Chegaram os Russos - Perdas russas durante a operação militar na Síria

O T-10 (também conhecida como projeto 730, IS-8, ou IS-10) foi um tanque pesado Soviético da Guerra Fria, foi o desenvolvimento final da série de tanques IS.

Durante o desenvolvimento, foi chamado IS-8 e IS-9. Foi aceite em produção em 1952 como o IS-10 ( Iosif Stalin , forma russa de Joseph Stalin ), mas devido ao clima político na sequência da morte de Stalin em 1953, ele foi renomeado T-10.

As maiores diferenças de seu antepassado direto, o IS-3 , foram um casco mais longo, sete pares de rodas em vez de seis, uma torre maior a montagem de uma nova arma com exaustor, um motor diesel melhorado, e aumento da armadura. Desempenho geral foi semelhante, embora a T-10 poderia carregar mais munição e nova arma principal D-25T de 122 milímetros.

Os T-10s (como os tanques é que eles substituíram) foram implantados em regimentos de tanques independentes pertencentes a exércitos, e batalhões de tanques independentes pertencentes às divisões. Estas unidades de tanque independentes poderia ser anexado a unidades mecanizadas, para apoiar as operações de infantaria e realizar avanços.

O T-10 serviu com a União Soviética , mas não era conhecido por ter sido fornecido as nações do Pacto de Varsóvia, embora regimentos de tanques pesados soviéticos estacionados nesses países podem ter sido equipados com eles.

Antes de 1962, T-10ms estavam em produção simultânea em duas fábricas (Kirov como objeto 272 e Chelyabinsk como objeto 734), cujas peças eram incompatíveis com os da outra, seguiu assim até 1962 quando a versão de Kirov foi padronizada.

Algumas fontes ocidentais afirmam que o T-10 foi exportado para o Egito e Síria, no entanto nenhuma evidência fotográfica que em serviço ou em combate veio à luz.

Tanques pesados foram retirados de serviço de linha de frente Soviética em 1967, e inteiramente removida do serviço de reserva em 1996. Abaixo T-10M na Czechoslovakia:

T-10 é mas mais rápido e pesado, quando comparado ao IS-3. Ela dirige mais como um "super médio" do que um pesado. A blindagem frontal é ligeiramente maior em espessura em comparação com IS-3, mas é muito menos eficaz na frente devido aos ângulos que pioraram por aumentara a altura do tanque, mas a blindagem lateral é aumentada por 30 milímetros e tem armadura espaçadas tal como o IS-3.

A torre é muito difícil de penetrar e do centro do casco dianteiro é capaz de saltar tiros de frente direto, mas tiros muitas vezes atravessam em linha reta.

A arma superior, no entanto, tem a penetração suficiente para vazar facilmente a camada blindada de outro tanque pesado de sua época, e faz uma série de prejuízos com um recarregamento mais rápido do que a arma do IS-3.

O T-10 usa a velocidade para evitar danos que torna este tanque de um adversário extremamente formidável. Abaixo JS3.

Estima-se que cerca de 6.000 T-10 soviéticos foram construídas após o fim da Segunda Guerra Mundial, dos quais 1.439 eram T-10s.

Variantes

  • T-10 (1952)
  • T-10A (1956): T-10 com um plano único agregado estabilizador de arma .
  • T-10B (1957): T-10 com um estabilizador do canhão.
  • T-10M (1957): Versão modernizada com mais M-62-T2 L 46 armas de / com cinco defletors, plano estabilizador do canhão, metralhadoras substituído por 14,5 milímetros KPVT (a melhor adequação balísticos para a nova arma principal ), infravermelho equipamento de visão noturna, NBC proteção. Comprimento total é de 10,29 m.
    • 1963 - T-10M está equipada com OPVT e snorkel .
    • 1967 - T-10M é fornecido com APDS e HEAT munição.

 

História do Serviço
Usado porUnião Soviética, China, Cuba, Checoslováquia, Coreia do Norte, Egito, Polônia
Guerras
  • Segunda Guerra Mundial
  • Revolução Húngara de 1956
  • Guerra dos Seis Dias
  • Invasão da Tchecoslováquia
  • Guerra no Donbass
Histórico de produção
DesenhistaZh. Kotin , N. Dukhov
projetado
  • 1943 (IS-2)
  • De 1944 (IS-3)
  • 1944-1945 (IS-4)
FabricanteKirov fábrica , UZTM
Produzido
  • 1943-1944 (IS-1)
  • 1943-1945 (IS-2)
  • 1945-1947 (IS-3)
  • 1945-1946 (IS-4)
Número construídos
  • 130 (IS-1)
  • 3.854 (IS-2)
  • 2.311 (IS-3)
  • 250 (IS-4)
Especificações (IS-2 Modelo 1944)
peso46 toneladas (51 toneladas curtas ; 45 toneladas longas )
Comprimento9,90 m (32 ft 6 in)
Largura3,09 m (10 ft 2 in)
Altura2,73 m (8 pés 11 pol)
Equipe técnica4

Armadura60-110 mm (2,4-4,3 em) [1]
principal
armamento
D25-T 122 milímetros arma (28 rodadas)
Armamento Secundário
3 × DT (2.079 rondas)
Motor12 cil. diesel modelo V-2
600 hp (450 kW)
Potência / peso13 HP / tonelada
SuspensãoBarra de torção
Capacidade de combustível820 l (180 imp gal; 220 US gal)
Operacional
gama
240 km (150 mi)
Velocidade37 km / h (23 mph)

 


[Imagem vinculada]
[Imagem vinculada]

Luis Pacheco posted:
CASTR0 posted:

Perante o receio da Rússia que se propaga através de toda a Europa, o Ministério da Defesa estoniano decidiu se juntar ao seu colega finlandês para comprar obuseiros de segunda mão da Coreia do Sul em prol de sua autodefesa.

Assim se estimula o mercado de armas. Ainda gostaria de saber que interesse teria a Federação Russa em "invadir" um país como a Estônia.  A única riqueza do pequeno país Báltico são as suas bonitas mulheres. E quanto a isso os Russos estão ainda melhor servidos.

os países bálticos sempre estiveram na esfera de influencia da Russia e depois da URSS.

depois do colapso da ex União Soviética é que eles começaram a andar pelas próprias pernas. 

O ocidente precisa de um fantasma para assustar todos os seus subordinados e o retorno da Russia serve para isso. Alem do mais, a industria de armas precisa vender para viver, tanto equipamento novo quanto usado, alem de gerar polpudas comissões.

as oportunidades são para serem aproveitadas. só aqui é que isso, em geral, não acontece.

Valls

Valls posted:
Luis Pacheco posted:
CASTR0 posted:

Perante o receio da Rússia que se propaga através de toda a Europa, o Ministério da Defesa estoniano decidiu se juntar ao seu colega finlandês para comprar obuseiros de segunda mão da Coreia do Sul em prol de sua autodefesa.

Assim se estimula o mercado de armas. Ainda gostaria de saber que interesse teria a Federação Russa em "invadir" um país como a Estônia.  A única riqueza do pequeno país Báltico são as suas bonitas mulheres. E quanto a isso os Russos estão ainda melhor servidos.

os países bálticos sempre estiveram na esfera de influencia da Russia e depois da URSS.

depois do colapso da ex União Soviética é que eles começaram a andar pelas próprias pernas. 

O ocidente precisa de um fantasma para assustar todos os seus subordinados e o retorno da Russia serve para isso. Alem do mais, a industria de armas precisa vender para viver, tanto equipamento novo quanto usado, alem de gerar polpudas comissões.

as oportunidades são para serem aproveitadas. só aqui é que isso, em geral, não acontece.

Valls

Valeu Valls 

REZENDE posted:

"as oportunidades são para serem aproveitadas. só aqui é que isso, em geral, não acontece."

Valls

Muita gente metida em esquema ......com o imposto que se arrecada aqui  poderíamos voar de F-22 Raptor andar de Leopard 2A8 e por ai vai......

uma ilusão que todos nós temos é que nossas FFAA operassem equipamentos como esses. Seria lindo vê-los nos desfiles, mas na minha opinião, além de não nos fazerem falta, jamais teriam uma manutenção adequada, não só pelo custo como pela falta de preparo.

Valls

Por que OTAN "gastou à vontade" para escoltar Admiral Kuznetsov?

Ao comentar a recente declaração do comandante do porta-aviões Admiral Kuznetsov, Sergei Artamonov, sobre a escolta do navio por 50-60 navios da OTAN na sua viagem à Síria e de volta, o especialista Ilya Kharlamov deu seu comentário sobre a notícia.

Em entrevista ao serviço russo da rádio Sputnik, Kharlamov explicou as razões pelas quais a Aliança não poupou dinheiro para acompanhar o Admiral Kuznetsov.

Segundo informou Kharlamov no seu artigo, "a escolta se tornou muito pesada e cara… para os integrantes da Aliança que pagam impostos".

"Moscou avisou a Bruxelas [sede da Aliança] repetidamente de que o grupo naval russo, liderado pelo porta-aviões Admiral Kuznetsov e composto pelo cruzador Pyotr Vekiky, destróier de mísseis guiados Severomorsk e destróier antissubmarino Admiral Kulakov e navios de suporte, não precisa ser escoltado", escreve o especialista. Abaixo cruzador Pyotr Vekiky.

Na opinião do autor do artigo, os oficiais militares da OTAN se dividem em duas categorias: os que tiram proveito da ilusória ameaça russa e os que consideram o ameaça como verdadeira, acreditando em sua existência. Abaixo destróier de mísseis guiados Severomorsk.

"Os lunáticos não conseguem aplicar suas forças acumuladas durante anos e até décadas", ironiza Kharlamov.

Suas incursões no Oriente Médio e África são inúteis para a humanidade, incluindo sua parte ocidental "mais competente", e seu controle parcial de alguns depósitos de hidrocarbonetos não pode ser qualificado como sucesso global, acredita o autor. Abaixo destroyer antissubmarino Admiral Kulakov.

Além disso, a maneira de encher os países vizinhos da Rússia com soldados da OTAN é uma "arma de dois lados agudos", acrescenta. Por um lado, é uma demonstração de força, mas por outro – gastos excessivos sem sentido que é um indício de inutilidade absoluta dos tanques, aviões e soldados da OTAN em caso de conflito de larga escala. Abaixo Boeing E-3A Sentry NATO "AWACS" na fronteira da Polônia com Rússia.

"Qualquer bloco militar precisa de dinâmica e desenvolvimento; caso contrário se trata de mera existência. Devido à falta de condições naturais, tal dinâmica pode ser criada de maneira artificial. A missão do grupo naval russo perto da costa síria é uma ocasião muito oportuna para isso", explica Kharlamov.

Além disso, o especialista russo comentou a resposta de Artamonov a respeito das recentes informações da mídia sobre a fumaça saindo do porta-aviões Admiral Kuznetsov. Artamonov explicou que a fumaça do porta-aviões não é um sinal de mau funcionamento e que os navios da OTAN, de fato, também "emitem nuvens de fumaça", embora provavelmente não tão densa como o porta-aviões russo.

Neste sentido Kharlamov acrescenta que, os navios da OTAN, apesar dos bilhões investidos no desenvolvimento e produção dos mesmos, não garantem sua durabilidade.

"Os destróieres, navios de patrulha e fragatas da OTAN têm aparência de ultramodernos. Claro que para assustar os inimigos visualmente, caso falhem seus sistemas de ataque", observa o perito.

Afinal, Kharlamov destaca que "o antigo navio russo completou a sua missão e se locomoveu para outra parte do globo, tendo retornado para o seu porto de origem".

"Nem tudo que brilha é ouro", conclui.

Na terça-feira (14), o comandante do Admiral Kuznetsov, Sergei Artamonov, informou que cinquenta a sessenta navios da OTAN escoltaram o porta-aviões russo durante a navegação do navio em direção às costas da Síria e na rota de regresso.

Su-33% 20018_zpsajzls6wt.jpgSu-33% 20017_zpslxqa3f7u.jpgSu-33% 20023_zps84kq7fb4.jpgSu-33% 20020_zps3e500nwh.jpgSu-33% 20007_zpsbxh5db9d.jpg

Bombardeiros Tu-95MS russos de longo alcance lançaram mísseis de cruzeiro contra as posições do Daesh perto da cidade síria de Raqqa na quinta-feira (16), comunicou o ministro da Defesa da Rússia.

Bombardeiros estratégicos destruíram vários pontos dos terroristas, bem como centros de treinamento e o posto de comando de uma das maiores unidades terroristas próximas a sua capital – a cidade de Raqqa.


Ministério russo da Defesa informou que os serviços de informações confirmaram o fato da destruição de todos os alvos terroristas perto de Raqqa.

Os terroristas foram atacados com novos mísseis de cruzeiro X-101 (abaixo).

Bombardeiros de longo alcance, que partiram de um campo de aviação russo, sobrevoaram Iraque e Irã. Após o lançamento de mísseis de cruzeiro contra as posições do Daesh, os bombardeiros regressaram para a Rússia.

"Su-30SM e Su-35S prestaram apoio aéreo aos bombardeiros russos a partir da base militar em Hmeymim", acrescentou o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu.

Entretanto, o Pentágono comunicou que os militares da coalizão internacional, juntamente com os russos, usaram o mecanismo de segurança de voos sobre o território da Síria para evitar alguns incidentes perto de Raqqa, onde a coalizão está também realizando ataques aéreos contra terroristas.

Tu-16 bombardeiros de longo alcanceEm 1948, o Bureau de Design AN Tupolev começou o projeto preliminar de um bombardeiro de longo alcance com asas varridas para substituir o Tu-4 com motores a  pistão. Enquanto isso, OKB SV Ilyushin recebeu a tarefa de projetar um jato bombardeiro, o Il-46.

No entanto, os trabalhos de Tupolev em um novo bombardeiro não parou e tomou por sua própria iniciativa. Trabalhando em conjunto com TsAGI, resolveram os problemas da configuração aerodinâmica para aeronaves pesadas com asas varridas. O projeto recebeu a designação de "88", e que apos entrega se chamou de Tu-16.

O bombardeiro Tu-16 - Vídeo

Foram consideradas várias opções para o layout da aeronave. Entre eles estava um projeto proposto por AA Tupolev - o filho do designer-chefe, com dois motores, pressionado para a fuselagem.

Após avaliações preliminares AN Tupolev deixa o governo com uma proposta sobre o plano "88", garantindo-lhe obter o melhor desempenho do que o IL-46.

AN Tupolev todas as manhãs veio para a brigada S.M.Egera, que foi o layout final da aeronave, tornou-se familiarizado com o estado de coisas, fez alterações e enviado para a loja maquete.

Tu-16 bombardeiros de longo alcanceDS Markov foi nomeado designer-chefe do Tu-16 que propôs motores alojados na raiz da asa, que ajudaram a reduzir a resistência à interferência na área conjunta da asa à fuselagem.

Para os jatos de gás não terminam na fuselagem, motores implantado - defini-los em um ângulo para o plano de simetria da aeronave. A fuselagem da aeronave e cabine para dois pilotos era pressurizada e foram colocados assentos ejetáveis. Abaixo, assento do artilheiro de calda.

O espaçoso localizado atrás da longarina traseira do centro e foi cercado por um forte longitudinais das vigas. O armamento defensivo era composto por sete armas AM-23, uma fixa no lado direito da fuselagem dianteira, duas no andar de cima, no andar térreo e na unidade traseira.

Tu-16 bombardeiros de longo alcanceAté o final de 1951, o primeiro protótipo foi montado. O primeiro voo da aeronave "88/1" foi em 27 de abril de 1952 com uma equipe liderada por um piloto de teste. Abaixo, abastecimento em voo

O primeiro voo experimental foi significativamente tranquilo para não afetar dados de voo. A fim de não perturbar a liberação programada dos primeiros aparelhos produzidos em massa, AN Tupolev tomou uma decisão ousada para lançar uma série de variante facilitada do Tu-16.

Os primeiros aviões Tu-16 começaram a chegar na Força Aérea Soviética no início de 1954, a produção em série da aeronave foi realizada em Kazan, Kuibyshev, e Voronezh.

Todas as três plantas de produção permaneceram ativas até o final de 1963 quanto realizaram 1509 cópias, incluindo dois protótipos e 11 principais modificações foram produzidas.

A produção destes bombardeiro foi estabelecida na China (Xian H-6). No final de 1981, a perda total do Tu-16 da Força Aérea e da Marinha foram responsáveis por 106 aparelhos. Abaixo H6 chines.

Vários bombardeiros foram entregues para o Egito, Síria e Iraque. Também participou na guerra do Afeganistão. Depois de 1991, essas aeronaves foram aposentados.

Tu-16 bombardeiros de longo alcance

As características do momento UT-16 de desempenho

Descrição
Tipo / MissãoBombardeiro estratégico, com motores turbojato, bimotormonoplano
País de origem União Soviética
FabricanteTupolev
Período de produção1954-1962
Quantidade produzida1590 unidade(s)
Primeiro voo em27 de abril de 1952 (64 anos)
Introduzido em1954
Aposentado em1993 (nações da antiga União Soviética)
VariantesTupolev Tu-104 (versão civil)
Tupolev Tu-124
Xian H-6
Tripulação6-7

 

Especificações
Dimensões
Comprimento34,80 m (114 ft)
Envergadura33 m (108 ft)
Altura10,36 m (34,0 ft)
Área das asas165 m² (1 780 ft²)
Alongamento6.6
Peso(s)
Peso vazio37 200 kg (82 000 lb)
Peso carregado76 000 kg (168 000 lb)
Peso máx. de decolagem79 000 kg (174 000 lb)
Propulsão
Motor(es)2 x turbojatosMikulin AM-3 M-500
Força de empuxo (por motor)9 525 kgf (93 400 N)
Performance
Velocidade máxima1 050 km/h (566 kn)
Alcance (MTOW)7 200 km (4 470 mi)
Teto máximo12 800 m (42 000 ft)
Armamentos
Metralhadoras / Canhões6 a 7 canhões de 23 mm Afanasev Makarov AM-23
Mísseis2x KS-1 Raduga Komet
1x K-10S Raduga
2x KSR-5 Raduga
Bombas9,000 kg de bombas de queda livre

 

Tu-16 bombardeiros de longo alcance

Modificação básica do Tu-16:

Tu-16A - O portador de armas nucleares;

Tu-16R - Avião de reconhecimento;

Tu-16 "3" - Aviões-tanque com sistema de reabastecimento nas asas; Tu-16KS - Avião portador de misseis com duas bombas voadoras COP-1; Tu-16K-10 - Avião portador de misseis K-JUS; Tu-16K-16 - Avião portador de misseis de cruzeiro KSR-2; Tu-16K-26 - Avião portador de misseis de cruzeiro DAC-5;

Tu-16 "Cyclone" - Aeronaves para pesquisas meteorológicas;

Tu-16C "Fragata" - Resgate de aeronaves conjunto com barcos de salvamento.

Foto Tu-16 com missil KSR-2

Tu-16R de 1985.

Tu-16 bombardeiros de longo alcanceTu-16 bombardeiros de longo alcanceTu-16 bombardeiros de longo alcance

O Antonov An-178 é uma aeronave de transporte militar média de curto alcance, projetada pela fabricante Ucraniana Antonov e baseada no Antonov An-158 (An-148-200).

A aeronave foi anunciada em 5 de Fevereiro de 2010, lançada em 16 de Abril de 2015 e voou pela primeira vez em 7 de Maio de 2015.

O An-178 deve substituir aeronaves já ultrapassadas, como o Antonov An-12, Antonov An-26 e Antonov An-32. A aeronave terá uma suíte de aviônicos similar ao An-148, e usará os motores turbofan Progress D-436-148FM.

O An-178 é um competidor em potencial para o Alenia C-27J Spartan da Itália, EADS CASA C-295 da Espanha, C-130 Hercules dos Estados Unidos, Embraer KC-390 do Brasil e o Ilyushin Il-214 da Rússia.

Os planos da companhia são de produzir mais de 200 aviões como este.

Na prática, o AN-178 é um avião concebido para se posicionar acima do Airbus Military C-295 e do C-27 J, abaixo do C-130J-30 e em concorrência direta com o novo cargueiro militar da Embraer, o KC-390 (abaixo), que fez igualmente o seu primeiro voo este ano, no dia 3 de Fevereiro.

Os dois aparelhos apresentam dimensões praticamente idênticas – 32,23 m de comprimento para o AN-178 e 35,20 m para o KC-390; uma envergadura de 30,57 m para o Antonov, contra 35,05 m do Embraer; e uma altura de 9,57 m para o avião ucraniano, versus 11,84 m para o brasileiro –, com vantagem para o Embraer no peso máximo à descolagem (67 t contra 52,4 t) e no payload (23 t contra 18 t).

O Antonov tem um tecto de operação máximo de 12.200 metros, face aos 11.000 do modelo brasileiro, e também pode transportar mais soldados (90 contra 80) e paraquedistas (70 contra 64). Mas o KC-390 é mais rápido: 870 km/h contra 825 km/h do AN-178, para um raio de ação máximo de 2.560 km com a carga útil máxima, face aos 2.500 km do seu rival ucraniano em idêntica situação.

Características gerais

  • Comprimento: 32,95 m (108 pés 1 pol)
  • Envergadura: 28,84 m (94 pés 7 pol)
  • Altura: 10,14 m (33 pés 3 pol)
  • Powerplant: 2 × Progress D-436-148FM Turbofan
  • Velocidade de cruzeiro: 800 km / h (497 mph)
  • Teto de serviço: 13.000 [18]  m (42.651 ft)

 

Abaixo Herpa Wings 1:200 An-178

Tu-160 "Cisne Branco":  mais rápido, mais preciso e mais poderoso

O mais poderoso avião supersônico na história da aviação militar 

Tu-160 (para a codificação da NATO: "Blackjack") - um bombardeiro estratégico supersônico com geometria variável, projetada em Tupolev em 1970-80-s.
É o maior e mais poderoso avião na história da aviação militar e entre os aviões supersônicos com asas de geometria variável, é o avião de combate mais pesado do mundo, tendo a maior massa máxima à descolagem entre os bombardeiros. É também o bombardeiro de mais de alta velocidade à estar armado. Ele ganhou o apelido de  "Cisne Branco" entre os pilotos.

Tu-95 e Tu-160, bombardeiros estratégicos russos, têm banheiros instalados.

Este é um banheiro em Tu-95

...aberto.

E este é um em Tu-160.

Surpreendentemente, Su-34, um bombardeiro de caça relativamente pequeno, tem um bio-sanitário dobrável sob um dos assentos. Eu não encontrei uma imagem, ela deve ser altamente classificada .

Os caras infelizes que pilotam outras aeronaves têm este :

Piloto do Il-76 no Chile: 'mais terrível é ver fogo cercar pessoas e não poder fazer nada'

Desde os finais de janeiro de 2017, o avião russo Il-76 vem participando do combate aos incêndios nas regiões do sul do Chile. A aeronave foi batizada de "El Luchín" devido à dificuldade de pronunciá-la corretamente, tornando-se o símbolo do apoio russo ao país latino-americano.

17 pessoas viajaram a bordo do Il-76, entre os quais estavam as tripulações completas que se revezavam em dois turnos e seis funcionários do Ministério de Emergências russo.

A Sputnik Mundo falou com o copiloto do Il-76, Vladislav Podobny, que está no Chile desde 30 de janeiro. Ele possui 30 anos de experiência em voos em aviões da classe Il-76, tendo participado de várias operações do Ministério de Emergências russo.

2S4 Tiulpan, o morteiro mais pesado do mundo; assista ao vídeo

Com calibre de 240 mm, arma destrói edifícios fortificados a 20 km de distância.
 

Projetado em 1975, o morteiro autopropulsado 2S4 Tiulpan (Russian: 2С4 «Тюльпан»; Tulipa, em russo) foi usado em conflitos no Afeganistão e na Tchetchênia, e é atualmente o mais pesado do mundo.

Para que entre em posição de disparo são necessários cinco tripulantes, mas o morteiro pode rapidamente mudar sua localização depois de lançar um ataque contra o inimigo.

Além do mais, a arma de calibre 240 mm é capaz de destruir edifícios fortificados e blindados do inimigo a uma distância de até 20 quilômetros. Em termos de armamento, o 2S4 dispara projéteis Smel'chak (do russo, destemido) guiados por laser.

O Exército russo dispõe hoje de mais de 400 unidades do morteiro, que estão gradualmente voltando a serviço, inclusive no conflito sírio.

Fonte: YouTube/Ministério da Defesa da Rússia

Dia das Forças de Operações Especiais do Exército Russo

Assim lutam as forças especiais russas na Síria contra o terrorismo (VÍDEO)

As Forças de Operações Especiais Russas podem usar veículos blindados — conhecidos como Tiger (Tigre) —, que possuem lançadores de granadas automáticos, mísseis anti-tanque e morteiros guiados e veículos aéreos não tripulados como o Orlan, por exemplo.

Como regra, os novos modelos de rifles Kalashnikov são equipados com silenciadores e são cuidadosamente camuflados, dependendo da paisagem na área de hostilidades.


Imagem

As forças do governo sírio e seus apoiadores russos recapturaram completamente a antiga cidade de Palmyra dos chamados militantes do Estado Islâmico (IS), dizem os dois aliados.

O exército e outras forças pró-governo foram informados de ter entrado profundamente na cidade depois de IS retirado.

Termina a segunda ocupação de Palmyra pelos jihadistas.

A primeira vez que controlaram a área, os militantes destruíram alguns de seus monumentos mais célebres.

IS lutadores foram expulsos em março do ano passado, mas conseguiu retomar a cidade, suas ruínas mundialmente famosas e os arredores em dezembro.

Primeiras imagens exclusivas de Palmira libertada

A equipe do RT espera a oportunidade de acesso às ruínas dos monumentos históricos da área para verificar o dano causado por jihadistas, bem como os patrimônios da humanidade: "Temos um acesso exclusivo ao lugar", destaca Lizzie Phelan, citada pelo

O GAZ Tigr (russo: Тигр e inglês: Tiger) é um Veículo de Mobilidade da Infantaria Russa 4x4 , multiuso, todo terreno fabricado pela GAZ

Tigr foi entregue pela primeira vez ao exército russo em 2006 e é principalmente usado pelas Forças Armadas da Federação Russa , é também usado por muitos outros países e organizações

O veículo foi projetado para transportar tropas e vários equipamentos rapidamente na estrada e off-road. Ele tem uma construção de chassis frame, com um layout tradicional de motor dianteiro, compartimento de tripulação média e área de carga traseira.

As características padrão incluem: direção hidráulica, suspensão de torção all-wheel independente com amortecedores hidráulicos e barras estabilizadoras, uma caixa de transferência com um diferencial central de bloqueio, diferenciais de deslizamento limitado, de duas velocidades da caixa de transferência, inflação automática de pneus, aquecedor do bloco do motor e elétrica guincho. Abaixo  Tigr que suporta uma Uran-9, torre controlada remotamente, armada com um canhão de 30mm 2A72

O GAZ-233001 tem ar condicionado opcional, estéreo, janelas eléctricas, e um sistema de travagem anti-bloqueio.

Versões blindadas do Tigr apresentam 5 mm (0,20 pol.) (7 mm (0,28 pol.) Para o SPM-2) placas de armadura tratadas termicamente e aliviadas pelo esforço. O Tigr pode levar uma meia tonelada de carga.

Os motores disponíveis são um turbodiesel Cummins 5.9 L (USA) (360 cu in) B180 com 180 cv (130 kW); Um turbodiesel Cummins 5.9 L (360 cu in) B205 produzindo 180 cv (130 kW); Um turbodiesel Cummins 5.9 L (360 cu in) B-214 com 215 cv (160 kW); Ou um turbodiesel GAZ-562 3.2 L (200 cu in) com 197 cv (147 kW).

Projetado para desempenho em ambientes montanhosos, árticos e desérticos, o Tigr é capaz de operar em temperaturas ambientes que variam de -14-50 ° C (7-122 ° F). Além disso, o veículo tem ângulos de aproximação e de partida de 52 graus e uma profundidade de vadeamento de 1,2 m (3,9 pés).

Características:

  • Comprimento, mm - 5700
  • Largura, mm - 2300
  • Altura, mm - 2200
  • Distância entre eixos, mm - 3300
  • Distância ao solo, mm - 400
  • Fórmula da unidade - 4 × 4
  • Capacidade de carga, kg - 1200
  • Capacidade, pessoas. - 6
  • Dimensão dos pneus - 335/80 R20
  • Peso em kg, - 5300
  • Velocidade máxima km / h - não mais de 125
  • Capacidade de escalar ângulo, granizo. Trinta
  • Rolo aceitável ao dirigir na inclinação, deg. - 20
  • Profundidade de Fording, m - 1.2
  • Ângulo de inclinação dianteiro / traseiro, deg. - 52/52
  • Raio mínimo de rotação, m - 8,9
  • Transmissão - manual de 5 velocidades

 

A empresa da indústria militar fabricante do veículo de todo o terreno GAZ-2330 Tigr para infantaria, anunciou que vai deixar de usar os motores diesel Cummins dos EUA, anteriormente instalados em alguns tipos deste veículo e mudando para os motores de fabrico russo.

 
 
Obrazek
Obrazek
Obrazek
Obrazek
Obrazek
Obrazek
Obrazek

URAL NEXT é o sucessor do versátil e muito conhecido Ural-4320 (já mostrado aqui) , abaixo foi adaptado para um passeio de final de semana 

Quem tiver garagem para belezinha acima, completa (como apresentado pela fabrica), pagará na ordem de R$286 mil (sem impostos). Mais em "Volga"

Mas por enquanto, vamos montar o kit...

Bild-02.jpg

Buenas,

não sei se comercialmente teria valido a pena. Este veículo tem um desenho que me agrada e sua robustez é conhecida. Faria sucesso rodando aqui nos pagos gaúchos.

Teríamos um jipe verdadeiro e talvez por um preço bem melhor do que o que é pago por aquele modelo "fake" que é usado pelas nossas forças armadas.

Mas, como tudo o que vem daqueles lados, encontra sempre muitas obstruções. Parece que sempre tem alguém (já devidamente propinado) para azedar qualquer negociação do tipo. Esse é o país do futuro (e sempre será)!.

Independente de ideologias alguns equipamentos militares russos caberiam como uma luva nas nossas condições. São simples de manter e robustos. Mas, cada vez que alguém sugere algo a respeito os "lobbies" dos grandes produtores ou o fornecimento grátis de sucatas desdentadas acabam melando tudo.

Uma pena que esta idéia não tenha vingado.

Parabéns pelo post, Castro.

Abraços,

Gelson

gemerim posted:

Buenas,

não sei se comercialmente teria valido a pena. Este veículo tem um desenho que me agrada e sua robustez é conhecida. Faria sucesso rodando aqui nos pagos gaúchos.

Teríamos um jipe verdadeiro e talvez por um preço bem melhor do que o que é pago por aquele modelo "fake" que é usado pelas nossas forças armadas.

Mas, como tudo o que vem daqueles lados, encontra sempre muitas obstruções. Parece que sempre tem alguém (já devidamente propinado) para azedar qualquer negociação do tipo. Esse é o país do futuro (e sempre será)!.

Independente de ideologias alguns equipamentos militares russos caberiam como uma luva nas nossas condições. São simples de manter e robustos. Mas, cada vez que alguém sugere algo a respeito os "lobbies" dos grandes produtores ou o fornecimento grátis de sucatas desdentadas acabam melando tudo.

Uma pena que esta idéia não tenha vingado.

Parabéns pelo post, Castro.

Abraços,

Gelson

Bem colocado Gemerim, é de equipamento robusto e de barata manutenção (com alto índice de nacionalização) que necessitamos... independente da procedência.

Abs

Castro

 

Curtidas (7)
Luis PachecoMÁRCIO PINHOScout SniperCarnavalliFaiscaLelloCoração De Leão
×
×
×
×