E prá quem não é lá muito bom modelista e gosta de um acabamento na pintura mais perfeito, que é o meu caso..kkk

Na 1/48 existe o Air-Plane que tem até uma base que você encaixa e puxando um fio faz movimentar a hélice.  A primeira vista é um brinquedão mas eu comprei um destes, pintei e coloquei os decais corretos e mostrei aos colegas que elogiaram e queriam saber a marca do kit, quando contei nem acreditaram, mas ai você vai ter que por a mão na massa e fazer o acabamento.

O molde é baseado em kit normal mas com alterações em algumas partes.

Oi pessoal,

Parecem belos modelos, mas nunca vi um destes ao vivo, são caros?

O problema destes modelos prontos é que a gente começa com aqueles que parecem mais legais, depois encontra alguns outros e quando percebe, tem muito mais do que planejava.

Daquelas coleções das bancas, como por exemplo dos Jatos 1/72 consegui me segurar e comprei só os Brasileiros, já aqueles bombardeiros 1/144, se multiplicaram como coelhos e como alguns são enormes, acabaram todos empacotados pois não tenho onde expor...

Eu até prefiro que não tenha saído mais nada neste sentido ou quando sai é caro, meu lado de colecionador compulsivo agradece 

PlastiAbraços

O homem é um colecionador, ou, como é na natureza entre os machos mamíferos, um acumulador atávico de território, itens, bens, etc...   Essa característica é a responsável pelo nível social-econômico-científico-etc ou ainda estaríamos vivendo como os macacos...  Então não tem que se sentir culpado.

Aliás, é por este motivo que existem os militares, para conter a voracidade dos vizinhos...

Realmente é complicado a questão do espaço, esta é uma das razões de preferir a escala 1/72, mas também faço outras escalas.   Tenho que manter a coleção encaixotada e faço um revezamento na exposição em um pequeno espaço, assim conforme o interesse ou objeto da atenção (navio, veículo, avião, etc) eu troco os modelos expostos. 

Wolf posted:

Tenho que manter a coleção encaixotada e faço um revezamento na exposição em um pequeno espaço, assim conforme o interesse ou objeto da atenção (navio, veículo, avião, etc) eu troco os modelos expostos. 

Boa ideia, nunca pensei nisso, mesmo para coleções maiores, posso alternar pelo menos uma parte 

Também é uma bom motivo para comprar mais 

PlastiAbraços

Olá pessoal:

Por falta de tempo, recursos técnicos, espaço para montagem, etc... eu comecei a substituir kits plásticos nas caixas por miniaturas die cast já montados e pintados.

O resultado foi muito bom, pois deixei de ficar admirando várias caixas cheias de pecinhas e hoje tenho uma bela coleção em casa.

O universo de miniaturas die cast é bem amplo e te possibilita ter várias temáticas distintas, desde aviação até navios e blindados, mas as escalas são um pouco restritivas em termos de tamanhos (escalas) e principalmente preços mais altos do que o plástico quando a escala é maior e mais detalhada.

Optei por 1/72 e 1/144 em aviões e blindados, e navios na 1/1100 ou 1/1250, e tenho visto muita coisa no mercado, desde os sofríveis modelos vendidos em bancas de jornal (mas alguns até de boa qualidade) e outros com uma qualidade de acabamento e pintura muito legal para a proposta.

A dica é garimpar muito, porque já vi a mesma miniatura ser vendida no Ebay do Japão como fascículo tipo banca de jornal e custar "X", e outra marca pegar a mesma miniatura e embalar mais bonitinha e vender por "XXX", ou seja, se bobear você vai pagar bem mais caro a mesma miniatura.

Algumas miniaturas e temáticas tem limitações de fabricação, como por exemplo o Bewster Bufallo da Batalha de Midway, que só tem die cast em versão com o trem de pouso fechado, e outras miniaturas foram fabricadas como edição limitada, e aí pra achar pra comprar é quase impossível ou um preço absurdo, e  também ficamos reféns do vendedor aceitar vender para fora do pais dele, pois não é todo mundo no Ebay que faz vendas internacionais.

Mas valeu a pena a troca, e hoje faço algumas temáticas:

- Aviões americanos e helicópteros de porta-aviões das décadas de 70 à 90/00 na escala 1/72.

- Jatos americanos usados na Guerra do Vietnã e Guerra do Golfo, escala 1/72

- Aviões aliados da WWII usados contra os U-Boats na escala 1/144.

- Aviões japoneses e americanos da Batalha de Midway na 1/72 (mais os porta-aviões na escala 1/1100).

- Aviação brasileira FAB e Marinha, sendo aviões e helicópteros na escala 1/72.

- Blindados e carros de combate WWII e modernos na escala 1/72 e alguns 1/43.

- Carros Hot Rods na escala 1/18 e na escala 1/64.

Nada melhor do que chegar em casa e dar uma "olhadinha" na estante pra relaxar um pouco... kkkkkk

Abraços!

Sérgio Carvalho U-1

Sérgio,
 
Me parece que temos situações um pouco diferentes, no seu caso você trocou uma coisa (plasti) pela outra (die cast), no meu (o die cast) é mais um complemento (do plasti).
 
Na verdade, certos temas (que um dia tive em plasti) fiz exatamente isto (substitui por diecast), que acabaram puxando outros novos (em die cast).
Sou daquele tempo da Revell Kiko, em que a gente montava muito mais o que era lançado, do que uma coleção com um tema mais específico numa mesma escala.
 
Tive boas coleções, principalmente de aviação 1/72, 1/144 e 1/32, Militaria 1/35 e HO/176, além de Automóveis 1/24 e 1/25.
 
Algum tempo depois Foquei tudo em Militaria 1/35 e passei tudo mais adiante, tenho muitas caixas 1/35 para admirar, mas tenho ainda mais montados nas prateleiras 
 
Mais ou menos nesta ocasião, encontrei alguns Hot Wheels temáticos e inicei uma coleção paralela, sem muitas pretensões, pois são outra proposta, não muito detalhados mas bastante divertidos.
 
Porém, como você bem colocou, existem atualmente alguns die cast realmente muito bons, que dependendo da ocasião, atiçados pela nostalgia, são quase irresistíveis...
 
Daí comecei uma pequena coleção de automóveis 1/43, depois blindados 1/72, bombardeiros 1/144, aviões a jato 1/72...
 
A partir daí, são necessários alguns cuidados para não exagerar, de qualquer modo, se precisar creio que seja até mais fácil revender os die cast, do que os kits em plástico
 
PlastiAbraços
 

Oi Rubens:

Eu ainda tenho vários kits... nas caixas... kkkkk pois tem coisas que nem o diecast vai poder substituir em nossa memória e tem apelo emocional.

Coisas como o Boeing 727 da Revell escala 1/144, versão da Cruzeiro do Sul antiga, em caixa dura, super bem conservado! Assim como um Curtiss P-40 Tigre Voador Revell na 1/32, um navio Calypso do Jaques Costeau, e por aí vai... kits que me lembram o início no plasti, quando os kits eram mais brinquedos do que itens de coleção.

São kits da época da infância, que por terem um grande apelo emocional ficam lá nas suas respectivas caixas bem guardados.

Mas algumas coisas eu meio que desapeguei e venho substituindo os kits em caixas pelas miniaturas diecast, e tenho até algumas em plástico da Easy Model, pois não achei a versão ideal no diecast.

Enfim, dependendo da temática, e do apelo emocional, vou transitando entre o plasti e o diecast, mas o importante é ser feliz!

Na minha época do GPPSD lá na Oca do Ibirapuera, entre 1978 à 1983, cheguei até a ganhar umas medalhinhas na categoria Junior, mas hoje já não sou mais tão radical na acuracidade dos modelos, e quero mais é curtir os modelos, ver as linhas, pesquisar a história do modelo retratado, etc... ou seja, curtir ter o modelo e sua história, e não tanto que ele seja 100% fiel ao original.

Pode parecer uma heresia, mas a busca pela fidelidade máxima chegou a me stressar, e o que era pra ser um hobby quase virou obsessão e fonte de stress, então hoje chego em casa, vejo uma estante com kits e diecast legal, e aí curto a história por trás de cada modelo, as ações de guerra que participaram, volto no tempo em que era criança e fico imaginando os vôos, os ataques, como foram os combates... é bem mais divertido caçar imagens dos modelos como referência visual no Pinterest, do que ficar grudado no wapp!!! KKKKK

Abs,

Sérgio Carvalho

 

Boa Sérgio, o que você descreveu eu também sinto e realmente é um prazer poder ter o objeto admirado ao seu lado e de forma perfeita sem o estresse que traz o processo de monta-lo e pinta-lo, eventualmente pode-se fazer uma alteração pequena ou mudar uma pintura no die-cast, o die-cast é resistente, já os kits montados tem que ser protegidos e ter um local específico abrigado, se necessário limpar é muito provável que se quebre alguma peça no processo.

O importante é que o hobby tem disponível opções para todos os gostos e desejos...  be happy!

Olá Sérgio,
 
Não foi fácil, mas eu desapeguei praticamente de tudo que não fosse 1/35, se não me engano vendi para você um Catalina FAB, um Calypso para outro colega daqui e muitos mais, alguma coisa que sobrou ou foi de brinde em negócio ou dei para amigos, lembro que tinha um Ginga 1/72, um doss poucos lançados pela Kiko originais da Revell Japonesa, que levou o povo daqui quase à beira da loucura...
 
Soube depois que um grande amigo estava procurando um destes há anos,  que ficou chateado de não ter visto meu anúncio, o que ele não sabia era que eu tinha dois, acabei dando para ele, que ficou feliz da vida 
 
Devo ter te conhecido ou quase no GPP, pois também frequentei nesta época, com muito esforço ganhei umas medalhinhas, numa daquelas fases "Mutley", hoje só monto por prazer e meus kits são no máximo medianos, mas enfim eu gosto, se os outros nem tanto, paciência 
 
Como disse muito bem o Wolf, Be Happy! 
PlastiAbraços

Sérgio,

Eu frequentei desde  um pouco antes do início até lá por 1980,  em 1981 entrei na Faculdade e praticamente parei no Hobby, devo ter ido mais uma ou duas, vezes ainda na Oca e depois só mais recentemente em alguns Pulgões 

Acho que naquela época haviam uns 30 frequentadores regulares, lembro bem de muitos que eram verdadeiras figuras, incluindo a Ada Rogato, já de você, me desculpe mas não lembro... Me parece pela foto que você era alguém relativamente normal, então não devo ter reparado 

Você está naquela famosa foto de 1978 em frente ao Museu? Lembro bem de quase da metade dali, soube da existência desta foto há alguns anos atrás e me surpreendi de estar ali, quase não me reconheço, além de cabelo e barriga, a memória também já não é a mesma  

PlastiAbraços

Sérgio,
 
Não, esta foto foi tirada meio ao acaso, num dia que foram poucas pessoas, também não estou nela.
 
Estou falando desta aqui, houve algo neste dia, mas não lembro o que, mas veio bastante gente, se bem que quando a foto foi tirada, boa parte tinha ido embora:
GPP78
 
Repara que a maioria dos que aparecem na tua foto, também estão nesta segunda.
 
PlastiAbraços

Attachments

Fotos (1)

Easy irresistível...  mais Easymodel 1/72

Messerchmitt BF-109E Trop do 2/JG27 e Supermarine Spitfire MK.V do 303 Sqn

Sinceramente? Eu não consigo dar um acabamento de pintura igual...  o único inconveniente é que o modelo é montado direto da caixa, sem o acabamento de massa e lixa...

 

É um ponto interessante.  O que parece é que o grupo que fabrica os kits Hobby Boss, aqueles montáveis em poucas peças, teve a ideia de já os vender montados e pintados, uma jogada inovadora e penso que deu muito certo pois continuamente lançam novidades.

Já o processo é intrigante mesmo, só os chineses sabem...

Pessoal,
Provavelmente é uma evolução do mesmo processo usado na fabricação de  Die-Cast, parte automatizado e parte manual.
 
Aqui como eram projetados (início) e fabricados (partir de 1 min) os Matchbox na Inglaterra em 1965:
 
 
Abaixo uma bem mais recente, com diversos tipos de modelos, na China:
 
 
Dá para notar uma bela evolução e um esforço em usar dispositivos que tornem os produtos sempre iguais, para evitar qualquer atividade artesanal, que exige mão de obra especializada.
 
Tem muita coisa relacionada a fabricação de miniaturas no Youtube, quem tiver interesse, vale a pena se aprofundar mais 
 
PS: Sérgio sobre GPP não lembro de nada muito além do que postei... E a partir de 1980/81 não fui mais...
 
PlastiAbraços

Incluir Resposta

Curtidas (0)
×
×
×
×