Não é de agora mas só fui reclamar mês passado depois de constatar uma cobrança de R$11 a mais na conta em dólares do cartão de crédito. Refiz o cálculo várias vezes com a cotação de fechamento e não batia. O Banco reconheceu e estornou o valor. Que fossem 5 centavos, imagine tungar este valor de milhares de correntistas...

Mas o que eu quero mesmo destacar aqui é o fato de que o governo tomou uma medida para acabar com o procedimento de cobrança de fatura em dólares com o do valor de fechamento do último dia do mês e com eventual correção na próxima fatura, coisa sempre obscura e discutível.

Em abril do próximo ano os bancos deverão cobrar o valor em real no dia do lançamento, medida mais que correta e bem vinda...

Original Post

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta segunda-feira, 25 de novembro de 2019, não estar preocupado com o dólar acima de R$ 4,20 e que o patamar da moeda deve se manter assim. “É bom se acostumar com o câmbio mais alto e juro mais baixo por um bom tempo”, afirmou, em visita a Washington...

"Boas Compras"...

O ministro da Economia, Paulo Guedes, reeditou a fase de declarações desastradas de titulares da pasta sobre o câmbio, bem comuns nos tempos de Guido Mantega. Durante evento em Washington, nos EUA, Guedes afirmou na noite de ontem não estar preocupado com o dólar acima de R$ 4,20 e que "é bom se acostumar com o câmbio mais alto e juro mais baixo por um bom tempo".

O comentário foi a senha para que o dólar à vista chegasse perto de R$ 4,27 mais cedo e, com a possibilidade de uma eventual disfuncionalidade do mercado, o Banco Central convocasse um leilão extra de venda de dólar à vista. Como ocorre em operações deste tipo, a instituição não divulgou o montante efetivamente vendido. O dado estará disponível apenas na próxima semana. No entanto, ficou claro que a operação acalmou as cotações apenas momentaneamente. Tanto que nesta tarde o dólar à vista ultrapassou a linha dos R$ 4,27 e os investidores da Bolsa redirecionaram os investimentos fazendo a Bolsa cair. E o BC convocou nova operação de venda de dólares, há pouco....

 

Uma parte do valor do dolar esta na inflação que o Brasil teve em  Real,uma pequena parte esta no espectro politico e outra parte esta no juro baixo e algo de jogatina. Com o Juro baixo o capital externo especulativo não vem para o Brasil. A nossa economia esta se recuperando de uma queda muito brusca,então as pessoas não tem grana para consumir bens caros como automoveis que  ha um tempo atras eram financiados pelas montadoras a perder de vista,ou seja a GM tomava um emprestimo nos EUA a um juro de 2 por cento ao ano investia no Brasil  e financiava automoveis a 10 12 por cento ao ano,negócio da  China,é melhor se acostumar mesmo.

bom, 4,27 o dollar comercial.... mas na real os cartões usam o turismo que já passou os 4,40.....  em novembro paguei dollar a R$ 4,32 (Turismo) numa compra no exterior.....

 

enfim.....

 

tudo aqui está caro... e no caso do nosso hobby, estamos fadados a ter de pagar preços exorbitantes no exterior (por conta do dollar alto), preços proibitivos em lojas que tentam sobreviver (as poucas....) ou ainda cair nas mãos de quem conseguiu comprar algo lá fora e revende a preços mais do que extorsivos....

Felipe C. Miranda posted:

Com essa alta do dollar, eu tenho visto coisas em lojas daqui que, considerando que pedindo lá fora voce vai levar a facada da RF, aqui sai mais barato, e ainda pode parcelar sem juros no cartão...

 

é bem por ai..,....  embora ultimamente até as lojas esteja complicado achar alguma coisa....

 

bom, basicamente, voltei a comprar no exterior APENAS AQUILO QUE NÃO ACHO AQUI ou quero muito!!!!

 

e não mais que cinquenta dollares com frete, pois com essa oscilação do dollar tá phoda....

pak43 posted:

Uma parte do valor do dolar esta na inflação que o Brasil teve em  Real,uma pequena parte esta no espectro politico e outra parte esta no juro baixo e algo de jogatina. Com o Juro baixo o capital externo especulativo não vem para o Brasil. A nossa economia esta se recuperando de uma queda muito brusca,então as pessoas não tem grana para consumir bens caros como automoveis que  ha um tempo atras eram financiados pelas montadoras a perder de vista,ou seja a GM tomava um emprestimo nos EUA a um juro de 2 por cento ao ano investia no Brasil  e financiava automoveis a 10 12 por cento ao ano,negócio da  China,é melhor se acostumar mesmo.

Pois é, mas este fluxo especulativo é importante para a balança de pagamentos do país, precisamos de dólares entrando para o comércio e para as reservas cambiais...

Mais um obstáculo a frente...   Sai e entra governo e as dificuldades continuam...

compras internacionais exigirão CPF a partir de janeiro, diz Correios

Em contato com os Correios, tivemos a confirmação da nova regra. A partir de 1º de janeiro de 2020, toda encomenda internacional que vem para o Brasil deve conter o número do CPF do destinatário. Bom lembrar que há algum tempo já existe uma exigência de fazer a declaração de conteúdo, incluindo nome e CPF do destinatário, para envios feitos dentro do Brasil.

Nas redes sociais, correm boatos de que essa nova exigência pode aumentar o número de encomendas taxadas. Ou que, no futuro, os Correios criem um sistema de controle dos pacotes internacionais, limitando o número de entradas para cada pessoa física. O que forçaria quem importa muitos produtos a abrir uma MEI, passando a informar o CNPJ para que suas encomendas ingressem no país.

É bom notar, porém, que não é certeza que todas as encomendas passarão a ser taxadas. O CPF pode ser usado pelos Correios para facilitar o processo dessas cobranças, mas há modalidades de frete que, apesar de serem mais caras, facilitam o desembaraço alfandegário por já conterem as informações necessárias para a análise da Receita Federal sobre o conteúdo e já terem os custos de logística incluídos.

Mesmo encomendas com frete internacional grátis podem ser taxadas apenas com os R$ 15 do despacho postal. E é aí que a inclusão do CPF junto aos dados do destinatário pode facilitar não apenas o trabalho dos funcionários dos Correios, mas o de quem está importando, pois o processo de cobrança, teoricamente, será mais rápido.

Como eu já disse antes, aqui é como o velho oeste, saque primeiro ou morra... porisso corri com as compras de uns tempos para cá....

A questão é a seguinte, as encomendas despachadas antes da nova normativa e que chegarem depois da data estipulada, quando nem se sabia do fato, correm o risco de serem devolvidas???

Incluir Resposta

Curtidas (1)
Marcio Bernardi
×
×
×
×