Blindagem do Königstiger

Excerto do livro SS Panzer SS Inferno - Testemunhos – Da Normandia até Berlim:

A Batalha Final

Berlim,  Abril de 1945

Os russos concentraram cerca de 1 milhão e meio de soldados com mais de 6.000 tanques para a ofensiva final à própria Berlim. Os defensores da capital do Reich eram uma mistura das unidades da Wehrmacht, Waffen SS, Volkssturm, Hitlerjugend e Fallschirmjäger (pára-quedistas), com os civis inevitavelmente sofrendo pesadas baixas antes de a cidade se render após os suicídios de Hitler e Goebbels. O entrevistado desta narrativa (gravado em 6 de agosto de 1962) foi o comandante de uma unidade de tanques Tiger.

 Entrevistador:  Você era o comandante de uma unidade de Tiger II em 1945?. O tanque foi chamado de Tiger B. 'Tiger II' e 'King Tiger' eram estes os nomes usados pelos Aliados. Como você chegou a comandar uma unidade de tanques Tiger B nas tropas Waffen SS?

Entrevistado:  Eu não desejo discutir essa questão, ou qualquer questão relacionada a assuntos antes do meu serviço militar. Eu vou, se quiser, descrever os fatos e a luta durante a crise de Berlim, foi o que você expressou interesse quando me contatou....

Eu comandei um tanque Tigre B em Berlim na última semana de abril de 1945. Para dar uma ideia da situação, os russos estavam avançando no Tiergarten, e muitas mulheres jovens no centro de Berlim estavam passando lama e carvão no rosto e corpo em uma tentativa de parecerem mais velhas para escapar dos estupradores do Exército Vermelho. As ruas eram pouco mais que canais estreitos entre pilhas de escombros de tijolos. Havia um gigantesco avião FW Condor queimando no rio. Nós tínhamos tropas da Kriegsmarine (marinha alemã) adolescentes e cadetes manejando armas PAK de 88mm ao lado de homens da Volksturm (exército popular) de mais de 50 anos de idade. Havia 20 mil civis trancados dentro da torre de concreto em Friedrichshain, cercados por tanques russos.

 Meu Tiger B, claro, era o tanque mais avançado da guerra. Em termos de blindagem, armamento, velocidade e desempenho ele aterrorizava os inimigos, eu sei disso porque assisti ao interrogatório de algumas tripulações de tanques britânicos na Normandia. Um desses homens estava entre um grupo de tripulações que abandonaram seus tanques Comet e literalmente fugiram do campo de batalha ao invés de lutar contra o solitário Tiger B que estava no seu flanco. Nosso problema era manter o veículo mecanicamente. O motor inteiro e a caixa de transmissão tinham que ser trocados a cada 1.000 km e o fornecimento de peças era intermitente na melhor das hipóteses. Então, por exemplo, na minha unidade de três Tiger B, um estava em um abrigo subterrâneo para reparos de motor, e o segundo estava imobilizado com o sistema hidráulico da torre falhada.  Meu tanque estava sozinho, quando recebemos ordens para defender o lado oposto do Tiergarten em conjunto com um grupo de  Fallschirmjager que estavam armados com Panzerschrek, várias seções da Volkssturm e uma unidade PAK que tinha canhões de 75mm em dois veículos Hanomag.  Neste momento meu Tiger B estava acompanhado por um Flakpanzer Wirbelwind com um reparo quádruplo  de canhões de 20mm em um casco do PzKpfw IV. Este era um excelente veículo que foi projetado para proteção antiaérea, mas também dava excelente cobertura contra infiltração no solo por infantaria antitanque. Além disso, lembro-me de que havia um casco do tanque Panther estacionado na encruzilhada perto da garagem de bondes nas proximidades.

Este era um casco de Panther com a torre normal mas sem o motor, rodas ou lagartas, foi colocado em um buraco no chão para que o convés superior do casco estivesse nivelado com os paralelepípedos. Era uma maneira de usar os Panthers sem partes ou inacabados das fábricas. Até mesmo esses cascos foram colocados em serviço e usados como bunkers.

 Eles foram operados por soldados da HitlerJugend e tripulações que tiveram os seus panzers destruídos. Então, como você vê, este era um conjunto heterogêneo de defensores.

 Nosso Tiger B dava grande confiança à infantaria. Eles nos aplaudiram quando dirigimos pela avenida e assumimos uma posição em que poderíamos disparar pelas estradas de acesso e pelo pequeno parque ornamental que fica entre as tropas e o front.

Continua....

 O PAK Hanomags (veículos meia-lagarta com canhão anti-tanque) ficaram nas ruas adjacentes, e meu Wirbelwind estacionou na beira do parque pronto para disparar em aviões ou em alvos ao nível do solo. As tropas dos Fallschirmjager cavaram suas trincheiras ao nível do pavimento e ao redor do parque. Acreditávamos que os bolcheviques se aproximariam ao longo do perímetro do espaço aberto entre o parque e as casas com seus tanques, evitando a área aberta do parque, e procurariam entrar no centro de Berlim pelas ruas circundantes.

Entrevistador: Como comandante, como você descreveria o humor dentro do seu panzer?

Nosso humor não mudou. Nós estávamos com vontade de lutar, como sempre. Problemas físicos nos afetavam. Nós estávamos vivendo dentro do Tigre por duas semanas, comendo comida fervida no motor e bebendo água dos reservatórios das brigadas de incêndio nas ruas. O Tigre era um enorme veículo, mas o interior estava cheio de munição, bastante apertado, e a fumaça era um problema constante para nós. Estar dentro de um tanque por 24 horas solidamente, com as escotilhas fechadas e os ventiladores não funcionando bem, disparando constantemente os 88mm, o que prejudica a cabeça, as orelhas, os olhos e os pulmões. Desta forma, assumimos nossa posição defensiva inicial. Ficamos apenas estacionados por cerca de vinte minutos quando os Ivans começaram um bombardeio com artilharia e Katyusha que derrubou muitos prédios ao redor e explodiu um dos Hanomags. As vítimas não puderam ser removidas, por isso ficaram na rua. Os vermelhos usaram fumaça para esconder seu avanço, mas a presença de fumaça nos alertou para o contato iminente. Eu estava de pé, meus ombros fora da escotilha da cúpula, para ter uma visão clara. Fui atingido no braço por uma bala que presumivelmente veio de um franco-atirador,  imediatamente desci à torre e fechei a escotilha. Eu enfaixei meu braço enquanto olhava através dos periscópios para aquela fumaça russa. Eu ordenei ao meu artilheiro que assumisse o controle da torre e disparasse por sua iniciativa contra o que saísse da fumaça.O  Wirbelwind colocou alguns segundos de 20mm em um prédio alto além do parque, onde logicamente o atirador poderia estar escondido. As janelas explodiram e, no momento em que uma chuva de vidro caia, um tanque de assalto russo, do tipo SU-100, atravessou a cortina de fumaça. Então agora a luta estava realmente acontecendo. O SU-100 era um veículo do tipo Stug baixo e fortemente blindado com uma arma letal de 100 mm.

Continua...

Se os russos tinham um veículo que um Tiger B deveria temer era este. O Hanomag na rua próxima abriu fogo imediatamente, mas o tiro ricocheteou na blindagem frontal do SU-100 e o projétil voou para longe,  bem acima dos prédios. Meu artilheiro e o artilheiro da SU-100 dispararam quase ao mesmo tempo. Nosso 88mm de cano longo fez o seu distintivo som boom-boom e, simultaneamente, fomos atingidos na blindagem frontal. O Tiger de 68 toneladas tremeu, mas nós estávamos inteiros. Enquanto isso, no periscópio, vi que tínhamos atingido o mantelete e suporte do canhão do SU-100 que imediatamente apontou para baixo sua arma, e as marcas de impacto mostravam um metal nítido e brilhante contra sua tinta verde-clara. Mandamos o próximo tiro em poucos segundos, e desta vez nós o acertamos em cheio entre o mantelete e a blindagem frontal da arma, que era uma enorme montagem de aço fundido. O mantelete todo rebentou e deslizou para o lado e a arma caiu abaixo da vertical.  Ele estava indefeso!  Ele começou a reverter, muito compreensivelmente, mas nosso sobrevivente PAK Hanomag deu um tiro em sua lagarta que explodiu a roda dentada dianteira. Ele tentou inverter em uma só lagarta mas agora o meu artilheiro disparou novamente. Desta vez o tiro foi direto para a frente do SU;  Eu vi claramente a explosão de fragmentos onde a blindagem cedeu. Ele continuou invertendo por um momento, e então parou como se tivesse acabado de bater em um lado da montanha. O veículo enorme explodiu para cima, com as chapas superiores da superestrutura levantando-se completamente. Lá dentro, era um inferno e havia um grande jato de faíscas e destroços em chamas. Entre tudo isso, a tripulação foi jogada para fora, toda queimando. Dentro de nossa torre, já havíamos recarregado e estávamos observando a cortina de fumaça artificial que agora estava se dissipando. Ordenei ao meu motorista que se mudasse para a esquerda dez metros, de modo que nossa linha de visão não fosse obstruída pelo SU em chamas, que estava liberando munição explodindo e jatos de combustível queimando. Assim que paramos, dois T-34/85s surgiram, lado a lado, parecendo exatamente um par de ratos com os narizes cheirando o ar de Berlim. Um deles atropelou os tripulantes do SU, simplesmente esmagou-os e disparou contra nós. Seu tiro atingiu nossa torre inferior, mas não penetrou. O Hanomag atirou nele imediatamente, e suas lagartas explodiram quando o casco foi penetrado entre as rodas e o glacis. Houve apenas um único lampejo de faíscas e ele estava completamente em chamas. Nós lidamos com o amigo dele um momento depois, enquanto ele estava carregando do outro lado do parque para nos atacar. A infantaria alemã tinha um ditado: "O T-34 tira o chapéu quando encontra o Tiger". Isso significava que a torre do T-34 tinha a tendência de explodir no ar se o tanque fosse penetrado por uma munição perfurante de 88 mm. Foi o que aconteceu com esse segundo companheiro T-34/85, a torre subiu no ar como um foguete, arrastando todos os tipos de detritos atrás dela. A torre voou no ar e foi colidir com a janela de uma loja de departamentos ao lado do parque. Lembro-me claramente que esta torre do T-34 veio parar na vitrine cercada por manequins femininos nus, incendiando o prédio. Eu podia ver nossos camaradas Fallschirmjager nos aplaudindo de suas trincheiras. Eles eram muito experientes para acreditar que a batalha estava terminada, mas o derramamento de emoção era bem-vindo de se ver. Que emoção foi essa? A emoção de ter um SU-100 e dois T-34s queimando na frente de sua posição defensiva. Isso foi repetido, de fato, nos cinco minutos seguintes, quando um tanque JS-2 saiu das sombras do outro lado do parque. Lembro-me de que o atingimos imediatamente, direto na torre, e começou a incendiar-se com fumaça e chamas azuis lambendo a base da torre. Alguns tripulantes saltaram, e nosso Wirbelwind mostrou sua versatilidade abaixando suas armas abaixo da vertical e atingindo-os com seus quatro tubos de 20mm enquanto corriam. Eles foram literalmente cortados. Outros dois JS-2 vieram em seguida,  um deles disparou no PAK Hanomag. O Hanomag foi demolido, mas não incendiou, e os poucos sobreviventes se juntaram aos homens nas trincheiras. Nós atingimos aquele JS-2 nas rodas e o imobilizamos, e recebemos dois golpes na blindagem frontal dele e de seu amigo. Um desses tiros causou concussão com o nosso homem de rádio / MG e danificou o bloco da metralhadora MG. Nós nos vingamos atirando no JS-2 imobilizado e depois no seu companheiro em rápida sucessão. Ambos os tanques pegaram fogo e enviaram chuvas de faíscas e combustível queimado de seus motores. O JS-2 ardente que não estava imobilizado continuou avançando, de fato, enquanto ainda estava em chamas, e nós o atingimos duas vezes mais para pará-lo completamente, apenas 500m de nós. Ele caiu em uma cratera e ficou lá, com o casco de trás para cima, queimando ferozmente. Então isso foi um grande duelo entre nós e o Exército Vermelho. Nós estávamos sozinhos agora, sem o nosso Hanomag PAK; era apenas meu Tiger e nosso fiel Wirbelwind, essa era todo o apoio blindado que tínhamos. Nesse momento chegou um PzKpfw IV vindo pelo nosso flanco, o último tipo deste antigo tanque  equipado com as saias de placas blindadas e proteção da torre.  Soltando grossa fumaça do escapamento mas a mim, para ser franco, não inspirou confiança. Eu sabia que os russos competiriam uns com os outros para ser o primeiro a entrar em nossa posição, mesmo ao custo de suas vidas. Ficavam felizes em morrer, pareceu-nos, para avançar a linha de frente do bolchevismo dez ou vinte metros para o Reich. Inevitavelmente, então, um enxame inteiro de T-34/85 veio carregando ao longo da borda do parque com a infantaria montada nos conveses traseiros. Eles estavam literalmente competindo um com o outro.  Apoiando o ataque vinham mais dois SU-100 que avançavam ao longo de uma linha de árvores do outro lado. O Panzer IV que estava agora perto de nós assumiu bravamente o combate com os T-34s, e nós no Tiger atiramos nos SUs, sob minhas ordens. Nós acertamos o primeiro SU nas rodas fazendo sua lagarta saltar para fora e ele sem controle virou de lado expondo o seu flanco e a parte mais fraca do casco. Antes mesmo que ele parasse nós o atingimos novamente  na lateral  na altura do compartimento do motor, a explosão resultante fez o bloco do motor ser cuspido para fora das escotilhas do compartimento. Este grande motor foi cair do outro lado do parque.  Seu companheiro SU dirigiu-se a um buraco para se abrigar e parou ali. Nós mantivemos nossa arma nele, disparando alto explosivo na borda da cratera para explodir o chão e revelá-lo.

À nossa esquerda, o Panzer IV parou um dos T-34s e a nossa infantaria atirava na infantaria russa que descia dos cascos dos tanques.  Nosso Wirbelwind atirava regando os atacantes com uma chuva dos seus canhões de 20mm,  mas em segundos, ambos os veículos, o Wirbelwind e o antigo Panzer IV foram  atingidos.  Nosso soberbo Wirbelwind,  um dos melhores veículos da guerra, foi atingido entre a torre aberta e o casco. Seu motorista me disse mais tarde que os dois artilheiros foram lançados muitos metros no ar, os quatro canos da arma de 20mm foram espalhados como palitos de fósforos pelo ar...

Continua...

Apesar de atingido, o chassi do Wirbelwind ainda funcionava, e o motorista acelerou na direção da Zona do Reichstag soltando muita fumaça.   O Panzer IV foi atingido várias vezes e incendiado, apesar de toda a sua blindagem contornando o casco, e ficou lá queimando à nossa esquerda, com suas munições explodindo e emitindo chamas pelas escotilhas. A tripulação tentou escapar, mas eles foram atingidos por fogo russo de metralhadoras.

Nós acertamos outros dois T-34s, apesar de sermos atingidos por eles na nossa blindagem frontal mas sem penetrar, e os dois "tiraram os seus chapéus “ da maneira habitual. Então, agora o parque onde antes da guerra senhoras empurravam carrinhos de bebê e meninos navegavam seus barcos no lago estava caótica com destroços e esses monstros vermelhos, todos queimando e fumando.  Uma batalha de infantaria se desenvolveu, com as tropas russas desmontando e tentando cercar  nossos homens nas trincheiras. Entre eles, os bolsheviks  tinham um lança-chamas, e eles usaram isso contra as nossas linhas de trincheiras até que um Fallschirmjager atingiu o operador com granadas que explodiram o tanque com combustível de gasolina geleificada em chamas que ele carregava nas costas.  Isso ateou fogo a muitas das tropas russas, mas mesmo assim eles continuaram a correr na nossa direção gritando e com as vestes em chamas, até que nossos homens atiraram neles.   Com a nossa MG fora de ação, eu estava cauteloso em permitir que os vermelhos chegassem próximos de nós, ciente de que se tivessem uma chance eles iriam pular sobre nós e com bombas incendiarias atingir as grades de refrigeração do motor.  A nossa metralhadora coaxial não podia ser mais abaixada e a infantaria russa estava tão perto que disparamos sobre suas cabeças.  Neste ponto o SU-100 que tinha se escondido em uma cratera escolheu esse momento para sair. Ele reverteu rapidamente para evitar expor-se em suas partes superiores e atirou duas vezes contra nós errando os tiros. Seu projétil traçador era de um verde brilhante.  Atiramos contra ele mas o tiro atingiu a sua placa blindada frontal e ricocheteou  sem penetrar.  O artilheiro do SU-100 respondeu atingindo-nos na parte inferior na roda dentada com um enorme impacto. Nós respondemos atirando nele rapidamente com uma série de tiros que explodiram na sua blindagem e bateu na viseira do motorista, que voou como uma folha. Ele tentou ir para a frente e retornar para a sua cratera novamente, mas quando ele fez isso seu deck do motor foi levantado e exposto quando o veículo inclinou para a frente. Meu artilheiro estava alerta para essa oportunidade e colocou um tiro nas grelhas do motor.  O SU desapareceu na cratera, e nada aconteceu por alguns segundos. Então toda a cratera explodiu em uma bola de fogo, com rodas e pedaços da lagarta voando em todas as direções juntamente com vários tripulantes em chamas. Essa cratera era como um caldeirão, borbulhando com combustível queimando e explosões da sua munição pesada que disparava em todas as direções.   Do outro lado do parque, a infantaria russa e nossa lutavam cara a cara.  Apesar dessa vitória, meu veículo estava claramente em apuros. Eu estava apreensível  com a condição de nossa roda motriz direita e a lagarta. Eu pedi ao nosso motorista para inverter e avançar alguns metros para testá-lo, mesmo quando a batalha de infantaria estava ocorrendo na nossa frente. Os Fallschirmjager estavam segurando os vermelhos, mas era luta corpo-a-corpo, e se os russos trouxessem suas bazucas  de mão, eles poderiam destruir uma ou ambas as nossas lagartas. Infelizmente a nossa roda motriz direita não estava funcionando, e só poderíamos avançar com a roda motriz esquerda, o que significava ir muito devagar caso contrário faríamos uma curva lateralmente fora de controle. Um tanque do peso do Tiger B só poderia ser rebocado por equipamento especializado, sendo no mínimo por dois Panthers ou veículo de recuperação em chassi do Tiger e que não estavam prontamente disponíveis nesta zona. Eu, portanto, tomei a decisão de retirar o nosso panzer, e nós invertemos lentamente na direção de volta e longe daquele lado do Tiergarten, com a nossa roda motriz direita sem força e girando por inércia.  A nossa infantaria estava sendo dominada pelos vermelhos mas nós não tivemos outra escolha a não ser deixa-los  e nos retiramos do parque cheio de destroços,tanques e veículos em chamas e crateras. Mesmo revertendo em ritmo de caminhada, a tração única nos fez desviar para a esquerda, e nós tivemos que parar, corrigir o alinhamento avançando mais rápido por alguns metros, em seguida, invertendo novamente. Durante todo o caminho fomos seguidos por explosões de artilharia e o colapso de edifícios em ambos os lados da rua. Então foguetes incendiários Katyusha atingiram a rua incendiando as paredes dos edifícios e todos os habitantes sobreviventes que permaneciam dentro. Eu vi muitas pessoas, civis simples, pulando das janelas em chamas ou correndo para fora das caves para escapar da fumaça e do fogo para ser atingido por mais explosões de Katyusha nas ruas.  Foi um inferno. Toda a Berlim era um inferno que ardia e rugia.

Durante as próximas horas ouvimos falar da morte de Adolf Hitler. Isso foi um profundo choque para nós e colocou a situação em uma nova perspectiva.  A tripulação sobrevivente do Wirbelwind, além de minha equipe e eu, discutimos o que fazer.  Alguns de nós queriam continuar lutando em Berlim, enquanto outros apontaram que homens capazes como nós seriam essenciais para qualquer situação do pós-guerra, quando a Alemanha deveria de ser reconstruída e tornada produtiva novamente.  A história mostrou que esta última visão tinha muito mérito.

Finalmente, optamos por deixar Berlim e rumar para o Ocidente antes que os soviéticos cercassem completamente a cidade. Com muito pesar, deixamos nossos veículos estacionados em um cruzamento da estrada para poder ser utilizado como barricada pelas tropas, mas antes destruímos o seu interior com cargas de demolição. Eu não vou falar da nossa saída do bolsão de Berlim, mas finalmente nos apresentamos aos americanos no front ocidental alguns dias depois, pouco antes do fim das hostilidades.

Entrevistador:  Hoje, você acha que esta foi a decisão correta, sair de Berlim?

Deixe-me dizer que eu não teria me conduzido de forma diferente durante os eventos em Berlim em 1945....

Incluir Resposta

Curtidas (1)
Wolf
×
×
×
×