Vi um pequeno review do kit Revell do F4U-4 Corsair (New Tool) e decidi pegar o kit e também outro, o F4U-1 da mesma marca (todos 1/72).

Fiquei surpreso com a boa qualidade e detalhes destes novos kits Revell...

Ótima injeção, sem rebarbas e finos detalhes...

Aqui o modelo F4-U4, detalhes delicados, bombas bem definidas e rodas vazadas...

No modelo F4U-4 o canopy é sem frame, bem injetado...

Os kits tem as linhas de painel rebaixadas, mas sem aquele exagero dos kits da Airfix...

O canopy do Modelo F4U-1...

Com os frames...

Manual colorido e ve-se o posto de pilotagem detalhado...

Para comparação eu peguei o bom kit da Italeri, veja que as rodas não são vazadas...

e o kit antigo porém de boas proporções e linha de painel em alto relevo da Hasegawa...

repare as rodas que não são vazadas, na época ainda não havia tal refinamento...

Enfim, estes kits da Revell são BB... Bom e Barato...

E agora um pouco do B-17G da Airfix, este já é o meu 12º kit do B-17 de diversas marcas e tipos na 1/72...

Interior com vários detalhes...

E a licença da Boeing, até com o selo holográfico...  antigamente não tinha nada disso...

Original Post

O problema que tenho tido com os kits da Revell lançados ultimamente, em várias escalas, é que 1 em 2 vem com as transparências com bolhas, rachadas ou arranhadas (ou combinações disso). Precisam melhorar muito o controle de qualidade de seus produtos. Exemplos de problemas no canopy que tive ultimamente: o Spitfire IX (1/32) veio com ele mal formado, o Tornado (1/48) com uma bolha; o Me-262 (1/32) com um arranhão que vai dar trabalho eliminar e o Shackelton (1/72) com uma rachadura e arranhões na transparência (a reposição que pedi veio com o mesmo problema!!!). E é um saco pedir reposições à Revell. Burocrático e demorado.

Moral de estória: recebeu um kit Revell, olha logo as transparências. É o que tenho feito.

Abs, Ivan 

Bom dia, desculpe-me discordar, em parte, mas os novos kits Revell de Corsair, apesar de avanços na injeção, e preço atraente propagam erros por serem, na verdade, filhos de um mesmo molde genérico que se quer aproveitar à exaustão , em detrimento do que há de fato no avião real... em consequência, nem  a versão 1-A, nem a -4 estão corretas out of box.

No F4U-4, por exemplo, é fornecida uma asa sem previsão para foguetes, o que era uma disposição standard, já que o Corsair havia passado à função de ataque ao solo de um fighter-bomber. Nesse caso (do F4U-4 em diante, e já no F4U-1D) os flapes internos eram recobertos de metal e não mais de simplesmente de lona. Pior, no kit uma metade da asa traz a previsão para dois canhões (de desenho e conformação diferente do -4  real), mas na metade inferior continuam três saídas de estojos de cada lado, das armas de calibre .50 das primeiras versões, por conta do aproveitamento do molde... uma porquice! Esse erro crasso já aparecia no kit Hasegawa alto relevo dos anos 1970! Note-se que, de toda produção de F4U-4 (pouco mais de 2.200), pouco menos de metade passou a usar o para-brisa reto em substituição ao curvo das séries anteriores, e uma parcela ínfima do final da linha, não mais de 300, foram equipados com 4 canhões de 20 mm, sendo designados F4U-4B. Todos os anteriores tinham 6 metralhadoras .50.

Outro ponto delicado (e errado no kit) é o interior. Nas versões late do Corsair o cockpit já não era floorless com dois “passadiços”, a partir do -4 era uma estrutura integral, com chão para os pés. Assim a representação da Revell está inadequada, além de pobre: um banco genérico que não se parece com nenhum dos utilizados, um backplate de F4U-1 Birdcage, com recortes (!!!) e os famigerados passadiços... Nos instrumentos continua a imprecisão, pois têm de servir para todas as versões que a Revel lançou e lançará... Para o -4 só se salva o painel, mas não há os comutadores de lançamento de foguetes (bem, não há foguetes no kit, então não precisamos disso, certo?). 

Isso é só para citar o mais grave, quem tiver paciência pode acessar uma das várias resenhas do kit publicadas mundo a fora e constatar. Informo aqui uma delas:  http://www.hyperscale.com/2017...l03955reviewrm_1.htm

Observe-se, em conclusão que, como a Revell aproveita um molde genérico, com alguns detalhes diferentes adicionados para cada modelo, e outros inadvertidamente mantidos em todos, a partir de uma pesquisa mal-feita, há e haverá problemas em toda a linha. Isso já se havia verificado recentemente, também com o Corsair (pobre avião!), na escala 1/48, na série lançada pela Hobby Boss.

Cabe ao modelista que queira ter uma réplica mais condizente com o real identificar os problemas e avaliar o quanto de trabalho adicional vai ter para chegar a esse resultado, e se isso vale a pena.

vou dizer uma coisa, mas como se diz mesmo? chover no molhado?

é inadmissível hoje chegarem kits nesta condição ao mercado, e não falo só deste (kit/fabricante, falo de todos, com todo material de referência e tecnologia disponível, quando se trata de kits short-run ainda se da um desconto, agora majors?

e pasme, correções para o Bf 109 g-6 da tamiya , ou seja, ninguém lança nada 100%.

Em relação ao F4U-1 e 1a na escala 1/72 há os excelentes kits Tamiya, que são verdadeiras jóias, muito delicados e precisos, corrigem alguns detalhes equivocados que saíram mais de uma década antes nos seus “irmãos” maiores 1/48, por sua vez kits muito bons.

Para F4U-4/4B não há um kit muito bom no mercado. Pode-se fazer um kitbash do novo Revell com o Italeri, como sugerido na matéria da Hyperscale, mas não é o suficiente, haverá mais trabalho pela frente.

Marcio Bernardi posted:

vou dizer uma coisa, mas como se diz mesmo? chover no molhado?

é inadmissível hoje chegarem kits nesta condição ao mercado, e não falo só deste (kit/fabricante, falo de todos, com todo material de referência e tecnologia disponível, quando se trata de kits short-run ainda se da um desconto, agora majors?

e pasme, correções para o Bf 109 g-6 da tamiya , ou seja, ninguém lança nada 100%.

No caso do G-6 da Tamiya é mesmo só perfumaria né?

ArmouredSprue posted:
Marcio Bernardi posted:

vou dizer uma coisa, mas como se diz mesmo? chover no molhado?

é inadmissível hoje chegarem kits nesta condição ao mercado, e não falo só deste (kit/fabricante, falo de todos, com todo material de referência e tecnologia disponível, quando se trata de kits short-run ainda se da um desconto, agora majors?

e pasme, correções para o Bf 109 g-6 da tamiya , ou seja, ninguém lança nada 100%.

No caso do G-6 da Tamiya é mesmo só perfumaria né?

Na minha opinião aquela série de acessórios é, em geral, para embelezamento do novo kit 1/72 da Tamiya, que já é maravilhoso OOB. Tudo se pode melhorar, um acessório de resina ultradetalhado (um escapamento furadinho, p. ex.) pode substituir uma peça injetada com menos detalhe, mas isso não que dizer, necessariamente, que a peça original do kit esteja “errada”, ainda mais na braille scale.

Do que vi ali na prateleira da Hannants apenas um deles tem uma proposta um pouco diversa, que oferece opções de capô, com distâncias diferentes entre as armas, para contemplar aeronaves de diferentes fabricações (Erla-Leipzig, MTT Regensburg, WNF), mas nesse caso, o interessado em fazer uma versão diferente da oferecida pela Tamiya vai ter de procurar decais específicas para sua nova versão, precisará estar disposto a investir mais.

Em suma, não tem nada “errado” no novo Bf 109G-6 1/72 da Tamiya, mas, qualquer kit pode ser aperfeiçoado, “na mão”, ou com aftermarkets.

Incluir Resposta

Curtidas (1)
Claudio Moura
×
×
×
×