Chegaram os Russos - Perdas russas durante a operação militar na Síria

A fabricante de aviões Russos MiG anunciou em 11 de janeiro que já começou a  desenvolver o novo avião de interceptação MiG-41, que irá futuramente substituir o caça MiG-31. “O veículo será baseado nos princípios do avião militar moderno”, anunciou o diretor da empresa Serguêi Korotkov.

Embora a fabricante não tenha divulgado detalhes sobre o projeto, o comandante-geral das Forças Espaciais russas, Víktor Bôndarev, prevê que o novo interceptor seja concluído em 2020. Por enquanto o formato e especificações são vagas, existindo varias representações para o futuro caça.

Segundo o piloto de testes Anatóli Kvotchur, o novo modelo manterá as qualidades de seu antecessor, o MiG 31, com a promessa de superar a velocidade Mach 4 (quase 4.248 km/hora).

“Mas era preciso realizar essa modernização há 20 anos. O novo avião tem que ultrapassar a velocidade Mach 4.3”, acrescenta Kvotchur.

Especialistas acreditam que o MiG-41 também será baseado no projetos conhecidos como 301 e 321, da década de 1990. A ideia é que o modelo concorra com os projetos da Sukhôi, cujo interceptor de baixo custo em desenvolvimento poderá alcançar velocidades de até 2.700 km/h.

O Ministério da Defesa russo planeja iniciar a substituição dos aviões Su-27 e MiG-31 ainda este ano. A expectativa é que o MiG-31BM, versão atualizada e mais eficaz do MiG-31, sirva nas Forças Espaciais russas até 2028, até que seja completamente substituído pelos novos MiG-41.

 

Como diz o Guacyr, o Mig-31 é "demodé", mas ainda vamos ver muito deste caça. Teremos que Aguardar definições do protótipo e lançamento do kit do MiG-41, enquanto isto, o kit do Mig-31  "demodé" ainda faz belos dioramas, como o Zvezda 1/72 MiG-31B Foxhound.

CONTINUANDO....

Antonov An-124 Ruslan

O Antonov An-124 Ruslan (nome de código OTAN: Condor) foi durante um longo período o maior avião do mundo, isto antes da chegada do Antonov  An-225, que deve seu desenvolvimento ao An-124.  O An-225 foi desenvolvido com o intuito de transportar o ônibus espacial soviético Buran.  O An-124 ainda é o maior avião de carga já feito em escala industrial.

Desenvolvido inicialmente como cargueiro militar (para o transporte de tanques, tropas e lançadores de mísseis, entre outros), o primeiro protótipo An-124 voou em 26 de dezembro de 1982. Um segundo protótipo, chamado Ruslan (um herói dos povos russo e soviético), fez sua aparição ocidental no Airshow de Paris em Junho de 1985, anteriormente ao seu primeiro voo comercial, que ocorreu em janeiro de 1986.

Desde então, o An-124 estabeleceu uma série de recordes. Sua maior conquista foi a mais pesada carga transportada por via aérea, comercialmente: um gerador de 124 toneladas, associado a outros itens alocados no seu interior, com um peso total de carga de 132,4 toneladas, no final de 1993.

Características notáveis incluem o nariz (que, na verdade, é a porta de proa do compartimento de carga), as portas do compartimento de carga de cauda e 24 rodas permitindo operações de pouso em asfalto, terra, grama e neve (desde que preparada para isso).

É o segundo maior avião produzido em massa. Ele perde apenas para o A380 da Airbus. Há mais de quarenta An-124 em serviço na Rússia, Ucrânia, Líbia e Emirados Árabes Unidos, entre outros países. Sua produção foi encerrada há alguns anos. Entretanto, ela será reiniciada e, até 2030, deverão ter sido entregues mais de cem novas unidades desse avião.

Ele também foi o avião com maior volume de carga transportada (1014 metros cúbicos) até a criação do Airbus A300-600 ST Beluga (1400 metros cúbicos). Atualmente, o maior avião de carga em volume transportado é o Dreamlifter da Boeing, com 1840 metros cúbicos. O compartimento de carga do Antonov An-124 tem 4,4 metros de altura e 36,5 metros (entre rampas) de comprimento.

A rampa de proa (frontal) ainda deixa 2,10 metros utilizáveis e a de popa (traseira), 4 metros e meio. No total, temos 43,1 metros de comprimento. Já as larguras são, em metros, 6,4 na base, 3,996 no teto e 6,8 máxima. Ele também detém o recorde de mais longo voo feito por um avião! Ele decolou em maio de 1987 e, durante vinte e cinco horas e meia, voou 20.151 quilômetros sem reabastecer. Ele partiu com um peso total de 455 toneladas.

Crew area- 1º andar

Cabine para técnicos de carga, com cozinha - 1º andar

 

Curiosidades a Respeito do Antonov An-124

 

  • Os sistemas de voo atuais de alguns Antonov An-124 trabalham com quádrupla redundância. Isso quer dizer que, se um dos sistemas falhar, haverá outros três para cobri-lo. São trinta e quatro computadores trabalhando simultaneamente.
  • O Antonov pode pousar com um peso total de próximo de trezentas e trinta toneladas. Isso quer dizer que cada trem de pouso traseiro tem que trabalhar com um peso de trinta e três mil quilos, aproximadamente, o equivalente à 21,4 Fords Fiesta.
  • O Antonov An-124 é capaz de ser abastecido com 213.740 kg de combustível. Como combustível de aviação tem, normalmente, densidade de 0,8 kg/m³, temos que 267.175 litros de combustível podem ser colocados nesse avião.
  • Cada asa desse avião possui 628 metros quadrados. Isso é suficiente para estacionar 57 Fords Ranger cabine dupla vendidos atualmente no Brasil.
  • Para transportar o Palco e equipamentos da Dangerous World Tour, o cantor Michael Jackson utilizou dois modelos do Antonov An-124
  • Apesar do seu tamanho colossal, o An-124 é um dos aviões mais baixos, em relação ao solo, da sua categoria no mundo. Uma pessoa adulta não conseguiria ficar de pé na região que fica entre os trens de pouso. Aliás, na região do trens de pouso traseiro, com exceção dos ultraleves, pouquíssimos aviões são tão baixos, ficam tão rentes ao chão, quanto o An-124.

 

Abaixo, An-124 Ruslan chega a Base aérea de Porto Velho com três helicópteros Mil Mi-35 para FAB

 

Dimensões e Capacidades An-124

Medida
Comprimento68,96 m 
Envergadura73,3 m 
Área da asas628 m² 
Altura (considerando o estabilizador vertical)20,78 m
Tripulaçãode 3 a 6 (Versão Civil) ou 7 (Versão Militar)
Capacidade para...88/350 passageiros
Carga Líquida Máxima150 000 kg
Peso Vazio175 000 kg 
Peso Carregado230 000 kg 
Peso Máximo de Decolagem405 000 kg 
Motorização4 x turbofans Progress D-18T
Relação Empuxo/Peso0,23129
Empuxo de Cada Motor (An-124-100 e An-124 Ruslan)229,5
Empuxo de Cada Motor (AN-124-210)264
Velocidade Máxima865 km/h (467 kn)
Velocidade de Cruzeiro Típica800 km/h (432 kn)-850 km/h (459 kn)
Teto de Voo12 000 m 
Distância para decolagem (MTOW)2 520 m
Distância para aterrissagem (MTOW)900 m 

 

O Registo Estado de Aeronaves Civis da Federação Russa inclui 25 aeronaves deste tipo, dos quais 21 foram da Força Aérea Russa. Deste 2007, o An-124 opera em cinco outras empresas comerciais, entre elas:

Airline "Volga-Dnepr" - 10 aeronaves;

Airline "Flight" - 4 aeronaves;

 

 

 

DSRV-1 Místic é um veículo de socorro Submergível profundo que está classificado para mergulhar até 5000 pés (1.500 m). DSRV-1 foi construído pela Lockheed para a Marinha dos EUA a um custo de construção de US $ 41 milhões e lançado 24 de janeiro de 1970, foi declarado totalmente operacional em 1977 e nomeado Místic

CASTR0 posted:

DSRV-1 Místic é um veículo de socorro Submergível profundo que está classificado para mergulhar até 5000 pés (1.500 m). DSRV-1 foi construído pela Lockheed para a Marinha dos EUA a um custo de construção de US $ 41 milhões e lançado 24 de janeiro de 1970, foi declarado totalmente operacional em 1977 e nomeado Místic

Bem legal! 

Rússia: 8 aviões Il-76 entregues a país asiático que não pode ser nomeado

O Complexo de Aviação Ilyushin da Rússia entregou oito aeronaves Il-76 para um país asiático que não pode ser nomeado devido aos termos de acordos bilaterais em 2015, segundo declarou o primeiro vice-diretor geral da empresa dia 13 de janeiro ultimo.


A Ilyushin faz parte da Corporação Unida de Construção Aeronáutica (OAK, na sigla em russo) e é especializada na fabricação de aviões de passageiros, de transporte militar e civil, e também fabrica aeronaves de propósitos especiais.

"Em 2015, nós entregamos oito aeronaves Il-76 a um dos países asiáticos. Infelizmente eu não posso nomear o Estado – estamos presos pelas relações formais. O contrato está quase cumprido, restam apenas duas aeronaves para serem fornecidas", disse Yuri Yudin em briefing à imprensa.

O vice-diretor da Ilyushin disse ainda que há negociações em curso com o mesmo país asiático sobre a entrega de mais cinco aviões Il-76.

Curioso de reparar que na cauda de um ali ainda tem uma posição com 4 canhões e ou metralhadoras, é claro que para trás e contra um atacante que venha pela traseira tem alcance e impacto maior, mas se as armas não tiverem uma mira ajustada por radar, ir, etc e computadorizada a eficácia é duvidosa, ainda mais hoje no tempo de mísseis disparados além do alcance da visão.

Sukhoi Su-47 Berkut a "Águia Russa"

 

O Sukhoi Su-47 Berkut (russo: Су-47 Беркут - Golden Eagle) (nome do relatório da OTAN "Firkin", também designada S-32 e S-37 para não ser confundido com o projeto delta do bimotor "canard" oferecido pela Sukhoi no início de 1990 sob a designação Su-37, foi um caça experimental supersônico desenvolvido pela Sukhoi Aviation Corporation, tendo Mikhail Pogosyan como designer-chefe.

Uma característica distintiva da aeronave era sua asa dianteiro-varrida que deu a aeronave excelente agilidade e manobrabilidade. Enquanto a produção de série deste tipo nunca se materializou, a única aeronave produzida serviu como um demonstrador protótipo de tecnologia para uma série de tecnologias avançadas utilizadas no caça de  4,5 geração SU-35BM e atual quinta geração de caças a jato protótipo Sukhoi PAK FA T-50 (abaixo).

Em 11 de agosto de 2014, o comandante-em-chefe das Forças Aéreas Russas, coronel-general Viktor Bondarev alegou que a Rússia ainda continua a investigação e desenvolvimento de caças com asa "forward" (para frente ou invertidas) semelhantes ao Su-47. Os novos protótipos de tais aeronaves serão revelados em um futuro próximo. 

O tema do Su-47  está no âmbito do programa de investigação como um protótipo desde 1983, embora oficialmente o programa tenha sido fechado em 1988. Depois disso, o projeto foi assumido pela Marinha Russa, que pré-determinada a continuação do desenvolvimento do projeto como um avião promissor para porta-aviões.

O projeto foi renomeado e chamado de Su-27 "embarcado naval". Mais tarde, após o colapso da União Soviética e da crise no país na década de 1990, com o financiamento do governo do projeto foi cancelado e durou apenas através de seu próprio financiamento pela "Sukhoi". No final, depois de todas as voltas e reviravoltas, a aeronave foi revelado na exposição MAKS-1999 sob o nome de S-37 "Berkut", mas para o MAKS-2001 renomeado Su-47 "Berkut". Em 1997, foi realizado o primeiro voo do Su-47, considerado experimental.

A estrutura do Su-47 é feita com o uso extensivo de materiais compósitos (CM). Por exemplo, a asa da aeronave é feita com base em fibra de carbono. Aplicação de compósitos avançados como alumínio e titânio, que proporcionam um aumento entre 20-25% na taxa de carga e redução no tempo para fabricação de peças em 40-60%, bem como a obtenção de proteção térmica e características de absorvição das ondas de radar.

Nos mesmos experimentos realizados em tempo nos Estados Unidos, no âmbito do F-22A, indicam uma menor capacidade de sobrevivência de estruturas feitas de CFRP em relação a uma estrutura feita de alumínio e de ligas de titânio que suportam as altas pressões.

 

O Su-47 tem extremamente elevado agilidade em velocidades subsônicas, permitindo que a aeronave para alterar seu ângulo de ataque e sua trajetória de voo muito rapidamente, mantendo manobrabilidade em voo supersônico. O Su-47 tem uma velocidade máxima de Mach 1,6 em altas altitudes e uma capacidade de 9G

A asa dianteiro-varrida, em comparação com uma asa normal com a mesma área, oferece uma série de vantagens:

  • maior razão de planeio
  • maior agilidade em situações duelo
  • maior variedade em velocidade subsônica
  • características melhoradas de resistência tenda e anti-spin
  • estabilidade melhorada a ângulos de ataque elevados
  • uma velocidade mínima de voo mais baixo
  • uma decolagem e pouso distância menor

 

O sistema com asas invertidas dá ao Su-47 sua aparência pouco convencional. Uma parte substancial da sustentação gerada pela asa dianteira ocorre na porção interna da envergadura. Este elevador interior restringe que a ponta da asa tenda a geração de vórtex. O controle dos ailerons das superfícies das asas permanecem eficazes nos mais altos ângulos de ataque, e controlabilidade da aeronave é mantida mesmo em caso de um fluxo de ar que separa a partir do restante da superfície das asas.

A desvantagem de um tal projeto da asa "forward" varrida é que ele induz geometricamente que a asa torça e se curve sob carga, resultando em maior pressão na asa do que para uma asa reta ou ré-varreu similar. Isto é feito através dos compósitos da asa. O avião foi inicialmente limitada a Mach 1.6.

Características gerais

Tripulação: 1
Comprimento: 22,6 m
Envergadura: 15,16 m para 16,7 m
Altura: 6,3 m 
Área de asa: 61,87 m²
Peso vazio: 16,375 kg 
Peso carregado: 25.000 kg
Max. peso de decolagem: 35.000 kg 
Motopropulsor: 2 × Aviadvigatel D-30F11 pós-combustão, a vetorização do Impulso (em modificação UFP) turbofans
Empuxo seco: 83,4 kN (18.700 lbf) cada
Empuxo com pós-combustor: 142,2 kN (32.000 lbf) cada
Empuxo vetorização: ± 20 ° a 30 ° atuação por segundo no arremesso e guinada.

Velocidade máxima: Mach 1,65 (Realizado em vôos de teste  (1,717 km/h)
Ao nível do mar: Mach 1.16 (1.400 km/h)
Alcance: 3,300 km 
Teto de serviço: 18.000 m 
Taxa de subida: 233 m / s (46.200 pés / min)
Carga da Asa: 360 kg / m² 
Empuxo / peso: 1,16 (carregado) / 1,77 (vazio)

 

Zvezda, O fabricante Russo de kits 

 

       

É consenso que não podemos falar de kits sem comentar as peculiaridades de cada equipamento e seu uso real, e na industria mundial de hoje, felizmente, existem varias opções de fabricantes de kits, que através de contratos e pesquisa, disponibilizam uma grande gama de opções de modelos estáticos de kits.

No inicio dos anos 90, na ainda fechada União Soviética (a queda da União Soviética ocorreu em dezembro de 1991), surgia uma pequena fabrica, que sem internet na época, começou a produzir e disponibilizar modelos de armas e equipamentos Russos.

A Zvezda, que significa "estrela" é um fabricante Russo de kits que ainda apavora muito modelista experiente, pois não é uma marca muito difundida no ocidente, quem diria no Brasil. Com poucos anos de trabalho, já busca ser comparada as gigantes da área, boa parte delas europeias. 

A empresa foi fundada em 1990 por Konstantin Krivenko, mas em seu inicio, os manuais e caixas eram escritos em idioma nacional Russo, e sem tradução para inglês. E quando vinham traduzidos, continham erros ortográficos.

Mas isto não afastou aqueles que buscavam Kits únicos, mesmo com plástico duro, pinos e marcas de linhas de junção em pontos ruins de serem removidos, instruções simples demais (que confundem tanto quanto instruções poluídas), moldes primitivos e o uso de cirílico por todos os lados.

É preciso lembrar que a Zvezda começou a tratar de assuntos muito raros numa época em que mal se tinha internet e o acesso às informações era bem mais restrito para piorar o quadro, assim ficávamos muitas vezes sem referências de como finalizar corretamente o kit.

 

Os Russos faziam de tudo um pouco, deste jogos de tabuleiro, econômicos, jogos educacionais e corpos humanos e suas partes internas. Neste inicio, a nova Zvezda acabaria usando as críticas de modelistas estrangeiros para melhorar seu produto. Lembro de ter contribuído montando um Kamov e enviando minhas opiniões, que certamente falaram da precariedade da injeção do plástico.

A produção da Zvezda cresceu e está em uma nova fabrica mais moderna, com equipamentos mais sofisticado que permite uma injeção mais leve e detalhada, usando matéria prima mais próxima a dos grandes fabricantes (muito similar a matéria usada pela Italeri e Dragon).

Outra mudança significativa está nas caixas e material impresso, onde já se percebe nitidamente mais esmero, com manuais em inglês, espanhol e alguns também em italiano, e é claro o Russo. Abaixo 1/48 Sukhoi Su-2 kit

 

A Zvezda não investiu em produzir os mesmos modelos das grandes companhias, os tem, como Shermans e Tiger, mas direcionou sua força de pesquisa e desenvolvimento de produtos para o mercado Russo e armamento bélico, produzindo kits únicos e sem precedentes no ocidente, estabelecendo contratos com todos os escritórios Russos de designer e projetos de equipamentos, podendo assim mostrar em primeira mão veículos e tecnologia Russa.

Mas este investimento todo não é a toa, é certo que o estado Russo ajudou nisto, pois este também é uma grande e eficaz maneira de divulgar e vender equipamentos. 

Recentemente a Zvezda consegui ter acesso a contratos com empresas ocidentais como Airbus e Boeing através  de acordos comerciais com a Italeri e a chinesa Dragon, elevando sua qualidade e diversificando sua linha de produção, como o lançamento do kit do Boeing 777-300ER e 747 em 1/144 e outros 

Destas parcerias também surgiram novas tecnologias, como a da embarcação “Pérola Negra”, e do simpático guincho “Mate” do filme Cars da Pixar, onde os kit são de encaixe, não sendo necessária colagem ou pintura.

 

Temas raros nos catálogos das grandes estão bem presentes na linha de kits da Zvezda, como Elefantes de batalha e castelos medievais, ou o caça Yak-3, La-7, os Kamovs e os gigantes na 1/72 Mil Mi-6, Mi-26 e Mi-28, helicópteros sem concorrentes e que não podem faltar em coleção que se preste (os meus ainda estão na caixa).

 

Aeronaves ainda mais novas, como Su-24M, Su-33 "Flanker", Su-34 e MiG-27, Protótipos do T-50, e MiG-1.44

 

Em terra na 1/72, o lançador de Mísseis Estratégicos Topol-M, recentemente retratado neste Tópico.

 

Na parte de figuras, há diversos itens da série Art of Tactic/Hot War na escala 1/100 e 1/144, que vêm com base, mas podem ser usados em dioramas com algumas preparações adequadas, alem de ser muito didático. No link http://art-of-tactic.com/ru/ podemos ter uma ideia melhor.

 

 

 

Indo para escalas maiores, a Zvezda apresenta Desde o T-90 moderno na 1/35 até mesmo o Mercedes-Benz L4500R Maultier, passando por diversas Tropas Soviéticas que podemos usar individualmente ou em dioramas, como o Obus 10.5cm leFH18/M.

 

Na série de figuras focadas para os War Games da Zvezda, mas com utilidade para os plastimodelistas, foi lançado um pack contendo 2 pares de soldados da infantaria russa usando suas Maxim PM M1910 e trajando pesados uniformes de inverno.

 

No “mar”, pode-se enumerar desde o HMS Dreadnought, do submarino K-19 E Boxart K-266 Oriol Nuclea  e o destróier alemão Diether von Röder; do destróier Sovremenniy até uma Galera Cartaginesa.

 

 

Na webkits, o Rubens fez um bom artigo sobre o Sturmgeschütz III 1:35, Zvezda 3549

 

Ao que me parece, a Zvezda atualmente deseja melhorar a qualidade de produção e vem lançado inúmeros kits ano a ano, como o Airbus A320 Aeroflot 1/144, o Tigre II 1/72, o ISU-152 1/72, BMP-T 1/35 e o Novo tanque Russo T-14 "Armada" . Infelizmente há pouca variedade de veículos na escala 1/72. 

 

Acho que pelo esforço, pesquisa e desenvolvimento que vem apresentando ao longo destes anos, a Zvezda hoje merece um lugar em nossas bancadas, principalmente pelo ineditismo de seus modelos e significativa mudança positiva na qualidade dos moldes.

Fonte http://www.zvezda.org.ru/ 

 

 

 

CONTINUA COM ICMAMODEL (UKRAINE).....

Excelente essa matéria sobre a Zvezda.

Fico pensando como seria se uma empresa nacional resolvesse fazer kits de veículos e armamentos nacionais, se as empresas (Avibrás, Embraer, Iveco, Imbel,  etc) iriam colaborar numa boa com o desenvolvimento do kit ou se iriam tratar tudo como segredo de Estado ou até mesmo proibir o uso da marca/nome da empresa. 

Scout Sniper posted:

Excelente essa matéria sobre a Zvezda.

Fico pensando como seria se uma empresa nacional resolvesse fazer kits de veículos e armamentos nacionais, se as empresas (Avibrás, Embraer, Iveco, Imbel,  etc) iriam colaborar numa boa com o desenvolvimento do kit ou se iriam tratar tudo como segredo de Estado ou até mesmo proibir o uso da marca/nome da empresa. 

Boa pergunta!!!

 

A venda de kits com certeza assegura boa publicidade para o fabricante militar, e até pode ajudar nas vendas do equipamento real.

Pode até ser que um bem detalhado kit revele segredos militares das estruturas e dimensões...mas dai a copiar e produzir o equipamento, acho difícil..

Scout Sniper posted:

Excelente essa matéria sobre a Zvezda.

Fico pensando como seria se uma empresa nacional resolvesse fazer kits de veículos e armamentos nacionais, se as empresas (Avibrás, Embraer, Iveco, Imbel,  etc) iriam colaborar numa boa com o desenvolvimento do kit ou se iriam tratar tudo como segredo de Estado ou até mesmo proibir o uso da marca/nome da empresa. 

Primeiro tem que saber se pode tirar foto dos painéis.
hehe

Prezado Marechal Castro,

Tenho acompanhado seus posts e gostaria de parabeniza-lo pelo excelente trabalho de pesquisa e divulgação dos temas pouco conhecidos deste lado da cortina de plástico. Com referencia à Zvezda, vale lembrar que o Me 109F 1/48 é considerado como o mais próximo do original nesta escala, ao lado dos Me da ICM e AModel. É sempre um prazer ter este tipo de informação, novamente parabéns!

João 

João Henrique posted:

Prezado Marechal Castro,

Tenho acompanhado seus posts e gostaria de parabeniza-lo pelo excelente trabalho de pesquisa e divulgação dos temas pouco conhecidos deste lado da cortina de plástico. Com referencia à Zvezda, vale lembrar que o Me 109F 1/48 é considerado como o mais próximo do original nesta escala, ao lado dos Me da ICM e AModel. É sempre um prazer ter este tipo de informação, novamente parabéns!

João 

Valeu João por acompanhar. Fique a vontade para participar com material do Me 109 que você comentou, sempre achei um ótimo modelo.

Abs

Castro

T-14 "Armada" - Novo tanque Russo sem análogos no mundo, implementado soluções de design sem precedentes.

 

O novo tanque Russo, o T-14 “Armata” desenvolvido e produzido pela Uralvagonzavod, principal produtora de veículos blindados Russos, é esperado para ser a espinha dorsal das Forças Armadas Russas nos próximos nos. Seus projetistas dizem que nova máquina pode evoluir para um veículo totalmente robotizado e se tornar parte de uma plataforma autônoma no campo de batalha. Segue uma das principais características do T-14 “Armata” relatadas pela agência de notícias AP. Abaixo modelo 3D em estudo do T-14 , repare que a torreta é bem mais baixa.

Torreta controlada remotamente
O T-14 "Armata" é inovador em ter uma torreta remotamente controlada e uma cápsula interna para tripulação, a qual permite a mesma ficar isolada do compartimento das munições e do combustível. Esse layout aumenta as chances de sobrevivência se o tanque for atingido. Abaixo T-14 "pré-produção", apresentado no grande desfile em Moscou 2015, repare na altura da torreta (um modelo do T-14 teve pane na caixa de transmissão durante o desfile do dia da Vitoria em Moscou).

Compare a torreta do T-14 acima com o T-90 abaixo

Abaixo, o modelo como deve ser entregue.


Enquanto os tanques russos que antecederam o T-14 "Armata"  tinham silhueta baixa, tamanho compacto e não davam nenhum conforto à tripulação, o novo tanque Russo é significativamente maior e mais pesado. Os projetistas do T-14 "Armata"  dizem que deram maior atenção à ergonomia, de forma que até pessoas altas se sintam confortáveis no tanque. Um projetista revelou que o novo tanque é tão agradável de conduzir que se parece com um SVU (utilitário esportivo) moderno.

O "Armata" possui um sistema de radar único que pode rastrear, simultaneamente, até 40 alvos no solo e 25 no ar em um raio de 98 quilômetros.



Controles computadorizados
O T-14 "Armata" possui um sistemas de controle digital que controla o seu deslocamento, rastreia alvos e ativa os sistemas de defesa do tanque. Tal sistema libera a tripulação de tarefas de rotina e permite a tripulação se concentrar apenas em funções-chave de combate. “Para a tripulação, é como um jogo de vídeo-game”, conta Ilya Demchenko, um dos projetistas do T-14 "Armata" .



O projetista-chefe do “Projeto Armata”, Andrei Terlikov, disse que as novas tecnologias incorporadas ao "Armata" poderiam torna-lo, no futuro, em um veículo totalmente robótico que iria operar de forma autônoma no campo de batalha.

O tanque é equipado com ar condicionado, sistema de extinção de incêndio e sistema de ventilação de ar com proteção contra as armas Biológicas e Radioativas. A equipe pode executar todas as funções de combate sem sair da cápsula por um longo tempo. Abaixo T-14 “Armata” Expectativa vs realidade

 



Desenho modular
Como todos sabem, o novo tanque russo faz parte de uma plataforma universal unificada, que tem uma estrutura baseada em módulos substituíveis. Isso ajuda reduzir os custos de produção e deixa margem para desenvolvimentos adicionais.


A família "Armata" incluí um veículo pesado de combate de infantaria (IFV, por sua sigla em inglês), o qual tem níveis de proteção do T-14 "Armata" .

Proteção superior
O T-14 "Armata" tem um novo tipo de blindagem, que os projetistas dizem que é significativamente mais resistente ao fogo inimigo. Ademais, os Russos não quiseram falar mais sobre a blindagem do tanque. O "Armata" tem um novo tipo de proteção reativa. Esse tipo de blindagem auto explode-se com o impacto do projétil inimigo, isso impede a ogiva inimiga atingir a camada principal de blindagem.



O novo tanque é dotado de um sistema de proteção ativa de nova geração. Esse sistema detecta a aproximação de foguetes e granadas auto-propelidas inimigas e antes que eles atinjam o tanque, o sistema automatizada dispara um projétil que vai de encontro com o projétil inimigo e o explode. Abaixo, O sistema é uma proteção ativa com EFP - KAZ "Afghani"



Super canhão
A versão atual do T-14 é dotada de um canhão de 125 mm. Os projetistas dizem que no futuro um canhão de 152 mm pode ser facilmente instalado no tanque.

Além disso, o T-14 é armado com mísseis anti-tanque guiados com alcance superior a 10 km. Metralhadoras de 12.7 e 7.62mm completam o arsenal do tanque.

Super motor
Seu motor a diesel é um ChTZ 12Н360 (A-85-3A) com potência de 1.500 cavalos que faz com que ele chegue a alcançar mais de 90 km/h

A produção em série dos novos tanques russos T-14 "Armata" ou Т-99 "Приоритет" ("prioridade" em livre tradução do Russo) serão desenvolvidos entre 2015 e até 2020.  Forças Armadas Russas vão receber 2,3 mil desses veículos.

A opinião dos oficiais de Estado-Maior General da Grã-Bretanha, o principal tanque de batalha Challenger 2 não pode romper a proteção do T-14 "Armata" e precisam ser substituídos. No entanto, especialistas acreditam que, após atualizações previsas, o Abrams vai bater o T-14.

O produtor disse que o custo do T-14 será de 250 milhões de rublos, sendo o Abrams 40% mais barato.

"Zvezda" em parceria com "Uralvagonzavod" vai lançar 10 mil kits do tanques T-14 "Armata"

 

A "Zvezda model" anunciou em 16 de dezembro ultimo, que deve lançar em 2016 10 mil unidades do T-14 "Armata", o vice-diretor da "Zvezda" Artem Radin disse que o projeto levou nove meses. Na primeira fase, ele disse, planeja vender os 10 mil kits em seis meses, mas por sua vez tem outros modelos, tais como o Tanque de combate e apoio (BMPT) "Terminator", 152 milímetros obus "MSTA-S", BMPT-72 "Terminator 2" e T-14 "Armata".

A TAKON de Hongkong (iniciou atividades em 2013), lançou o kit do T-14 "Armata"

 

Tem também o T-14 "Armata"  1:72 Modelcollect,

 

Em resina o kit do T-14 da Cromwell Models

Eu só vou acreditar que este novo layout é realmente eficiente quando puder ver o arranjo de telas de visão que dispõem o comandante.

Eu fiquei meio decepcionado com a  quantidade de telas disponíveis no BMP-3 com torreta sem tripulantes.

Um carro destes não pode prescindir de possuir uma boa visibilidade de TODA área de combate para sua tripulação.

[]s

JEP

Uma equipe de engenheiros da Rússia realizou a façanha de criar uma réplica funcional de um dos mais bizarros tanques da época da União Soviética – o T-35.

Uma equipe de engenheiros da coleção do museu de equipamento militar em Verkhnyaya Pyshma na Rússia, realizaram a façanha de criar uma réplica funcional de um dos mais bizarros tanques da época da União Soviética – o T-35 soviético - único tanque de cinco torres produzidos em série do mundo.

Desenvolvido no começo da década de 1930, o T-35 foi o primeiro verdadeiro tanque pesado a ser desenvolvido no mundo. Os trabalhos sobre o T-35 levaram cerca de seis meses. Restauradores produziram novamente mais de 1.000 peças.

Com um tamanho descomunal para a época, o tanque possuía 5 canhões e 2 metralhadoras, mas era fraco em termos de blindagem (1,2 polegadas) e muito propício a problemas mecânicos.

 

Resultado da aquisição através de espionagem de um conceito de carro de combate desenvolvido na Grã Bretanha no início dos anos 30, o veículo mostrou também o anacronismo e a inviabilidade do conceito do tanque com várias torres. O carro de combate com múltiplas armas foi visto como perfeitamente viável e lógico no final dos anos 20 e no início dos anos 30. Abaixo,  T-35 exposto no Museu de veículos blindados em Kubinka - Rússia.

A ideia básica era a de ter num só veículo uma peça de artilharia de maior calibre mas menor velocidade de disparo, que pudesse ser utilizada para apoio da infantaria. Resultado da aquisição através de espionagem de um conceito de carro de combate desenvolvido na Grã Bretanha  no início dos anos 30, o veículo mostrou também o anacronismo e a inviabilidade do conceito do tanque com várias torres. O carro de combate com múltiplas armas foi visto como perfeitamente viável e lógico no final dos anos 20 e no início dos anos 30.

Além dessa, haveria uma outra arma de menor calibre mas com uma alta velocidade que permitiria perfurar a blindagem dos carros de combate inimigos. Este conceito foi aplicado ao longo dos anos 30 em veículos que resultaram no Char B1 francês ou no M3 Lee norte-americano.

O tanque, com 61 unidades produzidas em 1935, estava em serviço ainda na época da Operação Barbarossa, onde ainda 58 tanques estavam operacionais, sendo que foram quase todos perdidos, a maioria foram abandonadas por falhas mecânicas.

Já havia tanques mais modernos como o tanque médio T-35 e o mais pesado KV 1 em serviço na URSS na época, apesar desses serem uma pequena fatia da enorme força blindada soviética em 1939 era a maior da Europa e do mundo (20 mil tanques), sendo que as que se seguia era a francesa (3000 tanques) e a alemã (2500 tanques), mas era composta em sua maioria por tanques leves T-26 e BT-7 e o médio T-28, esses tanques leves estavam ultrapassados frente aos Panzer III e Panzer IV alemão.

João Gilberto (webktis) tem uma artigo bem legal sobre o Kit do T-35 1:35 ICM

 

20150616031725757201506160317259312015061603172595220150616031725672201506160317256472015061603172520320150616031725377

A aviação norte-americana decidiu rever os planos de aposentar os já ultrapassados caças de ataque A-10 Thunderbolt II.

 

A revisão se deve por conta da influência da Rússia e das atividades do grupo terrorista Daesh, revelou o primeiro vice-chefe do Estado Maior da Força Aérea dos EUA David Goldfein, em entrevista para a revista Defense News.

Nas palavras do general, os planos para a imediata aposentadoria dos caças A-10 foi apresentada no projeto de orçamento para o ano financeiro de 2015. A decisão, no entanto, havia sido tomada antes da expansão do Daesh e das "ativas ações da Rússia".

"Aquilo o que acontece atualmente está no caminho de um plano perfeito. Tomamos a decisão sobre a aposentadoria do A-10 antes do Daesh, antes da nossa operação no Iraque, estávamos praticamente saindo do Afeganistão e não tínhamos uma Rússia ressurgente" – explicou Goldfein.



O artigo da Defense New informou que a proposta de postergar a aposentadoria do A-10 será apresentada no projeto de orçamento para o ano financeiro de 2017. Em particular, o alto escalão da Força Aérea dos EUA deu a entender que a exploração desses caças poderá ser prorrogada em alguns anos, já que a aeronave ainda consegue responder a modernas exigências em ambiente de combate.

Em particular, o A-10 poderá ser usada no apoio de tropas no Iraque, Afeganistão e Síria, bem como para missões potenciais em pontos quentes como Líbia, destaca a publicação.

Produzido entre 1972 e 1984, o caça A-10 Thunderbolt foi o primeiro avião norte-americano de combate criado especialmente para suporte aéreo próximo de forças terrestres. Trata-se de um caça com uma excelente maneabilidade a baixas altitudes e velocidades.

A-10, o "Tanque voador", pode ser considerado ultrapassados por muitos, mas ainda é um excepcional caça em sua função de ataque ao solo. 

 

Bombardeiros de longo alcance Tu-22M3 atacaram militantes do grupo terrorista Daesh, na província de Deir ez-Zor


Ministério da Defesa russo publicou um novo relatório sobre as ações dos aviões do russo na Síria. O relatório diz que, durante três dias os aviões russos realizaram 169 missões, infligindo golpes nos 484 alvos terroristas.
 
 
É relatado que, a fim de aniquilar, equipamentos militares e militantes do Daesch na província de Deir ez-Zor, foram usadas bombardeiros de longo alcance Tu-22M3. Essas aeronaves realizaram 18 missões no período de 22 a 24 de janeiro.
 

Base aérea de "Primorye" recebeu o primeiro lote do atualizado MiG-31BM

     

O MiG-31BM é projetado para interceptar e destruir alvos aéreos a baixas e altas altitudes nos hemisférios dianteiro e traseiro em espaço livre e no fundo da terra em condições meteorológicas simples e adversas, dia e noite usando um adversário meios de resistência ativa e passiva. 

A Base aérea de "Primorye" fica na cidade de Chernigovka provincia de Krai (mar do japão), próximo a fronteira com Coreia do Norte. 

MiG-31BM é uma atualização do MiG-31 para a Força Aérea Russa. A versão básica do caça-interceptor MiG-31BM primeiro caça de série do mundo equipado com radar a bordo com uma matriz de antena faseada (PAR). 

Radar RP-31E com elementos em fase tem uma grande gama de detecção e rastreamento simultâneo de 10 alvos aéreos. Os aviônicos e armamentos permite MiG-31BM interceptar alvos aéreos de todos os tipos de alcance e da gama de aeronaves, de altitudes e velocidades de voo (incluindo mísseis de cruzeiro com voo de baixa altitude em um modo de arredondamento terreno), com a possibilidade de ataque simultâneo de quatro mísseis de longo alcance.

O armamento do MiG-31BM inclui o míssil R-33E de longo alcance, bem como de outras armas de classe "ar-ar". A Interceptação de alvos aéreos é possível graças à informação obtida a partir do sistema de controle automatizado de terra de um único suporte de coordenadas para este sistema, bem como a gestão das operações no campo do radar semi-descontínuo e operações totalmente independentes no grupo. 

Disponível a bordo da aeronave, o DCE fornece uma troca mútua de informações táticas automaticamente dentro do grupo de quatro aeronaves, um dos quais levam, com um grupo de quatro MiG-31BM é capaz de controlar o espaço aéreo em uma faixa de até 800 km na parte da frente.    

Além disso, o equipamento de bordo é capaz de fornecer o direcionamento das aeronaves interagindo nas ações do MiG-31BM como parte de um grupo misto. A versão básica da aeronave está em serviço na Rússia e o Cazaquistão. A RAC "MiG" recolhe e resume a experiência única do MiG-31, que são a principal defesa com aviões de caça da Força Aérea da Rússia

 

A-10 na USAF pelo menos até 2035 *

 

A Força Aérea dos EUA (USAF – United States Air Force) espera contar com a sua aeronave de ataque A-10 Thunderbolt II até 2035. Pelo menos estes são os esforços da própria USAF e da Boeing, que recentemente foi contratada para produzir mais 56 pares de asas.

*O artigo completo foi creditado a Boeing em set 2013, comentando o contrato para produzir as asas citadas no artigo.

Mas acima de qualquer coisa é um belo modelo

O Sukhoi Su-25 "Grach"

 

O Sukhoi Su-25 "Grach"  que em Rússo significa "Gralha" (Cy-25 ) (código OTAN: "Frogfoot"), que tem como equivalente no ocidente o caça A-10 Thunderbolt II.

É uma aeronave de ataque subsônico blindada que continua a ser a principal aeronave de ataque da Força Aérea Russa. O protótipo "T-8" voou pela primeira vez em 22 de fevereiro de 1975, mas antes de entrar em produção, passou por grandes mudanças no projeto. Durante a guerra no Afeganistão, a aeronave voou cerca de 60.000 horas, e essa experiência melhorou ainda mais a performance e equipamentos do caça. A foto acima é uma possível montagem.

Entre os anos de 1971 e 1972, a Sukhoi entra na disputa com a Yakovlev, Ilyushin e Mikoyan para uma aeronave de ataque, vencendo a disputa com o Su-25 como design mais avançado.

Os trabalhos sobre o Sukhoi Su-25 começou no Sukhoi Design Bureau, em meados dos anos 70 por sua própria iniciativa, quando ficou claro que a decisão tomada em 1956 de abolir aviões de ataque e a transferência das suas funções de caça-bombardeiro era errada. Designer-chefe dos fundadores do grupo de Su-25 é um ex-comandante de um tanque T-34.

No desenvolvimento do caça foram realizados trabalhos de pesquisa e desenvolvimento em 40 tópicos, feitas e testadas 600 amostras e layouts. Em fevereiro de 1975, uma aeronave de ataque protótipo, que tinha a designação de trabalho T-8 foi lançado como caça protótipo de ataque aéreo e terrestre.

Os objetivos eram conseguir um avião subsônico de extrema facilidade de uso, manutenção, altíssima manobrabilidade e resistência a danos, pontos que não eram acatados pelos aviões de ataque tático existentes na URSS no momento. 

Em 1980 foi adotada pela Força Aérea Soviética sob a designação Su-25.  Já em 1981, um esquadrão composto de 12 caças Su-25 foram envolvidos em operações no Afeganistão.

Em 1980, no aeroporto de Shindand no Afeganistão, foram feitos 100 testes, sendo 44 missões táticas, demonstrando superioridade de combate notória sobre o Ilyushin Il-102, concluindo o batismo de fogo do Su-25.

O Su-25. é uma avião que possui alta gama de armamentos e possibilidades de uso. Contém aerodinâmica convencional, com asas em formato trapezoidal sobre as entradas de ar, com calda e leme tradicional. Vários tipos de metal estão presentes na construção, 60% alumínio, 19% de aço, 13.5% titânio, 2% liga de magnésio e  5.5% de outros materiais.

No design, possui alongamento de asa alto, ângulo moderado e cantilever de metal. Cada asa possui cinco pilones aeronáuticos para carregar armamentos ou tanques adicionais, além de cinco sessões de Slats, dois Flaps e um Aileron.
 

A blindagem é reforçada para ataques próximos ao solo, sendo a versão SM:

  • com vidros a prova da munição, demonstrando ser altamente resistente a fogo antiaéreo.
  • Os tanques de combustível são reforçados para serem a prova de explosão. 
  • Possui uma metralhadora 30mm com 250 disparos ; capacidade de lançar mísseis ar-terraguiados Kh-29L, Kh-25LD; ar-ar R-73E; bombas incendiárias ZB-500; bombas não guiadas S-8, S-13, S-24, S-25;
  • Além de possibilidade de colocar células de combustível adicionais.

 

Como características de combate, o Su-25.foi projetado para ser usado em qualquer ambiente, independente de operacional diurno ou noturno e condições climáticas. Como referencial de apoio aéreo tático aproximado, seu uso foi múltiplo para ataques ao solo, de alvos blindados, tanques, pontes, posições de fogo, comboios, entre outros, passando de ambientes montanhosos até urbanos. 

Possui uma amplitude de componentes. Utiliza-se de um sistema de Radar Doppler DISS-7 para navegação, podendo ser usado a noite tanto pelo visual quanto pelos instrumentos. Não tem sistema de TV para guiar ataques aéreos, utiliza-se de um sistema de alvo a laser.

Apresenta fácil manobrabilidade e uso, o que aumenta a utilização e eficiência para o qual foi projetado. Os motores de Su-25 estão localizadas em ambos os lados da fuselagem em acentos especiais na junção da asa com a fuselagem. Os motores tem um bocal de entrada de ar e não ajustável. 

Su-25SM da Força Aérea Russa

 

A versão Sukhoi Su-25SM (Stroyevoy Modernizirovannyi) é a versão mais moderna e atualmente difundida do Su-25 na Força Aérea Russa. Devido ao elevado preço das atualizações dos modelos Su-25T e Su-25TM, essa variante buscou melhorias notórias no avião sem causarem aumento excessivo de valores, otimizando muito as horas voo a vida útil do avião.

No que tange a aviônica, o Su-25SM possui o sistema de navegação e ataque PRnK-25SM, além do computador digital BTsVM-90, originalmente planejado para o SU-25TM. A precisão de ataque e navegação é em torno três vezes superior que o antigo sistema do SU-25 dos anos 1980.

O HUD Sisplay Ka1-1-01 (projeta informações em uma tela transparante no cockpit) foi adicionado, aumentando em dobro a visão adicionado do campo de batalha comparado ao antigo ASP-17BTs-8 de mira óptica original. Ocorreu a incorporação de novos componentes, como o Painel de Multifunção (MFD) RSBN-85 de curto alcance, auxiliar de navegação SHORAN, ARK-35-1 com ADF entre outros.

Os motores R-95Sh foram reformulados e modificados com um sistema anti-surge. Tal mudança ocorreu para melhorar a resistência do motor após entrada de gás resultantes de disparos de mísseis, evitando que os gases dos mísseis não perturbem o motor do caça.

Com a nova combinação de equipamentos e sistemas, foram aumentadas a capacidade de uso e redução de manutenção pré e pós voo em torno de 25 a 30%, além de redução de peso em torno de 300kg. 

A capacidade de uso de armamentos foi ampliada, possibilitando uso de Vympel R-73, porém utilizando apenas do modo longitudinal de busca de alvo, além de canhões S-13T de 130 mm, com munição de fragmentação e perfurante contra blindagem. Os sistemas Kh-25ML e Kh-29L foram aperfeiçoados, permitindo complexa operação de lançamento de mísseis em variados cenários, por exemplo uso de dois mísseis consecutivos em dois alvos no mesmo ataque. O canhão GSh-30-2 foi otimizado para três novas cadências de disparo: 750, 375 e 188 tiros por minuto.

A atualização da frota de Su-25 da Força Aérea Russa ocorreu com a implementação entre 100 e 130 kits, abrangendo em torno de 60% a 70% do ativo operacional no início dos anos 2000. O porta-voz Col. Vladimir Drik disse que a Rússia continuará a atualizar seus Su-25 para Su-25SM devido a melhor eficiência de combate e resistência. Abaixo o Su-25SM modernizado.

Atualmente há cerca de 30 Su-25SM em serviço, com planos de modernização de toda frota até 2020

Velocidade máxima: 950 km/h
Autonomia de voo: 750 km
Comprimento: 16 m
Projetista: Pavel Sukhoi
Custo unitário: USD 11.000.000–11.000.000
Voo inaugural: 22 de fevereiro de 1975
Fabricantes: Sukhoi, Tbilisi Aircraft Manufacturing
Armamento: 1x canhao de 30mm e 4000 kg de armas
 

 

O Su-25SM está ativo na Guerra Civil Síria como parte da intervenção Russa no conflito.

 

 

 

CASTR0 posted:

 

[ . . .]

Entre os anos de 1971 e 1972, a Sukhoi entra na disputa com a Yakovlev, Ilyushin e Mikoyan para uma aeronave de ataque, vencendo a disputa com o Su-25 como design mais avançado.

[ . . . ]

Pode até ser uma ótima aeronave... mas esse tal design é feio até umas horas 

Curtidas (7)
Luis PachecoMÁRCIO PINHOScout SniperCarnavalliFaiscaLelloCoração De Leão
×
×
×
×