Dogfight hidroavião x bombardeiro

Dogfigth entre H6K5 Mavis e B-17

Trecho retirado do livro "Saigo No Hikotei" ("The Last Flying Boat"), de autoria do Tenente Tsuneo Hitsuji Saigo, que pilotou hidroaviões japoneses H6K5 Mavis e H8K2 Emily durante a 2ª Guerra Mundial.


O tenente Hitsuji era piloto de um hidroavião H6K2 Mavis do 851º Kokutai em 21 de novembro de 1942, quando encontrou um B-17E também em patrulha.


O artilheiro de cauda gritou: "Avião inimigo! Bem próximo! A estibordo (direita) e atrás!"
"Todos os homens em suas posições de batalha ar - ar!" Eu gritei quando coloquei o avião em um mergulho em velocidade máxima para o nível do mar.

Era 07:00 de 21 de novembro de 1942, a 150 milhas náuticas (278 km) ao sul de Guadalcanal.
Estávamos no meio de uma batalha muito sangrenta, perdendo hidroaviões quase todos os dias para atividades inimigas não identificadas. Nossos hidroaviões tinham apenas tempo suficiente para transmitir um sinal "HI" consecutivo (sinalização consecutiva do sinal de código Morse japonês para o personagem "HI", a inicial para "Hikoki" ou avião) antes do dogfight, seguido pelo silêncio total.

Poucos sobreviveram ao combate aéreo. Se um hidroavião é capaz de fazer relatórios detalhados sobre o inimigo, esse certamente sobreviveu ao duelo.

O nosso comandante estava preocupado com as crescentes perdas, e apenas alguns dias antes, eu assegurei-lhe que isso não duraria muito. Até agora 16 dos nossos hidroaviões foram perdidos. Eu estava prestes a ser o número 17. Não era meu dever, como avião de patrulha envolver-me em batalhas aéreas, mas agora não tinha escolha.

Achei que a luta deveria ser decidida rapidamente. O B-17 posicionou-se acima, a estibordo (direita) e atrás do nosso avião e nos seguiu com facilidade.
Deve estar passando por rádio à sua base sobre a nossa posição. Fiz uma curva apertada para bombordo (esquerda) e fui em direção ao inimigo. A única chance que tínhamos era o relativamente pequeno raio de curva do nosso lento avião em comparação ao B-17 mais veloz.

O inimigo estava obviamente surpreso com nossa volta repentina. À medida que passamos um do outro, o fogo de nosso canhão de cauda de 20mm atingiu o B-17 e seu motor interno de bombordo começou a fumaçar.
O inimigo fugiu, deixando uma longa corrente de fumaça negra.
Continuamos nossa missão de busca, mas tive a sensação de que ainda não havia acabado.

"Comam seu café da manhã agora, antes de voltarmos", eu pedi e fui ao assento do comandante para abrir minha lancheira. Em seguida, meu co-piloto silenciosamente apontou o dedo para a frente e para estibordo. Eu olhei e lá estava: outro B-17 vindo direto para nós.

Aquele que danificamos deve ter pedido ajuda. Estávamos todos prontos para lutar e me levantei do meu assento. Fechei a câmara do tanque e puxei a alavanca do extintor de incêndio. Isso preenche a câmara do tanque com CO2.

Todos os artilheiros ocuparam suas estações. Eu podia ver meu artilheiro da dianteira, PO1 (Petty Officer 1) Takahashi sorrindo em sua torre.

"Ok, estamos prontos", disse alguém. A uma altitude de 30 metros e uma velocidade de 150 nós (277 km/H), tomamos o rumo de nossa base. O inimigo não iniciou seu ataque imediatamente. Voou ao nosso lado e passou por nós. Achei que ele estava evitando o nosso canhão da cauda. Provavelmente faria um ataque frontal. A luta estava prestes a começar.

"Ai vem ele!" alguém gritou e, ao mesmo tempo, as armas dianteiras do inimigo e nossas metralhadoras de estibordo começaram a disparar. À medida que nos passava, eu podia ver o fogo da cauda do inimigo, mas as balas traçantes estavam caindo muito atrás de nós. Sem acertos de ambos os lados.
Nós não mudamos nosso curso e nos dirigimos para a luta.

O B-17 inimigo, mais veloz nos alcançou rapidamente e atravessou nosso caminho, atacando enquanto nos ultrapassava.

Nós estávamos a uma altitude muito baixa e o mar atrás de nós clareou com os tiros de metralhadora (que caíam na superfície).
À medida que o dogfight continuava, o mar clareava mais próximo do nosso avião.

Não conseguia ouvir nada além do rugido das metralhadoras e do ruído dos motores. Não pude tirar meus olhos do inimigo por um momento.
Ele fez sua quarta passagem, e ao atravessar o nosso caminho, um tiro de calibre .50 surgiu dentro do cockpit.

Ouvi alguém gritar "Droga!" e senti cheiro de fumaça ao mesmo tempo. Eu me virei e dois homens estavam caído no chão. O braço esquerdo do nosso principal operador de rádio, PO2 (Petty Officer 2) Watanabe estava pendurado pelo ombro e o sangue estava esguichando até o teto do avião. O engenheiro de vôo, o mecânico líder Nakano estava no chão, segurando o braço esquerdo e gritando "Gasolina, gasolina!".

Ele estava gritando para o operador de rádio, porque a faísca do acionador do rádio poderia incendiar a gasolina vaporizada. Mas o operador de rádio ferido continuou a enviar a mensagem de que estávamos a combater um bombardeiro inimigo. O inimigo começou a fazer outro passe.

Peguei minha atadura e joguei para o LT Ide, que estava atirando, e gritei: "Estanque o sangramento dele!"
Eu podia ver pela janela da câmara do tanque (de combustível) que o gás estava saindo por um furo feito a bala no tanque. Foi um milagre não ter se incendiado. O chão logo foi coberto de gás. Injetei mais gás CO2 e pude ver que o gás branco encheu a câmara do tanque. O mecânico ferido ainda estava gritando "Gasolina!". Eu só pude gritar de volta "Está tudo bem! Preocupe-se só consigo!"

Conseguimos estancar o sangramento do operador de rádio, mas o inimigo continuava atacando. Em meio à troca de tiros, eu podia ouvir balas rasgando nosso avião. O avião estremecia sob o impacto. Mas todos os quatro motores estavam funcionado à força total.

Em sua sexta passagem, no momento em que vi o fogo da cauda do B-17, houve um enorme barulho e o artilheiro dianteiro Takahashi apontou para o chão sob o assento do piloto e vi um grande buraco de cerca de 30 cm, na quilha do nosso casco. Eu podia ver as ondas do mar pelo buraco.

A essa altura, eu tinha certeza de que esse inimigo abateu mais de um de nossos hidroaviões. "Não foi um avião de caça. Foi esse cara. Outro avião de patrulha! Eu vou pegá-lo. Ele não vai ter mais outras marcas de vitória!".

Quando cheguei a essa conclusão, veio uma nova determinação na minha mente. Se não pudermos derrubá-lo com nossas armas, jogaremos nosso avião em cima dele!
Peguei minha pistola e a carreguei.

"Se o ruim transformar-se no pior, jogarei (nosso avião) em cima (dele), ok?" Toquei o ombro do Ensign (Alferes) Kobayashi com minha pistola. Ele assentiu levemente. "Ok, estamos prontos então". Minha mente já estava definida. Eu ia atirar na minha cabeça no momento da colisão, então eu morreria antes da tripulação.

Então notei que o painel lateral do meu assento de comandante estava quente. Fiquei chocado ao encontrar a bala que atingiu um dos membros da tripulação presa ali. Se eu não estivesse de pé, essa bala teria atingido minhas costas! (Esta bala ainda está na minha posse até hoje).

Notei que o fogo do inimigo estava ficando consideravelmente mais fraco. Ou alguns de seus artilheiros foram atingidos, ou eles tinham ficado sem munição. Eu estava com a sensação de que poderíamos escapar quando meu co-piloto de repente colocou o avião em um mergulho. O mar estava bem na nossa frente.

"Ainda não!" Eu gritei, pensando que ele estava prestes a jogar nosso avião contra o B-17, mas logo percebi que nosso co-piloto PO1 (Petty Office 1) Kira evitou uma colisão com o inimigo que veio de lado. O inimigo passou a cerca de 30 metros de nós. O nosso artilheiro de cauda descarregou um tambor inteiro de canhão 20mm no B-17.

Os tiros atingem a fuselagem do inimigo. Ele passou por nós vindo da direita, depois ficou na esquerda e começou a aproximar-se do nosso avião. Eu podia ver o rosto do piloto. Só o que podia fazer era disparar minha pistola contra o inimigo.

Talvez o inimigo estivesse tentando jogar seu avião contra o nosso. Percebi que todas as suas armas estavam apontando em direções aleatórias. Ele deve estar sem munição!

Ele voou ao nosso lado, balançando as asas por um tempo, mas acabou por desaparecer na chuva, em direção a Guadalcanal, derramando gasolina de seus tanques.
"Nós vencemos!" Dizíamos um ao outro.

O após
O H6K5 do Tenente Hitsuji, voltou para a base. Assim que o nariz tocou o mar no pouso, a água começou a jorrar pelo buraco na proa (buraco feito por tiro de .50 durante a luta). Como eles não tinham material para fechar o grande buraco, eles o rechearam com seus coletes salva-vidas.
Mas não estava funcionando, por isso seis homens pularam em cima do buraco tampado pelos coletes para impedira entrada de água. Quando finalmente o avião parou encalhado, os homens mal tinham suas cabeças acima da água, todos estavam cobertos de água, óleo e sangue.

O avião tinha noventa e três buracos de metralhadora calibre .50.

Medidas foram imediatamente tomadas para melhorar a capacidade de defesa dos hidroaviões. As seguintes conversões foram feitas no campo de batalha:

1) Proteção dos tanques de combustível: todos os tanques de combustível foram cobertos com borracha e mantidos em conjunto com rede elétrica. (Hitsuji observa que tanques auto-selantes americanos tinham a borracha por dentro do tanque e assim eram muito mais eficazes, mas essa alteração não podia ser feita em campo).

2) Melhor armamento defensivo: as armas nos H6Ks aumentaram do único canhão de 20mm e sete metralhadoras 7.7mm para três canhões de 20mm (cauda e cintura do avião) e cinco metralhadoras 7.7mm (lados dianteiro, dorsal, ventral e fuselagem).

3) Armadura: placa de armadura de 20mm atrás do assento dos pilotos e escudo de 20mm nas posições dos artilheiros. No entanto, Hitsuji observa que a armadura atrás do piloto era uma melhoria dúbia. Como eles não tinham vidro à prova de balas, se a bala entrasse pela frente e acertasse o piloto, a bala não apenas passaria, mas ricochetearia na armadura e rasgaria novamente pelo corpo do piloto.

4) Aumento e melhoria do treinamento da artilharia ar - ar.

Essas conversões totalizaram 1,5 tonelada em peso adicional, mas isso não afetou a velocidade e a performance do avião.

O tenente Hitsuji sobreviveu à guerra e escreveu sua biografia que foi publicada como Saigo no Hikotei (The Last Flying Boat).

Original Post

Valeu amigos... achei a história interessante, nunca tinha lido algo parecido , de um duelo assim, achei num site qualquer; deve ter sido traduzido de japonês para inglês, só tive o trabalho de traduzir e fazer umas correçõezinhas para a leitura ficar mais clara.

PAULORS não sei se vai encontrar em inglês esse livro, mas já o vi em algumas lojas online, tipo Amazon USA, com capas diferentes.

Cláudio,

Eu tb nunca tinha lido essa história. Aliás, o único relato que tenho sobre as operações desses grandes hidroaviões japoneses diz respeito às missões ao Havaí.

Sobre os livros, encontrei apenas em japonês. Uma pena, pois devem ser muito interessantes. Vou ficar de olho.

[  ]s

Incluir Resposta

Curtidas (1)
fernando frota melzi
×
×
×
×