Em memória do centenário do Raid Roma x Toquio, (Raid-Roma-x-Toquio) encomendei o kit do avião Ansaldo SVA-10 na 1/48 da fabricante Tcheca Fly...

O Avião S.V.A

No ano de 1916, os engenheiros aeronáuticos Savoia e Verduzio, com a colaboração do engenheiro Rosatelli, iniciavam o projeto de um caça biplano equipado com o motor SPA 6A que deveria ser superior aos aparelhos aliados e inimigos.   A estrutura foi calculada e estudada para obter grande rigidez e fluidez aerodinâmica.  Foi adotado a estrutura de montante diagonal para a ligação entre a asa superior e inferior, permitindo a quase ausência de cabos de suporte estrutural.  Também a adoção de seção triangular na parte posterior da fuselagem aumentava o ângulo de visão para baixo.  No outono de 1916, quando o projeto do S.V já estava em fase avançada, o Ministério da Guerra encarregou a S.A.I Ansaldo de Genova da produção dos primeiros protótipos.

Após o sétimo protótipo e a resolução e mudança de diversos pontos que apresentaram falhas ou necessitavam de melhorias, começaram a sair da fabrica Ansaldo os primeiros exemplares. Já então a letra “A” (Ansaldo) juntou-se ao nome ficando a denominação como S.V.A.    Embora tivesse uma velocidade superior em 40km/h com relação ao caça SPAD S.VII no vôo em linha reta, ele era menos ágil no duelo aéreo e lento na resposta as manobras acrobáticas.  O mesmo acontecia no confronto com os aparelhos inimigos tipo Brandenburg D.I, Aviatik D.I e Albatros D.III.  A luz deste fato, começou-se a considerar a utilização do S.V.A como um avião polivalente, adaptado para o bombardeio, observação, treinamento e caça de ataque terrestre.

O Caça S.V.A no Front de Combate

Em janeiro de 1917 já estava disponível uma trintena de aparelhos no front, e a fábrica já estava produzindo 40 unidades mensais.  Com os pilotos acostumando-se com as novas características, os pontos fortes e fracos, começaram a surgir as primeiras vitórias aéreas, e mesmo ases como o Tenente Gino Allegri que com seu S.V.A abateu até fevereiro de 1918 cerca de 16 aviões inimigos. De qualquer forma, para alcançar bons resultados o S.V.A exigia um piloto acima da média.  As missões que mais relevo tiveram os aviões S.V.A foram nos ataques a objetivos na Austria voando por sobre os Alpes em vôos de longo alcance.  A versão hidro foi feita a partir do SVA 3 e a versão bi-posto a partir do SVA 9 e 10.  Eram dotados de duplo comando e o segundo piloto tinha a disposição uma metralhadora flexível Lewis, com a instalação em alguns aparelho de rádio-telegráfo.

Outra missão famosa foi o ataque ao importante centro industrial de Friedrichshafen na Alemanha, o centro de produção do famoso Zeppelin, e o ataque a cidade de Viena, capital do Império Austro-Húngaro.

Após a guerra os aparelhos SVA seguiram quebrando recordes de vôo a distância e no serviço nas colônias em África fazendo a ligação postal, de serviços e para cartografia.  Várias unidades foram exportadas para outros países como França, Letônia, Argentina, Yugoslávia, Paraguay, Equador, Lituânia, Holanda, Polônia, Brasil, Espanha, Rússia, Perú e Estados Unidos, normalmente dos modelos SVA 5 e SVA 10, com motor SPA 6A ou I.F V6.  O último exemplar foi entregue em 1928 totalizando 2.000 unidades construídas.

     

Especificações Técnicas SVA

Ansaldo SVA

  • Fabricante: Giovanni Ansaldo & Cia - Itália
  • Comprimento: 8,13 m
  • Envergadura: 9,18 m
  • Altura: 2,80 m
  • Superfície alar: 26,90 m²
  • Peso vazio: 665 kg
  • Peso máximo: 975 kg
  • Motores: um motor SPA 6A de 6 cilindros em linha de 205 HP
  • Velocidade máxima: 228 km/h
  • Armamento: uma metralhadora fixa Vickers calibre 7,7mm sincronizada com a hélice e uma metralhadora Lewis no mesmo calibre para o artilheiro traseiro
  • Tripulação: duas pessoas em tandem

                  Um Raro modelo preservado no museu de Turim

O kit da Fly do SVA 10 1/48

O kit é bem injetado e aparentemente é short-run, são 32 partes em plástico e outras 40 em resina...

Há um par de fuselagem a mais, uma versão bi-posto e outra monoposto, sendo assim possível escolher uma delas...

A injeção é limpa e com poucas marcas, porém poucas peças tem pino de encaixe para facilitar a montagem, então é preciso maior atenção na hora de juntar e colar...

  Você tem a opção de fazer a roda raiada ou não. Uma folha de P.E vem com o  arco raiado das rodas e os reforços...

Dois tipos de radiadores para escolher entre as duas motorizações possíveis...

Conforme o radiador, muda a forma frontal do avião...

O painel mostra a realidade de um avião com pouquíssimo recurso técnico, o que torna mais impressionante o Raid Roma x Toquio feito com pouco recurso tecnológico...

Folha de decal para 4 versões...

Manual colorido e com instruções claras, para a pintura não há uma referência específica de marca, apenas uma descrição da cor...

Ao final uma orientação para os estais...

Enfim um kit que tem muito potencial de super detalhamento, destacando-se em um diorama, por exemplo...

Last edited by Wolf
Original Post

Kit bacanão mesmo. Bela folha de decal e suas versões. Aí, fui verificar se tinha essas rodas raiadas conforme o box art. E tem o PE !!

ABRAÇOS

Incluir Resposta

×
×
×
×
Link copied to your clipboard.
×