo uma evasão do hobby assim como não estão havendo novas adesões como gostaríamos. Na verdade, está havendo um acentuado declínio. E talvez isso justifique os aumentos pois estão vendendo menos e investindo mais em novas ferramentas.

Também consegui fazer um bom estoque de kits por conta dessas saídas ao exterior.

Eu conversei com o dono de uma empresa nos EUA que faz produtos para dioramas e expliquei como funcionam as coisas por aqui.

Partindo do princípio de que as lojas daqui não tem os produtos que queremos. A compra no exterior começa como 6% de IOF no cartão e o valor da cotação do dólar do dia. Depois vem o valor do kit + frete. Se o peão não tem muita sorte (como eu) vai cair na RF (60% sobre o valor do kit + frete). Chegando no estado onde  moro o ICM entra e come mais 18%. E ainda tem a taxa extra do correio (R$15,00).

Ou seja, a coisa beira aos 100% do valor original. Se eram $50 no início pula para $100 fácil, fácil! Isso pelas minhas contas (a grosso modo) já dá quase a metade de um salário mínimo!

Diante desta situação a expressão do americano ficou marcada, ele disse: "eu não sabia que havia um país assim no mundo que odiava tanto o modelismo".

Mas existe e está bem aqui para quem consegue ver.

Desculpe os meus desabafos e por favor e não tome pelo lado pessoal. É que tenho alguns colegas por aqui (ótimos modelistas) que simplesmente largaram ou reduziram pela simples força desses números.

Mas, se tem alguém satisfeito com esta situação...que seja feliz!

Eu não consigo.

Abraços,

Gelson

gemerim posted:
 

"..... acredito que está havendo uma evasão do hobby assim como não estão havendo novas adesões como gostaríamos. ....

....Também consegui fazer um bom estoque de kits.....

Diante desta situação a expressão do americano ficou marcada, ele disse: "eu não sabia que havia um país assim no mundo que odiava tanto o modelismo".

Mas existe e está bem aqui para quem consegue ver.

....É que tenho alguns colegas por aqui (ótimos modelistas) que simplesmente largaram ou reduziram pela simples força desses números.

Mas, se tem alguém satisfeito com esta situação...que seja feliz!

Eu não consigo.

Abraços,

Gelson

Ok vamos lá:

Sim, comprovadamente o número de modelistas está diminuindo bastante e a gurizada de hoje é a geração 'zap-zap e videogame'...

Eu também fiz na vida um estoque enorme de kits (até mais do que viverei para montar)... mas... e aquele novo lançamento que você tanto esperava algum dia? Fica na vontade? (provavelmente sim)

O Brasil (governo) é um país que não se preocupa em preservar sua história e sequer dá a mínima para o lazer ou cultura da população, muito menos para nosso hobby (que além do lazer também não deixa de ser cultural, de certa forma)

Eu mesmo sou um que devido as taxas que elevam o preço do kit, e a burocracia na importação, de um ano para cá não comprei mais nada (nem lá, nem cá).... até por não ver retorno em nossos impostos pagos... só desvio de verbas!

E sobre o 'arrependimento'.... sim, meu maior arrependimento foi ter nascido neste país...!!!  (e não ter preservado os kits que montei quando jovem..)

Abs!

Oi, Marcus!

Escolhemos o país errado para "amarrar o nosso burro", não é mesmo?

Mas, fazer o que (além de reclamar). Se tem modelista achando que assim está bom e não precisa melhorar.

Vai diizer o que!

Segue o baile...!

Abraços,

Gelson

Wolf posted:

Não entendo a preocupação em contar ou mirar na quantidade de modelistas, e se fosse tão sombrio o futuro do modelismo como pintam alguns, não haveria tantos fabricantes e tantos lançamentos, tanto em kits como acessórios (Livros, ferramentas, etc)...

Não é bem 'preocupação'.... sim uma constatação... 

Para nós que gostamos do hobby, é triste saber que: de onde se tira (no caso, modelistas) e não se repõe, mais cedo ou mais tarde, acaba...!

Em cada novo encontro ou convenção que vou, vejo menos modelos expostos e menos modelistas novos....

Existem tantos lançamentos, livros etc... como citou, porque o mercado ainda é satisfatório em âmbito mundial... mas até eles estão cientes dos fatos e da diminuição. 

Gemerim,
 
Não tem do que se desculpar, na verdade compartilho a maioria de seus pontos de vista 
 
Como dito por muitos colegas, estamos atravessando uma fase ruim, não é facil para todos nós praticarmos o Hobby aqui, alias nunca foi, no máximo foi menos difícil 
 
Tanto que nunca afirmei que a situação está boa, mas pelo menos para mim, já foi pior, agora como estará amanhã não sei, mas espero que melhore  
 
Por aqui o modelismo pode andar meio parado, mas em algum lugar (talvez na China?) vai muito bem, senão não haveriam tantos lançamentos e novas marcas!
 
Quando comentei sobre kits entre R$150/200, foram todos comprados aqui, preço final quase igual ao de lá ou segundo suas contas, cerca da metade, do que seria se eu tivesse importado 
 
Justamente por isto, não compro quase mais nada lá fora, comprei um único este ano, numa promoção de aniversário da LM, por sorte não fui taxado, então me custou exatos R$ 150 
 
PlastiAbraços

Rubens,

também já "fechei a porteira", sem mais compras de kits. Apenas tintas e algum acessório ou complemento (como lagartas e figuras), para completar a montagem. Com o que tem em estoque dá para brincar ainda por um tempo.

Vamos em frente!

Abraços,

Gelson

Concordo com sua observação Marcus em relação a percepção, mas penso que é só isso e não a realidade pois no fundo é um hobby individual e não coletivo, e assim muitos modelistas por diversos motivos não participam de reuniões e encontros, talvez ai sim é que o hábito tenha mudado.  Porém ganhamos o mundo através da internet onde pode-se participar de coletivos encontrando aqueles que partilham interesses similares, e o mundo é grande...

Oi Wolf,

Sim, você está certo também em suas observações, mas mesmo assim (pelo menos no meu ponto de vista) até mesmo na internet vejo diminuição... como exemplo, lembro que pouco tempo atras até o Fórum aqui, era bem mais agitado.... 

Enfim, como disse o mudo é grande...

Abs!

gemerim posted:

Bom dia, Brettas!

Que bom que vc consegue ser feliz mesmo com as coisas estando do jeito que estão.

Parabéns!

Abraços,

Gelson

Obrigado!

Se eu for olhar o que está acontecendo no Brasil, fico por aí reclamando da vida e do modelismo, não é verdade? O plastimodelismo é um hobby, um lazer, por isso pratico muito feliz.

Sempre montei muito, e hoje, mais organizado, sem pilhas de kits em casa, somente algumas caixas, eu compro e monto. Foi o que aconteceu com o belíssimo 109 lançado recentemente pela Tamyia. Já comprei outro e assim que chegar, vai para a bancada!.  

 

Petuco posted:
Marcus posted:

lembro que pouco tempo atras até o Fórum aqui, era bem mais agitado.... 

 

Mas fica claro que grande parte desta "agitação" e movimentação do fórum não era por conta do modelismo.

Digo 'agitação' como 'pontagens'... sim, com conteúdo do hobby.... toda hora tinha um tópico novo!  não aqueles papos-furados que geravam discussões e xingamentos inúteis, e que graças foram banidos....

por  enquanto ...pouco tempo  para  o hobby...  são  cinco  empregos  ou  semi-bicos.. (quem  sabe se me aposentar ...sem alzheimer  ..sem  sequelas  graves de  avc..)...

falta  habilidade  para  montar  (e  junto alguma  coisa  mas não é  aquele  grande resultado)...

pouca grana  sobrando (mas afinal de  contas  meus  filhos  ,  minha  mulher  não se alimentam  de  estireno...não vestem estireno  ...tanque  combustivel não se  enche  de estireno..)..

morar  em pais  que  estireno  ou outros  apetrechos para  modelismo ..ta  ficando  tão caro  quanto ouro  e/ou  pouca coisa  disponível  ou acessivel  (mudar  de pais   ou pais  mudar???/  dificil  opção )

Marcus posted:
Petuco posted:
Marcus posted:

lembro que pouco tempo atras até o Fórum aqui, era bem mais agitado.... 

 

Mas fica claro que grande parte desta "agitação" e movimentação do fórum não era por conta do modelismo.

Digo 'agitação' como 'pontagens'... sim, com conteúdo do hobby.... toda hora tinha um tópico novo!  não aqueles papos-furados que geravam discussões e xingamentos inúteis, e que graças foram banidos....

Você é um dos poucos por aqui que reconhece isso.

Quando abri fogo contra ao baixo nível de civilidade e de urbanidade no site, naqueles dois fóruns, por conta disso, ainda hoje recebo laivos de raiva e de ódio de alguns dos membros que restaram...

O reflexo da saída dos polemistas foi o esvaziamento do WK.

Porque, pelos mesmos argumentos que o Rubens e o Gemerim postaram, essas pessoas vinham ao site, não para apresentar as suas montagens, manter contato com outros plastimodelistas, conversar sobre kits e modelos ou sobre aspectos do hobby, como estamos fazendo, mas apenas para criar tumulto, ódio, estresse, infernizar a vida daqueles que queriam e querem apenas montar os seus kits em paz, fazer amizades e jogar um pouco de conversa fora...

Hoje, monto meus kits como complemento das minhas pesquisas e estou começando a passar batido em praticamente todas as situações que não envolvam diretamente as minhas postagens. Simplesmente, não vale a pena...

 

Quanto ao hobby, passei a maior parte dos últimos 37 anos formando e mantendo uma família com o meu trabalho que, não raro, ocupava até 12-14 horas por dia. Na vida, somos obrigados, em nome da sobrevivência futura, em estabelecer prioridades. Nesses 35 anos, não viajei, não comprei casa na praia ou serra, não troquei de carro mais do que 5 vezes e mesmo o hobby ficou tomando poeira, porque o dinheiro era para coisas muito mais importantes: as melhores escolas, os melhores alimentos, a melhor casa, as melhores roupas, o melhor conforto... e poupar. Poupei tanto que hoje trabalho porque quero. E, como vivo confortável e tranquilo nesse brasil de hoje, posso comprar meus kits sem nenhuma dor no coração.

O que precisava fazer já fiz. Agora é hora de colher os frutos...

É um grande prazer conversar com pessoas educadas e civilizadas. Obrigado.

Bom feriado a nós e nossas famílias.

Muitos fatores contribuem para que este período da história do modelismo brasileiro pareça sombrio. Fatores externos como o Dólar nas alturas, fatores internos como taxas de importação, IOF, taxas de remessa dos correios, desemprego, etc, etc, etc..; os próprios plastimodelistas vão mudando, amadurecendo e deixando de lado a vaidade, outros vão cansando, desanimando, outros mudam suas prioridades. A criação do FB mesmo, pode ter sido (ou foi) um fator de esvaziamento aqui da WK. Parto do princípio que os frequentadores de fóruns de modelismo o fazem pelos seguintes motivos:

1. Aprender mais e mais sobre o hobby, aprimorar técnicas, conhecer novidades, etc.

2. Ensinar aos colegas de hobby suas técnicas, suas descobertas, ensinando aos novatos o "caminho das pedras".

3. Alimentar seu ego, mostrando seus últimos trabalhos, como se o fórum fosse uma vitrine, sem se preocupar em ensinar nada, apenas mostrando o que montou.

4. Ver como anda o fórum, apesar de ter abandonado o hobby, ainda passa horas passeando pelos tópicos do fórum, dando pitacos ou apenas acompanhando o movimento só para não perder totalmente o contato como o hobby.

5. Tem aqueles que frequentam o fórum só para tumultuar, criar desavenças e ver o circo pegar fogo, não praticam o hobby e semeiam a discórdia.

6. Tem aqueles que frequentam apenas para comprar kits no mercado de pulgas.

7. Tem aqueles que frequentam apenas para vender seus produtos.

Enfim existem uma centena de tipologias de pessoas que frequentam um fórum de modelismo, acho que as principais são estas sete. Na época dos fóruns que foram banidos haviam muito mais...

Se você fizer uma analogia entre os motivos que levam um modelista a abandonar seu hobby e as tipologias verá que hoje em dia, há uma certa relação, o que contribui para o aspecto de esvaziamento do hobby. Aliado à estes motivos ainda há o fator cultural brasileiro, totalmente adverso a tudo que faça menção a violência, acreditando que se deixarmos de ter contato com qualquer coisa que demonstre violência nossos problemas serão resolvidos.

Isso se nota em quase tudo não só no modelismo mas também em videogames, filmes de guerra (procure no NOW por filmes de guerra, não vai achar nenhum eles baniram o rótulo "filmes de guerra" por "drama" ou "aventura"), brinquedos (soldadinhos, armas), publicações (revistas e livros), se você comparar com antigamente (anos 60/70/80 e até 90) esse tal de "politicamente correto", para nós modelistas foi uma porrada na cabeça.

Hoje em dia temos até medo de montar kits ou apresentar trabalhos que contenham a bandeira nazista, quer seja em concursos, revistas ou internet (fóruns, Facebook, zap-zap, etc). O negócio chega a beira da histeria, tudo que se relaciona a guerra, exército, armas é tido como símbolo dos extremistas de direita, fascistas.

Todos banidos, o próprio Falcon foi relançado porém, sem armas (apenas facão, binóculos, estojo de primeiros socorros, depois conto um fato curioso sobre isso), noto que a sociedade brasileira imagina que com isso daqui alguns anos não haverão mais assassinos, bandidos, sequestradores, estupradores e por aí vai.

Isso sem falar no viés político do país cujos governantes abominam a importação de produtos vindos dos EUA e Europa, dificultando ao máximo sua importação e facilitando a de outros países mais alinhados a sua ideologia (BRICS por exemplo, MERCOSUL até pouco tempo atrás). A dificuldade de empresas estrangeiras em montar fábricas no país (será que não poderíamos ter fábricas de kits no país, se a política e a burocracia fossem menos protecionistas).

Sou otimista, acredito que seja apenas uma fase passageira, e voltaremos ao normal daqui algum tempo. Tomo como referência eu mesmo, desempregado à dois anos, senti na pele o fato do hobby deixar de ser prioridade. Tinha muitos planos (será que viraram sonhos?) e os vi se esvair por entre meus dedos. Hoje tenho muitos kits estocados, como disse aí em cima, talvez mais do que eu possa montar nesta vida, porém não tenho mais onde guardar minhas montagens, não se trata de espaço físico propriamente dito, isto eu tenho o que não tenho são estantes para guardar meus modelos. Na atual situação, praticar o hobby e tudo o que vem atrelado a ele virou segundo plano, espero algum dia poder retomar novamente com o mesmo vigor de antes, porém não vou abandoná-lo.

Pretendo participar do próximo PAMA do GPPSD em Dezembro praticamente com o que já tenho montado, reciclando apenas as bases e dando um "tapa" nos modelos mais bem montados.

É isso aí, não desanimem...um dia este país muda se Deus quiser.

Abraço à todos.

  

Brettas posted:

Nãããaooo, já vai??   Olha, mesmo que tarde, sentiremos muito sua falta, viu? 

A tua insegurança é patética.

Vens a uma uma postagem que nada tem a ver com as tuas falhas de caráter e de comportamento e as expõe de maneira tão aberta, agressiva e doentia que demonstras claramente a necessidade de auxílio psiquiátrico urgente.

Como não padeço de nenhuma patologia psiquiátrica, fora as normais para pessoas normais, eis algumas orientações que graciosamente te passo.

Essa tua debilidade deve ser abordada, inicialmente, via Freud (Sigmund Freud, o Pai da Psiquiatria, certo?) e não pelos postulados de Jung e Adler. Esse trabalho deve ser executado via psiquiatra, pois deverás tomar alguns medicamentos.

Por outro lado, a psicoterapia Junguiana, num segundo momento, agora via psicólogo, pode ajudar a te encontrares contigo mesmo, já que a meta dela é a pessoa buscar o autoconhecimento como forma de lidar de modo criativo com os seus problemas.

 

Um último conselho: segue o teu caminho, lutas as tuas batalhas e não entra de Maria-vai-com-as-outras, como andas fazendo. Não sejas marionete de ninguém.

 

Ps.: terás, junto com outros, que me aguentar por um bom tempo. Minha família é longeva. Vão todos aos 90-95 anos, lúcidos e ávidos de ajudar pessoas, como tu, que se perdem ao longo do caminho.

Talvez, nesse futuro, até venhamos a ter um cordial relacionamento, nascido do respeito e da boa educação, quem sabe.

 

Abs e uma boa semana para todos nós e nossas famílias.

Curtidas (0)
×
×
×
×