Pré-Dreadnought Danton - Hobby Boss

 No final do século XIX a principal competição por hegemonia marítima era entre os ingleses da Marinha Real e a República Francesa, estes já tinham uma rivalidade secular, embora a Rússia Imperial estivesse aumentando sua frota rapidamente. Por duas décadas, a marinha francesa foi dominada pelo Jeune Ecole, que desdenhou grandes navios de guerra. Essa teoria acreditava que as massas de pequenos torpedeiros baratos poderiam sobrecarregar a Frota Britânica por apenas uma fração dos custos dos grandes navios de guerra. Também fazia parte de sua teoria que cruzadores blindados rápidos poderiam atacar o ponto fraco da Grã-Bretanha que é a sua frota mercante. Se tivesse que haver construção de navios de guerra, eles deveriam ser pequenos navios de guerra de defesa costeira. A construção de navios de guerra entre as décadas de 1870 a 1890 foram caracterizadas por pequenos tipos de defesa costeira. Para complicar ainda mais a continuidade estratégica, as administrações navais tiveram a vida útil curta, foram 31 administrações diferentes em um intervalo de tempo de 33 anos. Em 1890, foi decidido trazer os navios de guerra franceses de volta ao principio de defesa da costa. Mesmo quando a construção de um navio maior foi autorizado, o procedimento para o pedido de novos navios era tão bizarro que os navios franceses demoraram muito mais tempo para completar a construção comparados as outras potências como por exemplo o encouraçado Magenta que foi encomendado em 1880, mas não foi concluído até o final de 1893.

          Encouraçado Pré-Dreadnought Magenta

Durante a década seguinte, a Marinha Francesa completou vários navios que podem ser agrupados em dois tipos distintos com base em suas características. A linha de batalha francesa era conhecida como uma coleção de novos desenhos em teste, em que as práticas de construção francesas tendiam a construir projetos únicos. Isso foi causado principalmente pela falta de fundos durante a construção e a mudança de administrações, portanto não foram feitos novos pedidos de navios . A cada novo design os franceses rearranjavam novamente as classes e ordenamentos. A única exceção foi a classe de 1894, o St. Louis, na qual três navios de guerra foram construídos com o mesmo design. Esse processo resultou em pouca comunhão de classe para classe ou de navio para navio. O projeto francês enfatizava a taxa de fogo e a navegabilidade e estavam menos interessados em velocidade e blindagem. Torretas de montagem única eram favorecidas em um padrão de losango com torres na proa e na popa e uma torre de cada lado no centro do navio. Na aparência, eles tinham mastros ou colunas de comando pesados e uma faixa de estreitamento do casco externo. A gênese para o plano de 1890 foi a ameaça de guerra e uma disputa tarifária com a Itália em 1889 e as manobras de frota nas quais a "Frota Italiana" mais rápida poderia evitar o contato com a "Frota Francesa" e atacar a costa mediterrânea francesa. Também os britânicos anunciaram um grande programa de construções naquele ano. Em resposta, os planos iniciais exigiam navios de batalha de 14 mil toneladas com quatro canhões de 12 polegadas e uma velocidade máxima de 17 nós . No entanto, os políticos do Jeune Ecole protestaram contra esse "gigantismo" e as estimativas foram reduzidas para um deslocamento máximo de 12.000 toneladas, o que deixou os projetistas de mãos amarradas.

Os primeiros cinco navios do programa de 1890 foram entregues a um projetista diferente, exceto que Charles Martel e Bouvet tinham o mesmo projetista, mas mesmo assim os navios não tinham o mesmo design. Charles Martel , Carnot e Jaureguiberry foram encomendados em 14 de abril de 1891 e Massena e Bouvet foram ordenados em 18 de maio de 1892. Com longos períodos de construção, embora construídos mais rapidamente que os navios da década anterior, os três primeiros foram concluídos em 1897 e os dois últimos em 1898. Não há dois navios com o mesmo comprimento ou deslocamento que vão de 112 metros para Jaureguiberry a 123 metros para o Bouvet. O maior e mais lento foi o Bouvet, com uma velocidade máxima de 17 nós, mas os outros quatro estavam perto dos 18 nós. Todos eles tinham um armamento principal comum de torretas de canhões de 12 polegadas com armamento secundário de 10,8 polegadas 
 Os canhões principais de 12 polegadas eram de calibre 45, exceto o Massena com calibre 40 enquanto para os canhões de 10,8 polegadas três dos quatro tinham calibre 45 e o Charles Martel e Bouvet tinham calibre 40. Os três primeiros tinham oito canhões secundários de 5,5 polegadas / cal.45 e quatro canhões de 47 mm de tiro rápido. Os dois últimos reduziram o calibre do canhão secundário para aumentar as quantidade de armas de tiro rápido. 
 Estes dois tinham oito canhões secundários de 3,9 polegadas com doze canhões de fogo rápido de 47mm. Com um limite de 12.000 toneladas, algo tinha que ser sacrificado para permitir mais armas e estas tinham que ser de menor potência.

Foi só apenas em 1893 que os franceses descobriram a economia de encomendar vários navios de um design comum. Em 30 de setembro de 1893, três navios foram encomendados do mesmo projeto e se tornaram a classe de St. Louis . Houve um intervalo de tempo significativo entre a ordem desta classe e as ordens para o nono e décimo navios do programa naval de 1890. O Jena não foi ordenado até 1897 e o Suffren foi em 1890. Todos esses cinco navios acabaram recebendo armamento secundário de 10,8 polegadas e carregavam torres de canhões padrão de 12 polegadas na proa e popa. O Suffren era significativamente maior com um comprimento de 128 metros e deslocamento de 12.527 toneladas, quebrando o limite de 12.000 toneladas e 1.000 toneladas mais pesado que a classe de St Louis . Todos os cinco tinham quatro torres gêmeas de 12 polegadas / cal.40, mas o calibre da arma secundária começou a subir. A classe de St Louis voltou para dez canhões de 
5,5 polegadas / cal.45, mas também incrementou oito canhões de 3,9 polegadas e vinte canhões de 47mm.O Jena foi para oito canhões de 6,4 polegadas e Suffren para dez de 6,4 polegadas / cal.45. Cada um tinha os mesmos oito canhões terciários de 3,9 polegadas e o Jena vinte e sete canhões rápidos de 47mm e Suffren vinte e dois canhões de 47mm. Todos os cinco navios atingiam 18 nós. O Carlos Magno e Gaulois foram completados em 1899, StLouis em 1900, Jena em 1902 e o Suffren em 1904.

A abordagem e as encomendas dos navios de guerra mudaram com o advento do século XX. Os projetos do século XX foram construídos com vários navios dentro de uma classe e cada classe subseqüente melhorou o design anterior. Um dos fatores que atormentaram os projetistas de navios de guerra franceses foi o deslocamento máximo restritivamente baixo. 
Promulgada por políticos confusos e ignorantes do assunto, isso resultou em navios em que muito tinha que ser sacrificado em um projeto muito pequeno. Os projetistas tiveram que fazer compromissos severos que reduziam as armas para fornecer proteção de blindagem comum ou carregá-las muito baixas para fins de estabilidade. O deslocamento limitado dos projetos causou essas “gambiarras”, que por sua vez criaram graves falhas operacionais nos navios, o que reduziu sua eficácia em combate.

O último navio do programa naval de 1890, o Suffre, era de desenho limitado, mas o ultrapassou e mostrou o que poderia ser alcançado com as 527 toneladas a mais além do limite estabelecido de 12.000 toneladas impostos politicamente. Os Suffren reintroduziram a prática de montar canhões secundários em torretas, em vez de casemates, como ainda se encontrava nos desenhos da Real Marinha Inglesa. A colocação de torretas provou ser muito melhor do que a colocação de casamata para os canhões secundários e foi aqui que os designers franceses estiveram significativamente à frente dos seus contemporâneos britânicos. Foi com o projeto seguinte que os limites de deslocamento foram removidas. Com o navio Republique os projetistas poderiam fornecer um esquema de blindagem bom e eficaz com um cinto correndo por quase todo o comprimento do encouraçado. O deslocamento aumentou em 2.000 toneladas permitindo que os projetistas criassem um design bem armado e com boa blindagem. O projeto da Republique de 1901 tinha apenas dois navios nesta classe, Republique e Patrie , mas os quatros irmãos do projeto poderiam ser considerados meio-irmãos  da classe Republique . Na verdade, Eric Gille, em seu volume sobre navios de guerra franceses (Cent Ans de Cuirasses Francais) , lista todos os seis navios como os encouraçados de 15.000 toneladas do tipo Republique , que ele chama de pré-dreadnoughts franceses.

No entanto, a maioria das autoridades separa as duas classes de  navios Republique dos quatro navios da classe Liberte . Alguns autores listam a classe Liberte como a classe Verite porque o navio líder Liberte ainda não estava em serviço até que uma explosão interna ocorreu no porto. Os nomes escolhidos para os navios remontam à 1ª República dos anos 1790, com Verite (verdade), Justice , Liberte e Democratie .

 Os engenheiros e designers estavam pensando em maneiras de melhorar a classe desde o design inicial. O Liberte foi ordenado apenas sete meses depois do Patrie . O projeto dificilmente era novo, pois tinha a mesma aparência, a mesma blindagem, a mesma maquinaria para os dois primeiros (o segundo aumentava a potência para 18.000 hp com duas caldeiras a menos, mas de um fabricante diferente, mesmas dimensões e mesmo armamento. , exceto por um aumento do calibre de 12 polegadas /cal. 50 para as armas principais, um grande aumento no tamanho do armamento secundário e um ligeiro aumento no tamanho do torpedo para 460mm. De acordo com as tendências em outras marinhas, o tamanho das armas secundárias foi aumentado,
embora o número de armas tenha sido reduzido. O deslocamento subiu ligeiramente para 14.900 toneladas. O armamento secundário para o projeto Liberte era de dez canhões de 194 mm (7,6 polegadas) com seis em torres de arma única e quatro em casemates. Os navios eram bonitos, já que estavam menos amontoados do que os anteriores e continuavam exibindo características tipicamente francesas. Com seu cinturão superior destacado, tampões de cartola, aparência de rosto feroz e pequenas torres para o armamento secundário, não havia dúvidas sobre seu design francês. 

Um problema contínuo com a construção francesa foi o tempo de construção lento. Os pátios eram ineficientes e um estaleiro britânico podia completar dois navios de guerra no tempo que levava um estaleiro francês para produzir um. Os navios da classe Liberte não eram exceções a essa doença. O Liberte foi lançado em 19 de abril de 1905 e só terminado em dezembro de 1907, mas levou um longo tempo a partir do batimento da quilha e o lançamento. A Justice foi iniciada em maio de 1902, lançada em 27 de setembro de 1904, mas não concluída até julho de 1907. O Verite levou quase cinco anos para ser construída também. Ela foi iniciada em maio de 1903, lançada quatro anos depois em maio de 1907, e concluída em maio de 1908. O  Democratie foi a construção mais rápida, levando apenas quatro anos. Iniciada em maio de 1903, ela foi lançada em abril de 1904 e concluída em julho de 1907. Embora tenha sido contratada em 1902, os navios não estavam em operação até o final de 1907 e em 1908. A essa altura o HMS Dreadnought já estava em serviço há algum tempo e, portanto, os projetos 
eram já obsoletos, se não obsoletos desde o início de seu serviço. Com a Entente Cordial, a marinha francesa não precisava mais se preocupar com o canal ou com os esquadrões do Atlântico  pois a Marinha Real poderia estacionar sua vasta frota de batalha contra a emergente frota alemã de alto mar. Em vez disso, os franceses concentraram seu olhar no Mediterrâneo, onde a Itália era vista como o inimigo mais provável. 

Com os limites de tonelagem removidos, a classe Republique permitiu aos engenheiros projetar um esquema de blindagem bom e eficaz com um cinto correndo por quase todo o comprimento do encouraçado. A classe era de 14.870 toneladas e armada com quatro canhões principais de 12 polegadas / 45 (305mm), dezesseis canhões secundários de 6.5 polegadas (164.7mm) com doze canhões em seis torres gêmeas e os outros quatro em posições casemate, treze canhões de 65mm de tiro rápido, dez de 47mm e dois tubos subaquáticos de torpedo de 450 mm ou 18 polegadas. A blindagem era razoável com um cinto de 11 a 7 polegadas, 12 ½ polegadas nas torres principais e 13 polegadas na torre de comando. Os motores de expansão tripla verticais desenvolviam 17.500 hp e conduziam três eixos para uma velocidade máxima de 18 nós. Os navios tinham três torres, com duas agrupadas logo atrás da superestrutura dianteira e a terceira separada muito à frente da superestrutura traseira. Embora ainda possuísse uma boa cintura reduzida no casco superior, o projeto não o tinha em excesso como nos projetos anteriores.O Republique foi iniciado em dezembro de 1901, seguido pelo Patrie em dezembro de 1902.

O último dos projetos de couraçados de batalha pré-dreadnought da França sempre será um mistério, porque eles eram na verdade um design pós-Dreadnought. O HMSDreadnought foi lançado em 10 de fevereiro de 1906 e completo anos antes do último projeto de armamento misto francês ser iniciado. Os franceses tinham ido de um extremo ao outro. A partir da encomenda de um projeto de navio, a classe Danton consistia em seis navios de um projeto comum. Infelizmente, o design escolhido já estava obsoleto. Os couraçados de batalha de classe Danton eram grandes navios e na verdade eram mais pesados que o Dreadnought com 18.400 toneladas normais em comparação com as 17.900 toneladas para o Dreadnought . Por que então a França construiu um projeto misto com a classe Danton quando eles poderiam ter encomendado navios com armamento pesado? Em Centés Ans de Cuirasses Français, Eric Gille salienta que nem todos eram a favor do design Dreadnought . Mesmo na Grã-Bretanha, houve críticos do design que acreditavam que estes grandes navios reduziriam a quantidade de navios de guerra que poderiam ser encomendados. Outros apontaram que a frota japonesa havia sufocado a frota russa na Batalha de Tsushima com golpes de canhões secundários que não poderiam ser alcançados pelas armas secundárias do Dreadnought . Esses críticos ignoraram ou não souberam que foram os golpes dos canhões de grande calibre que selaram o destino dos navios russos, não os projéteis de calibre médio que causaram baixas da tripulação mas sim os danos fatais aos navios russos . Você provavelmente poderia chamar esse grupo de " Todos os Seus Ovos em uma Cesta ", pois eles temiam que a perda de um ou dois dos grandes navios de guerra retirassem muito da força da frota. Eles preferiram espalhar o risco através de uma quantidade maior de navios menores. O ilustre designer francês Emile Bertin basicamente manteve essa mesma visão e ficou em dúvida sobre a eficiência do design do Dreadnought . 

A criação de Les Cuirasses de 18.000 toneladas do tipo Danton na verdade se originou quando o HMS Dreadnought estava em construção. Desde que os grilhões de 12.000 toneladas limite foram removidos após o Suffren , cada novo design saltou em tamanho. No entanto, para a classe Danton , foi um salto enorme de 15.000 toneladas para 18.000 toneladas. Em agosto de 1905, o Ministro da Marinha esboçou preliminares para os navios do programa de 1906. Sua idéia era de três navios de guerra com um deslocamento de 18.000 toneladas, velocidade máxima de 18 nós, quatro canhões principais de 12 polegadas (305mm) e doze canhões secundários de 9,4 polegadas (240mm) em seis torres gêmeas. Outras propostas rapidamente seguiram e finalmente as características básicas foram resumidas em três opções. Um foi o design visto pelo ministro, um segundo foi para uma versão francesa do Dreadnought com dez canhões 12 polegadas (305 mm), um era uma variação do design do Danton , e um terceiro era um compromisso entre os dois com seis canhões de 12 polegadas (305 mm) e doze de 7,6 polegadas (194 mm). Então outro grupo veio em favor de todas as grandes armas, mas usando canhões de 27,8 mm. Eles apontaram que os alemães estavam usando canhões de onze polegadas (280 mm) e acharam que a arma de 10,8 polegadas era o equivalente.

Depois de fazer alguns cálculos, determinou-se que seria necessário um deslocamento de 20.000 toneladas para um navio montando dez canhões de 305 mm e já que o ministério estava olhando para um navio de guerra de 18.000 toneladas, a opção de grande porte foi removida das opções . O fato coincidiu com a conclusão de que a maior taxa de fogo do canhão de 9,4 graus (3 voltas / min) em relação aos canhões de 12 pol. (2 voltas / min) mais que compensou os projéteis mais leves. Outras opções foram 17.200 toneladas para quatro canhões de 12 pol e dez canhões de 9,4 pol. com 18.000 toneladas para quatro canhões de 12 pol e doze de 9.4 pol e 17.400 toneladas para quatro canhões de 12 pol e dezesseis canhões de 7.6 pol. O design com quatro canhões de 12 pol. E doze de 9,4 pol. Foi escolhido e os franceses passaram a oportunidade de construir seu próprio projeto de Dreadnought.

Em 8 de maio de 1906, as ordens para dois dos três navios foram feitas com a classe Danton para serem construídas em Brest e Mirabeau em Lorient. No entanto, a maquinaria propulsora ainda estava indecisa. Como em qualquer outra marinha, os encouraçados franceses usavam motores alternativos de expansão tripla. Os franceses estavam muito interessados na maquinaria de turbina instalada nos Dreadnought e esperaram para descobrir como as turbinas funcionavam nos testes do Dreadnought .

O Dreadnought foi concluído em outubro de 1906 e sua maquinaria e
usina das turbinas provou ser um sucesso extraordinário, tão importante ou mais do que o layout de todas as grandes armas. Em 29 de dezembro de 1906, o ministério ordenou que as turbinas fossem usadas na classe Danton . Com a decisão de fabricar turbinas, decidiu-se ampliar de três para seis unidades, e no final de dezembro , o Voltaire ,Vergniaud , Diderot e Condorcet foram ordenados. Ainda demorou um pouco para encomendar as turbinas, já que na França ninguém o fabricava naquela época. As Turbinas Four Parsons
foram utilizados em cada navio com 26 caldeiras Belleville para fornecer o vapor. Como a Marinha Real também estava equipando seus navios de guerra e cruzadores de batalha com turbinas Parson , a ordem francesa estava no final da fila. Finalmente, em 10 de janeiro de 1908, o Danton foi lançado, quase dois anos após a encomenda ter sido feita, e posto em testes em 4 de julho de 1909. Embora tenha demorado um ano e meio para chegar à data de lançamento oficial, os testes terminaram muito rapidamente.  Danton , Diderot e Condorcet foram completados em abril de 1911. Os outros três levaram mais um ano com Voltaire completando em maio de 1912, Mirabeau em julho e Vergniaud em novembro. As turbinas provaram ser um sucesso no design francês, assim como o foram no Dreadnought, com o Danton e oVoltaire excedendo os 20 nós e os outros quatro atingindo velocidades ligeiramente abaixo de 20 nós.

Embora concluído em abril de 1911, o Danton teve que passar por testes e finalmente se juntou à frota no final de 1911 com a 1ª Esquadra, Primeira Divisão da Marinha navale. Todo o ano de 1912 foi gasto em cruzeiros ao longo das costas da Provença e da Córsega. Em 1913, o Danton foi mais longe, participando de manobras da frota na Provença e na Tunísia, e no outono juntou-se ao esquadrão do Mediterrâneo com visitas ao Egito, à Síria e à Grécia. Houve mais manobras em maio de 1914 na Córsega, na Argélia e na Tunísia. Em agosto, com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, a principal tarefa da frota francesa era bloquear a frota austro-húngara. Em 16 de agosto de 1914, o Danton e seu esquadrão encontrou o cruzador ligeiro austríaco Zenta , que foi atingido. O resto de 1914 foi gasto patrulhando o mar Jônico com surtidas ocasionais no Adriático e visitas a Malta e Bizerta. Para 1915, foi mais do mesmo para o Danton . Finalmente, em 1916, ele foi enviado para Toulon para uma manutenção que foi concluída em dezembro de 1916. No início de março, ele atracou em Corfu, mas no meio do mês estava de volta ao Mediterrâneo ocidental. Em 19 de março de 1917, o Danton estava cruzando o sul da Sardenha quando foi flagrado pelo submarino alemão U-64 . Um único torpedo pegou o Danton que afundou depois de 30 minutos. No entanto, a maioria da tripulação foi resgatado com 806 salvos e 296 perdidos. 

O kit Hobby Boss 1/350 Danton - Quem teria pensado que o encouraçado Danton pré-dreadnought seria lançado em kit? O Mikasa dá para entender, como era o navio capitânia do Almirante Togo na Batalha de Tsushima. O mundo da modelagem realmente mudou. Hobby Boss parece ser uma divisão da Trumpeter e é bem conhecido por sua grande variedade de kits de aeronaves e blindados. Eu não sei se é verdade ou não, mas a Hobby Boss parece produzir kits que são um ponto acima da linha Trumpeter. Eu tenho um bom número de seus kits e a maioria vem com fotoetch e centenas de peças por kit com qualidade muito alta. Ver a Hobby Boss saltar para o mercado de escala 1/350 com um pré-dreadnought francês é realmente emocionante. Seu Danton 1/350 tem o que eu esperava em seus kits, centenas de peças, três cartões de fotoetch de latão e até mesmo uma corrente de metal para a âncora. Outra coisa que ressalta são as casemates de casco aberto e as janelas com transparência na superestrutura, o que permitem ao modelista tratar as janelas com Krystal Klear. 

O casco tem destacado a cintura acima da linha d´água, mas não na medida dos anteriores pré-dreadnoughts franceses. O casco é inteiriço, então você terá que cortar o casco inferior para a obter a montagem na linha d'água. Existem duas metades do casco unidas ao longo da linha central. Não há recuos dentro das partes do casco para simplificar o corte do casco inferior, provavelmente porque há dois suportes transversais dentro do casco. As seis posições de casamata de cada lado estão abertas e as peças são fornecidas para a instalação dos detalhes atrás de cada posição. Se você quiser, pode adicionar figuras em volta das torres dos canhões e dentro do casco, embora eu não saiba o quanto você veria das figuras. No topo das metades do casco estão excelentes calços abertos que sobressaem ligeiramente dos lados do casco. As vigias são profundas, mas não são perfuradas por todo o casco. Eles não têm rigolas (sobrancelhas). Os poços de ancoragem, dois a estibordo e um a bombordo, são nítidos e característico dos franceses. Os couraçados da Marine Nationale continham poços de âncora em recesso começando com a Classe de Saint Louis de 1893 e continuando com seus dreadnoughts ordenados antes da Primeira Guerra Mundial. Outra característica dos desenhos franceses são as portas no lado do casco. Alguns são portas de entrada grandes, que são contornos para as portas separadas do casco de fotoetch) e algumas são pequenas portas em torno de um
orifício da porta. Eles podiam ser abertos para ventilação extra. O kit tem todas as portas fechadas. Há uma suspensão triangular que é parte da base para a 
torre de canhão de 9,4 polegadas. 

A classe Danton tinha decks de metal em vez de tábuas de madeira. O kit Hobby Boss tem dois decks grandes. Uma é para o convés principal, que percorre 80% do comprimento do navio e há um tombadilho curto, que começa na quebra do convés, que é quase na popa. Estes decks mostram placas, que eram o deck para a classe em vez de tábuas de madeira. No entanto, as costuras são levantadas em vez de recuadas. Fotografias de decks de outros pré-dreadnoughts franceses parecem mostrar escuridão dos painéis separados por costuras leves. Os painéis podem ser de linóleo de convés ligados uns aos outros por tiras de latão de uma maneira semelhante às tiras de linóleo usadas pelos navios de guerra japoneses. A cor das placas mostra os painéis da plataforma como castanho-escuro, de acordo com um linóleo, em vez de uma superfície de aço. Fiquei especialmente impressionado com os detalhes da plataforma dos canhões. Você pode pensar que a falta de tábuas de madeira prejudicaria os detalhes do deck, mas não no caso do Danton . Há uma enorme quantidade de detalhes no convés, além do detalhe da placa de aço ou linóleo começando no castelo de proa do convés que é único no design e está aberto para que a corrente da âncora fornecida encaixes nos suportes.

 Os acessórios de amarração da borda da plataforma têm a placa de base como parte do deck com postes de amarração separados. Também parece haver um encaixe de amarração muito grande perto da proa, mas isso pode ser algum tipo de maquinário. Os guinchos das âncoras são partes separadas que entram em furos. As entradas do convés paraa passagem da corrente são profundas, de modo que há profundidade mais do que suficiente para a corrente de âncora se encaixar. Detalhes adicionais são os recessos para calços abertos internamente, encaixes dos tubos de ventilação com aberturas superiores e uma série de pequenos acessórios cuja finalidade eu não sei. As placas reais do deck começam com a torreta principal para a proa. O detalhe da chapa e das chaminés compreende a maior parte do detalhamento do convés da meia-nau, mas há algumas aberturas quadradas em cada lado dos três primeiros funels. Entre os três funels dianteiros e dois traseiros há os turcos dos barcos salva vidas. Os calços dos barcos são moldados no convés e são muito espessos, mas, em grande parte ficam escondidos quando os barcos estão presos. Sete funels em pirâmide e contornos de localização para vários outros na torre tornam essa área muito movimentada. Existem mais cinco acessórios de funels em forma de pirâmide na extremidade posterior deste convés principal, embora alguns possam ser, na verdade, 
acessórios para acesso à plataforma . Na extremidade traseira há muitos buracos para os postes das muradas da plataforma.

Sprue B tem apenas duas partes. Uma é a superestrutura dianteira com as janelas abertas e a outra é o deck 01 que é a base para os três funels dianteiros. Em 
adição às janelas quadradas, a parte da superestrutura tem vigia, funel para a frente e cabo com detalhes de suporte. O deck 01 possui aberturas de acesso ao convés, calços dos barcos salva vidas, escotilhas e montagem dos funels em forma de pirâmide.

Sprue C concentra-se em peças para as cinco plataformas do navio. Existem três padrões diferentes de stacks, e cada stack tem duas metades: a base ea cobertura em forma de cartola. As peças da sala dos canhões  de 75 mm da casamata acrescentam outras seis partes a este ponto. Sete torres de ventilação (funel) com detalhes de louvre estão presentes. O sprue é arredondado com três cabines e a plataforma de navegação. Duas das cabines têm janelas abertas .

Sprue D é uma mistura das partes e peças subaquáticas do casco para os mastros. As quilhas são partes separadas, o que permite quilhas mais finas. Os quatro eixos de hélice com suportes de apoio estão neste canal. Para as peças do mastro, há o mastro tubular grosso, o mastro principal, os pátios e os topos muito mais finos. O sprue é completado com peças para o pessoal de jaque, pessoal de bandeira, guinchos, cabina de popa com detalhe de portas, pequenas torres de ventilação e decaimento, pequena plataforma e base. 

Sprue E são quatro idênticos. As torres secundárias dos canhões de 9,4 polegadas dominam o sprue com a torre, a base da torre, o eixo, as cobertas de observação e os canos dos canhões. Os canos da arma principal também estão presentes. Cada sprue tem três canos secundários e um cano principal. Os canos da arma secundária têm um contrapeso nos canos da arma principal não têm esse contrapeso. Os canhões terciários de 75 milímetros de casamata também estão nesses sprues. Outras partes são âncoras, holofotes, barcos salva vidas, diretores de armas, amarração, calços abertos, pilares de popa, habitáculos, chaminés e cabines com detalhes de portas laterais e superiores . 

Sprue G. As principais torres de armas são encontradas aqui, junto com suas bases e posto de observação. Outras partes incluem mais barcos de amarração, balizas, guinchos e seus topos, turcos dos barcos, diretores de armas e equipamentos de ponte de navegação. 

Sprue H possuem as peças para os dois guindastes. Embora haja mais detalhes no fotoetch em latão para os guindastes, o poste e o braço do guindaste são de plástico. Infelizmente o detalhe é maciço e não vazado

Sprue K tem o quarterdeck curto, pontes de navegação, plataforma, leme e dois suportes interiores transversais do casco. O detalhe do quarto de convés tem clarabóias / ventiladores em forma de pirâmide, placas de amarração, coxins de convés, ventiladores tipo cogumelo e equipamento de âncora de popa. A última peça de plástico é uma base para o modelo concluído.

Fonte: Steelnavy.net

Hobby Boss oferece três folhas de fotoetch de latão em seu kit Danton .

A folha A de fotoetch é grande, com duas folhas B idênticos e menores. Todos os rails ou amuradas do convés estão incluídos.

Os rails têm um prolongamento, o que facilita a sua fixação ao casco e serve como embornais de borda do convés. Em certos locais, cada quarto pilar se estende para cima. Meu melhor palpite é que os suportes mais longos eram usados para suportar toldos de convés. O detalhe do clínquer de várias peças ocupa um pouco de espaço, considerando-se cinco placas. Escada vertical de latão na maioria dos kits do fabricante é uma escada que você anexa à peça de plástico ou resina. 

A Hobby Boss tem uma aproximação diferente. A escada vertical tem postes de fixação, de modo que a escada fica a uma curta distância da torre ou antepara. As escadas inclinadas  também são excelentes com os seus corrimãos, degraus vazados no deck inferior e plataformas perfuradas. O detalhe do guindaste está presente com incrível detalhe através do fotoetch gravadas em relevo . Existem inúmeros suportes triangulares, algumas plataformas de barcos salva vidas, banda da torre de comando e plataforma de torre de ventilação. As duas placas B menores concentram-se nos obturadores para as posições dos canhões de 75 mm no casco. No entanto, existem escadas mais inclinadas, corrimão e escada vertical. 

A escada vertical nestes pontos não tem os postes de fixação. A plataforma é arredondada com equipamentos de barco salva vidas e os turcos. A corrente de âncora de metal está incluída no kit. Uma folha de decalque fornece bandeiras de identificação em ouro amarelo, bandeiras retas e bandeiras agitadas pelo vento. 
Uma folha colorida atraente do kit está incluída. De nota especial é a cor do convés a ré do castelo de aço cinzento. A folha mostra uma cor marrom, que seria encontrada em um deck de linóleo. Um folheto de instruções de vinte páginas fornece uma montagem abrangente. As primeiras três páginas são as instruções gerais e a disposição das peças. 
A página quatro tem um conjunto básico de montagem do casco e a página cinco tem a adição de posições dos canhões de 75 mm. A página seis tem anexo do convés principal seguido por equipamento subaquático anexo na página sete. A página oito entra no âmago da questão com peças plásticas e de latão para equipamentos de convés e acessórios para portas no casco que são expandidos na página nove. A página dez é a montagem da superestrutura avançada.

A página onze é montagem e fixação da superestrutura. A página doze tem a montagem das torres, a torre de convés e a montagem de mastro. A página treze tem mastros, deckhouse e anexo de torre de ventilação. A montagem dos tubos de ventilação e do guindaste ocupa a página quatorze.

A página quinze é a fixação das plataformas ou estrutura do deck, guindastes e algumas escadas inclinadas. A página dezesseis e dezessete são para montagem de meio do deck e das plataformas, escadas e barcos salva vidas. A página dezoito é para as grades ou corrimão do convés e a página dezenove para a colocação das torres. A última página tem anexos de acessórios externos como as escadas e os tubos que saem do casco. As instruções são claras e fáceis de seguir.

No total são 299 peças separadas em 15 árvores e outras 181 partes nas três folhas de fotoetch. O comprimento total do kit montado fica em 414mm  e 73.7mm de largura.

          O encouraçado Pré-Dreadnouht Danton

Original Post

Incluir Resposta

Curtidas (1)
mariolucio
×
×
×
×