Organizando as fotos que o Raul postou nos meus arquivos agora a pouco, me deparei com 2 curiosidades:

 

- Comparando as mesmas laterais da caixa do P-38 Lightning dele com o meu, observei uma diferença interessante:

 

 

O meu não tem a propaganda do estojo de tintas, o que pode significar que os dois kits foram produzidos ou pelo menos embalados em épocas diferentes. 

 

- Comparando o P-36 dele com as imagens que eu tenho aqui, observei que eu não conhecia essa versão com edição em caixa dura. Com isso concluí que esse kit saiu aqui em 5 caixas diferentes:

 

1) Na caixa do 3 em 1:

 

2) Caixa dura com a suástica finlandesa nas marcações:

 

3) Caixa dura sem a suástica:

 

4) A mesma versão com a caixa mole:

 

5) Caixa mole com foto do kit montado no oval:

 

Originally Posted by Danlucio:

Aproveitando o tópico, não resisti, precisava sentir o gostinho tão comum lá nos anos 80, quando abria um kit lacrado da Kiko, agora só sobrou um P-51D 1/32 lacrado, o último antes desse foi um P-47B RAF que abri. Não dá pra descrever a emoção, mesmo sabendo exatamente o que vai achar lá dentro 

Eu estava pensando justamente nisso outro dia, tenho comprado vários desses kits de outros modelistas ou ainda com o lacre externo ou com o bag interno ainda lacrado depois de tantos anos. Eu lembro que na época em que eu montava esses kits, nenhum sobrevivia mais que um par de horas depois de eu chegar em casa com os lacres fechados, a ansiedade de ver os detalhes do kit era grande demais para eu conseguir resistir a tentação de abrí-lo logo.   

Bags internos lacrados são bem comums, pelos menos pros que eu tenho, esses dificilmente eu abro. Se pensar bem, na época não fazíamos a menor ideia que esses kits durariam tanto tempo. Os meus tb, abria imediatamente, até hoje não entendo como guardei a parte de cima da caixa desmontada e as instruções, sendo um moleque que nunca imaginaria que isso viria a se tornar uma coleção. Hoje quando pego um kit tenho todo um cuidado, chegando a reformar a caixa dos Kikolers quando necessário, ná época era na porrada kkkk, o próprio fabricante já começava a destruição do kit com a plastificação que mais esmagava que protegia (pelo menos no caso das caixas moles), era um bem de consumo imediato. O fato é que é característico desse hobby com poucas excessões, se comprar muito mais do que se consegue montar, dai esse mar de kits sobrevivendo tantos anos no mercado, pra nossa sorte.

Originally Posted by Danlucio:

Bags internos lacrados são bem comums, pelos menos pros que eu tenho, esses dificilmente eu abro. Se pensar bem, na época não fazíamos a menor ideia que esses kits durariam tanto tempo. Os meus tb, abria imediatamente, até hoje não entendo como guardei a parte de cima da caixa desmontada e as instruções, sendo um moleque que nunca imaginaria que isso viria a se tornar uma coleção. Hoje quando pego um kit tenho todo um cuidado, chegando a reformar a caixa dos Kikolers quando necessário, ná época era na porrada kkkk, o próprio fabricante já começava a destruição do kit com a plastificação que mais esmagava que protegia (pelo menos no caso das caixas moles), era um bem de consumo imediato. O fato é que é característico desse hobby com poucas excessões, se comprar muito mais do que se consegue montar, dai esse mar de kits sobrevivendo tantos anos no mercado, pra nossa sorte.

Na época também nunca me passou a ideia de preservar nada, a minha única preocupação era montar logo o kit.  Com isso joguei fora todas as caixas e instruções daquele tempo, os poucos kits da Kikoler que me restaram eu vendí nos anos 80 quando migrei para 1/48. Tudo o que está agora na coleção foi recomprado recentemente. Por outro lado, comparando as caixas moles feitas aqui, principalmente as com o logo KIKO, elas eram muito inferiores em qualidade as equivalentes feitas lá fora. Raramente se encontra uma caixa dessas aqui no mesmo estado de conservação de uma feita lá fora na mesma época, principalmente as da KIKO-Heller.

Originally Posted by Ricardo P-40:

 

 

Observando essas duas versões... Lembro que quando criança montei essa versão SEM a suástica... Pensando nisso agora: afinal, qual era a versão REAL???
Ou esses aviões existiram nas duas versões?

Ou a vesão sem suástica foi para "adocicar" o kit, uma coisa "politicamente correta" num tempo em que isso não era o DRAMA que é hoje????

Originally Posted by Brumbar:
Originally Posted by Ricardo P-40:

 

 

Observando essas duas versões... Lembro que quando criança montei essa versão SEM a suástica... Pensando nisso agora: afinal, qual era a versão REAL???
Ou esses aviões existiram nas duas versões?

Ou a vesão sem suástica foi para "adocicar" o kit, uma coisa "politicamente correta" num tempo em que isso não era o DRAMA que é hoje????

Essa box art foi modificada provavelmente para atender as restrições que começaram a aparecer em alguns países da Europa no final dos anos 60 e início dos 70, mais especificamente na França e Alemanha,  quanto a a exibição da suástica nas embalagens e decalques dos kits.

 

Os Hawk 75 usavam durante a guerra a marcação com a suástica, como pode ser constatado em inúmeras fotos. Na verdade, eu nunca ví fotos do Hawk 75 com essas novas marcações, mas acho possível que no pós guerra a Finlândia tenha trocado as marcações dos Hawk 75 que ainda restavam, tal como fizeram com os Me 109.

 

 

Originally Posted by Ricardo P-40

 

Os Hawk 75 usavam durante a guerra a marcação com a suástica, como pode ser constatado em inúmeras fotos. Na verdade, eu nunca ví fotos do Hawk 75 com essas novas marcações, mas acho possível que no pós guerra a Finlândia tenha trocado as marcações dos Hawk 75 que ainda restavam, tal como fizeram com os Me 109.

 

 

O wikipedia diz que os Hawk estiveram em serviço até 1948. Certamente teriam recebido as marcações novas, adotadas em 1945.

O que não significa que o esquema proposto pela Revell seja certo...

Originally Posted by Raul Aguiar:

Sim eu já tive outro desse há pouco tempo,tive que vender.Esta semana também perdi um navio no ML  que nunca tiNha visto,o SMS SEEDLER!Foi vc que comprou?hehehehehe

Não, se foi o dessa foto, eu deixei passar por causa do rasgo na lateral da caixa, não teria como consertar. Eu já tive um desses a muitos anos atrás, basicamente é o mesmo kit do Gorch Foch que eu postei acima com uma outra caixa.

 

OK, aí vão os novos kits dos últimos dias:

 

1 - Cruzader com a caixa Kiko 1/72.

 

 

2 - Prinz Eugen com a caixa Kiko.

 

 

Uma curiosidade, a ilustração é basicamente a mesma da caixa da década de 60, mas por alguma razão desconhecida, quando foi revista na Revell alemã o splash do impacto do torpedo foi removido.

 

3 - Super Etendard 1/72 da Heller/Kiko.

 

 

4 - Scharnhorst com a primeira caixa de 1979,

 

 

5 - Heinkel He 219 com caixa dura dos anos 60.

 

 

Nos He 219 com caixa dura o plástico era sempre cinza claro:

 

Na edição caixa mole, geralmente era azul claro:

 

Fico pensando como faziam a época essas modificações nas pinturas? No exemplo do Prinz parece ter sido a mão mesmo, mesmo assim tenho imensa curiosidade de saber como era o processo, Talvez algum artista contratado, trabalhava sobre um impresso, depois fotografavam e com isso tinham uma nova matriz, fotolito ou sei lá o que usavam. 

Originally Posted by Raul Aguiar:

Boa Ricardo,mais um lote de kits bacanas conseguido!!também não entendo porque modificar a pintura,seria pra não pagar direitos?!!

Acho que não Raul, acredito que quando a Revell encomendava as ilustrações, adquiria junto os direitos. No caso do Tirpitz, sei que a Revell alemã modificou a arte por que a versão da pintura representada na arte anterior, nunca foi usada pelo Tirpitz. Mas no caso do Prinz Eugen, não vejo motivo, ele foi de fato atingido na popa por um torpedo do submarino Trident quando patrulhava ao largo de Trondheimsfjord. A arte anterior me parece bastante coerente ao representar isso.  

Nesse caso do Prinz Eugen, me parece que a ilustração da Kiko é uma cópia da ilustração original (o porquê disso eu nem desconfio).

Reparem que o fundo é parecido, mas tem características diferentes. Não vejo sentido em se mudar o fundo da ilustração, daria um trabalho hercúleo se fosse a ilustração original retrabalhada. Tirar o torpedo ainda vai, dá menos trabalho.

Pra mim é uma cópia com pequenas alterações.

Originally Posted by Ricardo P-40:
Originally Posted by Raul Aguiar:

Uma dúvida Ricardo,dessa linha do Sikorsky s-55 teve 4 versões,aqui me lembro de ter tido 3 deles,essa daí de cima,o laranjado da neve e o de salvamento.O azul da aeronáutica saiu lá nos EUA, este saiu aqui também?

 

O azul não é da Força Aérea, mas dos Marines. Eu também tinha essa dúvida, até que o outro dia o Marcus me mandou as fotos de uma instrução da Kikoler que ele pensava ser do helicóptero laranja. Reparei que o código na instrução (H-181) não batia com o do kit (H-172), depois olhando com calma a instrução, vi que eles mandam por um decalque dos Marines na cauda. Essa instrução é do helicóptero azul, me parece ser dos anos 70. Tenho a breve impressão de ter visto isso a venda na época, mas não me liguei muito, também não achei ainda foto da caixa dele e nem menção nos catálogos que eu tenho.

 

Como sempre as traduções fantásticas da Kikoler, observe que traduziram Marines por Marinha...

 

 

Primeiro Kit que montei. 1963, acho!

Tópico fantástico, para quem montou todos os Revell até o início dos 70.

 

Originally Posted by Fabio Moretti:

Revendo estas instruções do helicóptero me transportei para uns 45 anos atrás, num piscar de olhos tive a impressão que a caixa com o modelo estava na minha frente prestes a ser montado...que saudades.

Sei exatamente como é isso, lembro muito bem do dia em que cheguei a tarde em casa com uma caixa da Revell nacional  igual a essa e antes de dormir o kit já estava todo montado, isso aconteceu por volta de 1969 ou 70. 

 

Algumas coisas que chegaram nos últimos dias:

 

Mirage IIIE 1/72 - 2ª Edição dos anos 80 com a mesma caixa da 1ª e o logo KIKO:

 

 

Focke Wulf Ta 152 1/72 - Rebox do kit da Frog com a mesma caixa da Revell alemã lançada aqui no início dos anos 80.

 

 

Tirpitz 1/575 - 3ª Edição com o logo KIKO e arte corrigida pela Revell alemã, nas edições anteriores o navio estava representado com a pintura que o Bismarck usou na Operação Rheineübung.

 

 

Normalmente eu tiraria o lacre externo do kit e consertaria a caixa com o ferro de passar, mas a presença dessa etiqueta de preço do Mapping no celofane me fez mudar de ideia.

 

 

Me 109F 1/32 da 3ª edição do final dos anos 80, Logo KIKO e arte do Carlos Chagas:

 

Originally Posted by Ricardo P-40:

2 - Prinz Eugen com a caixa Kiko.

 

 

Uma curiosidade, a ilustração é basicamente a mesma da caixa da década de 60, mas por alguma razão desconhecida, quando foi revista na Revell alemã o splash do impacto do torpedo foi removido.

 

 

Charada resolvida sobre a modificação da versão  do boxart alemão do Prinz Eugen.

 

Frequento esse site a anos mas só ontem vi essa parte e acho que ela responde em cheio pq a explosão foi retirada. Mesmo sendo um site específico para a Matchbox, a resolução era válida para todos kits da UE.

 

http://www.matchboxkits.org/pr...&products_id=252

 

 

 

 

Acrescentando ao comentário acima, não só a explosão foi retirada da ilustração, como cumprimento da legislação pertinente explicada no site da Matchbox, como uma ilustração inteiramente nova do Prinz Eugen, copiada da anterior, foi feita. E feita por um ilustrador fraquinho.

 

Compare as duas, olhando cada uma da seguinte maneira: feche um olho e aperte bastante o outro. Essa é a forma que os pintores usam para ver somente os tons de uma pintura, sem notar os detalhes. Na ilustração original com explosão é possível  distinguir claramente o navio, as montanhas, o céu e a explosão.

 

Na cópia, é tudo uma barafunda única, sem os contrastes tonais que atestam a qualidade de uma pintura.

Se vc olhar com muita atenção, tem vários pequenos detalhes que não batem entre um navio e outro. Achei a principio que seria um problema de impressão, a título de exemplo, uma vez (não me recordo aonde), você mesmo Chagas, disse que a impressão aqui era muito ruim, alguns tons de sua pintura original saiam sempre como preto nas caixas. Mas lendo o que vc escreveu acima e olhando bem de perto, não é a mesma embarcação com certeza. Agora, pra um cara leigo como eu, sem embasamento técnico como o seu, devo confessar que achei a cópia impressionante.

Originally Posted by Carlos Chagas:

Acrescentando ao comentário acima, não só a explosão foi retirada da ilustração, como cumprimento da legislação pertinente explicada no site da Matchbox, como uma ilustração inteiramente nova do Prinz Eugen, copiada da anterior, foi feita. E feita por um ilustrador fraquinho.

 

Compare as duas, olhando cada uma da seguinte maneira: feche um olho e aperte bastante o outro. Essa é a forma que os pintores usam para ver somente os tons de uma pintura, sem notar os detalhes. Na ilustração original com explosão é possível  distinguir claramente o navio, as montanhas, o céu e a explosão.

 

Na cópia, é tudo uma barafunda única, sem os contrastes tonais que atestam a qualidade de uma pintura.

Concordo, vendo a caixa ao vivo se percebe claramente que a qualidade da segunda ilustração é muito inferior a da primeira, foi uma cópia muito mal feita mesmo.

 

Lamentável que essa legislação tenha abrangido as boxarts dos kits também, muito da dramaticidade que era o principal atrativo das ilustrações mais antigas se perdeu a partir daí. Estas acabaram se tornando apenas desenhos ilustrativos insossos, sem qualquer emoção. Confesso que acho o politicamente correto um porre, não vejo em que uma ilustração de caixa de kit colabore para fazer de alguém um sociopata. 

Além disso, essa babaquice do "políticamento correto" não serviu para melhorar a sociedade em nada. Pelo contrário, a falta de civilidade e a violência só fazem aumentar.

 

No tempo em que desenhos com explosões e aviões atacando tinham liberdade de aparecer nas tampas de caixas de modelos, a violência ficava mais ou menos por ali.

 

Hoje...precisa dizer mais?

 

 

Coincidência o post dessa B-24 aqui. Hoje levei minha mãe a um restaurante para comemorar os 70 anos dela e nas nossas lembranças do passado, comentei que ela me fazia montar "os aviõezinhos" na mesa no quintal de casa pra não fazer muita sujeira, eu tinha descoberto o uso das tintas Kikores com esse modelo. Eu tenho outro desse kit na caixa guardado, se me der uma louca ainda monto por nostalgia. Porém me recordo que tinha encaixes ruins, ou talvez minhas habilidades de moleque tenham me lubridiado na época.

Originally Posted by Danlucio:

Coincidência o post dessa B-24 aqui. Hoje levei minha mãe a um restaurante para comemorar os 70 anos dela e nas nossas lembranças do passado, comentei que ela me fazia montar "os aviõezinhos" na mesa no quintal de casa pra não fazer muita sujeira, eu tinha descoberto o uso das tintas Kikores com esse modelo. Eu tenho outro desse kit na caixa guardado, se me der uma louca ainda monto por nostalgia. Porém me recordo que tinha encaixes ruins, ou talvez minhas habilidades de moleque tenham me lubridiado na época.

Talvez não seja só os encaixes ruins, os kits da Kikoler geralmente vinham empenados tornando a montagem difícil. Muitas das minhas fuselagens ficaram com brechas insolúveis por conta disso.

Exemplo clássico e bem conhecido é o FW200 (o antigo). Uma vez quase incendiei o meu de tantas tentativas no fogão de casa tentando desempena-lo. Dá pra montar uma lista de aberrações de alguns desses kits antigos, me divirto vendo o nível de exigência que o pessoal quer hoje mesmo dos kits mais simples. Lembra do Gekko com o defeito no trem de pouso e com a folhinha ensinando a fazer "putty" com talco? Bons tempos.

Originally Posted by Danlucio:

Exemplo clássico e bem conhecido é o FW200 (o antigo). Uma vez quase incendiei o meu de tantas tentativas no fogão de casa tentando desempena-lo. Dá pra montar uma lista de aberrações de alguns desses kits antigos, me divirto vendo o nível de exigência que o pessoal quer hoje mesmo dos kits mais simples. Lembra do Gekko com o defeito no trem de pouso e com a folhinha ensinando a fazer "putty" com talco? Bons tempos.

Nunca ví um Fw 200 com o diedro correto, todos ficavam com a asa vergada para baixo. Nunca consegui fechar os cowlings de um He 219 direito e por aí vai... aquela do Gekko foi de amargar e nem era um kit tão antigo assim.

Incluir Resposta

Curtidas (5)
GilsonCASTR0mariolucioFernando ManfioHenriques
×
×
×
×